Opinião

Alimentos gravídicos e a contramão das indenizações

diario da manha

Es­ta se­ma­na uma co­le­ga me in­ter­pe­lou in­dig­na­da com o fa­to de uma juí­za ter di­to, em au­diên­cia de con­ci­li­a­ção, que não iria fi­xar ali­men­tos gra­ví­di­cos fa­ce às pro­vas apre­sen­ta­das pe­lo réu, pois te­ri­am “ma­cu­la­do seu con­ven­ci­men­to da exis­tên­cia de in­dí­ci­os da pa­ter­ni­da­de” e que, por­tan­to, ela iria aguar­dar o nas­ci­men­to da cri­an­ça pa­ra for­mu­lar um ju­í­zo de con­vic­ção ro­bus­to.

Ana­li­sa­da a ques­tão, es­cla­re­ci a co­le­ga que a Ma­gis­tra­da es­ta­va cer­ta e, di­an­te des­te fa­to, ca­be aqui um aler­ta de que de­ve­mos to­mar cui­da­do pa­ra não ser­mos sur­pre­en­di­dos em ca­sos co­mo o que aca­bo de re­la­tar.

Num pri­mei­ro pla­no, acre­di­to que se­ria in­te­res­san­te es­cla­re­cer o que se­ri­am os ali­men­tos gra­ví­di­cos: são aque­les des­ti­na­dos à mu­lher ges­tan­te pa­ra cus­te­ar as des­pe­sas da ges­ta­ção, des­de a con­cep­ção ao par­to, in­clu­si­ve as re­fe­ren­tes à ali­men­ta­ção es­pe­ci­al, as­sis­tên­cia mé­di­ca e psi­co­ló­gi­ca, exa­mes com­ple­men­ta­res, in­ter­na­ções, me­di­ca­men­tos e de­mais pres­cri­ções pre­ven­ti­vas e te­ra­pêu­ti­cas in­dis­pen­sá­veis, a ju­í­zo do mé­di­co, além de ou­tras a que o ju­iz con­si­de­re per­ti­nen­tes. Tais ali­men­tos de­vem com­pre­en­der os va­lo­res su­fi­ci­en­tes pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia do fe­to e têm sua pre­vi­são ex­pres­sa na Lei n. 11.804, de 05 de no­vem­bro de 2008 – tra­zen­do sig­ni­fi­ca­ti­va re­per­cus­são no meio ju­rí­di­co.

Ago­ra, vol­tan­do ao te­ma do ar­ti­go, en­ten­do que a ra­zão es­ta­ria com a ma­gis­tra­da, pe­lo fa­to de que o No­vo Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil de­di­cou um ca­pí­tu­lo pa­ra as ações de fa­mí­lia (Ca­pí­tu­lo X) que vai dos ar­ti­gos 693 a 699.

Po­rém, des­ta­ca­mos, nes­te ca­so, o pa­rá­gra­fo úni­co do ar­ti­go 693 que as­sim dis­põe: “a ação de ali­men­tos e a que ver­sar so­bre in­te­res­se de cri­an­ça ou de ado­les­cen­te ob­ser­va­rão o pro­ce­di­men­to pre­vis­to em le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca, apli­can­do-se, no que cou­ber, as dis­po­si­ções des­te ca­pí­tu­lo”.

É to­tal­men­te vi­á­vel a pos­si­bi­li­da­de da ação ser pro­mo­vi­da com fun­da­men­tos ape­nas em in­dí­ci­os de pa­ter­ni­da­de, ha­ja vis­ta que a com­pro­va­ção des­ta só é pos­sí­vel por mei­os de exa­mes. Res­sal­ta-se, po­rém, que a fei­tu­ra dos re­fe­ri­dos exa­mes não é re­co­men­da­da de­vi­do ao fa­to de oca­si­o­nar gran­des ris­cos ao fe­to, que é o prin­ci­pal tu­te­la­do na ação de ali­men­tos gra­ví­di­cos.

Fa­la-se em in­dí­ci­os de pa­ter­ni­da­de por­que o ônus pro­ba­tó­rio é da ges­tan­te, con­for­me ar­ti­go 1.597 e se­guin­tes do có­di­go ci­vil. HÁ que se apli­car a re­gra do ar­ti­go 333, in­ci­so I, do Có­di­go Ci­vil, que diz que o ônus pro­ba­tó­rio se in­cum­be ao au­tor da ação.

Pa­ra pro­var o re­la­ci­o­na­men­to, a au­to­ra da ação po­de­rá se uti­li­zar de bi­lhe­tes, fo­tos, e-mail, tes­te­mu­nhas e en­fim, qual­quer meio de pro­va lí­ci­to que com­pro­ve o en­vol­vi­men­to en­tre as par­tes.

Com a exis­tên­cia de in­dí­ci­os de pa­ter­ni­da­de, ca­be­rá en­tão ao ju­iz de­ter­mi­nar a fi­xa­ção dos ali­men­tos gra­ví­di­cos e, ha­ven­do o nas­ci­men­to com vi­da, se­rão es­tes, au­to­ma­ti­ca­men­te, con­ver­ti­dos em pen­são ali­men­tí­cia, per­ma­ne­cen­do no mes­mo va­lor acor­da­do, que­ren­do en­tão, as par­tes, po­de­rão ques­ti­o­nar tal va­lor, se­não ve­ja­mos o que diz o ar­ti­go 6º.: “Con­ven­ci­do da exis­tên­cia de in­dí­ci­os da pa­ter­ni­da­de, o ju­iz fi­xa­rá ali­men­tos gra­ví­di­cos que per­du­ra­rão até o nas­ci­men­to da cri­an­ça, so­pe­san­do as ne­ces­si­da­des da par­te au­to­ra e as pos­si­bi­li­da­des da par­te ré”.

Is­so nos le­va ao re­co­nhe­ci­men­to da pre­va­lên­cia da lei es­pe­ci­al so­bre a ge­ral, pois, se­não, a lei es­pe­ci­al per­de sua ra­zão de ser. En­ten­de­mos, por­tan­to que, se há pro­ce­di­men­to es­pe­ci­al pa­ra a ação de ali­men­tos não há que se fa­lar em apli­ca­ção dos pra­zos do no­vo CPC pa­ra apre­sen­ta­ção de de­fe­sa que, sal­vo me­lhor ju­í­zo, con­ti­nua tal co­mo pre­vis­to na Lei 11.604/08, qual se­ja: o pa­ga­men­to da pen­são na lei de ali­men­tos gra­ví­di­cos não é no pra­zo de con­tes­ta­ção – pre­vis­to no ar­ti­go 7º. da re­fe­ri­da lei -, mas após a au­diên­cia de con­ci­li­a­ção!!!

Ten­do em vis­ta que a Lei fa­la em re­vi­são da pen­são an­te­rior­men­te fi­xa­da, aí es­tá in­clu­sa a pos­si­bi­li­da­de da exis­tên­cia de dú­vi­da quan­to à pa­ter­ni­da­de do in­fan­te, po­den­do o su­pos­to pai pe­dir a re­a­li­za­ção de exa­mes.

Sur­ge en­tão a fa­mo­sa dú­vi­da: no ca­so em que o exa­me ti­ver re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo, po­de­ria aque­le que foi apon­ta­do co­mo pai pe­dir in­de­ni­za­ção? O en­tão re­vo­ga­do ar­ti­go 10º da lei de ali­men­tos gra­ví­di­cos pre­via que em ca­so de re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo de exa­me de pa­ter­ni­da­de, o au­tor res­pon­de­ria ob­je­ti­va­men­te pe­los da­nos ma­te­ri­ais e mo­ra­is cau­sa­dos ao réu e, ain­da, que a in­de­ni­za­ção se­ria li­qui­da­da nos pró­prios au­tos da ação de ali­men­tos gra­ví­di­cos.

Em­bo­ra o re­fe­ri­do ar­ti­go da lei te­nha si­do re­vo­ga­do, ain­da exis­te a pos­si­bi­li­da­de de ação de re­gres­so con­tra os da­nos ge­ra­dos por es­te ti­po de ação, pois a res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil su­pe­ra o ve­to exis­ten­te na lei, apli­can­do-se a qual­quer re­la­ção re­gi­da pe­lo di­rei­to ci­vil, não dei­xan­do mar­gens des­co­ber­tas pa­ra da­nos, con­clu­in­do-se en­tão, que a ação de re­pa­ra­ção de da­nos fi­ca en­tão não al­ber­ga­da na lei es­pe­cí­fi­ca, mas, no âm­bi­to ge­ral de as­pec­tos ci­vis.

Per­ma­ne­ce en­tão a re­gra ge­ral da res­pon­sa­bi­li­da­de sub­je­ti­va do ar­ti­go 186 do Có­di­go Ci­vil ao qual a au­to­ra po­de res­pon­der pe­la in­de­ni­za­ção ca­bí­vel des­de que ve­ri­fi­ca­da sua cul­pa em sen­ti­do es­tri­to (ne­gli­gên­cia ou im­pru­dên­cia) ou do­lo (von­ta­de de­li­be­ra­da de cau­sar pre­ju­í­zo) ao pro­mo­ver a ação.

Ca­be des­ta­car a con­cei­tu­a­ção da mo­da­li­da­de de cul­pa im­pru­dên­cia: age de for­ma im­pru­den­te aque­le que sa­be­dor do grau de ris­co en­vol­vi­do, mes­mo as­sim acre­di­ta que se­ja pos­sí­vel a re­a­li­za­ção do ato sem pre­ju­í­zo a qual­quer um.

As­sim, a au­to­ra de­ve­rá ser res­pon­sa­bi­li­za­da sub­je­ti­va­men­te tan­to em sua con­du­ta cul­po­sa quan­to em sua con­du­ta do­lo­sa, pois con­fi­gu­ra abu­so de di­rei­to, ou se­ja, é o exer­cí­cio ir­re­gu­lar de um di­rei­to, que di­an­te do ar­ti­go 927 do Có­di­go Ci­vil se equi­pa­ra ao ato ilí­ci­to, tor­nan­do-se fun­da­men­to pa­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil.

A com­pro­va­ção dos da­nos ma­te­ri­ais so­fri­dos se­rá fei­ta atra­vés de de­mons­tra­ti­vos da quan­tia gas­ta, va­len­do-se de des­con­tos em fo­lha, blo­quei­os ju­di­ci­ais, ou qual­quer ou­tro do­cu­men­to que ates­te o quan­tum pa­go em ali­men­tos gra­ví­di­cos, sen­do pos­sí­vel tam­bém a cu­mu­la­ção com pe­di­do de in­de­ni­za­ção por da­nos mo­ra­is, uma vez que a con­de­na­ção da­que­le que não era pai, além ge­rar o en­car­go fi­nan­cei­ro, acar­re­ta gran­de aba­lo psi­co­ló­gi­co ao réu.

A ju­ris­pru­dên­cia é pa­cí­fi­ca quan­to à con­de­na­ção em da­nos mo­ra­is por ato ilí­ci­to, in­de­pen­den­te­men­te de o plei­to ter si­do ex­clu­si­va­men­te em re­la­ção aos da­nos psí­qui­cos ou cu­mu­la­dos com qual­quer ou­tro:

“Emen­ta: Da­no mo­ral pu­ro. Ca­rac­te­ri­za­ção. So­bre­vin­do em ra­zão de ato ilí­ci­to, per­tur­ba­ção nas re­la­ções psí­qui­cas, na tran­qui­li­da­de, nos en­ten­di­men­tos e nos afe­tos de uma pes­soa, con­fi­gu­ra-se o da­no mo­ral, pas­sí­vel de in­de­ni­za­ção. (STJ, Min. Bar­ros Mon­tei­ro, T. 04, REsp 0008768, de­ci­são 18/02/92, DJ 06/04/1998, p. 04499)”.

Os pe­di­dos de in­de­ni­za­ção por da­no mo­ral e ma­te­ri­al en­con­tram-se nos ar­ti­gos 186 e 187, am­bos do Có­di­go Ci­vil e tam­bém de for­ma ex­pres­sa na Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral em seu ar­ti­go 5º, in­ci­so V e X.

O ar­ti­go 927 do Có­di­go Ci­vil dis­põe so­bre o de­ver de in­de­ni­zar da­que­les que co­me­tem ato ilí­ci­to. Aque­le que, por ato ilí­ci­to (ar­ti­gos 186 e 187) cau­sar da­no a ou­trem, fi­ca obri­ga­do a re­pa­rá-lo, in­de­pen­den­te­men­te de cul­pa, nos ca­sos es­pe­ci­fi­ca­dos em lei, ou quan­do a ati­vi­da­de nor­mal­men­te de­sen­vol­vi­da pe­lo au­tor do da­no im­pli­car, por sua na­tu­re­za, ris­co pa­ra os di­rei­tos de ou­trem.

A ju­ris­pru­dên­cia tem se ma­ni­fes­ta­do fa­vo­rá­vel a con­ces­são de in­de­ni­za­ção pa­ra aque­les que fo­ram le­sa­dos mo­ral­men­te pe­la fal­sa im­pu­ta­ção de pa­ter­ni­da­de.

Além de in­de­ni­za­ção por da­no mo­ral e ma­te­ri­al, al­guns au­to­res en­ten­dem ser pos­sí­vel o pe­di­do por li­ti­gân­cia de má-fé se pro­va­do que ao in­vés de ape­nas exer­ci­tar re­gu­lar­men­te seu di­rei­to, a ges­tan­te sa­bia que o su­pos­to pai re­al­men­te não o era, mas se va­leu do ins­ti­tu­to pa­ra lo­grar um au­xí­lio fi­nan­cei­ro de ter­cei­ro ino­cen­te. O que con­fi­gu­ra abu­so de di­rei­to (ar­ti­go 187 do CC), que é o exer­cí­cio ir­re­gu­lar de um di­rei­to, que, por for­ça do pró­prio ar­ti­go e do ar­ti­go 927 do Có­di­go Ci­vil, equi­pa­ra-se ao ato ilí­ci­to e tor­na-se fun­da­men­to pa­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil.

Fiquem atentos!!!

 

(Ka­ri­na Bu­e­no Ti­ma­chi, ad­vo­ga­da)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais