Opinião

Páscoa: justiça social e paz

diario da manha

A Igre­ja ca­tó­li­ca, por oca­si­ão da qua­res­ma, lan­çou o te­ma da Cam­pa­nha da Fra­ter­ni­da­de, pe­din­do so­cor­ro pe­lo com­ba­te à vi­o­lên­cia, cu­jo  ob­je­ti­vo foi o de cons­tru­ir a fra­ter­ni­da­de, na pers­pec­ti­va da paz, da re­con­ci­li­a­ção e da jus­ti­ça, pa­ra a  su­pe­ra­ção de tan­tas atro­ci­da­des . Du­ran­te 40 di­as o te­ma foi mui­to de­ba­ti­do, ten­do em vis­ta que o pa­râ­me­tro pa­ra com­ba­ter a vi­o­lên­cia é o amor Je­sus Cris­to, dei­xa­do a to­dos nós.  E che­gan­do ao fi­nal da qua­res­ma, al­me­ja­mos uma pás­coa fe­liz!

A vi­o­lên­cia é o não re­co­nhe­ci­men­to do ou­tro, é coi­si­fi­car o ser hu­ma­no.  A su­pe­ra­ção da vi­o­lên­cia, con­di­ção pa­ra uma so­ci­e­da­de e cul­tu­ra da paz, exi­ge com­pro­me­ti­men­to e ações en­vol­ven­do tra­ba­lho, de­di­ca­ção, or­ga­ni­za­ção e pre­pa­ro.  Con­di­ções ne­ces­sá­rias à cons­tru­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas eman­ci­pa­tó­ri­as que as­se­gu­rem o di­rei­to das pes­so­as na so­ci­e­da­de. O di­rei­to o qual nos re­fe­ri­mos é o di­rei­to à vi­da. A vi­da é dom di­vi­no, por­tan­to pre­ci­sa ser res­pei­ta­da do seu iní­cio ao seu fim na­tu­ral. Além dis­so, pre­ci­sa­mos re­cor­dar que so­mos ir­mãos e ir­mãs, fi­lhos do mes­mo Pai do céu.  O gran­de so­nho do Pai é que seus fi­lhos vi­vam em paz e em har­mo­nia. Não nos bas­ta ter a vi­da, é pre­ci­so que lu­te­mos por ela, pa­ra a pre­ser­va­ção e ga­ran­tia dos di­rei­tos ele­men­ta­res de se­res hu­ma­nos.

A não con­so­li­da­ção des­sas ne­ces­si­da­des bá­si­cas é uma das prin­ci­pa­is cau­sas da vi­o­lên­cia fí­si­ca, psi­co­ló­gi­ca e so­ci­al na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Por­tan­to, su­pe­rar a vi­o­lên­cia em vis­ta de uma cul­tu­ra da paz, exi­ge o en­fren­ta­men­to des­sa re­a­li­da­de, pois sem a jus­ti­ça so­ci­al não ha­ve­rá su­pe­ra­ção da vi­o­lên­cia. A re­fle­xão da Cam­pa­nha da Fra­ter­ni­da­de ul­tra­pas­sa o tem­po da qua­res­ma. É uma se­men­te lan­ça­da que de­ve se­guir flo­res­cen­do e dan­do fru­tos de acor­do com ca­da re­a­li­da­de. E pa­ra que a pás­coa se con­so­li­de em ca­da um de nós é im­pres­cin­dí­vel que se­gu­re­mos, uns nas mãos dos ou­tros, nu­ma cor­ren­te fir­me e cons­tan­te. As­sim, se­re­mos ali­a­dos ao com­ba­te de um mal que as­som­bra o mun­do – A vi­o­lên­cia.  Es­se com­ba­te co­me­ça no seio da fa­mí­lia, cu­jo pre­pa­ro dos fi­lhos pa­ra os de­sa­fi­os em so­ci­e­da­de, são re­sul­tan­tes da con­vi­vên­cia per­me­a­da pe­los en­si­na­men­tos de Je­sus, que es­tá vi­vo e pre­sen­te em to­do lu­gar. A ca­da dia te­mos a cer­te­za da su­pe­ra­ção: Is­so é pás­coa! É a mu­dan­ça que se re­no­va co­mo PAS­SA­GEM pa­ra um no­vo dia, no­vas pers­pec­ti­vas de vi­da e de amor. São pre­mis­sas dou­tri­ná­rias que re­ce­be­mos com a Pás­coa de Je­sus, que se trans­for­mou pa­ra de­cla­rar o seu amor pe­la hu­ma­ni­da­de.

A pás­coa é tem­po de dar va­zão ao amor de Je­sus res­sus­ci­ta­do na re­pre­sen­ta­ção do Cor­po e San­gue de Cris­to.  A cruz mis­ti­fi­ca to­do o sig­ni­fi­ca­do da Pás­coa na res­sur­rei­ção e tam­bém no so­fri­men­to de Cris­to. As­sim, co­mo o fo­go des­trói as tre­vas, a luz, que é Je­sus Cris­to, afu­gen­ta to­da a tre­va do er­ro, da mor­te, da cor­rup­ção, da fal­ta de fé e de es­pe­ran­ça. Es­ta­mos vi­ven­do mo­men­tos de de­ses­pe­ran­ças, de con­fli­tos! A Pás­coa re­ve­la que ain­da exis­te luz, exis­te vi­da, pa­ra que acre­di­te­mos em trans­for­ma­ções, ten­do em vis­ta que so­mos to­dos fi­lhos de Deus.  Te­nho es­pe­ran­ças de que os po­vos do mun­do in­tei­ro pos­sam en­xer­gar es­sa luz e en­ten­der que a Pás­coa não se li­mi­te às sim­bo­lo­gi­as as qua­is ador­nam o acon­te­ci­men­to: Que o ovo de cho­co­la­te se­ja re­che­a­do de sig­ni­fi­ca­dos de amor! Que o co­e­lhi­nho da Pás­coa tra­ga se­re­ni­da­de às nos­sas cri­an­ças! Que as me­sas far­tas pos­sam ser de­co­ra­das com as ima­gens da­que­las cri­an­ças que es­tão nos se­má­fo­ros tar­de da noi­te, im­plo­ran­do por mi­ga­lhas! Que na­que­la me­sa pos­sa ter es­pa­ço pa­ra ora­ções aos re­fu­gi­a­dos das guer­ras;  Que os nos­sos co­ra­ções cai­bam tan­to amor, quan­to o des­per­dí­cio de um só do­min­go de Pás­coa! En­fim, que as nos­sas co­me­mo­ra­ções não pe­re­çam no mun­do sur­re­al, pois a vi­da ple­na, me­di­a­da pe­la Pás­coa tem sig­ni­fi­ca­do úni­co na tra­je­tó­ria da mor­te de Je­sus, que res­sus­ci­tou pa­ra a Vi­da.

Fe­liz Pas­coa!

 

(Cé­lia Va­la­dão Se­cre­tá­ria Mu­ni­ci­pal de Po­lí­ti­cas pa­ra as Mu­lhe­res, Can­to­ra e Ba­cha­rel em Di­rei­to)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais