Opinião

Opinião: Será que o mundo acaba mesmo?

diario da manha

Apro­xi­man­do-se o ano 2000, os su­per­sti­ci­o­sos co­me­ça­ram a agi­tar-se in­qui­e­tos, com a his­tó­ria de que “o ano 2000 não che­ga­rá”, le­van­do 1999 co­mo pre­su­mí­vel li­mi­te da exis­tên­cia do mun­do.

A Bí­blia nar­ra a his­tó­ria de Noé, que to­dos co­nhe­cem co­mo o fim do mun­do, is­to é, o pri­mei­ro fim do mun­do, lá pe­lo quar­to mi­lê­nio an­tes de Cris­to. Se­gun­do o li­vro da Gê­ne­se, após ter si­do Noé es­co­lhi­do co­mo o úni­co jus­to a me­re­cer a so­bre­vi­vên­cia, es­te en­trou na gi­gan­tes­ca ar­ca com to­da sua fa­mí­lia, sal­van­do-se da ca­tas­tró­fi­ca inun­da­ção que var­reu da fa­ce da Ter­ra ho­mens e ani­mais.

Foi-nos en­si­na­do, nas au­las de His­tó­ria Sa­gra­da, que aqui­lo foi o “fim do mun­do”, coi­sa que já se cris­ta­li­zou co­mo dog­ma. Ao tex­to bí­bli­co alguns “en­ten­di­dos” acres­cen­ta­ram, por con­ta pró­pria, que, di­an­te do pac­to ce­le­bra­do, en­tre Deus e Noé de que o mun­do ja­mais vol­ta­ria a ser des­truído pe­la água, o pró­xi­mo fim do mun­do se­ria pe­lo fo­go. Pa­ra assom­brar ain­da mais o ho­mem, o Apo­ca­lip­se traz aque­las pa­vo­ro­sas pre­visões.

Não há dú­vi­da de que a Bí­blia es­tá cheia de ver­da­des e de be­lís­simas pas­sa­gens de pro­fun­da sa­be­do­ria, co­mo os Pro­vér­bi­os de Sa­lo­mão, os Sal­mos de Da­vi e o Ser­mão da Mon­ta­nha, mas tam­bém não se po­de ne­gar que há mais sim­bo­lis­mo do que re­ve­la­ções ex­plí­ci­tas. A pro­va dis­so es­tá nas pa­rá­bo­las.

As­sim, é fá­cil de­du­zir que o Li­vro dos Li­vros é pas­sí­vel de in­ter­pre­tações, co­mo ve­mos nas pa­rá­bo­las do se­me­a­dor, do fi­lho pró­di­go, do joio e do tri­go, do grão de mos­tar­da, da ove­lha des­gar­ra­da e mui­tas ou­tras.

Vol­te­mos ao fim do mun­do, que se­ria no fi­nal de 2000. Na­da há que jus­ti­fi­que que o mun­do fi­zes­se “puf!” e se aca­bas­se. O que po­de aca­bar é o ho­mem, e vol­te­mos à Bí­blia com a his­tó­ria do di­lú­vio pa­ra demons­trar is­to.

Exis­te um li­vro mui­to in­te­res­san­te, es­cri­to com ba­se em pes­qui­sas cien­tí­fi­cas, que es­tou sem­pre fo­lhe­an­do, de­vi­do a su­as ex­pli­ca­ções ló­gi­cas pa­ra os fa­tos mais con­tro­ver­ti­dos. Tra­ta-se da obra “E a Bí­blia Ti­nha Razão”, de Wer­ner Kel­ler. A edi­ção que te­nho é de 1964, da Me­lho­ra­men­tos, e creio que não ha­ja so­fri­do al­te­ra­ções. Nas su­as 383 pá­gi­nas há ex­pli­cações ci­en­tí­fi­cas pa­ra os pon­tos mais mis­te­ri­o­sos, co­mo di­lú­vio, So­do­ma e Go­mor­ra, a vi­a­gem à Ter­ra Pro­me­ti­da, vá­rios mi­la­gres e mui­tos ou­tros assun­tos do An­ti­go e No­vo Tes­ta­men­tos.

O li­vro dá a ex­pli­ca­ção pa­ra o pri­mei­ro “fim do mun­do”, o di­lú­vio. Sa­be-se que no ano 4000 a.C., a po­pu­la­ção do mun­do co­nhe­ci­do concentra­va-se na Me­so­po­tâ­mia (o lra­que de ho­je), nos va­les dos rios Ti­gre e Eu­fra­tes, que de­sem­bo­cam no Gol­fo Pér­si­co. Ali­ás, aque­le lu­gar tem si­do con­si­de­ra­do co­mo o ber­ço da hu­ma­ni­da­de, que co­me­çou com os su­mé­rios e acá­di­os, vin­do de­pois os as­sí­rios e cal­deus, mui­to an­tes de Abra­ão e Noé.

Uma ex­pe­di­ção co­man­da­da pe­lo ex­plo­ra­dor in­glês “Sir” Cha­ri­es Leonard Wo­o­ley, após exaus­ti­vas bus­cas, con­se­guiu re­u­nir in­for­ma­ções cientí­fi­cas se­gu­ras de que ocor­re­ra ali, por vol­ta do ano 4000 a.C., uma gigan­tes­ca inun­da­ção que es­ten­de­ra por 630 km de com­pri­men­to e por 160 km de lar­gu­ra, co­brin­do to­do o nor­des­te do Gol­fo Pér­si­co. Es­ca­va­ções pos­te­rio­res mos­tra­ram ca­ma­das de li­mo e ca­cos de ce­râ­mi­ca que pro­vam a exis­tên­cia da ca­tas­tró­fi­ca inun­da­ção. Co­mo ali se con­cen­tra­va to­da a po­pu­la­ção do mun­do, es­te aca­bou mes­mo, em­bo­ra te­nha si­do um acon­teci­men­to lo­cal. So­bre a ar­ca de Noé, que ga­ran­tiu a so­bre­vi­vên­cia da es­pé-cie hu­ma­na, os ha­bi­tan­tes da al­deia de Bayzit, no so­pé do Mon­te Ara­rat, na Ar­mê­nia, con­tam a his­tó­ria de um gran­de na­vio de ma­dei­ra en­ca­lha­do no ci­mo da­que­le mon­te, o que con­fe­re com a Bí­blia (Gê­ne­se, 8:4).

Não é de es­tra­nhar que co­me­ças­sem a cri­ar um cli­ma apo­ca­líp­ti­co pa­ra es­te fim de mi­lê­nio. Nos­tra­da­mus, o mais cé­le­bre dos fu­tu­ró­lo­gos, an­da as­som­bran­do meio mun­do com du­as fu­nes­tas pre­vi­sões, dei­xan­do nós, bra­si­lei­ros, ali­vi­a­dos, ao di­zer, em ou­tras pa­la­vras, que o Bra­sil se­rá o ce­lei­ro do mun­do, quan­do es­te se aca­bar. Pe­lo me­nos não aca­ba­rá pra nós.

A pas­sa­gem do ano 999 pa­ra o ano 1000 foi um pe­sa­de­lo pa­ra a huma­ni­da­de, pois di­zi­am que o mun­do não iria “em­pla­car” o ano 1000. Hou­ve cor­re-cor­re, con­fu­são e mor­te, mas o dia se­guin­te ama­nhe­ceu enso­la­ra­do, igual aos ou­tros.

En­quan­to al­guns per­dem o so­no com es­tas his­tó­ri­as de fim do mun­do, pre­fi­ro per­der o meu pre­o­cu­pan­do-me com ou­tras coi­sas, pois, pa­ra mim, o que es­tá vi­ran­do “o fim do mun­do” é es­te go­ver­no de­sa­cre­di­ta­do es­se cus­to de vi­da lá nas al­tu­ras, que não há quem dê jei­to.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais