Opinião

O quinto constitucional e a dança das cadeiras

diario da manha

O Quin­to Cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra pre­en­chi­men­to da va­ga de de­sem­bar­ga­dor do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de Go­i­ás es­tá em pau­ta, já que a lis­ta se­gue pa­ra vo­ta­ção na OAB/GO no dia 10/05/2018, em se­gui­da se­gue lis­ta sêx­tu­pla pa­ra o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça que es­co­lhe­rá três no­mes, e fi­nal­men­te pa­ra o che­fe do Po­der Exe­cu­ti­vo, que pro­va­vel­men­te de­ve­rá ser o vi­ce-go­ver­na­dor Jo­sé Éli­ton, já que o go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo se de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­rá no má­xi­mo até o dia 6 de abril.

Os no­mes co­me­çam a ser ven­ti­la­dos pe­la gran­de im­pren­sa go­i­a­na. Co­gi­ta-se que mui­ta gen­te quei­ra a va­ga tão al­me­ja­da de De­sem­bar­ga­dor.

Os cri­té­rios pa­ra a in­di­ca­ção são aci­ma de tu­do éti­cos, em­bo­ra a tec­ni­ci­da­de se­ja pri­mor­di­al pa­ra pre­en­chi­men­to de va­gas se­gun­do a opor­tu­ni­da­de.

Mas há cri­té­rios de­fi­ni­dos na Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, que per­mei­am os re­qui­si­tos pa­ra que não ha­jam dú­vi­das quan­to ao per­fil do can­di­da­to à va­ga do Quin­to Cons­ti­tu­ci­o­nal.

Com pre­vi­são no ar­ti­go 94 da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral de 1988, a re­gra do quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal pre­vê que 1/5 (um quin­to) dos mem­bros de de­ter­mi­na­dos tri­bu­nais bra­si­lei­ros se­jam com­pos­tos por ad­vo­ga­dos e mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral ou Es­ta­du­al, a de­pen­der se Jus­ti­ça Fe­de­ral ou Es­ta­du­al.

Os in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pre­ci­sam ter, no mí­ni­mo, dez anos de car­rei­ra, e os ad­vo­ga­dos, mais de dez anos de exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal, no­tó­rio sa­ber ju­rí­di­co e re­pu­ta­ção ili­ba­da.

“Art. 94 a CF: Um quin­to dos lu­ga­res dos Tri­bu­nais Re­gi­o­nais Fe­de­ra­is, dos Tri­bu­nais dos Es­ta­dos, e do Dis­tri­to Fe­de­ral e Ter­ri­tó­rios se­rá com­pos­to de mem­bros, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, com mais de dez anos de car­rei­ra, e de ad­vo­ga­dos de no­tó­rio sa­ber ju­rí­di­co e de re­pu­ta­ção ili­ba­da, com mais de dez anos de efe­ti­va ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal, in­di­ca­dos em lis­ta sêx­tu­pla pe­los ór­gã­os de re­pre­sen­ta­ção das res­pec­ti­vas clas­ses.

Pa­rá­gra­fo úni­co. Re­ce­bi­das as in­di­ca­ções, o tri­bu­nal for­ma­rá lis­ta trí­pli­ce, en­vi­an­do-a ao Po­der Exe­cu­ti­vo, que, nos vin­te di­as sub­se­qüen­tes, es­co­lhe­rá um de seus in­te­gran­tes pa­ra no­me­a­ção.”

Em re­la­ção ao ‘no­tó­rio sa­ber ju­rí­di­co’, o con­cei­to tor­na-se sub­je­ti­vo quan­to am­pla é a ca­pa­ci­da­de ima­gi­na­ti­va dos in­te­res­sa­dos e a am­bi­ção dos con­cor­ren­tes. De­ve­ria ser res­tri­to, mas cri­té­rios éti­cos pa­re­cem ter per­di­do cam­po pa­ra os in­te­res­ses dos po­de­ro­sos.

Des­ta vez, a va­ga é da ad­vo­ca­cia, mas os no­mes ven­ti­la­dos ex­pri­mem for­te li­ga­ção com o po­der pú­bli­co, vis­to que es­tão ad­stri­tos a ex-Se­cre­tá­rios de Es­ta­dos, ex-Pre­si­den­tes de Es­ta­tais, Pro­cu­ra­do­res de Es­ta­do, e até só­ci­os em es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia de go­ver­na­do­res ou vi­ce-go­ver­na­do­res.

Ca­so clás­si­co se tor­nou a no­me­a­ção do ex-de­sem­bar­ga­dor Cha­ri­fe Os­car Abrão, que foi no­me­a­do ao car­go de de­sem­bar­ga­dor por de­cre­to go­ver­na­men­tal de Iris Re­sen­de Ma­cha­do, em 1985, pe­lo quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal, co­mo re­pre­sen­tan­te da OAB.

A bi­o­gra­fia de Cha­ri­fe dis­po­ní­vel na in­ter­net con­fes­sa que ele era ex-só­cio do en­tão Go­ver­na­dor Iris Re­zen­de, o que não pa­re­ce ab­so­lu­ta­men­te or­to­do­xo, já que ad­vo­ca­cia ad­mi­nis­tra­ti­va não de­ve­ria ter si­do to­le­ra­da. Er­rou e mui­to Iris Re­zen­de.

A his­tó­ria se re­pe­te, em­bo­ra pas­sa­do mais de 30 anos, ten­do em vis­ta que o can­di­da­to mais bem co­ta­do se­gun­do a im­pren­sa go­i­a­na pa­ra ocu­par o car­go de de­sem­bar­ga­dor é um ex-só­cio de Jo­sé Éli­ton, Da­ni­lo de Frei­tas, cu­ja in­di­ca­ção no meio ju­rí­di­co é da­da co­mo cer­ta, vi­o­lan­do com­ple­ta­men­te a com­pe­ti­ti­vi­da­de do cer­ta­me.

Eti­ca­men­te, a con­cor­rên­cia de­ve­ria pri­mar pe­lo co­le­ti­vo, pe­la igual­da­de en­tre os com­pe­ti­do­res, pois a no­ção de hu­ma­ni­da­de é coi­sa co­le­ti­va e não in­di­vi­dua­lis­ta e que pri­vi­le­gia os mem­bros da no­bre­za e os ami­gos do rei.

Prin­cí­pios co­mo o da im­pes­so­a­li­da­de não po­de­ri­am ja­mais ser vi­o­la­dos num em­ba­te co­mo es­te. Mo­ra­li­da­de e pro­bi­da­de tam­bém não pa­re­cem cer­car os cri­té­rios de es­co­lha do can­di­da­to em pau­ta, vez de que ele res­pon­de ações ju­di­ci­ais por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, co­mo se vê pe­la sim­ples con­sul­ta pú­bli­ca ao si­te do TJ-GO.

A atu­al ges­tão da OAB-GO tem o com­pro­mis­so de se em­pe­nhar em re­pa­rar es­sa in­jus­ti­ça, bus­can­do ad­vo­ga­dos com­ba­ti­vos, pro­bos, fi­cha lim­pa, que não te­nha ar­ra­nhão com a Jus­ti­ça pos­ta que lhes de­ni­gram a ima­gem ou que lhes per­mei­em en­vol­vi­men­to em cor­rup­ção.

Pro­va dis­so é que a OAB en­dos­sou, co­mo in­te­gran­te do Fó­rum de Com­ba­te à Cor­rup­ção em Go­i­ás, a no­ta ex­pe­di­da pe­la en­ti­da­de con­trá­ria à in­di­ca­ção de Sér­gio Car­do­so pa­ra ocu­par o car­go de Con­se­lhei­ro Vi­ta­lí­cio do Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do de Go­i­ás, re­cen­te­men­te.

Des­ta­que por de­ci­são his­tó­ri­ca, a juí­za da 2ª Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca Es­ta­du­al de Go­i­â­nia, Su­e­le­ni­ta So­a­res Cor­reia, mu­lher co­ra­jo­sa e in­de­pen­den­te, te­ve seu no­me gra­va­do nos um­bra­is dos Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de Go­i­ás, ao pro­fe­rir de­ci­são iné­di­ta que de­cla­rou a nu­li­da­de do de­cre­to que no­me­ou o ex-de­pu­ta­do Hél­der Va­lin Bar­bo­sa pa­ra o car­go de Con­se­lhei­ro do Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do de Go­i­ás (TCE-GO). A ma­gis­tra­da en­ten­deu que ele não com­pro­vou pos­su­ir no­tó­rios co­nhe­ci­men­tos ju­rí­di­cos, con­tá­beis, eco­nô­mi­cos e fi­nan­cei­ros ou de ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, exi­gi­dos pe­lo ar­ti­go 28, da Cons­ti­tu­i­ção do Es­ta­do de Go­i­ás.

A ma­gis­tra­do ana­li­sou o ca­so a pe­di­do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do de Go­i­ás (MPGO), que aju­i­zou Ação Ci­vil Pú­bli­ca pe­din­do a nu­li­da­de do ato ad­mi­nis­tra­ti­vo da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Es­ta­do de Go­i­ás (Ale­go), que in­di­cou Hél­der Va­lin Bar­bo­sa pa­ra ocu­par a va­ga de con­se­lhei­ro do TCE-GO. O par­quet dis­se que o no­me­a­do não aten­dia aos re­qui­si­tos exi­gi­dos pe­la Cons­ti­tu­i­ção Es­ta­du­al. Ar­gu­men­tou, ain­da, que a ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal do ex-de­pu­ta­do se res­trin­giu ao exer­cí­cio de man­da­tos par­la­men­ta­res e mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria ou as­so­cia­ti­va, além de não ter con­cluí­do cur­so su­pe­ri­or.

Pa­ra a juí­za Su­e­le­ni­ta, os prin­cí­pios es­tão aci­ma das leis, e de­vem per­me­ar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Ain­da que nor­ma­ti­za­dos, Su­e­le­ni­ta acre­di­ta que pro­bi­da­de é con­di­ção ‘er­ga omi­nis’, con­di­ção bá­si­ca da ci­da­da­nia re­pu­bli­ca­na e de­mo­crá­ti­ca. En­fa­ti­za que to­do ato dis­cri­cio­ná­rio es­tá vin­cu­la­do aos prin­cí­pios que re­gem a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, pre­vis­tos na Cons­ti­tu­i­ção.

“A meu ver, ra­zão as­sis­te ao re­que­ri­do no que se re­fe­re à dis­cri­cio­na­ri­e­da­de da es­co­lha dos con­se­lhei­ros. Con­tu­do, dis­cri­cio­na­ri­e­da­de não se con­fun­de com ar­bi­tra­ri­e­da­de. As­sim, a es­co­lha dos con­se­lhei­ros de­ve ser pau­ta­da pe­los cri­té­rios es­ta­be­le­ci­dos na Cons­ti­tu­i­ção Es­ta­du­al”, afir­mou a ma­gis­tra­da.

Co­gi­ta-se, den­tre os ho­mens que são ven­ti­la­dos pa­ra o pre­en­chi­men­to da lis­ta sêx­tu­pla, qua­tro mu­lhe­res: Sô­nia Ca­e­ta­no Fer­nan­des (ci­vi­lis­ta), Ar­le­te Mes­qui­ta (tra­ba­lhis­ta), Ro­sân­ge­la Ma­ga­lhã­es (cri­mi­na­lis­ta) e An­tô­nia Cha­vei­ro (Co­or­de­na­do­ra do cur­so de Di­rei­to da Fa­cul­da­de Uni­ver­so).

A OAB-GO tem a chan­ce de fa­zer his­tó­ria, no­me­an­do a pri­mei­ra mu­lher ad­vo­ga­da à va­ga do quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal, já que se­ria fa­to to­tal­men­te iné­di­to.

A fal­ta de igual­da­de de gê­ne­ro é tão gri­tan­te que cha­mou a aten­ção dos Con­gres­sis­tas, es­tan­do em an­da­men­to a PEC 46/16, que vi­sa al­te­rar o ar­ti­go 98 da CF pa­ra ga­ran­tir o mí­ni­mo de 1/3 de par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na nas lis­tas sêx­tu­plas e trí­pli­ces.

Es­pe­ra­mos que o Go­ver­no de Go­i­ás se an­te­ci­pe à apro­va­ção des­ta jus­ta Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal, e fa­ça his­tó­ria, no­me­an­do a pri­mei­ra mu­lher do Es­ta­do pa­ra pre­en­cher es­ta va­ga, su­prin­do um an­seio co­le­ti­vo de igual­da­de pe­lo qual as mu­lhe­res  tan­to lu­tam.

Sô­nia, Ar­le­te, Ro­sân­ge­la e An­tô­nia, can­di­da­tas ci­ta­das aci­ma à va­ga do quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal es­tão lu­tan­do pe­las su­as no­me­a­ções, e não se fur­ta­rão em de­nun­ci­ar, por jus­ti­ça, to­da ten­ta­ti­va ca­paz de ma­cu­lar a no­me­a­ção do plei­to a que con­cor­rem.

Já di­zia Rui Bar­bo­sa – “Mai­or que a tris­te­za de não ha­ver ven­ci­do é a ver­go­nha de não ter lu­ta­do!”

 

(Sil­va­na Mar­ta de Pau­la Sil­va – fa­ce­bo­ok – ad­vo­ga­da e es­cri­to­ra)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais