Opinião

Zona de conforto

diario da manha

Um com­por­ta­men­to a que te­nho as­sis­ti­do com cer­ta fre­quên­cia nes­ses úl­ti­mos tem­pos se cha­ma aco­mo­da­ção. Tra­ta-se de uma in­cli­na­ção a que mui­tos cha­mam de zo­na de con­for­to. Es­ta­do de es­pi­ri­to e de von­ta­de tal que ali­ás ocor­re em to­das as se­a­ras da vi­da. Des­de o âm­bi­to do tra­ba­lho, no en­tre­te­ni­men­to, na vi­da con­ju­gal, até na ini­ci­a­ti­va re­li­gi­o­sa.

O que vem a ser a aco­mo­da­ção, zo­na ou es­tá­gio de con­for­to? Re­fe­re-se aque­le es­tá­gio vi­vi­do pe­lo in­di­ví­duo on­de ele se en­con­tra sem ne­nhu­ma am­bi­ção a mais na vi­da. Sem  ne­nhu­ma ini­ci­a­ti­va de mu­dan­ça da con­di­ção on­de se en­con­tra.

Ele só se pro­põe a al­te­rar tal si­tu­a­ção ins­ti­ga­do e mo­bi­li­za­do por con­ven­ci­men­to de ou­tra pes­soa ou al­gu­ma cir­cun­stân­cia que o in­ci­te a es­sa trans­for­ma­ção, a mu­dar sua pos­tu­ra de inér­cia, imo­bi­lis­mo so­ci­al , pro­fis­si­o­nal e im­pro­du­ti­vo. É uma es­tag­na­ção ab­so­lu­ta.

Uma con­di­ção bem en­con­tra­di­ça des­sa in­ti­tu­la­da zo­na de con­for­to es­tá no pró­prio es­ti­lo de vi­da, on­de a pes­soa vai acu­mu­lan­do os cha­ma­dos fa­to­res de ris­co (FR) pa­ra do­en­ças que re­pre­sen­tam ame­a­ça à sa­ú­de, à qua­li­da­de de vi­da e a pró­pria  vi­da.

Na con­di­ção de mé­di­co me tor­nam fá­ceis tais ci­ta­ções pa­ra bem elu­ci­dar a ati­tu­de ou con­du­ta de aco­mo­da­ção a que mui­tos che­gam; a tão cos­tu­mei­ra e ve­zei­ra re­fe­ri­da zo­na de con­for­to. Pa­ra tan­to va­mos olhar à nos­sa vol­ta, em nos­sas re­la­ções fa­mi­lia­res e so­ci­ais, pas­sa­das e pre­sen­tes, e fa­zer a se­guin­te re­fle­xão: quan­tas pes­so­as nós co­nhe­ce­mos que já fi­ca­ram in­vá­li­das ou fa­le­ce­ram e que ti­ve­ram co­mo cau­sa, de lon­go pra­zo, a ab­so­lu­ta fal­ta de pre­ven­ção? São de­ze­nas, tal­vez.

Pa­ra mais cla­re­za to­me­mos co­mo exem­plo aque­le in­di­ví­duo se­den­tá­rio, ina­ti­vo e obe­so, que em que pe­se usu­fru­ir de hi­gi­dez fí­si­ca e boa sa­ú­de cons­ti­tu­ci­o­nal. Ele vai pa­ri pas­su ad­qui­rin­do os clas­si­fi­ca­dos gran­des FR pa­ra do­en­ças car­dio­vas­cu­la­res e ou­tras afec­ções on­co­ló­gi­cas e de­ge­ne­ra­ti­vas (in­far­to e cân­cer, por exem­plo). En­tre es­ses já co­nhe­ci­dos fa­to­res mór­bi­dos po­dem lis­tar o se­den­ta­ris­mo crô­ni­co, a obe­si­da­de, di­e­ta hi­per­ca­ló­ri­ca e hi­per­pro­têi­ca de car­nes e fri­tu­ras, o al­co­o­lis­mo de va­ri­a­dos graus, hi­per­ten­são ar­te­rial, etc. Nos­sa so­ci­e­da­de, da hi­per­mo­der­ni­da­de tem na co­mi­da uma fon­te de “fe­li­ci­da­de”, de au­to­pro­mo­ção, de ale­gria e pra­zer.

As­sim, co­mo se tra­tam de fa­to­res de ris­co si­len­cio­sos, ne­nhum de­les re­pre­sen­ta mo­ti­vo de mu­dan­ça do es­ti­lo de vi­da. O por­ta­dor des­sas con­di­ções, pau­la­ti­na­men­te, en­tra no pro­ces­so da aco­mo­da­ção ou zo­na de con­for­to. Se na­da dói , na­da ge­ra fal­ta de ar e des­con­for­to pa­ra que in­co­mo­dar? Na ver­da­de tra­ta-se de pre­mis­sas de cer­ta in­sa­ni­da­de men­tal. Co­mer, co­mer, so­bre­vi­ver e mor­rer.

Nes­se sta­tus de con­for­to ou aco­mo­da­ção, o que le­va­ria o su­jei­to a al­gu­ma mo­bi­li­za­ção e ati­tu­de de me­lho­ra? Um sus­to! Um mal es­tar, um sur­to car­dio­vas­cu­lar ou al­gum sin­to­ma de mau agou­ro. São os ca­sos por exem­plo de um in­far­to do mi­o­cár­dio, um aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC).

Di­an­te de al­gum des­ses di­ag­nós­ti­cos, o in­di­ví­duo ra­pi­da­men­te faz uma re­tros­pec­ti­va de sua vi­da. As­sim, a ame­a­ça de al­gu­ma in­va­li­dez ou de mor­te ti­ra de ime­di­a­to o pa­ci­en­te de sua aco­mo­da­ção, da crô­ni­ca zo­na de con­for­to e a ini­ci­a­ti­va de mu­dan­ça é ime­di­a­ta. Nes­sa cir­cun­stân­cia, pe­lo me­do da mor­te, de uma in­va­li­dez, de pron­to o su­jei­to é in­ci­ta­do a mu­dan­ças do tão an­ti­go es­ti­lo de vi­da, co­mo vis­to aci­ma dos mais in­sa­lu­bres. Ele en­tão vai fa­zer ca­mi­nha­das, pro­cu­rar uma aca­de­mia de gi­nás­ti­ca, con­sul­tar com um car­di­o­lo­gis­ta ou nu­tró­lo­go, pi­la­tes, um per­so­nal trai­ner, um char­la­tão fa­mo­so da In­ter­net, uma li­po­suc­cão de gor­du­ras, uma ci­rur­gia ba­ri­á­tri­ca, uma plás­ti­ca de bar­ri­ga, de glú­te­os, etc. São ima­gens de nos­sa so­ci­e­da­de fre­men­te e de­men­te em vi­sí­vel de­ca­dên­cia.

Co­mo na sa­ú­de, te­mos o mes­mo pro­ces­so com­por­ta­men­tal em mui­tos ou­tros ce­ná­rios da vi­da. No ca­sa­men­to, quan­tas pes­so­as uma vez em vi­da con­ju­gal en­tram na sua zo­na de con­for­to de for­ma per­ma­nen­te e tor­nam a vi­da na mes­mi­ce, nu­ma ro­ti­na sem ne­nhum en­can­to a mais?  Mui­tas uni­ões che­gam ao pon­to de ab­so­lu­ta in­sig­ni­fi­cân­cia e fa­lên­cia con­ju­gal. E a sa­í­da é a se­pa­ra­ção. Se ami­gá­vel e con­sen­su­al me­nos ru­im, por­que em mui­tos ca­sos a dis­so­lu­ção do ca­sa­men­to se trans­for­ma em um au­tên­ti­co in­fer­no pa­ra pa­is e fi­lhos; quan­do não em eter­nas de­sa­ven­ças e cri­mes.

Mui­tos ou­tros exem­plos po­dem ser lem­bra­dos do pro­ces­so da zo­na de con­for­to ou aco­mo­da­ção. Na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, nas op­ções de en­tre­te­ni­men­to e la­zer. Até na op­ção re­li­gi­o­sa po­dem cons­ta­tar tais com­por­ta­men­tos. Pa­ra tan­to não fal­tam os fal­sos pro­fe­tas, igre­jas com in­te­res­se e te­o­lo­gia de pros­pe­ri­da­de e lu­cros pe­los dí­zi­mos e ou­tras ofer­tas dos fi­eis. Um sis­te­ma pa­re­ci­do com a ven­da das in­dul­gên­cias da ida­de mé­dia. Do­em-nos os seus bens e em tro­ca te­rão um as­sen­to no céu. Es­te o mo­te ou le­ma de mui­tas igre­jas.

Uma clas­se de pes­so­as na qual cons­ta­ta­mos o fe­nô­me­no da aco­mo­da­ção tem si­do a dos jo­vens. Ao que su­ge­rem es­tu­dos e pa­re­ce­res de es­pe­cia­lis­tas a ques­tão tem fun­da­men­to no pro­ces­so edu­ca­cio­nal fa­mi­liar, nos mé­to­dos pe­da­gó­gi­cos das es­co­las e na in­flu­ên­cia das tec­no­lo­gi­as de mí­dia e re­des so­ci­ais da in­ter­net.

Tra­ta-se de uma in­flu­ên­cia re­cen­te, da ida­de da pró­pria In­ter­net. O cer­to é que a cha­ma­da tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção(TI) tem tra­zi­do es­te efei­to co­la­te­ral pa­ra a cha­ma­da ge­ra­ção di­gi­tal ou z. São as cri­an­ças, os ado­les­cen­tes e jo­vens, cri­a­dos e edu­ca­dos qua­se to­tal­men­te imer­sos nas mí­di­as di­gi­tais e re­des so­ci­ais. Es­ses vêm for­man­do a le­gi­ão dos nem-nem-nem. Nem es­tu­dam, nem tra­ba­lham, nem in­te­res­se têm em am­bas as ini­ci­a­ti­vas. Os pa­is e ou­tros pa­ren­tes, se tor­nam os man­te­ne­do­res. Ou­tra tris­te ima­gem de nos­sos tem­pos.

E des­se em­be­ve­ci­men­to, des­se en­can­ta­men­to, des­sa em­bri­a­guez e alie­na­ção men­tal tem so­bre­vin­do a tão pa­ra­li­san­te e pas­si­va aco­mo­da­ção ou zo­na de con­for­to de nos­sa ju­ven­tu­de. Que os pa­is e edu­ca­do­res não se aco­mo­dem e pos­sam evi­tar es­sa ten­dên­cia tão de­ses­ti­mu­lan­te e des­cons­tru­ti­va da pes­soa hu­ma­na. Tal ta­re­fa é pos­sí­vel e de­ve co­me­çar em ca­sa, ain­da na pri­mei­ra in­fân­cia, e com es­co­las e pro­fes­so­res.  De­zem­bro/2017.

 

(Jo­ão Jo­a­quim, mé­di­co, ar­ti­cu­lis­ta DM fa­ce­bo­ok/ jo­ão jo­a­quim de oli­vei­ra  www.drjo­ao­jo­a­quim.blog­spot.com – What­sApp (62)98224-8810)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais