Opinião

Problemas para a geração futura

diario da manha

É ine­gá­vel que o avan­ço tec­no­ló­gi­co e ci­en­tí­fi­co tem tra­zi­do pro­fun­das mu­dan­ças no com­por­ta­men­to hu­ma­no, pro­por­ci­o­nan­do-lhe fa­ci­li­da­des nas co­mu­ni­ca­ções, tran­spor­te, no di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to de do­en­ças, me­lho­ri­as na qua­li­da­de de vi­da e o ex­tra­or­di­ná­rio co­nhe­ci­men­to e in­for­ma­ções so­bre o es­pa­ço, o cli­ma, o am­bi­en­te em que vi­ve­mos.

To­da­via, já ini­cia­mos uma no­va eta­pa que nos in­di­ca qua­is se­rão os pro­ble­mas que as ma­ra­vi­lhas da ci­ên­cia e da tec­no­lo­gia tra­rão pa­ra o mun­do, em um bre­vís­si­mo es­pa­ço de tem­po.

No úl­ti­mo do­min­go (18), um car­ro sem mo­to­ris­ta da em­pre­sa Uber atro­pe­lou e ma­tou uma pe­des­tre nos Es­ta­dos Uni­dos. Tal epi­só­dio ocor­re em um mo­men­to em que di­ver­sas em­pre­sas tes­tam su­as tec­no­lo­gi­as pa­ra dar iní­cio à im­ple­men­ta­ção de tran­spor­tes au­tô­no­mos, gui­a­dos a par­tir de pré­vi­as pro­gra­ma­ções de seu iti­ne­rá­rio, ou, atra­vés co­or­de­na­das de GPS (em in­glês Glo­bal Po­si­ti­o­ning System), um sis­te­ma de po­si­cio­na­men­to glo­bal por sa­té­li­te.

Es­ti­ma-se que os ve­í­cu­los com es­sa tec­no­lo­gia se tor­na­rão po­pu­la­res já a par­tir da pró­xi­ma dé­ca­da.

As ma­ra­vi­lhas da mo­der­ni­da­de tec­no­ló­gi­ca não fi­ca­rão ad­stri­tas a en­se­jar mu­dan­ças ape­nas nas ci­da­des. O es­pa­ço si­de­ral tam­bém so­fre­rá – e is­so já co­me­ça a acon­te­cer – gran­des trans­for­ma­ções em ra­zão de sua ex­plo­ra­ção, com ine­vi­tá­veis afe­ta­ções so­bre os ter­rá­que­os que tor­nar-se-ão ca­da vez mais sus­ce­tí­veis aos pe­ri­gos de­cor­ren­tes do ele­va­do nú­me­ro de ob­je­tos que aden­tra­rão na at­mos­fe­ra ter­res­tre.

De acor­do com a Agên­cia Es­pa­cial Eu­ro­peia (ESA), que mo­ni­to­ra ar­te­fa­tos es­pa­cia­is a par­tir de seu Es­cri­tó­rio de Re­sí­duos Es­pa­cia­is, com se­de em Darmstadt, Ale­ma­nha, em pou­cas se­ma­nas cai­rá so­bre a Ter­ra não um me­ro frag­men­to de me­te­o­ro, mas a es­ta­ção es­pa­cial chi­ne­sa in­tei­ra.

Tra­ta-se de es­ta­ção es­pa­cial Ti­an­gong-1, uma na­ve que or­bi­ta a Ter­ra nu­ma fai­xa os­ci­lan­te en­tre 42,8 graus nor­te e 42,8 graus de la­ti­tu­de sul. Com es­sas co­or­de­na­das, é pos­sí­vel pre­ver que, na Amé­ri­ca do Sul, po­de­rá ca­ir frag­men­tos em par­tes do ter­ri­tó­rio da Ar­gen­ti­na e do Chi­le.

A na­ve, de 8,5 to­ne­la­das, en­con­tra-se to­tal­men­te des­con­tro­la­da e a sua re­en­tra­da na at­mos­fe­ra ter­res­tre es­tá pre­vis­ta pa­ra o fi­nal de mar­ço e iní­cio de abril, se­gun­do a ESA.

Em 1957, a Rús­sia – na épo­ca Uni­ão das Re­pú­bli­cas So­ci­a­lis­tas So­vi­é­ti­cas – lan­çou o pri­mei­ro sa­té­li­te ar­ti­fi­cial, o Sput­nik 1. A par­tir des­sa da­ta, fo­ram re­a­li­za­das mais de 4.500 mis­sões es­pa­cia­is, lan­çan­do no es­pa­ço mi­lhões de des­tro­ços.

Com­pre­en­de-se por des­tro­ços tan­to re­sí­duos de na­ves, ob­je­tos des­car­tá­veis, frag­men­tos e sa­té­li­tes de­sa­ti­va­dos. In­dis­cu­ti­vel­men­te, o avan­ço tec­no­ló­gi­co, de­cor­ren­te des­sas ex­plo­ra­ções, fa­vo­re­cem mui­to a vi­da das pes­so­as, co­mo os ser­vi­ços de te­le­co­mu­ni­ca­ção, de me­te­o­ro­lo­gia, in­ter­net, te­le­vi­são, GPS, etc.

Pa­ra­do­xal­men­te, é jus­ta­men­te a pró­pria cor­ri­da es­pa­cial, que ago­ra ame­a­ça a vi­da das pes­so­as na Ter­ra e os be­ne­fí­ci­os de­la de­cor­ren­tes. To­dos os ser­vi­ços de­cor­ren­tes do fun­cio­na­men­to dos sa­té­li­tes po­de­ri­am en­trar em co­lap­so, dei­xan­do de exis­tir em ra­zão de co­li­sões des­ses des­tro­ços es­pa­cia­is con­tra al­guns ou to­dos os mi­lha­res de sa­té­li­tes de co­mu­ni­ca­ção exis­ten­tes no es­pa­ço e que nos dis­po­ni­bi­li­zam ser­vi­ços e co­mo­di­da­des que já fa­zem par­te de nos­sas ro­ti­nas di­á­rias no tra­ba­lho, em ca­sa, no la­zer, na vi­da so­ci­al.

A gran­de quan­ti­da­de de li­xo es­pa­cial lan­ça­da pe­los hu­ma­nos ame­a­ça a co­mu­ni­ca­ção glo­bal, fu­tu­ras ex­plo­ra­ções es­pa­cia­is, mas tam­bém nos ex­põ­em a um enor­me pe­ri­go. An­ti­ga­men­te, os ci­en­tis­tas ima­gi­na­ram que o es­pa­ço fos­se tão co­los­sal que se­ria im­pos­sí­vel que dois ob­je­tos aban­do­na­dos pu­des­sem co­li­dir en­tre si. En­tre­tan­to, em 1978, o ci­en­tis­ta Don Kessler, pes­qui­sa­dor do de­par­ta­men­to de Pes­qui­sa em De­tri­tos Or­bi­tais da Nasa (Agên­cia Es­pa­cial Nor­te Ame­ri­ca­na), aler­tou que o gran­de pe­ri­go pa­ra a hu­ma­ni­da­de não eram os me­te­o­roi­des na­tu­ra­is, mas os des­tro­ços es­pa­cia­is lan­ça­dos pe­lo ho­mem, in­clu­in­do sa­té­li­tes em ati­vi­da­de que po­dem co­li­dir-se e lan­çar so­bre a ter­ra mi­lhões de frag­men­tos com re­ais ris­cos às vi­das das pes­so­as, a exem­plo do que ocor­reu na Rús­sia em 2013, pró­xi­mo à ci­da­de de Satki, quan­do uma enor­me bo­la de fo­go caiu, fe­rin­do mi­lha­res de pes­so­as. Na épo­ca as au­to­ri­da­des anun­ci­a­ram que se tra­ta­va de um gran­de me­te­o­ro.

Po­rém, pos­te­rior­men­te, des­co­briu que se tra­ta­va, em ver­da­de, de um sa­té­li­te es­pi­ão rus­so que ha­via per­di­do o con­tro­le. O pe­ri­go de um ob­je­to des­se ca­ir em lo­cal ha­bi­ta­do é enor­me, prin­ci­pal­men­te em ra­zão da im­pres­sio­nan­te ve­lo­ci­da­de com que atin­ge a at­mos­fe­ra ter­res­tre. Um sa­té­li­te si­tu­a­do na cha­ma­da ór­bi­ta ter­res­tre bai­xa (na si­gla em in­glês LEO, pa­ra Low Earth Or­bit) vi­a­ja a uma ve­lo­ci­da­de de 27000 Km/h, dez ve­zes mais rá­pi­do que a ba­la de um ri­fle.

A es­sa ve­lo­ci­da­de, ca­so dois sa­té­li­tes co­li­di­rem, irão pro­du­zir mi­lhões de par­tí­cu­las que po­de­rão lan­çar-se so­bre a Ter­ra a uma ve­lo­ci­da­de de 32000 km/h. Es­ses frag­men­tos, em ra­zão de sua enor­me quan­ti­da­de, po­de­rão cho­car-se a ou­tros mi­lha­res de sa­té­li­tes, pro­du­zin­do, nu­ma re­a­ção em ca­deia, ou­tros mi­lhões ou bi­lhões de no­vos frag­men­tos, for­man­do um cin­tu­rão de li­xo es­pa­cial so­bre a Ter­ra, po­ten­ci­al­men­te ame­a­ça­dor à vi­da, à exis­tên­cia hu­ma­na e a ou­tros sa­té­li­tes.

Com es­sa pre­o­cu­pa­ção, no co­me­ço dos anos 80, a co­mu­ni­da­de es­pa­cial de­sen­vol­veu um con­jun­to de di­re­tri­zes, cha­ma­das Di­re­tri­zes de Mi­ti­ga­ção do Li­xo Es­pa­cial, apro­va­das pe­la ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das), vi­san­do in­ter­rom­per o acú­mu­lo des­ne­ces­sá­rio de li­xo es­pa­cial. Den­tre es­sas nor­mas, pre­vê-se o pra­zo de vin­te e cin­co anos pa­ra re­ti­rar um sa­té­li­te de ór­bi­ta. São as cha­ma­das “Re­gras dos Vin­te e Cin­co Anos”.

O pro­ble­ma é que mui­tos sa­té­li­tes exis­ten­tes no es­pa­ço não pos­su­em mais ca­pa­ci­da­de de pro­pul­são, prin­ci­pal­men­te em ra­zão da au­sên­cia de com­bus­tí­vel o que tor­na im­pos­sí­vel a efe­tu­a­ção de ma­no­bras de re­tor­no à Ter­ra. O me­lhor exem­plo é o te­les­có­pio es­pa­cial Hub­ble.

Tra­ta-se de um sa­té­li­te as­tro­nô­mi­co ar­ti­fi­cial não tri­pu­la­do que tran­spor­ta um gran­de te­les­có­pio pa­ra luz vi­sí­vel e in­fra­ver­me­lha, lan­ça­do pe­la Nasa em 1990. A vi­da da hu­ma­ni­da­de te­ve mui­tos avan­ços ci­en­tí­fi­cos e tec­no­ló­gi­cos gra­ças aos in­fin­dá­veis be­ne­fí­ci­os pro­por­ci­o­na­dos por es­se sa­té­li­te, mas, quan­do es­go­ta­rem su­as uti­li­da­des, ele se tor­na­rá mais um li­xo es­pa­cial a nos co­lo­car em ris­co de ser­mos atin­gi­dos por seus des­tro­ços. As re­gras de re­cu­pe­ra­ção e eli­mi­na­ção de sa­té­li­tes ina­ti­vos, di­fi­cil­men­te se­rão co­lo­ca­das em prá­ti­ca.

Os chi­nes­es pro­du­zi­ram bi­lhões de frag­men­tos de des­tro­ços es­pe­ci­ais quan­do ex­plo­di­ram o seu pró­prio sa­té­li­te, o Fenyung-1-C, du­ran­te os tes­tes de um dis­po­si­ti­vo an­tis­sa­té­li­te, lan­çan­do um pro­je­to ci­né­ti­co em ór­bi­ta.  Es­sa ati­vi­da­de é par­te do pro­je­to de de­fe­sa aé­rea e es­pa­cial que es­tá sen­do de­sen­vol­vi­do pe­los chi­nes­es.

A Chi­na, por­tan­to, que atu­al­men­te é a mai­or emis­so­ra de po­lu­i­ção na Ter­ra que ge­ra os ga­ses que des­tro­em a ca­ma­da de ozô­nio, su­pe­ra-se e tor­na-se tam­bém a mai­or po­lui­do­ra da ór­bi­ta es­pa­cial da Ter­ra, ape­sar de só re­cen­te­men­te ter se lan­ça­do à ex­plo­ra­ção do es­pa­ço. Ain­da es­ta­mos lon­ge de che­gar­mos a uma so­lu­ção pa­ra a des­ti­na­ção do li­xo que pro­du­zi­mos aqui na Ter­ra.

Os mai­o­res po­lui­do­res do pla­ne­ta, Chi­na e Es­ta­dos Uni­dos, ig­no­ram os ape­los de pre­ser­va­ção e to­ma­da de con­sci­ên­cia eco­ló­gi­ca, co­mo o Pro­to­co­lo de Kyo­to. Des­tru­í­mos flo­res­tas, rios, ani­mais e ex­po­mos o ser hu­ma­no a mu­ta­ções cli­má­ti­cas que, se­gun­do pre­vi­sões ca­tas­tró­fi­cas, in­vi­a­bi­li­za­rão a nos­sa pró­pria so­bre­vi­vên­cia. En­tre­tan­to, já es­ta­mos ex­pos­tos ao pe­ri­go pro­vo­ca­do pe­la su­jei­ra que fa­ze­mos no es­pa­ço, e as fu­tu­ras ge­ra­ções irão en­con­trar não ape­nas o pla­ne­ta Ter­ra, mas o es­pa­ço si­de­ral to­tal­men­te po­luí­do.

O va­ti­cí­nio so­bre as ma­ze­las que o bre­ve fu­tu­ro vi­ven­cia­rá, lan­ça so­bre nós, que já não es­ta­re­mos mais vi­vos, a dú­vi­da so­bre se o mun­do, com o seu ca­da vez mai­or avan­ço tec­no­ló­gi­co, se­rá re­al­men­te um lu­gar me­lhor pa­ra vi­ver.

 

(Ma­no­el L. Be­zer­ra Ro­cha, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta – mlbe­zer­ra­ro­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais