Opinião

Verão exige cuidados específicos com cães e gatos

diario da manha

Mui­to aguar­da­do por gran­de par­te das pes­so­as, o ve­rão é a épo­ca mais quen­te do ano, ide­al pa­ra uma vi­a­gem à praia e fins de se­ma­na na pis­ci­na. Mas, cla­ro, tam­bém é pre­ci­so to­mar cui­da­do com os ris­cos apre­sen­ta­dos pe­lo ca­lor ex­tre­mo, ca­paz de pre­ju­di­car adul­tos, cri­an­ças e… os ani­mais de es­ti­ma­ção. Is­so mes­mo, pou­ca gen­te se dá con­ta, mas os cã­es e ga­tos po­dem so­frer bas­tan­te no ve­rão. E, pa­ra que is­so não acon­te­ça, é pre­ci­so que o do­no es­te­ja aten­to o tem­po to­do.

Um dos prin­ci­pa­is cui­da­dos que se de­ve ter é com a pa­ta do ani­mal. Com tem­pe­ra­tu­ras aci­ma do que ele es­tá acos­tu­ma­do, o as­fal­to ou a areia po­de pro­por­ci­o­nar quei­ma­du­ras gra­ves du­ran­te um pas­seio. Por is­so, evi­te le­vá-lo pa­ra um pas­seio en­tre 9h e 16h, quan­do o ca­lor é mui­to in­ten­so. E, se o seu cão ou ga­to ti­ver fo­ci­nho ro­sa­do, é pre­ci­so usar um fil­tro sol­tar es­pe­cí­fi­co.

A hi­dra­ta­ção é ou­tro fa­tor es­sen­cial nes­ta épo­ca do ano. Man­ter água fres­ca, fria e tro­cá-la re­gu­lar­men­te du­ran­te o dia po­de evi­tar que o ani­mal fi­que de­si­dra­ta­do. Além dis­so, ca­so o pet te­nha o pe­lo mui­to gran­de, é bom re­a­li­zar uma to­sa pa­ra que ele se sin­ta mais fres­co.

Se vo­cê pos­sui um pet de fo­ci­nho cur­to, co­mo cã­es das ra­ças Shih-Tzu, Pug ou Bulldog e ga­tos Per­sas, é im­por­tan­te ser ain­da mais cui­da­do­so. Es­ses ani­mais são mais sus­ce­tí­veis a hi­per­ter­mia e cho­que tér­mi­co, por is­so, é fun­da­men­tal que se­jam hi­dra­ta­dos com mais fre­quên­cia que os ou­tros bi­chos e que não se­jam sub­me­ti­dos a tan­tos exer­cí­cios.

Du­ran­te o ve­rão, tam­bém é pre­ci­so mui­to cui­da­do com pul­gas e car­ra­pa­tos, que ado­ram o cli­ma quen­te e úmi­do pa­ra in­fes­tar o am­bi­en­te. Aqui, va­le o aler­ta: ca­so já te­nha en­con­tra­do al­gum des­ses pa­ra­si­tas no seu pet, não com­pre qual­quer pro­du­to an­tes de bus­car a ori­en­ta­ção de um ve­te­ri­ná­rio.

Por fim, va­le sem­pre lem­brar que dei­xar o ani­mal so­zi­nho no car­ro com os vi­dros fe­cha­dos é ab­so­lu­ta­men­te pro­i­bi­do, mes­mo que se­ja ape­nas pa­ra uma “pa­ra­da rá­pi­da”. A tem­pe­ra­tu­ra den­tro do ve­í­cu­lo po­de su­bir até cin­co graus em me­nos de 15 mi­nu­tos e, con­se­quen­te­men­te, le­var o seu cão ou ga­to ao óbi­to.

Ao to­mar as de­vi­das pre­cau­ções, o ve­rão po­de ser ex­tre­ma­men­te di­ver­ti­do pa­ra vo­cê e pa­ra o seu ani­mal de es­ti­ma­ção. Por is­so, es­te­ja sem­pre aten­to, não abu­se do ca­lor e apro­vei­te ca­da mo­men­to com o seu ami­go de qua­tro pa­tas.

 

(Re­né Ro­dri­gues Ju­ni­or, mé­di­co ve­te­ri­ná­rio)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais