Opinião

Uma análise sistemática sobre diagnósticos equivocados na Medicina

diario da manha

Ao lon­go de trin­ta anos ve­nho tra­ba­lhan­do na área da sa­ú­de: fí­si­ca, men­tal e es­pi­ri­tual, es­pe­ci­fi­ca­men­te co­mo Psi­có­lo­go e Psi­co­te­ra­peu­ta e, não ape­nas ob­ser­van­do, mas ex­pe­ri­en­cian­do um ver­da­dei­ro ca­os por que pas­sa a sa­ú­de em nos­so Pa­ís, en­tre­tan­to, o ar­ti­go in lo­co tem co­mo ob­je­ti­vo pri­mei­ro ar­gu­men­tar so­bre as “fa­lhas” in­di­vi­dua­is da mai­o­ria dos pro­fis­si­o­nais Mé­di­cos, Psi­qui­a­tras e Psi­có­lo­gos.

Se­gun­do um te­le­jor­nal a ca­da cin­co mi­nu­tos al­guém per­de a vi­da por ne­gli­gên­cia mé­di­ca, da en­fer­ma­gem ou por fal­ta de es­tru­tu­ra dos aten­di­men­tos em pos­tos e hos­pi­tais. Mas o prin­ci­pal é a fal­ta de um di­ag­nós­ti­co mais pre­ci­so, por exem­plo mi­nha ge­ni­to­ra (ho­je com 94 anos) to­mou me­di­ca­ção pa­ra o co­ra­ção por uns dez anos até que seu gi­ne­co­lo­gis­ta a di­ag­nos­ti­cou com uma ti­roi­de in­ter­na – fez a ci­rur­gia e aca­bou o “pro­ble­ma car­dí­a­co”. Re­cen­te­men­te um jo­vem per­deu a vi­da após on­ze in­ter­na­ção e di­ver­sos di­ag­nós­ti­cos er­ra­dos. Oi­ten­ta por cen­to dos di­ag­nós­ti­cos de es­qui­zo­fre­nia es­tão er­ra­dos. E as­sim vai.

Num ar­ti­go an­te­ri­or fa­la­mos so­bre di­ag­nós­ti­co e prog­nó­ti­co (ve­ja no si­te da ABP), fa­zen­do al­gu­mas ob­ser­va­ções so­bre di­ag­nós­ti­co fei­tos a “to­que de cai­xa” e, con­se­quen­te­men­te, im­pos­sí­vel tra­çar um prog­nós­ti­co pa­ra o tra­ta­men­to do pa­ci­en­te, se­ja en­fer­mi­da­de fí­si­ca ou psí­qui­ca.

Qual­quer tra­ta­men­to mé­di­co de­ve ser pau­ta­do em evi­dên­cias, em in­for­ma­ções “pre­ci­sas” e não em achis­mo e ex­pe­ri­ên­cias ape­nas.

Te­nho um pa­ci­en­te de no­ve anos que já fui sub­me­ti­do a uma sé­rie de exa­mes e as con­clu­sões fi­cam ape­nas no “acho que de­ve ser is­so”; um pro­fis­si­o­nal não po­de ba­se­ar seu di­ag­nós­ti­co em achis­mo. Uma cri­an­ça nes­tas cir­cun­stân­cias além de não ser tra­ta­da ade­qua­da­men­te vai car­re­gar uma sé­rie de trau­mas de su­as “pos­sí­veis en­fer­mi­da­des” com ba­se em “acho­lo­lo­gia”.

Ou­tra pa­ci­en­te de oi­to anos foi a um odon­tó­lo­go pa­ra fa­zer uma lim­pe­za gra­tui­ta (aque­las que al­guns pro­fis­si­o­nais vão às es­co­las pa­ra ofe­re­cer), vol­tou da con­sul­ta con­ven­ci­do que ti­nha que usar apa­re­lho com ur­gên­cia por­que, ca­so não co­lo­cas­se, seus den­tes iri­am cres­cer pa­ra fo­ra.

Mes­mo não sen­do da área, mas ou­vin­do a mãe as­sus­ta­da, fiz a se­guin­te per­gun­ta: a cri­an­ça já tro­cou to­da sua den­ti­ção? Cla­ro que não dou­tor: res­pon­de a mãe. Fiz meu ar­gu­men­to pa­ra acal­mar a mãe e, prin­ci­pal­men­te a cri­an­ça, pen­so que não se­ria mui­to cor­re­to co­lo­car apa­re­lho nu­ma cri­an­ça que ain­da es­tá com seis den­tes de lei­te e uns ain­da cres­cen­do. Su­gi­ro que le­ve seu fi­lho a ou­tro pro­fis­si­o­nal pa­ra ve­ri­fi­car o di­ag­nós­ti­co fei­to pe­lo o ou­tro pro­fis­si­o­nal. Con­clu­são: o ou­tro pro­fis­si­o­nal mais aten­cio­so dis­se que ain­da era mui­to ce­do pa­ra tra­çar um di­ag­nós­ti­co e que de­ve­ria es­pe­rar a cri­an­ça tro­car sua den­ti­ção.

Não te­mos a in­ten­ção de agre­dir ou mes­mo de­ne­grir a ima­gem de qual­quer pro­fis­si­o­nal ou da me­di­ci­na e ad­ja­cên­cias, en­tre­tan­to, tor­na-se ne­ces­sá­rio fa­zer al­guns co­men­tá­rios so­bre al­guns pro­fis­si­o­nais que aca­bam cri­an­do dú­vi­das quan­tos a efi­cá­cia da Me­di­ci­na e da Psi­co­lo­gia, de­vi­do à má atu­a­ção de mui­tos pro­fis­si­o­nais que se pre­o­cu­pam mais com os va­lo­res ma­te­ri­ais do que com a vi­da hu­ma­na.

Ade­mais, sa­be-se que mui­tas ve­zes o mé­di­co em­pe­nha to­dos os seus es­for­ços em bus­ca da cu­ra de seu pa­ci­en­te. Ape­sar dis­so não ob­tém a tão es­pe­ra­da cu­ra, por mo­ti­vos al­hei­os à sua von­ta­de, até mes­mo por­que o or­ga­nis­mo hu­ma­no não é úni­co; va­ria de pes­soa pa­ra pes­soa, ten­do ca­da uma um re­sul­ta­do em seu tra­ta­men­to.

Con­tu­do, is­so não jus­ti­fi­ca o mé­di­co não tra­tar o seu pa­ci­en­te com a dig­ni­da­de que me­re­ce, pois atrás das di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das pa­ra o mé­di­co tra­ba­lhar, exis­te um do­en­te que ne­ces­si­ta de cui­da­do.

Não se jus­ti­fi­ca um er­ro com ou­tro er­ro; não se ad­mi­te uma des­cul­pa pa­ra o quê não há des­cul­pas.

Atra­vés des­te es­tu­do, po­de-se ver a evo­lu­ção tan­to da me­di­ci­na quan­to do di­rei­to.

Exis­tem os di­rei­tos e os de­ve­res de ca­da um, ou se­ja, das ví­ti­mas e dos mé­di­cos. Di­rei­tos e de­ve­res que têm de ser res­pei­ta­dos.

Ho­je é mui­to mais fá­cil in­gres­sar com de­man­das con­tra mé­di­cos e, di­an­te dis­so, ca­be ao pro­fis­si­o­nal mé­di­co se pre­ca­ver, to­mar to­das as me­di­das ca­bí­veis e ne­ces­sá­rias pa­ra se pre­ve­nir de fu­tu­ros pre­ju­í­zos, que lhes po­de­rão ser ca­ros a me­di­da da ex­ten­são dos er­ros.

Mais ca­ro ain­da é pa­ra a ví­ti­ma, que amar­ga­rá a con­se­quên­cia de um er­ro por to­da a sua exis­tên­cia, e pa­ra o pró­prio fa­mi­liar que vê seu en­te ama­do, aca­ma­do, de­bi­li­ta­do, im­pos­si­bi­li­ta­do de vi­ver a sua vi­da com a dig­ni­da­de de­vi­da.

Até que pon­to po­de ir um er­ro, até que pon­to se re­pa­ra um da­no?

São per­gun­tas sem res­pos­tas, que só as ví­ti­mas po­de­rão res­pon­der, ou pe­lo me­nos ten­tar men­su­rar o imen­su­rá­vel.

É com ba­se nes­ses da­dos que se tra­duz a im­por­tân­cia des­te es­tu­do, de evi­tar que pro­fis­si­o­nais con­ti­nuam ape­nas achan­do is­so ou aqui­lo e não se ba­seia o di­ag­nós­ti­co do pa­ci­en­te com ba­se nas evi­dên­cias e até mes­mo pa­ra jus­ti­fi­car seus anos den­tro da fa­cul­da­de e pós ela.

Se­gun­do al­guns es­tu­dos es­ses er­ros vêm tam­bém do ex­ces­so de fa­cul­da­des de Me­di­ci­na e Psi­co­lo­gia sem ne­nhum cri­té­rio pa­ra for­ma­ção de pro­fis­si­o­nais que irão li­gar com a vi­da hu­ma­na, se­ja do pon­to de vis­ta fí­si­co, co­mo tam­bém men­tal.

A mai­o­ria de meus pa­ci­en­tes es­tu­dan­tes de me­di­ci­na, quan­do lhe per­gun­to o que ele pre­ten­de du­ran­te o cur­so, mui­tos não fa­lam do pro­ces­so; mas já fa­lam de es­ta­rem for­ma­do e ga­nhar mui­to di­nhei­ro e ser fa­mo­so. Mui­to tris­te.

Es­se pe­que­no ar­ti­go es­tá vol­ta­do tam­bém ao pro­fis­si­o­nal da me­di­ci­na no sen­ti­do de fa­zer com que es­te pre­vi­na o da­no, co­me­çan­do por tra­tar o seu pa­ci­en­te com dig­ni­da­de e res­pei­to já é um bom co­me­ço.

En­quan­to o achis­mo es­ti­ver pre­sen­te den­tro de hos­pi­tais e con­sul­tó­rios es­pa­lha­dos pe­lo nos­so Pa­ís o mais pre­ju­di­ca­do sem­pre se­rá o pa­ci­en­te, prin­ci­pal­men­te num Pa­ís de anal­fa­be­tos que nin­guém ques­ti­o­na na­da e dei­xa sua vi­da en­tre­gue àque­les aos qua­is ele (pa­ci­en­te) con­fia.

Quan­tos pa­ci­en­tes em cu­i­dei nes­tes trin­ta anos de con­sul­tó­rios e quan­tos ab­sur­dos eu ti­ve o des­pra­zer de fi­car sa­ben­do di­an­te de di­ag­nós­ti­cos dos mais ab­sur­dos pos­sí­veis.

Re­ce­bi um pa­ci­en­te anos atrás sen­do tra­ta­do de de­pres­são gra­ve, quan­do na ver­da­de o pa­ci­en­te es­ta­va com ane­mia pro­fun­da.

Fi­nal­men­te, não creio que em ple­no o sé­cu­lo XXI ain­da va­mos con­ti­nu­ar co­me­ten­do er­ros in­fan­tis pe­la pre­gui­ça de pen­sar ou de bus­car aju­da a ou­tros pro­fis­si­o­nais pa­ra se che­gar a um di­ag­nós­ti­co mais pró­xi­mo da re­a­li­da­de da en­fer­mi­da­de a ser tra­ta­da.

Com ba­se de que so­mos to­dos apren­di­zes, pre­ci­sa­mos en­ca­rar nos­sa re­a­li­da­de e nos tor­nar­mos mais hu­mil­des e ti­rar um pou­co de nós nos­sa ar­ro­gân­cia de que “so­mos deus”.

 

(Jo­sé Ge­ral­do Ra­be­lo, psi­có­lo­go ho­lís­ti­co, psi­co­te­ra­peu­ta es­pi­ri­tua­lis­ta, pa­rap­si­có­lo­go, fi­ló­so­fo clí­ni­co, ar­tis­ta plás­ti­co, prof. Edu­ca­ção Fí­si­ca, es­pe­cia­lis­ta em fa­mí­lia, de­pres­são, de­pen­dên­cia quí­mi­ca e al­co­o­lis­mo, es­cri­tor e pa­les­tran­te. Wat­sapp – 984719412 – Cons. 30937133 Email: ra­be­lo­jo­se­ge­ral­[email protected]­hoo.com.br e/ou ra­be­los­te­ra­peu­[email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais