Opinião

Um grito pela vida

diario da manha

En­tre as vá­ri­as cri­ses en­fren­ta­das pe­lo Bra­sil, uma de­las é a in­ver­são de va­lo­res exal­ta­da de al­guns va­lo­res que per­mei­am o sen­ti­men­to de uma na­ção. Qua­se sem­pre al­guns fa­tos cha­mam a aten­ção pe­lo bom­bar­deio de no­tí­cias ve­í­cu­la­das pe­las gran­des re­des de te­le­vi­são, por­tais de no­tí­cias da In­ter­net e pe­las re­des so­ci­ais. O as­sun­to re­pe­ti­do exaus­ti­va­men­te pe­lo no­ti­ci­á­rio re­fle­te par­te ex­pres­si­va da opi­ni­ão pú­bli­ca. É pre­ci­so que o bra­si­lei­ro se mu­ni­cie de in­for­ma­ções pa­ra ter dis­cer­ni­men­to e con­di­ções de en­xer­gar aqui­lo que mui­tas ve­zes é dei­xa­do de la­do pe­lo de­ba­te pú­bli­co e mi­di­á­ti­co.

O Por­tal de No­tí­cias “O Dia” pos­tou no dia 21 de mar­ço a no­tí­cia “Em me­nos de 24 ho­ras, Rio tem três PM’s mor­tos”, nar­ran­do uma trá­gi­ca re­a­li­da­de que se tor­nou co­mum no Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro e que pou­co des­per­ta a aten­ção das au­to­ri­da­des. Dois dos três po­li­ci­ais que per­de­ram a vi­da es­ta­vam em ser­vi­ço, en­quan­to um de­les mor­reu em uma ten­ta­ti­va de as­sal­to. O da­do re­fle­te a con­ti­nui­da­de de ou­tra es­ta­tís­ti­ca cru­el mos­tran­do que no ano pas­sa­do 138 po­li­ci­ais fo­ram mor­tos no Rio de Ja­nei­ro. Uma mé­dia as­sus­ta­do­ra de uma mor­te a ca­da dois di­as e meio.

A che­ga­da do Exér­ci­to Bra­si­lei­ro pa­ra re­for­çar a se­gu­ran­ça pú­bli­ca ca­ri­o­ca de­mons­tra que, há sim, uma guer­ra ins­ta­la­da na­que­le Es­ta­do. O Go­ver­no Fe­de­ral ten­ta co­la­bo­rar pa­ra a re­du­ção dos ín­di­ces da vi­o­lên­cia de­sen­fre­a­da e os ini­mi­gos pa­re­cem ser co­nhe­ci­dos há tem­pos. São as fac­ções co­man­da­das ge­ral­men­te de den­tro dos pre­sí­di­os, do­mi­nan­do o trá­fi­co de dro­gas e de ar­mas nos mor­ros e fa­ve­las. Gru­pos for­te­men­te ar­ma­dos com po­ten­ci­al de fo­go pa­ra di­zi­mar quem en­con­tra­rem pe­la fren­te, se­jam po­li­ci­ais mi­li­a­res, ci­vis, agen­tes pú­bli­cos, ho­mens do exér­ci­to ou mes­mo um ci­da­dão qual­quer que ten­te cru­zar os seus ca­mi­nhos.

To­do es­te con­tex­to de guer­ra ci­vil ur­ba­na foi há pou­cos di­as tra­zi­do à tô­ni­ca pa­ra uma dis­cus­são am­pla so­bre a vi­o­lên­cia no Rio de Ja­nei­ro de­pois da mor­te da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co, do PSOL, as­sas­si­na­da a ti­ros no dia 1 de mar­ço na re­gi­ão Cen­tral da Ca­pi­tal flu­mi­nen­se. As ví­ti­mas des­sa vez fo­ram a ve­re­a­do­ra e o seu mo­to­ris­ta, An­der­son Pe­dro Go­mes, am­bos ex­ter­mi­na­dos co­var­de­men­te. O as­sun­to do­mi­nou, e ain­da do­mi­na, gran­de par­te do no­ti­ci­á­rio na­ci­o­nal e até mes­mo a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) plei­te­ou ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te pa­ra que o cri­me fos­se es­cla­re­ci­do ra­pi­da­men­te e pu­ni­do se­ve­ra­men­te os au­to­res.

O que pro­cu­ra­mos dis­cu­tir aqui nes­te es­pa­ço, pre­ten­de ser um en­ten­di­men­to mais am­plo pa­ra to­da es­ta pro­ble­má­ti­ca ex­pos­ta. Tan­to a vi­da da ve­re­a­do­ra quan­to a vi­da dos po­li­ci­ais mor­tos de­vem ter im­por­tân­cia pa­ra o Es­ta­do, pa­ra a po­pu­la­ção e pa­ra a opi­ni­ão pú­bli­ca. O fo­co do de­ba­te de­ve ser a pre­ser­va­ção da vi­da. E nes­sa guer­ra o po­li­ci­al mi­li­tar es­tá na fren­te de ba­ta­lha 24 ho­ras por dia. Ele é o la­do mais frá­gil e mais fa­cil­men­te atin­gi­do nes­sa ba­ta­lha. A re­per­cus­são da mor­te da ve­re­a­do­ra ca­ri­o­ca de­ve ser pro­por­ci­o­nal à vi­da per­di­da de ca­da PM tom­ba­do. Não de­ve­mos de­fen­der que uma mor­te te­nha im­por­tân­cia, mas que to­das as vi­das per­di­das se­jam um mo­ti­vo pa­ra lu­tar por um Bra­sil mais se­gu­ro.

E se as­sim per­sis­tir es­sa si­tu­a­ção, o ca­os ten­de a se es­ten­der pa­ra to­do o Pa­ís. Bas­ta lem­brar  de mais uma vi­da cei­fa­da, des­ta vez no Es­ta­do do Rio Gran­de do Nor­te. A Sol­da­do Ca­ro­li­ne Pletsch, de 32 anos, foi ba­le­a­da jun­ta­men­te com seu es­po­so, o Sar­gen­to Mar­cos Pau­lo da Cruz, de 43 anos. Eles es­ta­vam em Na­tal e fo­ram abor­da­dos por ban­di­dos em uma piz­za­ria. Os ban­di­dos che­ga­ram em um car­ro, rou­ba­ram os cli­en­tes e quan­do per­ce­be­ram que eles eram po­li­ci­ais ati­ra­ram. Os dois fo­ram so­cor­ri­dos, mas a Sol­da­do mor­reu.

Co­mo se ob­ser­va, é pre­ci­so de um gri­to de so­cor­ro pe­las vi­das dos PM’s as­sas­si­na­dos di­a­ria­men­te em to­do o Bra­sil. Tam­bém é pre­ci­so des­co­brir quem as­sas­si­nou a ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co. O Es­ta­do pre­ci­sa dei­xar cla­ro que é a fa­vor da vi­da e es­can­ca­rar quem é o ver­da­dei­ro ini­mi­go que pre­ten­de en­fren­tar. En­quan­to o si­lên­cio pe­la mor­te de mui­tos im­pe­rar cen­te­nas de po­li­ci­ais se­rão ex­ter­mi­na­dos sem que is­so te­nha uma re­per­cus­são de im­pac­to na so­ci­e­da­de. Que o cla­mor pú­bli­co se­ja pe­la vi­da a vi­da se­ja sem­pre o bem mais pre­ci­o­so a ser pre­ser­va­do.

 

(Eu­ri­van Fer­nan­des da Ro­cha, 3º sar­gen­to da Po­lí­cia Mi­li­tar de Go­i­ás, ba­cha­rel em Di­rei­to pe­la Uni-Anhan­gue­ra e pós-gra­du­a­do em Di­rei­to Pú­bli­co pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Di­rei­to/ESD Pro­or­dem)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais