Opinião

À favor da vida, sempre!

diario da manha

Di­zem al­guns es­pe­cia­lis­tas em his­tó­ria que o ho­mem re­pe­te na Ter­ra, na sua pró­pria es­tó­ria, fa­ses pe­las qua­is já vi­ven­ciou. São ci­clos, se­gun­do es­ta te­se, que se re­pe­tem. Se is­so for re­al, vi­ve­mos di­as pa­re­ci­dos com os que an­te­ce­de­ram a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, mas pre­ci­sa­men­te a fa­se que fi­cou co­nhe­ci­da por “Ter­ror”. Foi o au­ge na Fran­ça da gui­lho­ti­na com vá­rios mor­tos di­a­ria­men­te, in­clu­in­do aí os pró­prios lí­de­res da Re­vo­lu­ção. Ma­tar era a or­dem do dia. Ma­ta­va-se co­mo que por es­por­te. A vi­da foi des­va­lo­ri­za­da. To­dos os que eram con­si­de­ra­dos ini­mi­gos da re­vo­lu­ção, ou ini­mi­gos do Es­ta­do, eram mor­tos de for­ma su­má­ria. A vi­o­lên­cia cam­peia em to­do mun­do, em ple­no sé­cu­lo XXI, tal e qual no sé­cu­lo XVI­II, na Fran­ça. E o Bra­sil, mes­mo sen­do uma ter­ra aben­ço­a­da, on­de a to­le­rân­cia ain­da re­i­na, vá­rios epi­só­di­os de fú­ria in­con­ti­da per­mei­am o co­ti­dia­no e a mí­dia nos trás no­tí­cias di­á­rias de cri­mes hor­ren­dos e ne­fan­dos pra­ti­ca­dos em to­das as la­ti­tu­des des­te pa­ís con­ti­nen­te. Pas­san­do pe­los ve­ne­zu­e­la­nos que pe­dem so­cor­ro e fo­gem pa­ra nos­sa Ro­rai­ma, mo­vi­men­tan­do vá­rios ór­gã­os de as­sis­tên­cia e so­cor­ro fra­ter­nal, se­jam pe­los mo­ra­do­res em si­tu­a­ção de rua em di­ver­sas ca­pi­tais sen­do ví­ti­mas de cru­éis as­sas­si­nos que atei­am fo­go en­quan­to eles dor­mem, vi­ve­mos uma ca­la­mi­to­sa si­tu­a­ção on­de a vi­o­lên­cia to­ma vul­to e cres­ce di­a­ria­men­te. A Dou­tri­na Es­pí­ri­ta nos en­si­na o va­lor da paz e nos en­si­na o pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção ín­ti­ma, atra­vés da evan­ge­li­za­ção cons­tan­te, pro­ces­so sem fim, que de­ve­mos mer­gu­lhar e nos dei­xar en­vol­ver pe­los do­ces en­si­nos de Je­sus. Nes­te pro­ces­so de me­lho­ra cons­tan­te, que nós, os es­pí­ri­tas, cha­ma­mos de re­for­ma ín­ti­ma, so­mos con­vi­da­dos a co­nhe­cer o pro­ces­so da re­en­car­na­ção, fun­da­men­ta­do na Lei de Cau­sa e Efei­to e atra­vés da qual vol­ve­mos à Ter­ra quan­tas ve­zes fo­rem ne­ces­sá­rias pa­ra cres­cer­mos em di­re­ção à Luz. Atra­vés da re­en­car­na­ção, pas­sa­mos pe­las pro­vas e ex­pi­a­ções ne­ces­sá­rias pa­ra nos­sa evo­lu­ção. Evo­lu­í­mos de acor­do com as nos­sas res­pos­tas, com a nos­sa re­a­ção po­si­ti­va aos re­ves­es que nos vi­si­tam. No li­vro que é um ver­da­dei­ro fa­rol em nos­sas vi­das, “O Evan­ge­lho Se­gun­do o Es­pi­ri­tis­mo”, no ca­pí­tu­lo II, no item 7, exis­te a men­sa­gem in­ti­tu­la­da “A Pa­ci­ên­cia”. Ali, nos é tra­ça­do um ver­da­dei­ro ro­tei­ro à ser se­gui­do na Ter­ra, no en­fren­ta­men­to as pro­vas que nos vi­si­tam. A gran­de mai­o­ria de­las, adre­de­men­te por nós es­co­lhi­da, no mo­men­to de nos­so pla­ne­ja­men­to re­en­car­na­tó­rio. Daí, pa­ra nós es­pí­ri­tas, não nos é lí­ci­to de­sis­tir da vi­da. Aten­tar con­tra ela, se­ja de qual for­ma for, é aten­tar con­tra a Von­ta­de Di­vi­na que nos per­mi­tiu vol­tar a Ter­ra. A Vi­da é por de­mais va­li­o­sa e por is­so que o Mo­vi­men­to Es­pí­ri­ta se or­ga­ni­zou e há dé­ca­das de­sen­vol­ve em to­do o pa­ís cam­pa­nhas de Va­lo­ri­za­ção da Vi­da, aler­tan­do quan­do a es­ses atos im­pen­sa­dos que le­vam o ho­mem, por exem­plo, ao su­i­cí­dio. Nós te­mos a cer­te­za, fun­da­men­ta­da em pro­vas ci­en­tí­fi­cas, que a vi­da con­ti­nua após o de­ces­so do cor­po de car­ne e que o su­i­cí­dio é uma por­ta fal­sa por on­de o es­pí­ri­to sai da vi­da e en­tra num mun­do de tor­men­tos sem fim…Tu­do is­so nos é nar­ra­do em de­ta­lhes na ma­gis­tral obra li­te­rá­ria “Me­mó­ri­as de Um Su­i­ci­da” , di­ta­da pe­lo es­pí­ri­to Ca­mi­lo Cas­te­lo Bran­co, atra­vés da me­di­u­ni­da­de de Yvon­ne Pe­rei­ra. Nes­te li­vro é de­ta­lha­do o mar­tí­rio pe­lo qual pas­sam o su­i­ci­da, seu pro­ces­so de dor, seu res­ga­te no tem­po cer­to, seu pro­ces­so de tra­ta­men­to mé­di­co e seu pla­ne­ja­men­to re­en­car­na­tó­rio. Atra­vés da lei­tu­ra des­te pla­ne­ja­men­to, vi­mos co­mo é im­por­tan­te o re­en­car­ne em es­pe­ci­al, pa­ra os su­i­ci­das, que pe­dem pa­ra vi­rem com li­mi­tes na­tu­ra­is atra­vés dos qua­is irão ex­pi­ar pe­lo cri­me de au­to ex­ter­mí­nio. Mui­tos pe­dem pa­ra vol­tar co­mo anen­cé­fa­los, com do­en­ças li­mi­ta­do­ras de ação, pa­ra que evi­tem re­pe­ti­rem o ato in­sa­no. Lu­te­mos con­tra o su­i­cí­dio, mul­ti­pli­que­mos cam­pa­nhas em nos­sas Ca­sas Es­pí­ri­tas, fa­le­mos so­bre o va­lor da vi­da na evan­ge­li­za­ção, na mo­ci­da­de, nos gru­pos de es­tu­do. Só as­sim es­ta­re­mos fa­zen­do a nos­sa par­te, di­vul­gan­do os Va­lo­res eter­nos, im­pe­re­cí­veis, que Deus nos con­ce­de atra­vés do ato de vi­ver. Vi­va a Vi­da!

 

(Hé­lio Ri­bei­ro Lou­rei­ro, da As­so­cia­ção Ju­rí­di­co Es­pí­ri­ta do Bra­sil)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais