Opinião

Física quântica x coaching de vida

diario da manha

A fí­si­ca quân­ti­ca é uma ci­ên­cia de pos­si­bi­li­da­des, mai­or es­tu­di­o­sa das re­la­ções en­tre par­tí­cu­las atô­mi­cas, de­mons­tra que ca­da es­ta­do dos cor­pos se dá de acor­do com a ve­lo­ci­da­de da agi­ta­ção des­sas par­tes. En­ten­de­mos co­mo for­mas de ener­gia, além dos cor­pos, o som, a luz, o pen­sa­men­to e a ener­gia es­pi­ri­tual. To­dos es­ses em uma cres­cen­te de ve­lo­ci­da­de ener­gé­ti­ca, res­pec­ti­va­men­te. Tu­do é ener­gia.

Sa­ben­do que tu­do é ener­gia, in­clu­si­ve nos­so cor­po, de­li­mi­ta­mos en­tão que so­mos ma­ni­fes­ta­ção de­la. Nós vi­bra­mos em cer­ta ve­lo­ci­da­de: o cor­po em uma, o pen­sa­men­to em ou­tra… E é nes­sa vi­bra­ção do pen­sa­men­to em al­ta ve­lo­ci­da­de que po­de­mos in­flu­en­ciar pes­so­as e o mun­do, atra­in­do exa­ta­men­te o que es­ta­mos co­nec­ta­dos, ge­ran­do re­a­li­za­ções con­di­zen­tes com tal emis­são.

Es­sa ci­ên­cia es­tu­da e com­pro­va fe­nô­me­nos que ofe­re­cem ca­mi­nhos e so­lu­ções pa­ra que o in­di­ví­duo vi­va em equi­lí­brio, com sa­ú­de fí­si­ca e men­tal, em vá­ri­as di­men­sões. Ela in­te­ra­ge com o mun­do e, ape­sar de pou­co com­pre­en­di­da, re­vo­lu­ci­o­na con­cei­tos e traz re­cur­sos pa­ra que te­nha­mos mais qua­li­da­de de vi­da.

Com ca­mi­nhos na­da ób­vi­os ou de di­fí­cil per­cep­ção, a fí­si­ca quân­ti­ca tra­ta do po­der ener­gé­ti­co que emi­ti­mos ao uni­ver­so e co­mo o uni­ver­so nos de­vol­ve es­sa co­mu­ni­ca­ção. Pa­ra os es­tu­di­o­sos des­sa área, nós in­flu­en­cia­mos o mun­do atra­vés do que emi­ti­mos, se­ja atra­vés de pa­la­vras, ati­tu­des ou até mes­mo pen­sa­men­tos. Eis que as res­pos­tas são es­ti­mu­la­das por nós mes­mos.

Ou se­ja, de uma for­ma mais su­cin­ta e ob­je­ti­va, so­mos fru­to do que pen­sa­mos. Quan­do te­mos pen­sa­men­tos e ati­tu­des ne­ga­ti­vas, nos­sa vi­da se­rá cer­ca­da de re­fle­xos des­se pa­drão vi­tal emi­ti­do. Em con­tra­par­ti­da, se ema­na­mos po­si­ti­vi­da­de, vi­ta­li­da­de, ale­gria, pra­zer e bem-es­tar, gran­des re­a­li­za­ções se­rão al­can­ça­das, re­fle­xo da ener­gia que emi­ti­mos. É as­sim com fa­tos e pes­so­as: atra­í­mos o que pro­pa­ga­mos.

O co­a­ching, con­for­me seu po­si­cio­na­men­to, quer tor­nar o co­a­chee le­ve, fe­liz e re­a­li­za­do. Pa­ra is­so po­de-se uti­li­zar dos co­nhe­ci­men­tos da fí­si­ca quân­ti­ca no in­tui­to de ener­gi­zar e po­ten­ci­a­li­zar as ati­tu­des e pen­sa­men­tos do cli­en­te, em bus­ca da ex­ce­lên­cia de seus re­sul­ta­dos, con­for­me a me­ta es­ta­be­le­ci­da.

No pro­ces­so de co­a­ching, sa­be­mos da gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de que te­mos de cons­tru­ir nos­so pró­prio re­sul­ta­do. Te­mos a con­sci­ên­cia de que nos­sos com­por­ta­men­tos re­fle­tem no al­can­ce das me­tas. A ques­tão do em­pe­nho, da dis­ci­pli­na, de que­rer su­pe­rar ob­stá­cu­los, cren­ças li­mi­tan­tes… aqui não se­ria di­fe­ren­te. Po­si­ti­vi­da­de e bo­as ener­gi­as con­cor­rem pa­ra o nos­so su­ces­so. E é nes­se pon­to que a fí­si­ca quân­ti­ca en­tra com for­ça to­tal.

Se pen­sa­men­to se trans­for­ma em re­sul­ta­do, se so­mos ímãs do que emi­ti­mos, o co­a­ching vai au­xi­li­ar nes­se flu­xo ener­gé­ti­co do pen­sa­men­to. É im­por­tan­te de­mons­trar ao cli­en­te a im­por­tân­cia do seu po­si­cio­na­men­to de vi­da. Des­sa vez com o apoio de uma ci­ên­cia tão mi­nu­ci­o­sa e res­pei­ta­da: a fí­si­ca quân­ti­ca, que tra­ta das fre­quên­cias cons­ta­tá­veis no en­ce­fa­lo­gra­ma, a par­tir de si­nais mag­né­ti­cos.

Pen­sa­men­to po­de­ro­so: Vo­cê é o ar­qui­te­to da sua vi­da. Vo­cê é seu pró­prio es­cul­tor.

Va­le res­sal­tar que ser omis­so, fi­car “em ci­ma do mu­ro”, tam­bém te tra­rá res­pos­tas no au­to­má­ti­co. Es­tá tu­do in­ter­li­ga­do. Eis a ho­ra de pra­ti­cá-la! A men­te não dis­tin­gue o que é ima­gi­na­ção ou re­a­li­da­de. Vi­su­a­li­zar é um for­te ca­mi­nho pa­ra ma­te­ri­a­li­zar, en­tão pen­se po­si­ti­vo, pen­se na abun­dân­cia.

Além des­ses ar­gu­men­tos so­bre a fí­si­ca quân­ti­ca, va­le tra­zer exem­plos de al­gu­mas leis que têm to­tal com­pa­ti­bi­li­da­de e usa­bi­li­da­de no co­a­ching:

A lei da cau­sa­ção de­pen­den­te nos diz que mui­tas coi­sas são ape­nas sin­to­mas, co­mo vis­to an­te­rior­men­te. Ob­ser­var su­per­fi­ci­al­men­te não é tra­tar. Os pro­ble­mas nor­mal­men­te não são tra­ta­dos ou re­sol­vi­dos nos ní­veis em que fo­ram cri­a­dos. Já a lei da des­con­ti­nui­da­de tra­ta da mo­vi­men­ta­ção dos elé­trons, que nem sem­pre se dá de for­ma con­tí­nua. Eles po­dem de­sa­pa­re­cer de uma ór­bi­ta, sur­gin­do em ou­tra di­ver­sa. Na ro­ti­na prá­ti­ca po­de­mos ob­ser­var cu­ras que não se dão por tra­ta­men­tos con­ven­cio­nais, ou mu­dan­ças ines­pe­ra­das de al­gu­mas si­tu­a­ções de nos­sas vi­das. A lei da não-lo­ca­li­da­de, in­tro­du­zi­da por Eins­tein, de­mons­tra que po­dem acon­te­cer coi­sas en­tre dois se­res, ou du­as coi­sas, em lo­ca­is di­ver­sos. Per­ce­be is­so quan­do pen­sa em al­guém que não vê há tem­pos e es­sa pes­soa te li­ga? Ou quan­do al­guém sen­te uma dor e des­co­bre que um en­te que­ri­do te­ve um pro­ble­ma na­que­la re­gi­ão do­lo­ri­da?

O que que­re­mos di­zer, por fim, é que to­dos nós de­ve­mos con­si­de­rar a im­por­tân­cia do co­nhe­ci­men­to dos di­fe­ren­tes ní­veis da con­sci­ên­cia do ser hu­ma­no, pro­mo­ven­do a com­pre­en­são e a apli­ca­ção des­sas pos­si­bi­li­da­des tão ri­cas de pen­sar e vi­ver a vi­da de ma­nei­ra sa­u­dá­vel, po­si­ti­va e re­a­li­za­do­ra. Va­mos uti­li­zar nos­sos re­cur­sos in­ter­nos em bus­ca do su­ces­so de nos­sos ob­je­ti­vos. So­mos sim, res­pon­sá­veis por nos­sos re­sul­ta­dos.

 

(Marco Tulio da Costa, pro­fes­sor da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas nas áre­as de Em­pre­en­de­do­ris­mo, Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca, Ges­tão de pes­so­as, Li­de­ran­ça, Co­mu­ni­ca­ção, Ne­go­ci­a­ção e Es­tra­té­gia de Em­pre­sas.)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais