Opinião

As Folhas do Passado

diario da manha

Era o ano de 1997 na pe­que­na ci­da­de de Por­to da Ami­za­de in­te­ri­or de Go­i­ás, eu Clau­dio, Cân­di­da, e Cons­tan­ti­no vi­ví­a­mos fe­li­zes na sim­pli­ci­da­de que vi­ria, no en­tar­de­cer de ca­da dia e no ama­nhe­cer, pois na­que­la sim­bo­lo­gia de es­pe­ran­ça fi­ca­ram as lem­bran­ças dos me­lho­res mo­men­tos de mi­nha vi­da sen­do um tem­po plu­ral de emo­ção. Tu­do era se­re­no, sin­ge­lo e har­mo­ni­o­so meu pai Ge­ral­do na hu­mil­da­de de sua vi­vên­cia le­van­ta­va bem ce­do e ia tra­ba­lhar de car­tei­ro en­tre­gan­do car­tas de fe­li­ci­da­de, te­le­gra­mas de tris­te­za, mas cum­pria o seu iti­ne­rá­rio com hon­ra­dez e no­bre­za, mi­nha mãe Car­mem era pro­fes­so­ra mi­nis­tra­va au­las de por­tu­guês na es­co­la Vas­co de Ma­ga­lhã­es on­de re­a­li­za­va com es­me­ro seu ofi­cio com mui­ta de­di­ca­ção e que ti­nha o re­co­nhe­ci­men­to de seus alu­nos por seu no­tá­vel sa­ber em mi­nis­trar as gra­má­ti­cas, as con­jun­ções, ver­bos, ad­vér­bi­os, an­tô­ni­mos e si­nô­ni­mos to­da uma es­tru­tu­ra de con­cei­tos gra­má­ti­cais im­por­tan­tes pa­ra a nos­sa vi­da e pa­ra o nos­so de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al.

Quan­to a nós es­tu­dá­va­mos no Co­lé­gio Rei­nal­do Oli­vei­ra eu Cláu­dio, Cân­di­da e Cons­tan­ti­no le­van­tá­va­mos ce­do com um ca­fé de­li­cio­so ser­vi­do á me­sa com bo­los de fu­bá, bro­as, bis­coi­tos, pão de quei­jo, o me­lhor do nos­so co­ti­dia­no era che­gar ao Co­lé­gio e en­con­trar com os ami­gos Pau­lo, Cla­ra e Ma­ri­e­ta fi­lhos do se­nhor Bo­ni­fá­cio um far­ma­cêu­ti­co mui­to po­pu­lar e que aten­dia a to­dos com pres­te­za e ale­gria sem se im­por­tar com a con­di­ção so­ci­al das pes­so­as que o pro­cu­ra­vam fa­zen­do do seu tra­ba­lho um ato de aju­da ao pró­xi­mo.

As au­las eram ale­gres com os pro­fes­so­res Fer­nan­do de His­tó­ria en­si­nan­do os pe­rí­o­dos da his­tó­ria e sua im­por­tân­cia, a pro­fes­so­ra Clau­dia de Ge­o­gra­fia en­si­nan­do que a li­nha do equa­dor é uma li­nha ima­gi­ná­ria pa­ra pos­si­bi­li­tar a com­pre­en­são da ter­ra e a sua tem­pe­ra­tu­ra e tam­bém a for­ma­ção dos con­ti­nen­tes s e sua ex­plo­ra­ção pe­lo ho­mem que veio a sur­gir co­mo co­nhe­ce­mos ho­je com a sua con­fi­gu­ra­ção ge­o­grá­fi­ca.

Por ul­ti­mo não po­de­ria dei­xar de lem­brar da pro­fes­so­ra Mar­ta de Li­te­ra­tu­ra des­cre­ven­do a di­fe­ren­ça en­tre ar­ca­dis­mo , re­a­lis­mo e sim­bo­lis­mo, as su­as  fa­ses e au­to­res e es­ta­be­le­cen­do que a lei­tu­ra é o elo de trans­for­ma­ção de nos­sas vi­das pa­ra um des­per­tar de uma per­cep­ção no­va que in­se­re em uma mu­dan­ça ir­ra­di­a­do­ra.

Ao sa­ir do co­lé­gio era uma fes­ta can­tá­va­mos mu­si­cas po­pu­la­res, ser­ta­ne­jas e to­do ti­po de can­ção que ale­gra­va a nos­sa vi­da, al­guns anos se pas­sa­ram eu e meus ir­mãos ter­mi­na­mos  o an­ti­go se­gun­do grau  e pres­ta­mos ves­ti­bu­lar , to­dos nós fi­ze­mos Uni­ver­si­da­de, na Uni­ver­si­da­de Ar­ca­bou­ço da Sa­be­do­ria eu Clláu­dio gra­du­ei em Le­tras por­tu­guês, com mes­tra­do em Li­te­ra­tu­ra Com­pa­ra­da e ho­je mi­nis­tro au­las nes­ta mes­ma Uni­ver­si­da­de que for­mei na ci­da­de de Go­i­â­nia  , en­quan­to meus ir­mãos Cân­di­da e Cons­tan­ti­no se gra­du­a­ram em áre­as di­fe­ren­tes , mi­nha ir­mã Cân­di­da  for­mou-se em Jor­na­lis­mo tra­ba­lhan­do no Jor­nal En­ri­que­cer do Co­ti­dia­no em Go­i­â­nia e meu ir­mão Cons­tan­ti­no gra­duou em His­tó­ria com Dou­to­ra­do em His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea  mi­nis­tra au­las em  uma Uni­ver­si­da­de de Cam­po Gran­de, to­da aque­la uni­ão se des­fez com de­cor­rer dos anos , meus ir­mãos qua­se não os ve­jo  vi­vem na Cor­re­ria do dia a dia ,após sa­í­mos de Por­to da Ami­za­de tu­do se trans­for­mou meus pa­is fa­le­ce­ram e aque­le uni­da­de fa­mi­liar ho­je não exis­te .

Atra­vés de al­guns ami­gos de Por­to da Ami­za­de sou­be que meus an­ti­gos ami­gos co­le­gas de Co­lé­gio Pau­lo, Cla­ra e Ma­ri­e­ta for­ma­ram no mes­mo ofí­cio do se­nhor Bo­ni­fá­cio sen­do Far­ma­cêu­ti­cos con­cei­tu­a­dos, Pau­lo cu­i­dan­do da far­má­cia do se­nhor Bo­ni­fá­cio que por cau­sa da ida­de avan­ça­da não tem con­di­ções de tra­ba­lhar, se­guin­do o mes­mo exem­plo do pai sen­do pres­ta­ti­vo e cor­dial com as pes­so­as e Cla­ra e Ma­ri­e­ta tra­ba­lhan­do de far­ma­cêu­ti­cas em uma far­má­cia do se­tor Cen­tral e Sul de Go­i­â­nia se­guin­do os seus des­ti­nos de vi­da.

A vi­da é as­sim na­da con­ti­nua es­tá­ti­co pa­ra­do no tem­po as coi­sas mu­dam no de­cur­so de sua tra­je­tó­ria, um dia re­me­xen­do um ca­der­no an­ti­go de Ge­o­gra­fia fo­lhe­an­do as su­as fo­lhas to­dos es­ses bons mo­men­tos sur­gi­ram em mi­nha men­te e en­che­ram de sa­u­da­de o meu co­ra­ção, As Fo­lhas do Pas­sa­do são a de­mons­tra­ção que o tem­po pas­sa em su­as li­nhas, mas fi­ca­ra a es­cri­ta de um tem­po bom e per­ma­ne­ce­ra com a exa­ti­dão que sus­ten­ta a vi­da en­tão.

 

(Ruy da Pe­nha Lô­bo, gra­du­a­do em Le­tras Es­pa­nhol – UCG, ho­je Puc Go­i­ás – blog  twit­ter: @ pe­nha Lo­bo – re­si­den­te em Bon­fi­nó­po­lis – Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais