Opinião

Tributo a Maguito Vilela

diario da manha

An­tes de fin­dar o meu pri­mei­ro ano de go­ver­no à fren­te da Pre­fei­tu­ra Mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia ou­so fa­zer uma pau­sa re­fle­xi­va em mi­nhas ati­vi­da­des la­bo­ra­is.   De­se­jo sin­ce­ra­men­te tra­zer a lu­me pa­ra ga­nhar con­tor­no de uni­ver­sa­li­da­de o es­pon­tâ­neo, na­tu­ral e sin­ce­ro sen­ti­men­to de re­co­nhe­ci­men­to e gra­ti­dão que emer­ge das fi­bras mais ín­ti­mas do meu ser.   Sou gra­to a Deus pe­lo dom pre­ci­o­so da mi­nha vi­da e pe­lo ma­nan­cial de bên­çã­os por Ele pro­por­ci­o­na­do a mim, à mi­nha fa­mí­lia, aos ami­gos di­le­tos e ao po­vo de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia.    Sou gra­to aos meus pa­is pe­lo imen­so ca­ri­nho, pe­lo afe­to, pe­la de­di­ca­ção, pe­la pro­te­ção e pe­lo acen­dra­do amor com o qual in­fun­di­ram as lu­zes do evan­ge­lho na mi­nha men­te e no meu co­ra­ção.  O su­bli­me sen­ti­men­to de re­li­gi­o­si­da­de que sus­ten­ta o só­li­do ali­cer­ce do sin­ge­lo pa­tri­mô­nio de mi­nha for­ma­ção mo­ral, cul­tu­ral, in­te­lec­tu­al e es­pi­ri­tual é pi­las­tra sus­ten­ta­do­ra de mi­nha fé in­que­bran­tá­vel em Deus, no ho­mem e nos des­ti­nos da hu­ma­ni­da­de.

Des­ta fei­ta, to­da­via, o nos­so é o de­se­jo sin­ce­ro de pu­bli­ca­men­te alar­de­ar o enor­me re­co­nhe­ci­men­to e a pro­fun­da gra­ti­dão que nu­tro por uma das mais res­pei­tá­veis fi­gu­ras do ce­ná­rio po­lí­ti­co bra­si­lei­ro.   Re­fi­ro-me à ve­ne­ran­da e mui­to bem ur­di­da per­so­na­li­da­de do ex-pre­fei­to e ho­je em­bai­xa­dor de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, Ma­gui­to Vi­le­la es­tre­la de pri­mei­ra gran­de­za e que bri­lha in­ten­sa­men­te nos céus do uni­ver­so po­lí­ti­co na­ci­o­nal. Ao ren­der-lhe es­ta sin­ge­la ho­me­na­gem abra­çan­do-o afe­tuo­sa­men­te com os bra­ços do co­ra­ção atra­vés des­te sin­ge­lo ar­ti­go de mi­nha hu­mil­de la­vra ou­so fa­zer uma pe­que­na re­tros­pec­ti­va de sua lu­mi­no­sa ca­mi­nha­da pe­los ca­mi­nhos do tem­po. Re­gis­tram os anais da his­tó­ria po­lí­ti­ca de Go­i­ás que o ex-lí­der es­tu­dan­til e com­ba­ti­vo ad­vo­ga­do Lu­iz Al­ber­to Ma­gui­to Vi­le­la nas­ceu em Ja­taí e de­bu­tou-se na po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria ao ele­ger-se ve­re­a­dor e tor­nar-se Pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal da sua hos­pi­ta­lei­ra e en­can­ta­do­ra ci­da­de na­tal.

Ao de­pois de re­a­li­zar ex­ce­len­te tra­ba­lho à fren­te do Le­gis­la­ti­vo Ja­tai­en­se, foi elei­to De­pu­ta­do Es­ta­du­al, De­pu­ta­do Fe­de­ral, Vi­ce-Go­ver­na­dor, Go­ver­na­dor de Go­i­ás, Se­na­dor da Re­pú­bli­ca e por du­as ve­zes con­se­cu­ti­vas Pre­fei­to Mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia. Vo­ca­cio­na­do pa­ra a po­lí­ti­ca éti­ca e res­pon­sá­vel sem­pre a en­ten­deu co­mo um ins­tru­men­to de tra­ba­lho em fa­vor do bem es­tar da so­ci­e­da­de e co­mo a ar­te de ser­vir a to­dos. In­te­li­gen­te, hu­mil­de e pers­pi­caz Ma­gui­to sou­be pa­vi­men­tar o lu­mi­no­so ca­mi­nho de sua me­te­ó­ri­ca e bri­lhan­te tra­je­tó­ria po­lí­ti­ca.   Se­re­no e equi­li­bra­do, de per­so­na­li­da­de pu­jan­te, ou­sa­da e sem ja­ça es­cul­piu o des­ti­no de sua pró­pria ca­mi­nha­da.  Sá­bio e hu­mil­de com lú­ci­da in­te­li­gên­cia cons­tru­iu um ima­cu­la­do “cur­ri­cu­lum” pa­ra le­gar à pos­te­ri­da­de um exem­plo dig­no de ser se­gui­do pe­las fu­tu­ras ge­ra­ções.

Par­la­men­tar ta­len­to­so e ob­sti­na­do lu­tou bra­va­men­te pa­ra ex­tin­guir a ver­go­nho­sa apo­sen­ta­do­ria es­pe­ci­al ins­ti­tu­í­da na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de Go­i­ás em de­tri­men­to da von­ta­de po­pu­lar. Ora­dor elo­quen­te e ha­bi­li­do­so na ar­te de con­ven­cer, tu­do fez pa­ra ba­nir aque­la ex­cres­cên­cia do Par­la­men­to Go­i­a­no.  En­quan­to De­pu­ta­do Fe­de­ral Cons­ti­tu­in­te, hon­ran­do e dig­ni­fi­can­do o po­vo do nos­so Es­ta­do, em vão ten­tou aca­bar com a apo­sen­ta­do­ria dos par­la­men­ta­res fe­de­ra­is, por con­si­de­rá-la in­jus­ta e le­si­va ao in­te­res­se pú­bli­co.   Sem lo­grar êxi­to em sua éti­ca e su­bli­me em­prei­ta­da, ne­gou sis­te­ma­ti­ca­men­te a re­ce­bê-la co­mo já o fi­ze­ra com re­la­ção a apo­sen­ta­do­ria de ex-go­ver­na­dor. De con­sci­ên­cia tran­qui­la e com o pen­sa­men­to sin­to­ni­za­do com os an­sei­os da so­ci­e­da­de de­ci­diu pa­tro­ci­nar às su­as pró­pri­as ex­pen­sas, me­di­da ju­di­cial vi­san­do aca­bar com aque­la ver­go­nha na­ci­o­nal. Au­da­cio­sa e ou­sa­da­men­te pos­tou-se ao la­do do po­vo go­i­a­no que sem­pre de­fen­deu com ar­dor e te­na­ci­da­de. Fa­zen­do tre­mu­lar bem al­to a ban­dei­ra do in­te­res­se pú­bli­co viu re­co­nhe­ci­do o seu va­lor e aca­bou por con­quis­tar o apoio e sim­pa­tia do po­vo e Go­i­ás. Guin­da­do pe­la von­ta­de li­vre e so­be­ra­na do elei­to­ra­do go­i­a­no ao hon­ro­so pa­ta­mar de su­pre­mo man­da­tá­rio do Es­ta­do, po­de es­cre­ver uma das mais be­las pá­gi­nas da his­tó­ria po­lí­ti­ca de Go­i­ás. Re­a­li­zou uma ad­mi­nis­tra­ção pri­mo­ro­sa, mo­der­na, cri­a­ti­va e efi­ci­en­te con­se­guin­do  agra­dar ple­na­men­te o fun­cio­na­lis­mo pú­bli­co que se pos­tou equi­dis­tan­te do per­ni­cio­so  tor­men­to das gre­ves du­ran­te sua ges­tão. Em sua ges­tão efi­ci­en­te e pro­du­ti­va o de­sen­vol­vi­men­to che­gou e ala­van­can­do o pro­gres­so de to­dos os se­to­res, per­mi­tin­do que em avan­çan­do au­da­cio­sa­men­te, Go­i­ás des­ce um sal­to de qua­li­da­de ru­mo ao fu­tu­ro.    A se­ri­e­da­de nas de­ci­sões, a lu­ta in­ten­sa, o tra­ba­lho ár­duo, as ações cla­ras e as ati­tu­des tran­spa­ren­tes afe­ri­das pe­lo pa­râ­me­tro da von­ta­de po­pu­lar, fi­ze­ram do go­ver­no Maguito por seis ve­zes con­se­cu­ti­vas o de mai­or apro­va­ção po­pu­lar do Bra­sil, em ava­li­a­ções fei­tas pe­lo Ins­ti­tu­to Da­ta­fo­lha em qua­tro opor­tu­ni­da­des e em du­as ve­zes pe­la re­vis­ta Is­to É.

Quan­do, de­ci­diu pro­mo­ver a im­plan­ta­ção de um pro­gra­ma de ajus­te e mo­der­ni­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­va na es­tru­tu­ra es­ta­du­al, já tra­zia con­si­go a ple­na con­vic­ção que o tem­po ha­ve­ria de com­pro­var, co­mo efe­ti­va­men­te com­pro­vou que aque­la se­ria uma das ações mais im­por­tan­tes de sua pro­du­ti­va ges­tão. Gra­ças a es­ta re­for­mu­la­ção se­te em­pre­sas im­pro­du­ti­vas fo­ram ex­tin­tas, três mil fun­cio­ná­rios fan­tas­mas fo­ram iden­ti­fi­ca­dos e exo­ne­ra­dos e seis mil des­li­ga­dos em de­mis­sões vo­lun­tá­rias. Re­du­ziu o pe­so da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va re­ne­go­ci­an­do dí­vi­das, re­du­ziu pri­vi­lé­gios, cor­tou gas­tos e as­sim con­se­guiu har­mo­ni­zar o pro­gres­so eco­nô­mi­co com o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al.

Ati­vou o pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção e o es­ta­do ex­pe­ri­men­tou um dos mais ar­ro­ja­dos sur­tos de pro­gres­so de sua his­tó­ria, ins­ta­lan­do-se aqui em­pre­sas de gran­de por­te co­mo Per­di­gão, Ca­ra­mu­ru, Nest­lé, Agri­fo­od, Ma­lha­ria Manz, Fran­go Ga­le, Vi­cu­nha, Bou­quet, JMA, PIU bel­le Ita­li­a­na, He­ring, Gessy Le­ver, além das mon­ta­do­ras Hon­da e Mit­su­bis­hi. O seu go­ver­no atra­vés da Se­cre­ta­ria da So­li­da­ri­e­da­de Hu­ma­na, aca­bou fa­zen­do his­tó­ria ao ins­ta­lar aqui o mais ar­ro­ja­do e au­da­cio­so pro­gra­ma so­ci­al do pa­ís. A cri­a­ção da ces­ta bá­si­ca de ali­men­tos dis­tri­bu­í­da às fa­mí­lias de bai­xa ren­da,  acu­diu o po­bre res­ga­tan­do-lhe a dig­ni­da­de.

In­dis­pen­sá­vel res­sal­tar que lo­go no iní­cio de sua hu­ma­ni­za­da e re­vo­lu­ci­o­ná­ria ges­tão 220 mil fa­mí­lias ca­ren­tes de to­dos os rin­cões do es­ta­do dei­xa­ram de pa­gar as ta­xas de água e luz. Em maio de 1995, 144 mil fa­mí­lias pas­sa­ram a re­ce­ber a ca­da mês, uma su­cu­len­ta ces­ta bá­si­ca com 28 qui­los de ali­men­tos. Em ou­tu­bro da­que­le ano 90 mil cri­an­ças po­bres, de ze­ro a 06 anos de ida­de, pas­sa­ram a re­ce­ber a ca­da ma­nhã, um pão e um li­tro de lei­te. Pa­ra fa­zer jus à ces­ta de ali­men­tos, ao pão e ao lei­te, a cri­an­ça pre­ci­sa es­tar es­tu­dan­do. De ime­di­a­to 19 mil vol­ta­ram às sa­las de au­la e lá per­ma­ne­ce­ram. O ín­di­ce de apro­va­ção cres­ceu as­sus­ta­do­ra­men­te.  Afe­ri­do cri­te­ri­o­sa­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção o se­tor edu­ca­cio­nal ex­pe­ri­men­tou um avan­ço ex­tra­or­di­ná­rio.

Elei­to se­na­dor go­i­a­no com uma ex­pres­si­va vo­ta­ção ma­ni­fes­tou lo­go o de­se­jo de aju­dar seus pa­res a trans­for­mar o Se­na­do no res­pal­do mo­ral da Re­pú­bli­ca, lu­tan­do te­naz­men­te pa­ra re­du­zir o man­da­do de Se­na­dor de oi­to pa­ra qua­tro anos e o li­mi­te de ida­de pa­ra can­di­da­tu­ra ao Se­na­do pa­ra 25 anos. Àque­la épo­ca já afir­ma­va que o se­na­dor po­de­ria fi­car no Se­na­do até 100 anos des­de que de pas­sas­se pe­lo cri­vo das ur­nas de qua­tro em qua­tro.  Lá no Con­gres­so Fe­de­ral foi ele um de­fen­sor ar­do­ro­so e in­tran­si­gen­te de mui­tas des­tas ban­dei­ras ho­je de­fen­di­das pe­la ju­ven­tu­de bra­si­lei­ra nas ru­as do pa­ís, de for­ma jus­ta e de­mo­crá­ti­ca.  É es­te o mo­de­lo de po­lí­ti­co que a ju­ven­tu­de que to­mou as ru­as do pa­ís pe­din­do tran­spa­rên­cia na ges­tão pú­bli­ca, qua­li­da­de no ser­vi­ço e éti­ca na po­lí­ti­ca me­re­ce co­nhe­cer. Lí­der in­con­tes­tá­vel, ges­tor com­pe­ten­te e com uma lar­ga ex­pe­ri­ên­cia de bons ser­vi­ços pres­ta­dos a Go­i­ás e ao Bra­sil, Ma­gui­to é uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal ca­paz de sa­tis­fa­zer o jus­to cla­mor da­que­les que lu­tam pe­la con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia.

Os jo­vens que co­mo eu ho­je de­se­jam con­tri­bu­ir pa­ra a prá­ti­ca de uma po­lí­ti­ca de re­sul­ta­dos, éti­ca, tran­spa­ren­te, ino­va­do­ra e ca­paz de mu­dar pa­ra me­lhor os des­ti­nos do es­ta­do e do pa­ís, pre­ci­sam bus­car na his­tó­ria o exem­plo de lí­de­res de con­du­ta ir­re­pa­rá­vel co­mo o ex-pre­fei­to de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia. Des­de o iní­cio de sua bem su­ce­di­da car­rei­ra po­lí­ti­ca até ho­je, ocu­pan­do com hon­ra­dez e dig­ni­da­de os mais im­por­tan­tes car­gos pú­bli­cos de Go­i­ás e do Bra­sil, Ma­gui­to tem da­do mons­tras de que é um lí­der vo­ca­cio­na­do pa­ra bem ser­vir ao po­vo.    O nos­so ilus­tre ho­me­na­ge­a­do já de­mons­trou com­pro­van­do, à sa­ci­e­da­de, seu acen­dra­do amor a  Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, que ele trans­for­mou com o au­xí­lio do po­vo em uma das mais be­las ci­da­des do pa­ís. Ao go­ver­ná-la com mui­ta sa­be­do­ria e ra­rís­si­ma com­pe­tên­cia, de­mons­trou ser um lí­der ca­ris­má­ti­co, com for­te ape­lo po­pu­lar e pron­to pa­ra en­fren­tar, com­ba­ter e ven­cer qual­quer de­sa­fio.

Ale­gro-me de ha­ver ser­vi­do com de­di­ca­ção e le­al­da­de ao seu go­ver­no re­a­li­za­dor na con­di­ção de Se­cre­tá­rio Mu­ni­ci­pal de Es­por­tes. En­quan­to Pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da com­par­ti­lha­mos inú­me­ras de­man­das de in­te­res­se da so­ci­e­da­de. Apren­di mui­to com a sua com­pro­va­da ex­pe­ri­ên­cia e com sua in­vul­gar sa­be­do­ria. Por der­ra­dei­ro sin­to-me hon­ra­do e agra­de­ci­do por ter si­do por ele, pe­lo par­ti­do e pe­lo po­vo apa­re­ci­den­se es­co­lhi­do seu su­ces­sor.  Foi com o seu apoio in­con­di­ci­o­nal que me ele­gi Pre­fei­to tra­zen­do na ba­ga­gem um de­se­jo enor­me de con­so­li­dar as inú­me­ras con­quis­tas de seu go­ver­no re­vo­lu­ci­o­ná­rio, em­pre­en­de­dor e mar­ca­do por pro­fí­cu­as re­a­li­za­ções em fa­vor do mu­ni­cí­pio de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia. Hon­ra-se so­bre­ma­nei­ra ter co­mo meu con­se­lhei­ro po­lí­ti­co es­te lí­der ca­ris­má­ti­co de pas­sa­do e de mãos lim­pas, de pre­sen­te re­a­li­za­dor e de fu­tu­ro ven­tu­ro­so que ain­da con­ti­nua ser­vin­do Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia co­mo se fo­ra seu em­bai­xa­dor. O Ma­gui­to que aqui ou­so ho­me­na­ge­ar é um lí­der in­com­pa­rá­vel com trân­si­to li­vre em to­dos os ca­mi­nhos do Pla­nal­to, um com­pa­nhei­ro le­al, um ami­go fi­el do meu co­ra­ção. Re­ce­ba pois mes­tre Ma­gui­to Vi­le­la o prei­to do meu re­co­nhe­ci­men­to e da mi­nha eter­na gra­ti­dão.

 

(Gus­ta­vo Men­da­nha, pre­fei­to mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar