Opinião

Parceiros na sexualidade

diario da manha

A al­guns sé­cu­los atrás, não ha­via pre­ser­va­ti­vos e nem an­ti­bi­ó­ti­cos. A Igre­ja Ca­tó­li­ca era bem mais ex­pres­si­va. Gru­pos se uni­am pa­ra la­vrar a ter­ra, plan­tar e co­lher. Es­ta­be­le­cia-se pe­que­nos po­vo­a­dos que iam cres­cen­do à me­di­da que o tem­po pas­sa­va. Sa­be­mos que em mui­tas cul­tu­ras o ma­cho da es­pé­cie hu­ma­na, sem­pre te­ve a pri­ma­zia de se re­la­ci­o­nar se­xu­al­men­te com vá­ri­as mu­lhe­res e não ser con­si­de­ra­do des­res­pei­to­so ou ile­gal, pe­lo fa­to de man­ter es­te com­por­ta­men­to mes­mo es­tan­do na­mo­ran­do ou ca­sa­do. Com o cres­cen­te aglo­me­ra­do de pes­so­as, as do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis co­me­ça­ram a se alas­tra­rem des­con­tro­la­da­men­te, en­de­mi­as de­vas­ta­vam po­vo­a­dos in­tei­ros. En­tão, a so­ci­e­da­de co­me­çou a se re­ar­ran­jar e es­ta­be­le­ceu a mo­no­ga­mia, no in­ten­to de co­i­bir a pro­li­fe­ra­ção das en­fer­mi­da­des; com to­tal apoio da Igre­ja. Iden­ti­fi­ca­mos na his­tó­ria que mui­tas na­ções im­pu­se­ram a mor­te por en­for­ca­men­to, co­mo pe­na àque­les ho­mens que fos­sem pe­gos em adul­té­rio.

Ho­je te­mos: an­ti­bi­ó­ti­cos, pre­ser­va­ti­vos se­xu­ais, an­ti­con­cep­ci­o­nais e te­mos tam­bém apli­ca­ti­vos na in­ter­net que es­ti­mu­lam e ge­ram mo­dis­mos ques­ti­o­ná­veis re­la­ti­vos à pra­ti­ca se­xu­al em gru­pos, e sem uso de ca­mi­si­nha, co­mo re­gra pri­mor­di­al. Te­mos aí tam­bém o in­cen­ti­vo à pro­mis­cu­i­da­de e trai­ção na bus­ca do pra­zer. In­de­pen­den­te do ti­po de re­la­ci­o­na­men­to a res­pon­sa­bi­li­da­de com a sa­ú­de do (a) par­cei­ro (a) e a cum­pli­ci­da­de de­vem ser­vir de ba­se. É fa­to in­con­tes­tá­vel que o im­pul­so pa­ra a prá­ti­ca se­xu­al es­tá li­ga­do a nos­so ins­tin­to e for­ma de cri­a­ção.

Con­ver­san­do com ado­les­cen­tes, eu per­ce­bo que a pre­o­cu­pa­ção com a pro­te­ção nas re­la­ções he­te­ros­se­xu­ais e ho­mos­se­xu­ais é bem me­nor que es­se cui­da­do no jo­vem da dé­ca­da de 90. O ado­les­cen­te da­que­la épo­ca per­deu vá­rios ído­los por do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis, e is­so era di­vul­ga­do pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Atu­al­men­te quan­do um as­tro das ar­tes ou do es­por­te fa­le­ce de­vi­do a aids, é no­ti­ci­a­do ape­nas a do­en­ça opor­tu­nis­ta que fez cul­mi­nar na mor­te. In­for­mam que o fa­le­ci­men­to foi de­vi­do a com­pli­ca­ções no tra­to res­pi­ra­tó­rio, por exem­plo.

As po­lí­ti­cas pú­bli­cas de sa­ú­de pre­ven­ti­va de­vem ser fo­ca­das com mai­or in­ten­si­da­de na po­pu­la­ção jo­vem. Nos­sa cul­tu­ra es­tá ho­je apre­sen­tan­do ape­nas os prós e pra­ti­ca­men­te na­da de ônus re­fe­ren­te aos atos li­ber­ti­nos. Pa­ra­le­lo a ação go­ver­na­men­tal, de­ve­mos ze­lar pe­la qua­li­da­de de vi­da, pe­la nos­sa exis­tên­cia. Nos pro­te­ger e cu­i­dar de quem ama­mos. Op­tan­do pe­la mo­no­ga­mia ou pe­la po­li­ga­mia, o es­sen­cial é o bom uso do dis­cer­ni­men­to. A trai­ção se con­so­li­da na ir­res­pon­sa­bi­li­da­de as­so­cia­da à au­sên­cia de em­pa­tia.

 

(Ro­nal­do Ma­ri­nho,escritor, ges­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais