Opinião

Tenho a paz que aprendi com Jair Assis Ribeiro e Laelso Rodrigues.

diario da manha

Não sou e nem que­ro ser de­fi­ni­ti­va­men­te pre­sun­ço­so. Mas Ja­ir As­sis Ri­bei­ro e La­el­so Ro­dri­gues, me de­ram en­si­na­men­tos que me per­mi­tem afir­mar. A cam­pa­nha pa­ra o Grão-Mes­tra­do Ge­ral do Gran­de Ori­en­te do Bra­sil/2018 acon­te­ce em cli­ma de emo­ção, ora ele­van­do, ora bai­xan­do o ní­vel.

Sou por for­ma­ção es­pi­ri­tual e ma­çô­ni­ca, agre­ga­dor até o úl­ti­mo mi­nu­to, va­lo­ri­zan­do idei­as con­trá­ri­as, po­rém de­fen­den­do as mi­nhas com tran­spa­rên­cia, di­á­lo­go e res­pei­to. O meu re­la­ci­o­na­men­to com Ja­ir As­sis Ri­bei­ro e La­el­so Ro­dri­gues, a quem ser­vi em su­as ad­mi­nis­tra­ções no Con­se­lho Fe­de­ral, Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça Ma­çô­ni­co, Se­cre­ta­ria de In­te­ri­or e Re­la­ções Pú­bli­cas e Co­or­de­na­dor Na­ci­o­nal do Pro­gra­ma Ma­ço­na­ria a Fa­vor da Vi­da, so­li­di­fi­ca­ram o meu per­fil pa­ra me­lhor res­pon­der a per­gun­ta. “O que vin­des fa­zer aqui?”

“Ven­cer mi­nhas pai­xões, sub­me­ter mi­nha von­ta­de e fa­zer no­vos pro­gres­sos na Ma­ço­na­ria”. Eis a mi­nha res­pos­ta nes­te mo­men­to, meus ir­mãos de to­do Bra­sil:

“Aguar­dar, sub­me­ter e con­fi­ar. A Cor­te mai­or da Jus­ti­ça Ma­çô­ni­ca do GOB, Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, é com­pos­ta por ju­ris­tas no­tá­veis, ma­çons de al­ta qua­li­da­de e es­tir­pe, ci­da­dã­os com his­tó­ri­as com­pro­me­ti­das com de­ci­sões cor­re­tas e jus­tas”.

De mi­nha par­te, co­mo can­di­da­to, sub­me­to-me in­te­gral­men­te ao en­ca­mi­nha­men­to da jus­ti­ça ma­çô­ni­ca, pa­ra que tam­bém pos­sa me sub­me­ter com éti­ca, paz, ao re­sul­ta­do que vi­er da von­ta­de da­que­les que ti­ve­rem di­rei­to de vo­to, atra­vés da ma­ni­fes­ta­ção li­vre e con­sci­en­te ex­pres­sa­da nas ur­nas.

En­tão, é ho­ra meus ir­mãos, de pen­sar­mos que a elei­ção pas­sa e o Gran­de Ori­en­te do Bra­sil fi­ca, e es­te de­ve fi­car sem se­que­las, sem má­go­as e to­dos na de­fe­sa do seu cres­ci­men­to e en­gran­de­ci­men­to. En­tão, es­ta não é a ho­ra de avan­çar, de dar pas­sos apres­sa­dos, de ra­di­ca­li­zar de­fe­sas ou acu­sa­ções. A ho­ra é tal­vez, dar mais al­guns pas­sos pa­ra trás.

O ir­mão Bar­bo­sa Nu­nes, ho­je co­nhe­ce­dor de to­dos os ori­en­tes es­ta­du­ais, de cen­te­nas de Lo­jas, dos mais dis­tan­tes rin­cões e iso­la­dos ser­tões, não bus­ca um car­go, apre­sen­ta-se pa­ra uma mis­são que te­rá que ser de to­dos nós. E as­sim se­rei sem­pre! Elei­to ou não, ca­mi­nhan­do com apren­di­za­gens de Ja­ir As­sis Ri­bei­ro e La­el­so Ro­dri­gues.

La­el­so Ro­dri­gues, Grão-Mes­tre Ho­no­rá­rio do Gran­de Ori­en­te do Bra­sil, ini­ci­a­do na Lo­ja “Per­se­ve­ran­ça” nº 199, de So­ro­ca­ba, em 27 de mar­ço de 1957, pres­tes a com­ple­tar 62 anos de vi­da ma­çô­ni­ca e 86 de ida­de fí­si­ca. Faz par­te da his­tó­ria de So­ro­ca­ba e do Gran­de Ori­en­te do Bra­sil. Foi Grão-Mes­tre Ge­ral du­ran­te 7 anos. Com ele apren­di mui­to, co­mo ho­mem pa­cí­fi­co que é, dis­tin­gui­do que sou com sua ami­za­de e de sua fa­mí­lia.

Ja­ir As­sis Ri­bei­ro, na­tu­ral de Es­tre­la do Sul, Mi­nas Ge­ra­is, nas­ci­do em 21 de de­zem­bro de 1926 e fa­le­ci­do em 01 de agos­to de 2008. Seu ve­ló­rio foi re­a­li­za­do na se­de do Gran­de Ori­en­te do Bra­sil – Go­i­ás, do qual foi Grão-Mes­tre Es­ta­du­al, ano de iní­cio do meu pri­mei­ro man­da­to em Go­i­ás. Foi Grão-Mes­tre Ge­ral du­ran­te 10 anos, 1983 até 1993, pe­rí­o­do em que foi edi­fi­ca­da a se­de do GOB que ho­je le­va seu no­me.

Re­a­li­za­dor, sá­bio, es­pi­ri­tua­li­za­do e já em 1991, es­cre­via pa­ra os ma­çons de ho­je do GOB, es­pe­ci­al­men­te, pa­ra es­te mo­men­to elei­to­ral. De su­as pa­la­vras no tex­to in­ti­tu­la­do “Elei­ções Ma­çô­ni­cas de 1991”, re­ti­ro al­guns pa­rá­gra­fos e so­li­ci­to, pe­ço en­ca­re­ci­da­men­te, lei­tu­ra, re­lei­tu­ra, mui­ta re­fle­xão e com­par­ti­lha­men­to, pa­ra que se trans­for­mem em go­tas pa­ci­fi­ca­do­ras do nos­so am­bi­en­te ma­çô­ni­co.

As­sim es­cre­veu Ja­ir As­sis Ri­bei­ro:

1 – “O Grão-Mes­tre de­ve ser no­bre de ca­rá­ter, de con­du­ta ir­re­pre­en­sí­vel, aca­ta­do co­mo exem­plo pe­los Ir­mãos da Or­dem e por seus con­ci­da­dã­os, de âni­mo se­re­no e de pa­la­vra equi­li­bra­da e ver­da­dei­ra”.

2 – “O Grão-Mes­tre de­ve des­ta­car-se por uma fi­na edu­ca­ção e ser re­pu­ta­do sá­bio, pa­ra que a Or­dem não te­nha de en­ver­go­nhar-se quan­do for cha­ma­do a ma­ni­fes­tar-se pe­ran­te al­tas ins­tân­cias do mun­do pro­fa­no”.

3 – “Grão-Mes­tre de­ve ser pe­ri­to na Ar­te Re­al, co­nhe­cer bem e vi­ver me­lhor a Au­gus­ta Ma­ço­na­ria, pa­ra que seu va­lor de Ma­çom se­ja por to­das as Lo­jas re­co­nhe­ci­do, e pa­ra que ca­da Ir­mão ne­le en­con­tre um lí­der con­fi­á­vel e ca­paz de guar­dar a Li­ber­da­de, lu­tar pe­la Igual­da­de e fun­dar a Fra­ter­ni­da­de so­bre só­li­dos ali­cer­ces”.

4 – “É o Grão-Mes­tre o mais im­por­tan­te re­fe­ren­ci­al da Ma­ço­na­ria, de­ve ser re­ves­ti­do com mo­ral que o im­põe co­mo a mais al­ta au­to­ri­da­de do Ori­en­te, de­ven­do ser, por to­dos os Ir­mãos ju­ris­di­cio­na­dos, res­pei­ta­do e aca­ta­do, sen­do sua pa­la­vra, sem­pre, fon­te cons­tan­te de ori­en­ta­ção se­gu­ra e de exor­ta­ção edi­fi­can­te”.

5 – “É o re­pre­sen­tan­te da Ma­ço­na­ria jun­to a to­das às ins­tân­cias pro­fa­nas, in­clu­si­ve os po­de­res cons­ti­tu­í­dos; e as or­ga­ni­za­ções de so­ci­e­da­de ci­vil”.

6 – “Pa­ra in­ves­tir-se de tão gra­ves po­de­res, de­ve o Ir­mão pos­su­ir ex­cel­sas vir­tu­des que o ha­bi­li­tem ple­na­men­te a exer­cê-los, sob pe­na de de­ca­ir a Su­bli­me Ins­ti­tu­i­ção na es­ti­ma dos Ir­mãos e no res­pei­to da so­ci­e­da­de”.

E Ja­ir As­sis Ri­bei­ro, con­clu­iu su­as pa­la­vras so­bre um gra­ve ins­tan­te em 1991, emi­tin­do seu re­ca­do pa­ra to­dos nós em 2018:

“Que to­dos os Ir­mãos da Obe­di­ên­cia re­fli­tam pro­fun­da­men­te so­bre seu can­di­da­to e, ao un­gi-lo Grão-Mes­tre, o fa­çam isen­tos de qual­quer pai­xão, co­mo ato con­sci­en­te da mais pu­ra Ma­ço­na­ria”.

Eu, Eu­rí­pe­des Bar­bo­sa Nu­nes, can­di­da­to a Grão-Mes­tre Ge­ral do GOB, sub­me­to-me com mui­ta paz e tran­qui­li­da­de às de­fi­ni­ções da al­ta Cor­te ju­rí­di­ca, que é o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral Ma­çô­ni­co, so­bre o que for de­ci­di­do e de­ter­mi­na­do a res­pei­to das elei­ções e, em úl­ti­mo grau, aca­tan­do na to­ta­li­da­de o re­sul­ta­do que vi­er da von­ta­de con­sci­en­te dos ir­mãos”.

 

(Bar­bo­sa Nu­nes, ad­vo­ga­do, ex-ra­di­a­lis­ta, mem­bro da AGI, de­le­ga­do de po­lí­cia apo­sen­ta­do, pro­fes­sor e ma­çom do Gran­de Ori­en­te do Bra­sil – bar­bo­sa­nu­[email protected]­ra.com.br)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais