Opinião

O diálogo como solução

diario da manha

Na dis­cus­são po­lí­ti­ca o mai­or ob­stá­cu­lo à ser tran­spos­to é o de­sa­fio da con­ver­gên­cia de idei­as, mes­mo que to­dos sai­bam que a po­lí­ti­ca se faz com di­á­lo­go, re­nún­cia, es­pí­ri­to pú­bli­co, hu­mil­da­de e mui­ta  com­pre­en­são. Quem CHI­pro­põe a can­di­da­tar-se a car­go po­lí­ti­co tem que se sub­me­ter a es­sas con­di­ções, sob pe­na de se pre­ju­di­car e in­vi­a­bi­li­zar o pro­je­to do par­ti­do on­de to­dos se­ri­am pre­ju­di­ca­dos. Co­mo dis­se an­te­rior­men­te, a ar­ma po­de­ro­sa pa­ra re­sol­ver qual­quer con­fli­to po­lí­ti­co, con­ti­nua sen­do o di­á­lo­go sa­dio, res­pei­to­so e sin­ce­ro. Não se re­sol­ve di­ver­gên­cias por meio da im­pren­sa, das re­des so­ci­ais e nem atra­vés de men­sa­gei­ros, a so­lu­ção vi­rá das ro­das de con­ver­sas com os in­te­res­sa­dos pre­sen­tes, com es­pí­ri­tos de­sar­ma­dos, dis­pos­tos a fa­la­rem, ou­vi­rem e acei­ta­rem a de­ci­são ex­tra­í­da da con­ver­gên­cia das idei­as. De­ci­são es­sa que de­ve sem­pre le­var em con­ta os pon­tos in­dis­pen­sá­veis pa­ra que to­dos sai­am sa­tis­fei­tos do pro­ces­so. Nes­se ca­so, mes­mo su­jei­to a no­tí­cias fal­sas, a ma­ni­fes­ta­ção da mai­o­ria do po­vo é o me­lhor ter­mô­me­tro pa­ra me­dir a den­si­da­de elei­to­ral dos can­di­da­tos. É pos­sí­vel que no cur­so do pro­ces­so elei­to­ral fa­tos no­vos apa­re­çam e mu­de a opi­ni­ão e op­ção do elei­tor. Mas, o ris­co de sa­ir na fren­te e che­gar de­pois, é bem me­nor do que sa­ir atrás e che­gar na fren­te. Com mais uma in­cer­te­za, nun­ca se sa­be de que la­do vão fi­car os per­de­do­res e in­de­ci­sos.

A re­nún­cia no pro­ces­so po­lí­ti­co de­mo­crá­ti­co é tam­bém um ges­to de gran­de­za e es­pí­ri­to pú­bli­co do po­lí­ti­co que não faz po­lí­ti­ca por vai­da­de e nem pe­lo de­se­jo fa­zer da po­lí­ti­ca a sua pro­fis­são. Po­lí­ti­ca não é pro­fis­são, é do­a­ção es­pon­tâ­nea e vo­ca­ção pa­ra ser­vir o pró­xi­mo. Is­so é o que cha­ma­mos de es­pí­ri­to pú­bli­co e com­pro­me­ti­men­to com as cau­sas so­ci­ais, in­de­pen­den­te de in­te­res­se par­ti­cu­lar e de gru­pos, mas sem­pre vi­san­do o in­te­res­se do con­jun­to da so­ci­e­da­de. Por úl­ti­mo, pa­ra vi­a­bi­li­zar um bom en­ten­di­men­to na po­lí­ti­ca e tran­spor qual­quer ob­stá­cu­lo, é ne­ces­sá­rio que ha­ja mui­to di­á­lo­go, con­ver­gên­cias de idei­as e de pro­je­tos, bem co­mo von­ta­de de con­quis­tar bons re­sul­ta­dos. Es­se é sem dú­vi­das o mai­or de­sa­fio que os po­lí­ti­cos e par­ti­dos têm pa­ra vi­a­bi­li­zar can­di­da­tu­ra que te­nha a mai­o­ria dos elei­to­res. Es­sa mai­o­ria não po­de ser ape­nas dos lí­de­res do par­ti­do, têm que ser ex­tra­í­da de con­sul­ta po­pu­lar e ofi­ci­al.

De­sa­fio é pa­ra ser en­fren­ta­do com co­ra­gem,  de­ter­mi­na­ção e mui­ta de­di­ca­ção. Na po­lí­ti­ca se bus­ca o po­der co­mo ins­tru­men­to do ser­vir. Por­tan­to, a pes­soa que se en­vol­ve na po­lí­ti­ca por vai­da­de e in­te­res­se in­con­fes­sá­vel, de­ve ser ba­ni­do da po­lí­ti­ca. É por con­ta de gen­te que age des­se ti­po que o Bra­sil pas­sa por mo­men­tos di­fí­ceis. É pre­ci­so mu­dar o con­cei­to e a prá­ti­ca da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. O po­lí­ti­co que não en­ten­der is­so, de­ve ser ex­pur­ga­do da vi­da pú­bli­ca. Não me re­fi­ro a pes­soa, ve­lha ou no­va, fa­lo da mu­dan­ça e da atu­a­li­za­ção do con­cei­to de po­lí­ti­ca e da que­bra de de­ter­mi­na­dos pa­ra­dig­mas. Os cha­ma­dos ca­ci­ques e lí­de­res mai­o­res dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, os qua­is ren­do a mi­nha ho­me­na­gem e res­pei­to, não po­dem des­pre­zar os ín­di­os e lí­de­res me­no­res que tam­bém pen­sam e têm bo­as idei­as. No dia que os di­ri­gen­tes de par­ti­dos con­ver­sa­rem mais com os fi­li­a­dos, e ti­ve­rem a hu­mil­da­de de ou­vi-los e apro­vei­tar as su­as idei­as, o par­ti­do se­rá for­ta­le­ci­do, tor­nar-se-á gran­de e di­fi­cil­men­te per­de­rá elei­ções. Nin­guém vi­ve do pas­sa­do, po­de até fa­zer re­fe­rên­cia a ele, mas sem a im­pres­são de ape­go ao que fez an­tes, co­mo for­ma de con­ven­cer o elei­tor pa­ra no­vas em­prei­ta­das. Não es­tou per­so­na­li­zan­do par­ti­dos e nem po­lí­ti­cos, fa­lo em te­se e o que pen­so do pro­ces­so po­lí­ti­co bra­si­lei­ro. To­da­via, se de­pen­des­se de mim  se­pul­ta­ria a prá­ti­ca atu­al de fa­zer po­lí­ti­ca. Sei que a mu­dan­ça de­pen­de de nós e que a ar­ma a ser uti­li­za­da cha­ma-se di­á­lo­go.

 

(Gercy Jo­a­quim Ca­mê­lo, co­ro­nel da Re­ser­va Re­mu­ne­ra­da da Po­lí­cia Mi­li­tar de Go­i­ás e Go­ver­na­dor 2012/2013 do Ro­tary In­ter­na­ti­o­nal, Dis­tri­to 4530)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais