Opinião

Síndrome de Burnout: do entusiasmo ao esgotamento profissional

diario da manha

Na dé­ca­da de 70, o psi­có­lo­go Her­bert J. Freu­den­ber­ger foi um dos pri­mei­ros a ob­ser­var al­te­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas de hu­mor, ati­tu­de, mo­ti­va­ção e per­so­na­li­da­de as­so­cia­das à exaus­tão pro­fis­si­o­nal, cul­mi­nan­do na for­mu­la­ção do con­cei­to clí­ni­co pa­ra o bur­nout (ou es­go­ta­men­to), des­cri­to co­mo um “es­ta­do de exaus­tão fí­si­ca e men­tal cau­sa­do pe­la vi­da pro­fis­si­o­nal”.

A sín­dro­me de bur­nout, ou sín­dro­me do es­go­ta­men­to pro­fis­si­o­nal, cons­ti­tui uma sín­dro­me psi­co­ló­gi­ca de­cor­ren­te da ten­são emo­cio­nal crô­ni­ca, vi­vi­da pe­los pro­fis­si­o­nais, so­bre­tu­do, cu­jo tra­ba­lho en­vol­ve o re­la­ci­o­na­men­to in­ten­so e fre­quen­te com pes­so­as que ne­ces­si­tam de cui­da­do e/ou as­sis­tên­cia. Sen­do um tran­stor­no de al­ta pre­va­lên­cia en­tre pro­fis­si­o­nais da área de sa­ú­de. Atu­al­men­te, a sín­dro­me es­tá re­gis­tra­da no Gru­po V da CID-10 (Clas­si­fi­ca­ção Es­ta­tís­ti­ca In­ter­na­ci­o­nal de Do­en­ças e Pro­ble­mas Re­la­ci­o­na­dos à Sa­ú­de).

O ter­mo “es­go­ta­men­to” é for­ma­do pe­la ra­iz ori­gi­ná­ria do la­tim “go­ta” (gut­ta), que sig­ni­fi­ca lí­qui­do a es­cor­rer, acres­ci­da do su­fi­xo da mes­ma ori­gem “men­to” (men­tus), que con­fe­re um sen­ti­do de uma ação so­fri­da no pas­sa­do acom­pa­nha­da de uma mu­dan­ça de es­ta­do. A pa­la­vra es­go­ta­men­to pa­re­ce nos re­me­ter ao clás­si­co pro­vér­bio por­tu­guês: “A úl­ti­ma go­ta d’água faz trans­bor­dar o co­po”.

Si­tu­a­ções no­vas, de­sa­fi­a­do­ras ou ame­a­ça­do­ras pro­vo­cam uma res­pos­ta adap­ta­ti­va de nos­so or­ga­nis­mo, a qual cha­ma­mos de es­tres­se. Em­bo­ra o es­tres­se se con­fi­gu­re co­mo um me­ca­nis­mo nor­mal im­pres­cin­dí­vel pa­ra a ma­nu­ten­ção da vi­da, ele po­de se tor­nar pa­to­ló­gi­co quan­do atin­ge o ní­vel de exaus­tão, com­pro­me­ten­do sub­stan­ci­al­men­te a sa­ú­de glo­bal.

Am­bi­en­tes de tra­ba­lho tó­xi­cos, ca­rac­te­ri­za­dos por car­ga ex­ces­si­va de tra­ba­lho, re­mu­ne­ra­ção ina­de­qua­da, al­ta com­ple­xi­da­de e hos­ti­li­da­de in­ter­pes­so­al, po­dem re­sul­tar em fa­lên­cia adap­ta­ti­va e pro­vo­car o es­go­ta­men­to. Apren­der so­bre o des­gas­te pro­fis­si­o­nal e su­as con­se­quên­cias po­ten­ci­al­men­te gra­ves, bem co­mo au­men­tar o co­nhe­ci­men­to so­bre co­mo pre­ve­ni-lo e tra­tá-lo são cru­ci­ais.

A sín­dro­me de bur­nout é mul­ti­di­men­si­o­nal e abran­ge três di­men­sões es­sen­ci­ais: exaus­tão emo­cio­nal que se ca­rac­te­ri­za pe­la sen­sa­ção de es­tar no li­mi­te, fal­ta de ener­gia, fa­di­ga e in­ca­pa­ci­da­de de se re­cu­pe­rar de um dia pa­ra o ou­tro; des­per­so­na­li­za­ção que abran­ge ati­tu­des de des­cren­ça, dis­tân­cia, fri­e­za e in­di­fe­ren­ça em re­la­ção ao tra­ba­lho e aos co­le­gas de tra­ba­lho; di­mi­nu­i­ção da re­a­li­za­ção pes­so­al, que im­pli­ca em uma per­da de sen­ti­do e en­tu­si­as­mo pe­la ati­vi­da­de la­bo­ral.

É in­te­res­san­te ob­ser­var que os pro­fis­si­o­nais que de­sen­vol­vem a sín­dro­me de bur­nout são jus­ta­men­te aque­les que mais se de­di­cam e mais se iden­ti­fi­cam com os ide­ais e da pro­fis­são que exer­cem. Po­rém, tor­nam-se, ao lon­go do tem­po, frus­tra­dos, des­mo­ti­va­dos, des­com­pro­me­ti­dos e exau­ri­dos emo­cio­nal­men­te.

A hu­ma­ni­za­ção dos am­bi­en­tes de tra­ba­lho, o res­ga­te do sen­ti­do atre­la­do ao exer­cí­cio da pro­fis­são e a mo­de­ra­ção das ex­pec­ta­ti­vas são fa­to­res que pre­ci­sam ser re­con­si­de­ra­dos em ca­sos de es­go­ta­men­to pro­fis­si­o­nal.

Ca­so apre­sen­te ou ob­ser­ve em al­gum co­le­ga sin­to­mas co­mo di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, can­sa­ço ex­ces­si­vo, fal­ta de ener­gia, de­sâ­ni­mo, al­te­ra­ções de so­no e/ou ape­ti­te, apa­tia, iso­la­men­to, ir­ri­ta­bi­li­da­de, do­res de ca­be­ça e ado­e­ci­men­to fre­quen­te, pro­cu­re ou ori­en­te a pro­cu­ra de um mé­di­co psi­qui­a­tra e um psi­có­lo­go.

 

(Thais Ra­ba­nea, mes­tre em Psi­co­lo­gia Mé­di­ca e dou­to­ran­da em ci­ên­cias pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Pau­lo – Uni­fesp. Pos­sui for­ma­ção em psi­co­lo­gia clí­ni­ca pe­la PUC-SP, es­pe­cia­li­za­ção em neu­rop­si­co­lo­gia pe­lo Cen­tro de Di­ag­nós­ti­co Neu­rop­si­co­ló­gi­co – CDN e trei­na­men­to em Te­ra­pia Cog­ni­ti­vo-Com­por­ta­men­tal pe­lo Beck Ins­ti­tu­te for Cog­ni­ti­ve Be­ha­vi­or The­rapy – Fi­la­dél­fia – EUA)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais