Opinião

Uma questão de autoria?

diario da manha

Da se­ma­na pas­sa­da, a no­tí­cia mais cu­ri­o­sa foi a do ci­rur­gi­ão de Bir­ming­ham que, em 2013, gra­vou com um apa­re­lho ci­rúr­gi­co su­as ini­ci­ais nos fí­ga­dos a se­rem trans­plan­ta­dos pa­ra pa­ci­en­tes cu­jos ór­gã­os ti­nham dei­xa­do de fun­cio­nar. O ca­so veio à to­na quan­do um dos pa­ci­en­tes pre­ci­sou sub­me­ter-se a no­va ci­rur­gia; as­sim que se te­ve vi­são das vís­ce­ras ex­pos­tas, o ou­tro mé­di­co de­pa­rou-se com as inu­si­ta­das le­tras. Em mim, a lei­tu­ra da no­tí­cia so­bre o pro­ces­so ju­di­cial re­sul­tan­te de­sen­ca­de­ou lem­bran­ças e as­so­cia­ção de idei­as.

Quan­do tra­ba­lha­va co­mo re­lo­jo­ei­ro, eu gra­va­va mi­nhas ini­ci­ais, com a da­ta, no fun­do dos re­ló­gios con­ser­ta­dos. O ob­je­ti­vo era, em ca­so de re­tor­no do cli­en­te, o de de­ter­mi­nar, com to­da cer­te­za, se de­via ou não hon­rar a ga­ran­tia de seis mes­es, que era de pra­xe. Des­sa for­ma, cen­te­nas de re­ló­gios cir­cu­la­ram na dé­ca­da de 1980 (cir­cu­lam ain­da?) com as mi­nhas ini­ci­ais, sem que seu pro­pri­e­tá­rios sou­bes­sem dis­so. Não me cons­ta que um ci­rur­gi­ão pre­ci­se dar ga­ran­tia dos trans­plan­tes que faz, e te­rá cer­ta­men­te mé­to­dos pre­ci­sos pa­ra con­tro­lar os pa­ci­en­tes que le­vam con­si­go fí­ga­dos al­hei­os.

Tal­vez o Dr. Zor­ro se sen­tis­se mui­to or­gu­lho­so dos trans­plan­tes que fa­zia e, se­gun­do se sa­be, eram mui­to bem-su­ce­di­dos. Sen­do a Me­di­ci­na uma Ar­te – não há mé­di­co que o ne­gue – o ci­rur­gi­ão bri­tâ­ni­co não re­sis­tiu ao im­pul­so de as­si­nar as su­as obras. Fa­zia em cor­pos vi­vos o que Li­ma Pra­do, per­so­na­gem de Ru­bem Fon­se­ca em A gran­de ar­te (1983), fa­zia em cor­pos mor­tos, mo­vi­do, nes­te ca­so, por um de­cla­ra­do im­pul­so “au­to­ral” de se­ri­al kil­ler. É pro­vá­vel que o mé­di­co com­par­ti­lhas­se com a per­so­na­gem de fic­ção o pra­zer sá­di­co de exer­cer um po­der ar­bi­trá­rio so­bre cor­pos iner­tes. Em bre­ve con­to, Mo­acyr Scli­ar res­sus­ci­tou o usu­rá­rio Shylock, per­so­na­gem shakes­pe­a­ri­a­na, trans­for­man­do-o em ci­rur­gi­ão mui­to bem-su­ce­di­do, que, po­rém, pe­sa­va es­cru­pu­lo­sa­men­te to­dos os tu­mo­res por ele ex­tir­pa­dos, fi­can­do es­tra­nha­men­te eu­fó­ri­co quan­do pe­sa­vam exa­ta­men­te um qui­lo. Dr. Shylock, com sua ex­tre­ma pe­rí­cia, fa­zia su­as ci­rur­gi­as pra­ti­ca­men­te sem der­ra­mar san­gue. For­ma­do em Me­di­ci­na, Scli­ar in­si­nu­a­va as­sim que, com su­as pe­cu­li­a­ri­da­des, o exer­cí­cio de sua pro­fis­são po­de­ria pres­tar-se à sa­tis­fa­ção de re­côn­di­tos e in­con­sci­en­tes im­pul­sos de cer­tos in­di­ví­duos.

Ape­sar dis­so, – ou exa­ta­men­te por is­so, – sou pe­la ple­na ab­sol­vi­ção do Dr. Zor­ro, que já te­ve pu­ni­ção su­fi­ci­en­te ao trans­for­mar-se em al­vo de cha­co­ta do mun­do in­tei­ro. Con­si­de­re-se, ain­da, co­mo ate­nu­an­tes, que as su­as ini­ci­ais não iri­am du­rar pa­ra sem­pre e não com­pro­me­ti­am a efi­cá­cia dos trans­plan­tes, as­sim co­mo os re­ló­gios fun­cio­na­vam a des­pei­to de con­te­rem mi­nhas ini­ci­ais.

Gos­ta­ria, no en­tan­to, de exa­mi­nar uma hi­pó­te­se pa­ra ou­tras pos­sí­veis mo­ti­va­ções re­côn­di­tas do ci­rur­gi­ão. Creio fir­me­men­te em que o ho­mem veio do bar­ro edê­ni­co e tor­na­rá a bar­ro ser, co­mo já se afir­mou em bom la­tim: “Me­men­to ho­mo quia pul­vis est et in pul­ve­rem re­ver­te­ris”. O pa­ci­en­te obri­ga­do a um trans­plan­te es­ta­ria na con­tin­gên­cia de re­tor­nar ao es­ta­do ori­gi­nal, ca­so não pu­des­se con­tar com as ap­ti­dões do ci­rur­gi­ão. Por sua vez, o do­a­dor do ór­gão sa­u­dá­vel já se en­con­tra­ria na imi­nên­cia de trans­for­mar-se na ma­té­ria pri­mei­ra. Cli­ni­ca­men­te mor­to, já era. Nas mãos do ci­rur­gi­ão, são am­bos, por­tan­to, bar­ro, o qual se mo­de­la e no qual se in­su­fla vi­da no­va. É co­mum di­zer-se que nas­ce de no­vo quem se li­vra de gran­de pe­ri­go ou da mor­te cer­ta. Es­se no­vo nas­ci­men­to, pa­ra mui­tos pa­ci­en­tes do Dr. Zor­ro, foi obra de um ho­mem. Deus fez o ho­mem à sua ima­gem e se­me­lhan­ça, as­si­na­lan­do as­sim sua au­to­ria. O ci­rur­gi­ão de Bir­ming­han as­su­mia a sua (re)cri­a­ção mar­can­do-a com su­as ini­ci­ais.

 

(Al­va­ro San­tos Si­mões Ju­ni­or, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Ci­ên­cias e Le­tras da Unesp de As­sis)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar