Opinião

Uma análise sistemática e psicológica sobre o TOC

diario da manha

“O Ser re­al é cons­ti­tu­í­do de cor­po, men­te e es­pí­ri­to. Des­sa for­ma, uma abor­da­gem psi­co­ló­gi­ca pa­ra ser ver­da­dei­ra­men­te efi­caz de­ve ter uma vi­são ho­lís­ti­ca do ser, tra­tan­do de seu cor­po (fí­si­co), de sua men­te (con­sci­en­te, in­con­sci­en­te e sub­con­sci­en­te) e de seu es­pí­ri­to imor­tal que traz con­si­go uma ba­ga­gem de ex­pe­ri­ên­cias an­te­rio­res a pre­sen­te exis­tên­cia e es­tá ca­mi­nhan­do pa­ra a per­fei­ção Di­vi­na.”

Jo­an­na de Ân­ge­lis.

 

Es­cre­ve­mos em ou­tros ar­ti­gos so­bre es­sa trí­a­de – men­te-cor­po-es­pí­ri­to – por­tan­to, não po­de­mos tra­tar um dis­túr­bio que vai mui­to além do fí­si­co e do men­tal, ten­do uma vi­são uni­la­te­ral e sim­plis­ta do ser. Pre­ci­sa­mos am­pli­ar nos­sos ho­ri­zon­tes de en­ten­di­men­to da pes­soa hu­ma­na e, sem per­der­mos tem­po, bus­car uma vi­são tam­bém no que diz res­pei­to à es­sên­cia hu­ma­na: a al­ma!

É no mun­do ín­ti­mo, no in­con­sci­en­te pes­so­al, que se en­con­tram as fi­xa­ções per­ver­sas e des­vai­ra­das do pri­ma­ris­mo do ser, que per­ma­ne­cem du­ran­te o pe­rí­o­do da ra­zão, ge­ran­do dis­túr­bi­os que re­a­pa­re­cem na con­sci­ên­cia atu­al, de­ses­tru­tu­ran­do os equi­pa­men­tos da sa­ú­de fí­si­ca, psí­qui­ca e, es­pe­ci­al­men­te, da emo­cio­nal.

Quan­do a con­sci­ên­cia é in­va­di­da por re­pre­sen­ta­ções men­tais in­vo­lun­tá­rias, re­pe­ti­ti­vas e in­con­tro­lá­veis, po­de­mos cha­mar de pen­sa­men­to com­pul­si­vo. Tra­ta-se de um ob­je­ti­vo de­fen­si­vo do in­con­sci­en­te pes­so­al, im­pe­din­do que o do­en­te to­me co­nhe­ci­men­to da sua re­a­li­da­de in­te­ri­or, dos seus le­gí­ti­mos im­pul­sos e emo­ções.

Na ati­vi­da­de com­pul­si­va o in­di­ví­duo apre­sen­ta-se co­mo in­co­er­cí­vel ne­ces­si­da­de de ações re­pe­ti­das. Po­dem va­ri­ar pa­ra fór­mu­las, ri­tu­ais, ce­ri­mô­ni­as, co­mo ata­vis­mos an­ces­tra­is, em ima­gens ar­que­tí­pi­cas per­tur­ba­do­ras. É um me­ca­nis­mo que bus­ca fa­zer uma ca­tar­se da an­sie­da­de de que se é ví­ti­ma.

Ou­tro pon­to im­por­tan­te é o ca­rá­ter ob­ses­si­vo em que o in­di­ví­duo mos­tra-se sis­te­má­ti­co, im­pres­sio­nan­do pe­la ri­gi­dez do com­por­ta­men­to, in­clu­si­ve pa­ra com ele pró­prio. São por­ta­do­res de sen­ti­men­tos no­bres, con­fi­á­veis e de­di­ca­dos ao tra­ba­lho, que exer­cem até o ex­ces­so.

Sen­tin­do-se obri­ga­dos, des­de ce­do, a re­pri­mir as emo­ções e sen­ti­men­tos ou­tros, tor­nam-se am­bi­va­len­tes, es­ca­pan­do-lhes de con­tro­le os que se cons­ti­tu­em de na­tu­re­za hos­til, apre­sen­tan­do-se mais co­mo in­te­lec­tu­ais do que sen­ti­men­tais  de­sen­ca­de­a­do por me­ca­nis­mos es­ca­pis­tas que se im­põ­em in­con­sci­en­te­men­te.

São re­le­van­tes, com re­la­ção a is­to, os es­tu­dos de Freud com re­la­ção a fa­se anal (em ra­zão das exi­gên­cias da mãe quan­do no tra­to com eles na in­fân­cia, hi­gi­e­ni­zan­do-os, exin­gin­do-lhes obe­di­ên­cia ir­ra­ci­o­nal a ho­rá­rios rí­gi­dos, in­clu­in­do aque­les pa­ra as fun­ções in­tes­ti­nais; atra­vés des­sas im­po­si­ções, as mã­es ne­ga­vam-lhes afe­to e iden­ti­fi­ca­ção emo­cio­nal).

Nu­ma vi­são da fi­si­o­pa­to­lo­gia po­de-se de­tec­tar ano­ma­li­as bi­o­ló­gi­cas, co­mo: epi­lep­sia do lo­bo tem­po­ral, au­men­to ex­pres­si­vo de ati­vi­da­de me­ta­bó­li­ca no gi­ro or­bi­tal es­quer­do e até mes­mo uma al­te­ra­ção cro­mos­sô­mi­ca na cons­ti­tu­i­ção do ser.

Sob pon­to de vis­ta neu­ro­ló­gi­co ob­ser­va-se a in­flu­ên­cia não so­men­te de epi­lep­sia no lo­bo tem­po­ral, mas tam­bém da co­réia de Syde­nhan, da sín­dro­me de Gi­les de la Tou­ret­te, etc. Há au­men­to do flu­xo san­guí­neo ce­re­bral no cór­tex or­bi­to­fron­tal, ne­os­tri­a­tum, glo­bo pá­li­do e tá­la­mo, no hi­po­cam­po e cór­tex pos­te­ri­or do gi­ro cín­gu­lo.

Es­ses de­sen­ca­de­a­do­res dos tran­stor­nos psi­có­ti­cos ob­ses­si­vo-com­pul­si­vos, do pon­to de vis­ta psi­co­ló­gi­co, en­con­tram-se no in­con­sci­en­te pes­so­al, co­mo he­ran­ça tam­bém de atos tran­sa­tos, sem dú­vi­da, no qual es­tão ins­cri­tos igual­men­te os có­di­gos das ima­gens ar­que­tí­pi­cas que per­mi­tem, por ou­tro la­do, a vin­cu­la­ção com ou­tras men­tes ora de­sen­car­na­das – ob­ses­são. Es­sas en­ti­da­des im­põ­em-se o di­rei­to de co­bran­ças es­drú­xu­las.

Por­que per­ma­ne­ce im­pres­sa nos pai­néis do in­con­sci­en­te pes­so­al, nos re­fo­lhos do pe­rís­pi­ri­to (in­con­sci­en­te) a dí­vi­da mo­ral, os pa­ci­en­tes as­si­mi­lam as on­das men­tais das su­as an­ti­gas ví­ti­mas, que são con­ver­ti­das em sen­sa­ções pe­no­sas, em for­ma de con­sci­ên­cia de cul­pa – la­var as mãos, as­sep­si­ar-se em de­ma­sia, sen­tir o cor­po sem­pre su­jo – tan­to quan­do a cap­ta­ção de odo­res pú­tri­dos – ati­va­ção da pi­tui­tá­ria pe­lo psi­quis­mo que sen­te ne­ces­si­da­de de re­pa­ra­ção – que são ex­te­rio­ri­za­dos pe­los co­bra­do­res es­pi­ri­tua­is.

Sob ou­tro as­pec­to, es­ses en­di­vi­da­dos es­pi­ri­tua­is re­en­car­nam (nas­cem) com os fa­to­res neu­ro­ló­gi­cos e or­gâ­ni­cos, em ge­ral im­pres­sos no cor­po pe­ris­pi­ri­tual (in­con­sci­en­te) em fa­ce dos tran­stor­nos mo­ra­is que se per­mi­ti­ram an­te­rior­men­te, de for­ma a ex­pe­ri­men­ta­rem a re­cu­pe­ra­ção mo­ral me­di­an­te o pro­ces­so de­pu­ra­dor a que ora fa­zem jus.

A psi­co­te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e/ou um psi­co­te­ra­peu­ta ho­lís­ti­co (te­ra­pia que se pro­ces­sa por vá­ri­as abor­da­gens adap­tan­do a que me­lhor con­diz com o per­fil do pa­ci­en­te e sua en­fer­mi­da­de, pois, em­bo­ra se dê o mes­mo “ro­tu­lo” (CID) exis­te uma gran­de di­fe­ren­ça, não ape­nas so­bre co­mo ori­gi­nou a en­fer­mi­da­de e co­mo de­ve ser o prog­nós­ti­co que mais be­ne­fi­ci­a­rá o pa­ci­en­te de acor­do com seu his­tó­ri­co de vi­da e per­so­na­li­da­de, pois não se mol­da um cor­po a uma rou­pa; mas uma rou­pa a um cor­po)  que tra­ba­lha o in­di­ví­duo co­mo um to­do – um ser in­te­gral e le­van­do em con­ta to­dos os as­pec­tos ine­ren­tes à en­fer­mi­da­de in­clu­in­do a ba­ga­gem tra­zi­da de vi­das tran­sa­tas e quan­do bem con­du­zi­da em re­la­ção a es­ses en­fer­mos, ame­ni­za ou pro­duz a cu­ra dos efei­tos da­no­sos e mór­bi­dos; no en­tan­to, a te­ra­pêu­ti­ca bi­o­e­ner­gé­ti­ca, por al­can­çar os ful­cros es­pi­ri­tua­is de on­de se ex­te­rio­ri­zam os cam­pos vi­bra­tó­rios, in­ter­rom­pe a emis­são da ener­gia en­fer­mi­ça, afas­tan­do os agen­tes que, ne­ces­sa­ria­men­te aten­di­dos, ori­en­ta­dos e con­for­ta­dos mo­ral­men­te, ter­mi­nam por aban­do­nar os pro­pó­si­tos mal­sã­os em que per­ma­ne­cem e li­ber­tam os seus ini­mi­gos, en­tre­gan­do-os à Con­sci­ên­cia Cós­mi­ca.

Evi­den­te­men­te, o con­tri­bu­to de al­guns bar­bi­tú­ri­cos e fár­ma­cos di­ver­sos, sob cui­da­do­sa e cau­te­lo­sa ori­en­ta­ção de uma psi­qui­a­tria hu­ma­nis­ta, por­ta­do­res de ini­bi­do­res de re­ab­sor­ção de se­ro­to­ni­na, tor­na-se de ines­ti­má­vel sig­ni­fi­ca­do pa­ra o re­e­qui­lí­brio do pa­ci­en­te. En­tre­men­tes, a edu­ca­ção, o tra­ba­lho jun­to ao en­fer­mo, au­xi­li­an­do-o na mu­dan­ça de ati­tu­de pe­ran­te a vi­da, de com­por­ta­men­to men­tal, de sen­ti­men­to ran­co­ro­so e agres­si­vo em re­la­ção ao seu pró­xi­mo, pa­ra o qual, não ra­ro, trans­fe­re o pe­ri­go de tra­zer-lhe con­ta­mi­na­ção, re­sul­ta em va­li­o­sa psi­co­te­ra­pia pa­ra o re­e­qui­lí­brio do Self, e len­to, pos­te­ri­or, mas se­gu­ro bem-es­tar.

Lem­bran­do que as me­di­ca­ções não irão cu­rar o pa­ci­en­te; mas tra­zer alí­vio qua­se ime­di­a­to pa­ra que a psi­co­te­ra­pia pos­sa fa­zer o seu ver­da­dei­ro pa­pel jun­to ao en­fer­mo, pa­ra que atra­vés do co­nhe­ci­men­to de si mes­mo e de sua his­tó­ria, pos­sa­mos jun­tos des­blo­que­ar e cau­te­ri­zar cul­pas, má­go­as, ran­co­res, res­sen­ti­men­tos e de­mais ma­ze­las que de­sen­ca­dei­am es­se tran­stor­no e ou­tros co­mo a de­pres­são e sín­dro­me do pâ­ni­co, ori­un­dos e de­sen­ca­de­a­dos pe­la di­fi­cul­da­de que te­mos de co­nhe­cer a nós mes­mos e es­cu­tar nos­sos sen­ti­men­tos.

Fi­na­li­zan­do, no li­vro Psi­co­te­ra­pia: O des­per­tar d’al­ma o au­tor dá al­gu­mas ‘di­cas’ so­bre al­guns pon­tos que de­sen­ca­deia as en­fer­mi­da­des da al­ma (psi­quê) e co­mo a psi­co­te­ra­pia po­de e au­xi­lia de ma­nei­ra efi­caz, quan­do bem ad­mi­nis­tra­das pe­lo pa­ci­en­te e psi­co­te­ra­peu­ta/psi­có­lo­go, prin­ci­pal­men­te, quan­do bus­ca­mos es­se tra­ta­men­to lo­go no iní­cio da per­cep­ção des­ses con­fli­tos, tais co­mo ir­ri­ta­bi­li­da­de, in­sô­nia, de­sin­te­res­se pe­la vi­da, agres­si­vi­da­de, fu­ga nos ví­ci­os, prin­ci­pal­men­te o ál­co­ol, ma­ni­as, ‘aper­to no pei­to’, den­tre ou­tros sin­to­mas.

Aque­les que mais pre­ci­sam de aju­da psi­co­te­rá­pi­ca são aque­les que sem­pre es­tão di­zen­do que os ou­tros pre­ci­sam de te­ra­pia. Eles es­tão sem­pre cer­tos e os ou­tros sem­pre er­ra­dos.

 

(Jo­sé Ge­ral­do Ra­be­lo, psi­có­lo­go ho­lís­ti­co, psi­co­te­ra­peu­ta es­pi­ri­tua­lis­ta, pa­rap­si­có­lo­go, fi­ló­so­fo clí­ni­co, ar­tis­ta plás­ti­co, prof. Edu­ca­ção Fí­si­ca, es­pe­cia­lis­ta em fa­mí­lia, de­pres­são, de­pen­dên­cia quí­mi­ca e al­co­o­lis­mo, es­cri­tor e pa­les­tran­te. Wat­sapp – 984719412 – Cons. 30937133 Email: ra­be­lo­jo­se­ge­ral­[email protected]­hoo.com.br e/ou ra­be­los­te­ra­peu­[email protected]­mail.com)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar