Opinião

Você sabe o que é responsar? O responso de Joaquim Azevedo era tiro e queda

diario da manha

Há uns mes­es, bo­tei a ex­pli­ca­ção do res­pon­so, e uns lei­to­res, que per­de­ram o jor­nal, vi­e­ram me pe­dir pa­ra re­pe­tir a pu­bli­ca­ção, a fim de guar­dar no ar­qui­vo.

E aqui vai.

Era cos­tu­me no in­te­ri­or uma pes­soa, quan­do per­dia al­gu­ma coi­sa e já es­ta­va de­sen­ga­na­da, ape­la­va pa­ra man­dar res­pon­sar. Fa­zi­am-se pro­mes­sas pa­ra São Lon­gui­nho e San­to An­tô­nio. San­to An­tô­nio to­do mun­do co­nhe­ce, e São Lon­gui­nho,  diz a his­tó­ria da Igre­ja (e a Bí­blia até men­ci­o­na em Ma­teus 27,54, Lu­cas 23,47 e Mar­cos 15,39) foi um dos sol­da­dos des­ta­ca­dos pa­ra a cru­ci­fi­ca­ção de Je­sus, ten­do si­do o que lhe per­fu­rou o la­do com a lan­ça na cruz. Ele ti­nha um gra­ve pro­ble­ma na vis­ta, e foi cu­ra­do quan­do o san­gue de Cris­to res­pin­gou nos seus olhos. Seu no­me era Lon­gi­nus, que se con­ver­teu, sen­do de­pois mar­ti­ri­za­do, quan­do lhe ar­ran­ca­ram os den­tes e lhe cor­ta­ram a lín­gua. Fi­cou sen­do o san­to a quem se re­cor­re quan­do se per­de qual­quer coi­sa. Exis­te até uma ora­ção nes­te sen­ti­do, co­mo há ou­tra pa­ra San­to An­tô­nio, mas is­to eu es­cre­vo de­pois.

No in­te­ri­or, quan­do se per­dia ou su­mia al­gu­ma coi­sa, prin­ci­pal­men­te di­nhei­ro ou coi­sa va­li­o­sa, e as ora­ções pa­ra os san­tos não da­vam cer­to, va­lia-se de um res­pon­sa­dor, que, atra­vés de ora­ções es­pe­cí­fi­cas (que eles não en­si­na­vam a nin­guém), mas não era qual­quer re­za­dor que ti­nha o “mag­ne­tis­mo”  e o po­der de res­pon­sar.

Mas a res­pei­to des­sa fa­cul­da­de de res­pon­sar, co­nhe­ci vá­ri­as pes­so­as que eram fa­mo­sas nes­se ofí­cio, ten­do o po­der es­pe­ci­al e inex­pli­cá­vel de fa­zer o “res­pon­so”. A pa­la­vra “res­pon­so” vem do la­tim e sig­ni­fi­ca “res­pos­ta” ou “pro­cu­ra de res­pos­tas”. O res­pon­so é, pois, uma for­ma de ora­ção po­pu­lar mui­to an­ti­ga, em que as pes­so­as, em mo­men­tos de de­ses­pe­ro, re­zam pa­ra ob­ter uma res­pos­ta do Céu que as aju­de a re­sol­ver o que tan­to as pre­o­cu­pa. O res­pon­so é uma ora­ção di­ta pa­ra en­con­trar um ob­je­to per­di­do ou rou­ba­do; de­ve ser di­ta em voz al­ta e com a fir­me con­vic­ção que va­mos en­con­trar aqui­lo que tan­to pro­cu­ra­mos. San­to An­tó­nio e São Lon­gui­nho são re­co­nhe­ci­dos pe­los mi­la­gres que têm fei­to acon­te­cer, aju­dan­do mui­tas pes­so­as a re­en­con­tra­rem aqui­lo que per­de­ram ou que lhes foi ti­ra­do. Mas o po­vo ti­nha mais fé num bom res­pon­sa­dor do que pro­pri­a­men­te em São Lon­gui­nho e San­to An­tô­nio.

O res­pon­sa­dor era te­mi­do, a pon­to de, ao su­mir qual­quer ob­je­to e se ti­nha sus­pei­ta de ter si­do fur­ta­da, bas­ta­va que se dis­ses­se “Vou man­dar Fu­la­no res­pon­sar”, o ob­je­to apa­re­cia, pois o la­drão, pa­ra li­vrar-se da ver­go­nha de ser des­mas­ca­ra­do, da­va um jei­to de fa­zê-la che­gar às mãos do do­no.

Um dos mais afa­ma­dos res­pon­sa­do­res que co­nhe­ci era de uma fa­mi­lia no­bre e tra­di­cio­nal de Tai­pas do To­can­tins, o que po­de­mos cha­mar de faz-tu­do; era Jo­a­quim Aze­ve­do (que era far­ma­cêu­ti­co, or­to­pe­dis­ta e mé­di­co prá­ti­co, re­za­dor pra que­bran­to, fe­cha­dor de cor­po e até des­man­cha­dor de fei­ti­ço), tio do ami­go Si­se­nan­do, ar­ti­cu­lis­ta des­te jor­nal, que, in­clu­si­ve, me con­tou al­guns epi­só­di­os em que seu tio mos­trou o lu­gar on­de es­ta­va um di­nhei­ro su­mi­do.

Mas Jo­a­quim Aze­ve­do não me­re­ce ape­nas uma crô­ni­ca; seus po­de­res da­ri­am pa­ra um li­vro in­tei­ro.

Lá pe­lo ano de 1953, Si­se­nan­do mo­ra­va em Ta­gua­tin­ga, on­de tam­bém mo­ra­va seu tio Bi­lu­ca, com­pe­ten­te far­ma­cêu­ti­co prá­ti­co e de­pois uma es­pé­cie de de­le­ga­do per­pé­tuo de Con­cei­ção, ir­mão de Jo­a­quim Aze­ve­do. Bi­lu­ca era quem ma­ni­pu­la­va os re­mé­di­os re­cei­ta­dos pe­lo mé­di­co de lá, Dr. An­tô­nio Fleury, car­di­o­lo­gis­ta por es­pe­cia­li­za­ção, mas aten­dia de um tu­do, na­que­la ter­ri­nha es­cas­sa de re­cur­sos mé­di­cos, on­de, em re­gra va­lia-se era das mei­zi­nhas ca­sei­ras e das ben­ze­ções.

Um dos tra­di­cio­nais mo­ra­do­res da ci­da­de, da no­bre fa­mí­lia Gue­des, era Ne­zi­nho Gue­des, ir­mão de Odo­ri­co, ou­tra fi­gu­ra res­pei­tá­vel e pro­e­mi­nen­te da fa­mí­lia. E Ne­zi­nho, na­que­la épo­ca, com­prou, em so­ci­e­da­de com o ir­mão, um ca­mi­nhão, que fa­zia tran­spor­te pa­ra co­mer­cian­tes e ou­tras pes­so­as de Aná­po­lis pa­ra Ta­gua­tin­ga.

Nu­ma de su­as idas a Aná­po­lis, en­co­men­da­ram a Ne­zi­nho um ban­do de coi­sas, de for­ma que a so­ma das en­co­men­das da­va coi­sa de 30 mil cru­zei­ros, na mo­e­da da épo­ca, um di­nhei­rão. Na ida pa­ra Aná­po­lis, Ne­zi­nho le­vou co­mo pas­sa­gei­ros uns ca­bo­clos do ser­tão, que iam apro­vei­tar a pon­ga; os pas­sa­gei­ros iam, co­mo de cos­tu­me, abo­le­ta­dos na car­ro­ce­ria, en­quan­to Ne­zi­nho ia na bo­leia com o cho­fer e ou­tras pes­so­as; mas no cor­rer da vi­a­gem a bo­leia fi­cou mui­to es­cas­sa, e ele re­sol­veu ir no pa­ra-la­mas, se­gu­ran­do-se na fer­ra­gem do re­tro­vi­sor de seu che­ba. E, sem ma­lí­cia, dei­xou na car­ro­ce­ria sua ma­la, on­de es­ta­vam os 30 mil cru­zei­ros.

E quan­do che­ga­ram nos ge­ra­is, Ne­zi­nho se de­se­qui­li­brou, caiu, e o ca­mi­nhão pas­sou por ci­ma de­le, e ti­ve­ram que re­tor­nar às vin­te pra Ta­gua­tin­ga, on­de o Dr. Fleury – com Bi­lu­qui­nha do la­do – cons­ta­tou o óbi­to.

Seus pas­sa­gei­ros se dis­per­sa­ram, mas a mu­lher de Ne­zi­nho, Di­na, lem­brou-se de que ele le­va­va na ma­la aque­la quan­tia, que era de ou­tras pes­so­as, e quan­do fo­ram ve­ri­fi­car, a pe­que­na for­tu­na ti­nha su­mi­do. Do­na Di­na deu par­te, e a po­lí­cia tra­tou de de­ter os pas­sa­gei­ros da car­ro­ce­ria, pa­ra apu­rar o su­mi­ço do di­nhei­ro. Um dos pas­sa­gei­ros, tão lo­go de­sem­bar­ca­ra, tra­tou de ga­nhar a es­tra­da, e foi pra sua mo­ra­da, lá no ser­tão de Con­cei­ção.

Aí, Bi­lu­ca, mui­to sa­be­dor das coi­sas, acon­se­lhou que fos­sem atrás de seu ir­mão Jo­a­quim, em Tai­pas, que iria des­co­brir o pa­ra­dei­ro do di­nhei­ro su­mi­do, pois era afa­ma­do res­pon­sa­dor. E es­qui­pa­ram um po­si­ti­vo com uma car­ta, di­zen­do so­bre o su­mi­ço do di­nhei­ro e a pri­são dos vá­rios sus­pei­tos. E Jo­a­quim Aze­ve­do, di­an­te da pres­sa do men­sa­gei­ro em vol­tar, dis­se que ele fi­cas­se até o dia se­guin­te, pois à noi­te iria dar no­tí­cia do di­nhei­ro, por­que o res­pon­so im­pli­ca­va em ora­ções e ou­tros ri­tu­ais.

E no dia se­guin­te Jo­a­quim des­pa­chou o ho­mem, com o re­ca­do na car­ta-res­pos­ta: que pu­des­sem sol­tar os sus­pei­tos pre­sos, pois o di­nhei­ro es­ta­va es­con­di­do em ci­ma do por­tal de en­tra­da da chou­pa­na do pas­sa­gei­ro que vol­ta­ra an­tes da de­ten­ção de seus com­pa­nhei­ros de vi­a­gem. E mos­trou di­rei­ti­nho on­de o ho­mem mo­ra­va e até con­si­nou co­mo era a chou­pa­na.

Não de­mo­rou mui­to, a po­lí­cia, se­guin­do o ro­tei­ro tra­ça­do por Jo­a­quim Aze­ve­do, ba­teu na ca­sa do ho­mem, lá no oco do ser­tão: en­con­tra­ram os 30 mil cru­zei­ros on­de o res­pon­sa­dor dis­se­ra, e le­va­ram pre­so o la­rá­pio, re­cu­pe­ran­do o di­nhei­ro.  Além de Si­se­nan­do, que me con­tou o cau­so, Ger­cí­lio Go­di­nho e ou­tras pes­so­as con­fir­ma­ram o fa­to.

São coi­sas que a ci­ên­cia não ex­pli­ca, mas se fos­sem res­pon­sar o di­nhei­ro que es­tá su­min­do no Bra­sil, iam dei­xar o res­pon­sa­dor doi­di­nho.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI – e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – ABRA­CRIM – es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar