Opinião

Cuidar da mente é cuidar da vida

diario da manha

To­do mun­do sa­be que, quan­do a ca­be­ça vai mal, tu­do vai mal. Mes­mo o mais ig­no­ran­te tem no­ção de que nos­sa men­te é que re­gu­la to­da nos­sa vi­da.

Se a men­te es­tá tran­qui­la, o co­ra­ção es­tá fe­liz; a paz re­i­na den­tro de nós, apa­re­ce em tu­do o que fa­la­mos e fa­ze­mos; e a su­a­vi­da­de re­i­na em nos­sa con­vi­vên­cia com os de­mais. Mas se a men­te es­tá des­con­tro­la­da, sur­gem lo­go os pro­ble­mas, as di­fi­cul­da­des, as vi­o­lên­cias mo­ra­is e até fí­si­cas. O mal-es­tar e a amar­gu­ra cos­tu­mam apa­re­cer de­pres­sa se a men­te vi­ve um mau mo­men­to.

No tra­ba­lho, se o em­pre­ga­do es­tá com a men­te to­ma­da por um pro­ble­ma pes­so­al ou fa­mi­liar, seu com­por­ta­men­to e sua pro­du­ti­vi­da­de lo­go pi­o­ram. Di­fi­cul­da­des de con­vi­vên­cia, aci­den­tes do tra­ba­lho, de­cai­men­to na as­si­mi­la­ção de no­vas ta­re­fas e mui­tos ou­tros in­con­ve­ni­en­tes sur­gem de ime­di­a­to.

No meio fa­mi­liar, to­do mun­do sa­be de que jei­to o pa­pai che­ga em ca­sa. No seu ros­to es­tá es­tam­pa­do o es­ta­do men­tal. O sem­blan­te car­re­ga­do é si­nal de men­te com pro­ble­mas, e o me­lhor é não se ex­por, por­que a ir­ri­ta­ção, a as­pe­re­za e as ex­pres­sões vi­o­len­tas cos­tu­mam ser co­muns nes­sas si­tu­a­ções.

Se to­ma­mos um tá­xi, um ôni­bus ou qual­quer ou­tro meio de tran­spor­te, es­pe­ra­mos que o con­du­tor do ve­í­cu­lo es­te­ja com a men­te em bom es­ta­do; e fi­ca­mos pre­o­cu­pa­dos se o ve­mos men­tal­men­te agi­ta­do, vi­o­len­to, sem con­tro­le.

Tu­do is­so e mui­to mais ilus­tra a im­por­tân­cia da men­te em nos­sas vi­das. Ela é uma pe­ça cen­tral em tu­do o que nos acon­te­ce.  Sen­do as­sim, na­da mais ló­gi­co do que de­di­car­mos a ela um gran­de cui­da­do e um gran­de ca­ri­nho.

Não de­ve­mos, por exem­plo, usar nos­sa men­te co­mo la­ta que re­ce­be o li­xo al­heio. Ha­ve­mos de pre­ser­vá-la dos tan­tos pen­sa­men­tos e ima­gens des­qua­li­fi­ca­dos, vi­o­len­tos e do­en­ti­os que ho­je são di­fun­di­dos pe­lo mun­do de for­ma en­lou­que­ci­da e en­lou­que­ce­do­ra, quer se­ja via in­ter­net, te­le­vi­são, ci­ne­ma, li­vros e re­vis­tas. Pre­ci­sa­mos se­le­ci­o­nar, e bem, os con­te­ú­dos que me­re­cem a hon­ra de en­trar em nos­sas men­tes.

Ou­tro cui­da­do que de­ve­mos ter é o de não en­tre­gar a men­te pa­ra os im­pos­to­res de sem­pre, os fa­bri­can­tes de fa­ná­ti­cos, os co­mer­cian­tes de gra­ças di­vi­nas. Se en­tre­ga­mos nos­sa vi­da a qual­quer um, é cer­to que fa­rão de­la um jo­gue­te, um ins­tru­men­to de su­as au­da­zes su­ges­tões ou idei­as ex­tra­vi­a­das.

Pre­ser­ve­mos nos­sa men­te, tam­bém, das tris­te­zas do mun­do. É cer­to que nos in­te­res­se­mos por sa­ber o que acon­te­ce com a hu­ma­ni­da­de, tan­to a da­qui co­mo a de to­da par­te; mas não pre­ci­sa­mos pas­sar o tem­po to­do ca­tan­do de­ta­lhes das mui­tas des­gra­ças que o mal pro­duz ho­je no mun­do.

Cu­i­dar de nos­sa men­te é cu­i­dar de nos­sa vi­da. Por is­so, con­for­me en­si­na o es­cri­tor e edu­ca­dor Gon­zá­lez Pe­cot­che, to­da noi­te, ao nos dei­tar­mos, de­po­si­ta­mos um te­sou­ro so­bre nos­so tra­ves­sei­ro.

 

(Dalmy Ga­ma, es­cri­tor, pro­fes­sor, do­cen­te de Lo­go­so­fia)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais