Opinião

Ciclo do sertão

diario da manha

Pre­za­dos ami­gos, lei­to­res e co­le­gas. Es­tou lan­çan­do ho­je, dia 06, um Box in­ti­tu­la­do Ci­clo do ser­tão, con­ten­do os meus três li­vros pu­bli­ca­dos nas dé­ca­das de 1950 e 1970: “O que foi pe­lo ser­tão” – Edi­to­ra de Au­to­res No­vos – SP (1956) ; “Ser­tão – o Rio e a Ter­ra” – Edi­to­ra – Li­vra­ria São Jo­sé – Rio de Ja­nei­ro (1959) e “For­ça da ter­ra” – Edi­to­ra Jo­sé Olympio – Rio de Ja­nei­ro, em  1974. São to­dos li­vros de con­tos, al­guns de­les pre­mi­a­dos e par­ti­ci­pan­tes de an­to­lo­gi­as. Tam­bém a cri­ti­ca da épo­ca aju­dou mui­to. Ho­je, in­fe­liz­men­te, qua­se nin­guém faz, não di­go crí­ti­ca, mas ava­li­a­ções de nos­sos li­vros.

O lan­ça­men­to se­rá na Li­vra­ria Lei­tu­ra, no Go­i­â­nia Shop­ping (Par­que Va­ca Bra­va), a par­tir das 18,30 ho­ras – A edi­ção é da Ta­go­re Tram­po­lim, de Bra­sí­lia e o pre­ço do Box é de 50 re­ais. Es­pe­ro por vo­cês e, an­te­ci­pa­da­men­te, agra­de­ço!

O pri­mei­ro li­vro é co­mo o nas­ci­men­to do pri­mei­ro fi­lho. As opi­ni­ões dos crí­ti­cos da épo­ca so­bre o que foi pe­lo ser­tão, me ani­ma­ram a pros­se­guir na li­te­ra­tu­ra. Ho­je es­tou com 50 li­vros pu­bli­ca­dos e mui­tos ou­tros pron­tos pa­ra saí­rem. Atu­al­men­te es­tou fin­dan­do o pa­ra­di­dá­ti­co his­tó­ria de Go­i­â­nia pa­ra es­co­las – Do Fun­da­men­tal a Fa­cul­da­de.

Al­gu­mas apre­cia­ções so­bre es­tes li­vros: “Os con­tos de W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, es­cri­tos em lin­gua­gem cla­ra, cor­ren­tia, re­tra­tam ad­mi­ra­vel­men­te bem, os ce­ná­rios go­i­a­nos. A di­a­lo­ga­ção dos ti­pos ser­ta­ne­jos é ex­pres­si­va e per­fei­ta. Não são pa­la­vras ou pe­rí­o­dos in­ven­ta­dos pa­ra cau­sar efei­to, mas ex­pri­mem per­fei­ta­men­te o lin­gua­jar da gen­te do hin­ter­land. O au­tor, gran­de ob­ser­va­dor do meio, evo­ca emo­cio­nal­men­te a pai­sa­gem e a vi­da da ter­ra anhan­gue­ri­na. “O que foi pe­lo ser­tão” é uma pro­mis­so­ra amos­tra de seus pen­do­res re­gi­o­na­lis­tas, na­da lhe fal­tan­do pa­ra que de fu­tu­ro nos dê uma obra de fô­le­go ca­paz de fi­car co­mo do­cu­men­to dos tem­pos que cor­rem.”- Vic­tor de Car­va­lho Ra­mos

“O que foi pe­lo ser­tão” é um li­vro de con­tos que se lê com sa­tis­fa­ção. Boa idéia foi a ane­xa­ção de vo­ca­bu­lá­rio elu­ci­da­ti­vo, mor­men­te em se tra­tan­do de as­sun­tos re­gi­o­nais. Va­le mui­to pa­ra pes­qui­sas fol­cló­ri­cas. É exem­plo que to­dos os es­cri­to­res di­tos re­gi­o­na­lis­tas de­ve­ria ano­tar” –  Ade­li­no Bran­dão

“W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, jo­vem au­tor de Go­i­ás, re­u­niu num vo­lu­me ex­ce­len­te co­lhei­ta de his­tó­ri­as so­bre o seu Es­ta­do”- Ra­ul Li­ma

”Ba­ri­a­ni Or­ten­cio é um ho­mem do ser­tão que re­ve­la ine­gá­veis qua­li­da­des co­mo con­tis­ta, e prin­ci­pal­men­te co­mo pin­tor de ce­nas e epi­só­di­os da vi­da ro­cei­ra.”- Her­cu­la­no Pi­res

“É óti­mo o con­tis­ta de “O que foi pe­lo ser­tão” – Xa­vi­er Pla­cer

“O que foi pe­lo ser­tão”, são qua­tor­ze  con­tos es­plên­di­dos, bem fei­tos, ori­gi­nais e que re­pre­sen­tam a ex­pres­são no­va de um es­ta­do tão vi­vo de in­te­res­se. O au­tor ti­rou par­ti­do nas su­as in­ter­pre­ta­ções, sou­be ver o fe­nô­me­no  po­pu­lar, deu ên­fa­se às coi­sas, e es­cre­veu uma be­la e cu­ri­o­sa sé­rie de con­tos que se lêm com en­can­to.” –  Dan­te de Layta­no

“W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio um ta­len­to for­te­men­te ori­gi­nal. Se qui­sés­se­mos fa­zer com­pa­ra­ções, so­men­te en­con­tra­rí­a­mos um va­lor  as­sim, do pon­to de vis­ta do ge­nu­í­no e do pu­ro sem mes­cla, no ga­ú­cho Jo­ão Si­mões Lo­pes Net­to. Ele tem o ce­ti­cis­mo meio cí­ni­co, meio re­sig­na­do ca­bo­clo, o amar­go hu­mor que al­guns es­tra­nham em Ma­cha­do de As­sis. O au­tor tem um ru­de e be­lo es­ti­lo, com acha­dos po­é­ti­cos, co­mo a des­cri­ção de “um ca­sa­rão de­ser­ta­men­te aban­do­na­do” e quan­do fa­la de uma “pro­cis­são que me­an­dra­va pe­lo ar­rai­al”.  São 128 pá­gi­nas só, mas que mun­do, e que sín­te­se! É um li­vro que va­le a pe­na ser li­do. Pren­de a aten­ção e vai-se até o fim.” – Ruth Gui­ma­rã­es

“Na mes­ma li­nha do con­for­mis­mo  for­mal en­con­tra­mos Ba­ri­a­ni Or­ten­cio com o li­vro de con­tos  Ser­tão Sem Fim, on­de o  au­tor se im­põe pe­la ori­gi­na­li­da­de de sua nar­ra­ti­va que, pe­lo con­te­ú­do lo­cal, se tor­na au­tên­ti­co do­cu­men­tá­rio re­gi­o­nal. Um es­cri­tor, sem dú­vi­da al­gu­ma, pa­ra o gran­de pú­bli­co”. Le­o­nar­do Ar­ro­yo – São Pau­lo

So­bre o li­vro Ser­tão – O rio a ter­ra e a for­ça da ter­ra – “Re­al­men­te os con­tos são mag­ní­fi­cos. Di­a­lo­ga­ção per­fei­ta, lin­gua­jar apro­pria­do, es­ti­lo cris­ta­li­no, ce­ná­rios bem ca­rac­te­ri­za­dos. Meus pa­ra­béns. W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio é, atu­al­men­te, dos me­lho­res re­gi­o­na­lis­tas. De um fa­to in­sig­ni­fi­can­te for­ja um con­to bem pro­du­zi­do, cheio de emo­ção e sur­pre­sa.” – Vic­tor de Car­va­lho Ra­mos – Jor­nal La­vou­ra & Co­mér­cio – Ube­ra­ba

“Ser­tão – o rio e a ter­ra” (con­tos go­i­a­nos) mos­tra o es­pí­ri­to cri­a­dor de um es­cri­tor que ma­ne­ja a fic­ção com de­sen­vol­tu­ra, o es­ti­lo sem pre­ci­o­sis­mo e de­vo­to amor à tra­di­ção e aos cos­tu­mes que fa­zem de seu li­vro con­tri­bui­ção fe­liz pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e im­por­tân­cia da li­te­ra­tu­ra re­gi­o­na­lis­ta.” Dan­te de Layta­no – Jor­nal O Es­ta­do do Rio Gran­de – Por­to Ale­gre

“Ser­tão – o Rio e a Ter­ra” agra­dou-me imen­so, prin­ci­pal­men­te pe­la for­ma li­te­rá­ria, lin­gua­gem ti­pi­ca­men­te bra­si­lei­ra tão cu­ri­o­sa na sua ma­nei­ra sim­ples, pes­so­al, di­fe­ren­te, úni­ca.” – Ma­ria da Con­cei­ção No­bre – An­go­la, Áfri­ca

“Há, en­tre os que es­tre­a­ram há me­nos de cin­co anos, um au­tor que ne­ces­si­ta ser con­si­de­ra­do: W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, de “Ser­tão – o Rio e a Ter­ra”, fi­el ao re­gi­o­na­lis­mo go­i­a­no, não ul­tra­pas­sa a fa­la do po­vo pa­ra com­por as his­tó­ri­as que tan­to nos faz lem­brar Hu­go de Car­va­lho Ra­mos. O nar­ra­dor, que co­nhe­ce per­fei­ta­men­te a re­gi­ão, de tal  mo­do er­gue os epi­só­di­os que fa­tal se tor­na  sua co­lo­ca­ção en­tre os me­lho­res re­gi­o­na­lis­tas bra­si­lei­ros. O con­to “O Pei­xe Que­bra An­zol”, qua­se uma pe­que­na obra – pri­ma as­se­gu­ra a im­por­tân­cia des­te con­tis­ta e bas­ta pa­ra de­mons­trar co­mo são po­de­ro­sos seus re­cur­sos”. Ado­ni­as Fi­lho – Di­á­rio de No­tí­cias – Rio

“ O Sr. W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, em “Ser­tão – o Rio e a Ter­ra”, de­mons­tra ser um per­fei­to nar­ra­dor de con­tos re­gi­o­na­lis­tas, sa­ben­do pren­der e ar­ras­tar a aten­ção do lei­tor, da pri­mei­ra à úl­ti­ma li­nha sem fa­ti­gar” –  Ál­va­ro Au­gus­to Lo­pes – Jor­nal A Tri­bu­na – San­tos

“ Se o  pro­vin­cia­nis­mo  que se ma­ni­fes­ta no tí­tu­lo, nas ilus­tra­ções tos­cas, nas opi­ni­ões tran­scri­tas nas “ore­lhas”po­de in­flu­en­ciar­mos des­fa­vo­ra­vel­men­te, a lei­tu­ra dos con­tos re­con­ci­lia-nos com o au­tor que pos­sui ine­gá­veis do­tes pa­ra o gê­ne­ro. A ca­pa­ci­da­de de cri­ar ti­pos e ar­qui­te­tar  his­tó­ri­as, a ha­bi­li­da­de de man­ter até o fim o in­te­res­se do lei­tor, cer­to hu­mor se­co e la­cô­ni­co, são qua­li­da­des do no­vo con­tis­ta. Seu es­ti­lo, flu­en­te e di­re­to, com boa do­sa­gem de re­gi­o­na­lis­mo”. Au­ré­lio Bu­ar­que de Hol­lan­da – Di­á­rio de No­tí­cias – Rio

“Tais pe­que­nas his­tó­ri­as de W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio ins­pi­ra-se no ce­ná­rio ru­de da zo­na cen­tro-oes­te bra­si­lei­ra e re­ve­lam as­pec­tos cu­ri­o­sos, ori­gi­nais e amar­gos mui­tas ve­zes da vi­da ser­ta­ne­ja e das con­di­ções da exis­tên­cia do ho­mem vin­cu­la­do ao in­te­ri­or go­i­a­no. Os vin­te con­tos en­fei­xa­dos  nes­te vo­lu­me re­a­fir­mam as qua­li­da­des de ob­ser­va­dor e es­ti­lis­ta que é W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, já des­ta­ca­dos em li­vro an­te­ri­or”. Ma­ria de Lour­des Tei­xei­ra – Fo­lha da Ma­nhã – SP

“Ser­tão – o Rio e a Ter­ra”, do jo­vem con­tis­ta go­i­a­no W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, re­a­fir­ma as qua­li­da­des re­ve­la­das pe­lo au­tor em seu  li­vro “O Que Foi pe­lo Ser­tão”, co­mo es­cri­tor re­gi­o­na­lis­ta do gran­de Pla­nal­to Cen­tral, sim­ples e ho­nes­to co­mo a sua gen­te”. Ju­das Is­go­ro­go­ta – A Ga­ze­ta – SP

“O tra­ba­lho de W. Ba­ri­a­ni Or­ten­cio – “Ca­pri­cho do Des­ti­no”, em seu úl­ti­mo li­vro “Ser­tão – o Rio e a Ter­ra” po­de­rá ser apre­sen­ta­do aos cri­mi­na­lis­tas de qual­quer par­te do mun­do, por­que o au­tor fi­xa o in­di­vi­duo as­som­bra­do com um su­pos­to ata­que, che­gan­do a não co­nhe­cer um com­pa­dre, com­pa­nhei­ro di­á­rio de vi­a­gem, qua­se o ma­tan­do em uma en­cru­zi­lha­da, no in­te­ri­or do seu ve­í­cu­lo. To­mou o per­so­na­gem de Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, a ati­tu­de de de­fe­sa sub­je­ti­va, e se acio­nas­se o ga­ti­lho do re­vól­ver, es­ta­ria ca­rac­te­ri­za­do o “er­ro de pes­soa”. Ad­mi­ro que Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, não sen­do  ba­cha­rel em Di­rei­to, nem mes­mo es­tu­dan­te, tal co­mo Ma­cha­do de As­sis, fi­xas­se tão bem si­tu­a­ções ju­rí­di­cas en­qua­dra­das no Di­rei­to Cri­mi­nal”. Aloi­sio de Car­va­lho Fi­lho (Con­fe­rên­cia: “Ma­cha­do de As­sis e o Di­rei­to Pe­nal”- Sal­va­dor

“Uma lin­gua­gem sim­ples, uma nar­ra­ção que se con­duz sem ar­ti­fí­ci­os de es­ti­los, de ma­nei­ra na­tu­ral,  pren­de o lei­tor des­de o co­me­ço dos con­tos – “O es­pan­ta­lho mi­la­gro­so” até o  úl­ti­mo – “O pei­xe que­bra an­zol”. São vin­te his­tó­ri­as que, tres­ca­lan­do no en­re­do per­fu­mes  ver­des dos cam­pos go­i­a­nos, da vi­da in­gê­nua de vi­la­re­jos, me­re­cem fi­gu­rar en­tre as me­lho­res pro­du­ções  da li­te­ra­tu­ra re­gi­o­na­lis­ta”. Jo­sé D’Apa­re­ci­da Tei­xei­ra – Di­á­rio de No­tí­cias – Ri­bei­rão Pre­to

“W, Ba­ri­a­ni Or­ten­cio nar­ra os ca­sos de sua ter­ra nu­ma lin­gua­gem sim­ples, mas sem de­se­le­gân­cia sin­tá­ti­ca, sem im­pro­pri­e­da­de de vo­cá­bu­los  ou mau gos­to de ex­pres­são. Ao ler­mos es­ses con­tos, até pa­re­ce que es­ta­mos ao ou­vi-los ao pé do fo­go, nas noi­tes fri­o­ren­tas da­que­la re­gi­ão, dos lá­bi­os dos pró­prios ser­ta­ne­jos. Fi­el em tu­do à cor lo­cal, que se re­tra­tam atra­vés de in­tri­gas, por ve­zes meio in­gê­nuas, mas sem­pre pi­to­res­cas, os ti­pos, os usos e cos­tu­mes go­i­a­nos. De­ve­mos acen­tu­ar ain­da a ori­gem fol­cló­ri­ca de mui­tos en­re­dos que o au­tor sou­be te­cer com gra­ça e ha­bi­li­da­de. Eis um li­vro de ca­rá­ter po­pu­lar, es­cri­to pra o gran­de pú­bli­co, on­de os es­tu­di­o­sos da vi­da bra­si­lei­ra po­de­rão en­con­trar, en­tre­tan­to, ele­men­tos do­cu­men­tá­rios apre­ciá­veis”. Bri­to Bro­ca – Cor­reio da Ma­nhã – Rio

“Sua ex­pres­são é flu­en­te, não acu­san­do a bus­ca de pa­la­vras, nem me­an­dros na cons­tru­ção das fra­ses; e seus con­tos di­zem al­gu­ma coi­sa com a con­vic­ção su­fi­ci­en­te pa­ra lhes dar aque­le ca­rá­ter de  au­ten­ti­ci­da­de que, em­bo­ra ilu­só­ria, é ne­ces­sá­ria à com­po­si­ção em pro­sa. Es­ta­mos, por­tan­to,  di­an­te de um au­tor que se con­fir­ma num gê­ne­ro que em­pol­ga ca­da vez mais os es­cri­to­res jo­vens do Pa­ís”. Do­min­gos Car­va­lho da Sil­va – Di­á­rio de S. Pau­lo

“Os con­tos de Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, que es­tre­ou em 1956 com a obra “O Que Foi Pe­lo Ser­tão”, ten­do por ce­ná­rio as pai­sa­gens da zo­na cen­tro-oes­te bra­si­lei­ra, re­ve­lam, atra­vés de uma nar­ra­ti­va li­ne­ar, de um es­ti­lo des­pre­ten­si­o­so, di­re­to, sim­ples,  as­pec­tos in­te­res­san­tes da vi­da ser­ta­ne­ja e as con­di­ções de exis­tên­cia do ho­mem vin­cu­la­do ao in­te­ri­or go­i­a­no”. Os­car Sa­bi­no Jr. – Re­vis­ta Lei­tu­ra – Rio

“Al­guns con­tos de Ba­ri­a­ni Or­ten­cio per­ten­cem à for­ma fá­cil do re­gi­o­na­lis­mo de Os Ca­bo­clos; mas um con­to  co­mo “A Bus­ca” po­de­ria fi­gu­rar em qual­quer se­ve­ra an­to­lo­gia da fic­ção bra­si­lei­ra con­tem­po­râ­nea”. Wil­son Mar­tins

“Há um fre­qüen­te re­a­lis­mo em to­das as his­tó­ri­as fa­bu­lo­sas e Ba­ri­a­ni Or­ten­cio de­bu­xa com mão se­gu­ra  os qua­dros, sem ne­ces­si­da­de de acen­tu­ar as co­res, mas uti­li­zan­do ape­nas os tons jus­tos, que acer­tam os con­tor­nos  da­que­la re­a­li­da­de. E não fal­ta ao li­vro, o que mui­to me in­te­res­sou, uma so­ma pre­ci­o­sa de in­di­ca­ção da vi­da de folk, es­tó­ri­as, len­das, tra­di­ções, es­sa exis­tên­cia ru­di­men­tar que uma sa­be­do­ria em­pí­ri­ca e uma ar­te es­pon­tâ­nea ani­mam”. Re­na­to de Al­mei­da – Re­ci­fe

“O re­gi­o­na­lis­mo é li­te­ra­tu­ra vá­li­da, pois os cro­nis­tas de ama­nhã bus­ca­rão nos re­gi­o­na­lis­tas de ho­je os ele­men­tos pa­ra a ver­da­dei­ra His­tó­ria do Bra­sil. Ser­tão Sem Fim, de Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, é uma gran­de con­tri­bui­ção pa­ra o re­gi­o­na­lis­mo bra­si­lei­ro. Os seus di­á­lo­gos são tão per­fei­tos que, se du­as pes­so­as  es­ti­ve­rem len­do os seus con­tos, te­re­mos a im­pres­são que elas es­ta­rão con­ver­san­do”. Má­rio Pal­mé­rio – Ube­ra­ba

“…Do­ze con­tos jun­tos, de há­bil tes­si­tu­ra, vi­va cor lo­cal sen­so do dra­má­ti­co em ca­da his­tó­ria. Che­ga o au­tor, ce­do ain­da, a um es­tá­gio de ma­tu­ri­da­de apre­ciá­vel, se­gu­ro da sua ar­te de nar­rar: com uma ex­pres­são ade­qua­da,nar­ra epi­só­di­os e de­se­nha qua­dros com a me­di­da pre­ci­sa do hu­ma­no e do so­ci­al. A ter­ra e o ho­mem… não sa­em fal­si­fi­ca­dos, nem di­mi­nu­í­dos nem au­men­ta­dos, em sua fic­ção, que se re­ves­te de um re­a­lis­mo – an­tes de um ve­ris­mo no­tá­vel, sob vá­rios pon­tos de vis­ta”. Val­de­mar Ca­val­can­ti – Rio

“…En­tre os que lhe lou­va­ram as vir­tu­des de con­tis­ta, no­mes co­mo os de Ado­ni­as Fi­lho, Ál­va­ro Au­gus­to Lo­pes, Au­ré­lio Bu­ar­que de Ho­lan­da e Adol­fo Ca­sais Mon­tei­ro. Es­ses lou­vo­res eram me­re­ci­dos, pois o fic­cio­nis­ta go­i­a­no, além de con­se­guir, co­mo as­si­na­lou Ca­sais Mon­tei­ro – Fa­zer li­te­ra­tu­ra re­gi­o­na­lis­ta sem os ví­ci­os ha­bi­tu­ais do re­gi­o­na­lis­mo – mos­tra-se ca­paz de dar aos seus con­tos um cli­ma de re­a­li­da­de e con­vic­ção pró­prio dos ver­da­dei­ros cul­to­res do gê­ne­ro, dos que não se per­dem em ar­ti­fí­ci­os e di­va­ga­ções su­pér­fluas… não se re­pe­te, não se ob­scu­re­ce, não se con­tra­diz”. Do­min­gos Car­va­lho da Sil­va, so­bre apre­cia­ções dos mes­tres ao re­gi­o­na­lis­mo de Ba­ri­a­ni Or­ten­cio.

No­tas do edi­tor Vic­tor Ta­go­re: “A co­le­ção Ser­tão é uma edi­ção de pre­ser­va­ção, cul­tu­ra e re­co­nhe­ci­men­to da tra­je­tó­ria li­te­rá­ria do es­cri­tor Wal­do­mi­ro Ba­ri­a­ni Or­ten­cio. Pau­lis­ta, mas go­i­a­no por op­ção e al­ma, traz nes­ta co­le­ção a sua obra-pri­ma so­bre o ser­tão que ele tan­to vi­veu e até mes­mo con­tri­bu­iu pa­ra con­so­li­dar. O ser­tão de Ba­ri­a­ni des­cre­ve uma vi­da que já vi­rou fic­ção pa­ra mui­tos de nós. Ao re­pu­bli­car su­as três gran­des obras, re­a­bre as dis­cus­sões o que foi pa­ra o ho­mem e pa­ra o Bra­sil ir pa­ra o cen­tro do pla­nal­to bra­si­lei­ro. Ho­je pa­ra al­guns um El­do­ra­do e pa­ra ou­tros, nem tan­to. Es­sa di­co­to­mia nos per­so­na­gens e nas ima­gens de uma ter­ra no­va são as ima­gens que se en­ra­i­za­ram nas me­mó­ri­as de quem lê Ba­ri­a­ni Or­ten­cio. É fá­cil pa­ra quem per­cor­re as pá­gi­nas de Ba­ri­a­ni, um Anhan­gue­ra mo­der­no que ob­ser­va e re­in­ter­pre­ta o mun­do que o cer­ca as­som­bran­do os lei­to­res com tão vas­ta obra. A sua vi­da foi e é uma aven­tu­ra na mes­ma in­ten­si­da­de de seus ro­man­ces que tra­zem um ape­lo ao pen­sa­men­to, ao so­nho e ao tem­po.”

Macktub!

 

(Ba­ri­a­ni Or­ten­cio – ba­ri­a­nior­ten­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais