Opinião

A Origem da Vida em todo o Universo

diario da manha

Pe­lo que de­cor­re das ques­tões as­si­na­la­das no Tí­tu­lo 63, des­ta 5ª Par­te, aos pró­prios Es­pí­ri­tos Su­pe­ri­o­res são ve­da­dos cer­tos ar­ca­nos do Cri­a­dor. Ape­nas aos Es­pí­ri­tos Pu­ros es­ses apa­ren­tes mis­té­ri­os são re­ve­la­dos. Di­ze­mos apa­ren­tes, por­que à me­di­da que vão sen­do des­ven­da­dos, dei­xam de ser mis­té­ri­os e in­cor­po­ram-se ao nos­so co­nhe­ci­men­to.

Daí a ra­zão da res­pos­ta à per­gun­ta nº 11, de “O Li­vro dos Es­pí­ri­tos”, que pe­di­mos vê­nia pa­ra re­pe­tir:

Se­rá da­do um dia ao ho­mem com­pre­en­der o mis­té­rio da Di­vin­da­de?

“Quan­do não mais ti­ver o es­pí­ri­to ob­scu­re­ci­do pe­la ma­té­ria. Quan­do, pe­la sua per­fei­ção, se hou­ver apro­xi­ma­do de Deus, ele o ve­rá e com­pre­en­de­rá.”

Tra­ta-se de te­ma in­trín­se­co de nos­sa Te­se, no que to­ca à exis­tên­cia e pe­re­ni­da­de da al­ma, pre-re­qui­si­to es­sen­cial da exis­tên­cia de Deus.

2 – No li­vro “A Al­ma da Ma­té­ria” , de Mar­le­ne No­bre, que com mui­ta pro­pri­e­da­de abor­da o te­ma su­pra, de cor­re­la­ção in­dis­cu­tí­vel com o te­ma do Tí­tu­lo an­te­ri­or, for­ne­cen­do-nos sub­sí­di­os va­li­o­sos no que tan­ge ao mis­té­rio da ori­gem da vi­da, na Ter­ra e nou­tros pla­nos da Cri­a­ção, es­cre­ve:

“O Es­pi­ri­tis­mo de­fen­de, des­de mar­ço de 1860, a par­tir da se­gun­da edi­ção de O Li­vro dos Es­pí­ri­tos, a evo­lu­ção con­tí­nua e gra­du­al de to­dos os se­res, atra­vés da fi­lo­gê­ne­se, que pos­si­bi­li­ta a in­di­vi­dua­li­za­ção do prin­cí­pio es­pi­ri­tual, va­len­do-se do bu­ril do tem­po.

As­sim, cri­a­do por Deus, o Es­pí­ri­to, sob a sua for­ma de mai­or sim­pli­ci­da­de, a de prin­cí­pio in­te­li­gen­te, ini­cia a bi­o­gê­ne­se, es­ta­gi­an­do nas for­mas mais pri­mi­ti­vas – os se­res uni­ce­lu­la­res –, pros­se­guin­do de­pois nos plu­ri­ce­lu­la­res, até atin­gir a fa­se hu­ma­na. É a ca­mi­nha­da inin­ter­rup­ta do Ser, do áto­mo ao ar­can­jo (11), da sim­pli­ci­da­de e ig­no­rân­cia à su­bli­me aqui­si­ção da Sa­be­do­ria e do Amor, ru­mo ao Ar­qué­ti­po pa­ra o qual foi cri­a­do.

Des­se mo­do, du­ran­te bi­lhões de anos, o Es­pí­ri­to mo­de­la os seus en­vol­tó­rios: a ma­té­ria que ele re­ti­rou do char­co, do li­mo da Ter­ra e ani­mou, par­tin­do dos cris­tais mi­ne­ra­is, até atin­gir a com­ple­xa ma­qui­na­ria do cor­po hu­ma­no; e os ou­tros dois prin­ci­pa­is en­vol­tó­rios su­tis, o cor­po men­tal e o pe­ris­pí­ri­to, in­vi­sí­veis à tec­no­lo­gia ter­res­tre exis­ten­te.

A Dou­tri­na Es­pí­ri­ta re­co­nhe­ce o gran­de va­lor da Te­o­ria Ne­o­darwi­nis­ta, mas o aca­so, um de seus pi­la­res, bem co­mo o de ou­tras te­o­ri­as com­ple­men­ta­res (Or­gel, Ei­gen, Gil­bert, Mo­nod, Darkins, Ki­mu­ra, Gould, Kauffman), é in­su­fi­ci­en­te pa­ra ex­pli­car a ori­gem da vi­da.

Co­mo afir­ma o bi­o­quí­mi­co Mi­cha­el Be­he: “Di­zer que a evo­lu­ção darwi­nia­na não po­de ex­pli­car tu­do na na­tu­re­za, não equi­va­le a di­zer que a evo­lu­ção, a mu­ta­ção e a se­le­ção na­tu­ral não ocor­ram. Em ter­mos de mi­cro­e­vo­lu­ção, os seus pres­su­pos­tos fo­ram con­fir­ma­dos”.

Be­he, po­rém, faz uma res­sal­va im­por­tan­te, a mes­ma que fa­ze­mos: “O que se pe­de é a ex­pli­ca­ção ci­en­tí­fi­ca de­ta­lha­da, pas­so a pas­so, que mos­tre co­mo a mu­ta­ção ale­a­tó­ria e a se­le­ção na­tu­ral po­de­ri­am cons­tru­ir es­tru­tu­ras com­ple­xas e in­trin­ca­das, co­mo, por exem­plo, o olho hu­ma­no, o cí­lio ou o fla­ge­lo; a co­a­gu­la­ção san­guí­nea e ou­tras. Até ago­ra, tal ex­pli­ca­ção não foi da­da por ne­nhum dos ar­do­ro­sos de­fen­so­res do aca­so, co­mo ba­se da evo­lu­ção”. (12)

Do mes­mo mo­do, ou­tra te­o­ria co­mo a da au­to-or­ga­ni­za­ção (Pri­go­gi­ne, Ma­tu­ra­na e Vi­le­la, etc.) – não ex­pli­ca a tran­si­ção en­tre as or­ga­ni­za­ções vi­vas e as ig­no­rân­cias. A res­pei­to de­la, afir­mou Pa­ul Da­vi­es:

“A te­o­ria da au­to-or­ga­ni­za­ção não ofe­re­ce ne­nhu­ma pis­ta so­bre co­mo se dá a tran­si­ção en­tre a or­ga­ni­za­ção es­pon­tâ­nea ou au­to-in­du­zi­da – que até nos exem­plos não bi­o­ló­gi­cos mais ela­bo­ra­dos ain­da en­vol­ve es­tru­tu­ras re­la­ti­va­men­te sim­ples – e a or­ga­ni­za­ção ge­né­ti­ca das coi­sas vi­vas, al­ta­men­te com­ple­xas e ba­se­a­das na in­for­ma­ção…” (13)

3 – Ci­tan­do uma ga­ma de ci­en­tis­tas de proa, in­for­ma a au­to­ra que os mun­dos (pla­ne­tas, sis­te­mas es­te­la­res, cons­te­la­ções e ga­lá­xi­as) obe­de­cem e se su­jei­tam a um pla­ne­ja­men­to as­saz in­te­li­gen­te, ga­ran­tin­do in­clu­si­ve o equi­lí­brio das es­fe­ras, em cum­pri­men­to a leis mag­nas pre­es­ta­be­le­ci­das pe­la In­te­li­gên­cia Su­pre­ma:

“…A Te­o­ria do Pla­ne­ja­men­to In­te­li­gen­te (Mi­cha­el Be­he; Lynn Mar­gu­lis; Ígor Gris­chika Bog­da­nov) es­tá fun­da­men­ta­da na ex­tra­or­di­ná­ria ma­qui­na­ria ce­lu­lar, no es­tu­do de es­tru­tu­ras com­ple­xas (Olho hu­ma­no, co­a­gu­la­ção san­guí­nea, etc. ); no jo­go de con­ven­ções inex­pli­cá­veis: li­ga­ções co­va­len­tes; es­ta­bi­li­za­ção to­po­ló­gi­ca de car­ga; li­ga­ção ge­ne-pro­te­í­na; qui­ra­li­da­de es­quer­da dos ami­no­á­ci­dos e da di­rei­ta dos açu­ca­res; nos cál­cu­los ma­te­má­ti­cos que de­mons­tram a im­pos­si­bi­li­da­de es­ta­tís­ti­ca (101.000 con­tra um) de se jun­tar, ao aca­so, mil en­zi­mas das 2 mil ne­ces­sá­rias ao fun­cio­na­men­to de uma cé­lu­la. (14).

A Te­o­ria do Pla­ne­ja­men­to In­te­li­gen­te é a que mais se co­a­du­na com a Re­ve­la­ção Es­pi­ri­tual. Nós, es­pí­ri­tas, so­mos, por­tan­to, evo­lu­cio­nis­tas-cri­a­cio­nis­tas, acre­di­ta­mos na evo­lu­ção do prin­cí­pio es­pi­ri­tual, fru­to da cri­a­ção de Deus, atra­vés da es­ca­la fi­lo­ge­né­ti­ca em en­car­na­ções su­ces­si­vas.

Acei­ta­mos os pres­su­pos­tos do darwi­nis­mo pa­ra a fi­lo­gê­ne­se; dis­tin­gui­mos, no en­tan­to, seus pon­tos fra­cos e ob­scu­ros, vis­lum­bran­do so­lu­ções, a par­tir das re­ve­la­ções es­pi­ri­tua­is que a ex­pli­cam co­mo um pro­ces­so evo­lu­ti­vo, que se dá nos dois pla­nos da vi­da, o fí­si­co e o ex­tra-fí­si­co, sob a ori­en­ta­ção de Gê­ni­os Cons­tru­to­res – Es­pí­ri­tos con­du­to­res do pro­gres­so hu­ma­no – im­pul­si­o­nan­do o Ser do char­co pa­ra a Luz, da ani­ma­li­da­de pa­ra a con­sci­ên­cia su­bli­ma­da.

Nes­se lon­go pro­ces­so evo­lu­ti­vo, o Es­pí­ri­to cons­trói não ape­nas o cor­po fí­si­co, mas igual­men­te o es­pi­ri­tual ou pe­ris­pí­ri­to, cons­ti­tu­í­do de ma­té­ria ain­da des­co­nhe­ci­da, que tem sig­ni­fi­ca­do pa­re­ci­do com o dos cam­pos ima­te­ri­ais es­tru­tu­ra­do­res da for­ma, re­fe­ri­dos co­mo cam­pos mór­fi­cos e res­so­nân­cia mór­fi­ca por Ru­pert Shel­drake e cam­po bi­o­mag­né­ti­co, por Her­na­ni Gui­ma­rã­es An­dra­de. (15). Con­co­mi­tan­te­men­te, com a evo­lu­ção des­se en­vol­tó­rio su­til, de­sen­vol­ve-se o or­ga­nis­mo fí­si­co, e é es­sa evo­lu­ção du­pla que per­mi­te se­jam guar­da­das, no ele­men­to ex­tra-fí­si­co, os be­ne­fí­ci­os da se­le­ção na­tu­ral e das mu­ta­ções, sob a tu­te­la dos Es­pí­ri­tos Ins­tru­to­res, e de­pois pas­sa­das às no­vas ge­ra­ções, com ex­cep­cio­nal su­ces­so…”

4 – Em­bo­ra a Na­tu­re­za, fí­si­ca e ex­tra­fí­si­ca, ex­pres­sem com sim­pli­ci­da­de as leis pré-co­di­fi­ca­das pe­lo Cri­a­dor, Mar­le­ne não dei­xa de di­zer que o pro­ces­so evo­lu­ti­vo é com­ple­xo.

De fa­to, as­sim é em ra­zão de nos­sa po­bre­za men­tal e es­pi­ri­tual. Se­ria, por exem­plo, co­mo apren­der Ma­te­má­ti­ca, que é com­ple­xa en­quan­to não co­nhe­ci­da, mas de­du­zi­dos que se­jam as equa­ções e os te­o­re­mas, tor­na-se sim­ples e es­pon­tâ­nea.

En­cer­ran­do sua pré­di­ca, acres­cen­ta a au­to­ra:

“…O pro­ces­so evo­lu­ti­vo é ex­tre­ma­men­te com­ple­xo e ain­da es­ta­mos mui­to lon­ge de abar­cá-lo, mes­mo com as va­li­o­sas in­for­ma­ções es­pi­ri­tua­is que já nos be­ne­fi­ci­am. Sa­be­mos que a Ter­ra pri­mi­ti­va é o mun­do das pro­teí­nas e não do RNA (Áci­do Ri­bo­nu­clei­co = RNA), co­mo se su­põe, de­ven­do-se par­tir, po­tan­to, da in­flu­ên­cia de­las so­bre o apa­re­ci­men­to dos de­mais com­po­nen­tes da cé­lu­la ele­men­tar; do mes­mo mo­do, é pre­ci­so apro­fun­dar o es­tu­do da ge­o­me­tria das di­ver­sas sub­stân­cias ce­lu­la­res pa­ra de­ter­mi­nar su­as fun­ções. E é to­do um per­cur­so de cer­ca de três bi­lhões e qua­tro­cen­tos anos – cál­cu­lo es­ti­ma­do da bi­o­gê­ne­se – que pre­ci­sa ser ma­pe­a­do e de­ci­fra­do, ca­pí­tu­lo por ca­pí­tu­lo.

Em um es­tu­do ma­pe­a­do so­bre os fun­da­men­tos da Bi­o­é­ti­ca, cre­mos que é mui­to im­por­tan­te abor­dar­mos a ques­tão da ori­gem da vi­da, por­que con­cor­da­mos com a ob­ser­va­ção do ilus­tre fí­si­co, Dr, Pa­ul Da­vi­es, em O Quin­to Mi­la­gre, quan­do afir­ma que na ori­gem da vi­da es­tá o sig­ni­fi­ca­do da pró­pria vi­da”.

De meu li­vro, iné­di­to: “De­du­ções Fi­lo­só­fi­cas e In­du­ções Ci­en­tí­fi­cas da Exis­tên­cia de Deus”

 

(Wei­mar Mu­niz de Oli­vei­ra. wei­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais