Opinião

Apreensão de veículo

diario da manha

Mui­tos Es­ta­dos bra­si­lei­ros es­tão ado­tan­do a prá­ti­ca abu­si­va da apre­en­são de ve­í­cu­lo co­mo for­ma de co­a­gir o ci­da­dão a pa­gar os tri­bu­tos de­vi­dos. Car­ro apre­en­di­do por IP­VA atra­sa­do é um abu­so por par­te da ad­mi­nis­tra­ção es­ta­tal e de­ve ser com­ba­ti­do com to­dos os mei­os ju­rí­di­cos pos­sí­veis.

“Se seu car­ro foi apre­en­di­do por dí­vi­das com IP­VA, vo­cê sa­bia que is­so é um abu­so e que tal prá­ti­ca de­ve ser pro­i­bi­da?” O ide­al é an­dar com os im­pos­tos em dia, mas nes­ta cri­se, in­fe­liz­men­te, mui­ta gen­te não con­se­gue pa­gar as con­tas.

Pa­ra quem quer sa­ber ser o Es­ta­do po­de apre­en­der um ve­í­cu­lo por es­tar com im­pos­tos atra­sa­dos, en­con­tra­rá nes­te ar­ti­go uma ori­en­ta­ção com­ple­ta do que de­ve fa­zer.

Exis­te um prin­cí­pio no Di­rei­to ad­mi­nis­tra­ti­vo – o prin­cí­pio da le­ga­li­da­de – que diz que “a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (Fe­de­ra­ção, Es­ta­do e Mu­ni­cí­pio) só po­de fa­zer o que a lei per­mi­te”, e o ad­mi­nis­tra­do (pes­so­as fí­si­cas ou ju­rí­di­cas) po­de fa­zer tu­do que a Lei não pro­í­be. Nes­se sen­ti­do, per­ce­be-se que o Es­ta­do, ao apre­en­der um ve­í­cu­lo por es­tar com IP­VA atra­sa­do, age em to­tal de­sa­cor­do com a le­ga­li­da­de.

É ne­ces­sá­rio, en­tão, apon­tar­mos a di­fe­ren­ça en­tre o IP­VA e o Li­cen­cia­men­to:

1 – O que é o IP­VA? IP­VA (Im­pos­to so­bre a pro­pri­e­da­de de ve­í­cu­los au­to­mo­to­res)

É o im­pos­to co­bra­do anual­men­te pe­la Re­cei­ta Es­ta­du­al. Me­ta­de do di­nhei­ro ar­re­ca­da­do fi­ca no mu­ni­cí­pio no qual o ve­í­cu­lo foi em­pla­ca­do, a ou­tra par­te vai pa­ra os co­fres pú­bli­cos pa­ra ser apli­ca­do em di­ver­sas áre­as, co­mo sa­ú­de e edu­ca­ção.

O va­lor co­bra­do por es­se im­pos­to é cal­cu­la­do a par­tir do va­lor do ve­í­cu­lo, sen­do 1% pa­ra ve­í­cu­los des­ti­na­dos à lo­ca­ção e pa­ra os que uti­li­zam Gás Na­tu­ral Ve­i­cu­lar (GNV), e 2,5% pa­ra os de­mais ve­í­cu­los.

2 – O que é CRLV?

CRLV (Cer­ti­fi­ca­do de Re­gis­tro e Li­cen­cia­men­to de ve­í­cu­los) – Co­nhe­ci­do co­mo li­cen­cia­men­to, o CRLV é um do­cu­men­to que con­ce­de o di­rei­to de li­vre trá­fe­go ao ve­í­cu­lo. É um do­cu­men­to de por­te obri­ga­tó­rio e de­ve ser apre­sen­ta­do à au­to­ri­da­de de trân­si­to sem­pre que so­li­ci­ta­do, sob pe­na de mul­ta e per­da de pon­tos na car­tei­ra, ca­so não es­te­ja por­tan­do o do­cu­men­to ou es­te­ja com o li­cen­cia­men­to atra­sa­do.

O Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro é es­cla­re­cer a si­tu­a­ção da apre­en­são do ve­í­cu­lo no ca­so de não ter o li­cen­cia­men­to atu­al, fri­san­do no ar­ti­go 230, in­ci­so V que a In­fra­ção é gra­vís­si­ma e a pe­na­li­da­de  re­pou­sa em mul­ta e apre­en­são do ve­í­cu­lo com me­di­da ad­mi­nis­tra­ti­va de re­mo­ção do ve­í­cu­lo.

É aqui que mo­ra o pro­ble­ma, por­que não há pos­si­bi­li­da­de de ter o li­cen­cia­men­to sem pa­gar o IP­VA, ta­xas e de­mais mul­tas que pos­sam es­tar re­gis­tra­das nes­se ve­í­cu­lo.

O Es­ta­do con­di­cio­na a li­be­ra­ção do Li­cen­cia­men­to à qui­ta­ção de to­dos os dé­bi­tos do ve­í­cu­lo. Daí o fa­to de se fa­zer a blitz pa­ra apre­en­der o ve­í­cu­lo não pe­lo atra­so no IP­VA, mas do Li­cen­cia­men­to.

As­sim, “o Es­ta­do acha que es­tá le­gal­men­te am­pa­ra­do pa­ra pro­mo­ver aqui­lo que con­si­de­ro abu­so de po­der de po­lí­cia: a apre­en­são do ve­í­cu­lo por atra­so no pa­ga­men­to de tri­bu­tos, da qual dis­cor­do e vou de­mons­trar por que é ile­gal, abu­si­vo, imo­ral e, por is­so, de­ve ser com­ba­ti­do.”

En­ten­do que é in­cons­ti­tu­ci­o­nal es­se dis­po­si­ti­vo de Lei do Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro, o que po­de ser pro­fe­ri­do por qual­quer ju­iz de pri­mei­ro grau. Sen­do in­cons­ti­tu­ci­o­nal, ob­via­men­te o Es­ta­do não po­de uti­li­zar a apre­en­são do ve­í­cu­lo por fal­ta do pa­ga­men­to do Li­cen­cia­men­to, do IP­VA, ou de qual­quer ou­tro tri­bu­to, pois tra­ta-se de um ato abu­si­vo de po­der de po­lí­cia do Es­ta­do.

3 – Por que o Es­ta­do não po­de apre­en­der ve­í­cu­lo por tri­bu­to em atra­so?

En­ten­do que con­fi­gu­ra con­du­ta ar­bi­trá­ria e ile­gal a apre­en­são de ve­í­cu­los com o in­tui­to co­er­ci­ti­vo de co­bran­ça do tri­bu­to e, com ba­se nos prin­cí­pios cons­ti­tu­ci­o­nais, pas­so a de­mons­trar a ile­ga­li­da­de e a des­tru­ir a pre­ten­são do Es­ta­do.

3.1 – O PRIN­CÍ­PIO DO NÃO CON­FIS­CO

Con­fis­co, ou con­fis­ca­ção, é o ato pe­lo qual se apre­en­dem e se ad­ju­di­cam ao fis­co bens per­ten­cen­tes a ou­trem, por ato ad­mi­nis­tra­ti­vo ou por sen­ten­ça ju­di­cial, fun­da­dos em lei.

A Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral im­põe o se­guin­te em seu ar­ti­go 150, in­ci­so IV que “sem pre­ju­í­zo de ou­tras ga­ran­ti­as as­se­gu­ra­das ao con­tri­buin­te, é ve­da­do à Uni­ão, aos Es­ta­dos, ao Dis­tri­to Fe­de­ral e aos Mu­ni­cí­pios (…) uti­li­zar tri­bu­to com efei­to de con­fis­co”.

Des­sa for­ma, per­ce­be­mos que o prin­cí­pio do não con­fis­co diz que o Es­ta­do não po­de uti­li­zar os tri­bu­tos pa­ra re­ti­rar os bens do ci­da­dão e in­cor­po­rá-los ao te­sou­ro es­ta­du­al, ou re­pas­sá-lo a ou­tros.

A Cons­ti­tu­i­ção im­põe um li­mi­te ao po­der do Es­ta­do de tri­bu­tar e da for­ma de co­brar es­ses tri­bu­tos. Em al­guns es­ta­dos, co­mo a Ba­hia, por exem­plo, já hou­ve sus­pen­são des­se ti­po de blitz pa­ra apre­en­são de ve­í­cu­los.

3.2 – DAS SÚ­MU­LAS 70,323 e 547 DO SU­PRE­MO TRI­BU­NAL FE­DE­RAL

O STF já tra­tou des­sa ques­tão e im­pe­de de for­ma su­mu­lar, ou se­ja, quan­do de­mons­tra o seu en­ten­di­men­to re­i­te­ra­do, que é in­cons­ti­tu­ci­o­nal o Es­ta­do apre­en­der bens com o fim de re­ce­ber tri­bu­tos.

SÚ­MU­LA 70 É inad­mis­sí­vel a in­ter­di­ção de es­ta­be­le­ci­men­to co­mo meio co­er­ci­ti­vo pa­ra co­bran­ça de tri­bu­to.

SÚ­MU­LA 323 É inad­mis­sí­vel a apre­en­são de mer­ca­do­ri­as co­mo meio co­er­ci­ti­vo pa­ra pa­ga­men­to de tri­bu­tos.

SÚ­MU­LA 547 Não é lí­ci­to à au­to­ri­da­de pro­i­bir que o con­tri­buin­te em dé­bi­to ad­qui­ra es­tam­pi­lhas, des­pa­che mer­ca­do­ri­as nas al­fân­de­gas e exer­ça su­as ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais.

Pe­las sú­mu­las apre­sen­ta­das, per­ce­be-se que o en­ten­di­men­to do STF é to­tal­men­te con­trá­rio à blitz que apre­en­de o ve­í­cu­lo, por ser ca­bal­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

Ob­ser­ve ou­tros prin­cí­pios cons­ti­tu­ci­o­nais que são des­res­pei­ta­dos:

3.3 – FE­RE O DI­REI­TO À PRO­PRI­E­DA­DE

A Cons­ti­tu­i­ção fe­de­ral con­sa­gra o di­rei­to à pro­pri­e­da­de, con­ce­den­do o po­der ao ci­da­dão.

Ve­ja bem, um ci­da­dão não po­de ter o seu bem ar­ran­ca­do de su­as mãos sem se de­fen­der, por­que o di­rei­to de pos­su­ir bens é as­se­gu­ra­do pe­la cons­ti­tu­i­ção. A pro­pri­e­da­de pre­su­me-se ple­na e ex­clu­si­va, até pro­va em con­trá­rio. O Es­ta­do é li­mi­ta­do ao exer­cer de­sa­pro­pria­ção e pro­i­bi­do de re­a­li­zar con­fis­co atra­vés de im­pos­tos.

Ca­so o Es­ta­do quei­ra re­ce­ber os tri­bu­tos, que pro­cu­re os mei­os le­gais, fa­zen­do uso do de­vi­do pro­ces­so le­gal, e não atra­vés de um des­ca­ra­do abu­so de po­der de po­lí­cia.

O Có­di­go Ci­vil re­gu­la co­mo a pes­soa po­de fa­zer uso de sua pro­pri­e­da­de. O di­rei­to à pro­pri­e­da­de é sa­gra­do, não po­den­do ser usur­pa­do por nin­guém, nem mes­mo pe­la ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

3.4 – ATIN­GE O DI­REI­TO AO DE­VI­DO PRO­CES­SO LE­GAL

A Cons­ti­tu­i­ção, que é a Lei Mai­or, in­fi­ni­ta­men­te aci­ma do Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro, in­for­ma que to­dos são igua­is pe­ran­te a lei, sem dis­tin­ção de qual­quer na­tu­re­za, ga­ran­tin­do-se aos bra­si­lei­ros e aos es­tran­gei­ros re­si­den­tes no pa­ís a in­vi­o­la­bi­li­da­de do di­rei­to à vi­da, à li­ber­da­de, à igual­da­de, à se­gu­ran­ça e à pro­pri­e­da­de e que nin­guém se­rá pri­va­do da li­ber­da­de ou de seus bens sem o de­vi­do pro­ces­so le­gal.

O tex­to não po­de­ria ser mais cla­ro! O que a blitz do go­ver­no es­tá fa­zen­do é to­tal­men­te con­trá­rio ao que o tex­to le­gal diz. Pa­ra que al­guém ve­nha a per­der o seu bem, ain­da que tem­po­ra­ria­men­te, tem que ha­ver o de­vi­do pro­ces­so le­gal.

O de­vi­do pro­ces­so le­gal é aque­le em que o ci­da­dão tem o di­rei­to de apre­sen­tar sua de­fe­sa, con­tra­di­zer à acu­sa­ção. E o que a blitz faz? Ape­nas to­ma o bem do ci­da­dão, sem que es­se pos­sa se de­fen­der. Um ab­sur­do!

O de­vi­do pro­ces­so le­gal é ga­ran­tia de li­ber­da­de, é um di­rei­to fun­da­men­tal do ho­mem, con­sa­gra­do na De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, on­de se vê que to­do ho­mem tem di­rei­to a re­ce­ber dos tri­bu­nais na­ci­o­nais com­pe­ten­tes re­mé­dio efe­ti­vo pa­ra os atos que vi­o­lem os di­rei­tos fun­da­men­tais que lhe se­jam re­co­nhe­ci­dos pe­la cons­ti­tu­i­ção ou pe­la lei.

e ain­da, na Con­ven­ção de São Jo­sé da Cos­ta Ri­ca, o de­vi­do pro­ces­so le­gal é as­se­gu­ra­do no art. 8º.

Des­sa for­ma, quan­do o Es­ta­do apre­en­de o ve­í­cu­lo do ci­da­dão por não pa­ga­men­to de tri­bu­tos, ofen­de a Cons­ti­tu­i­ção, a Car­ta Uni­ver­sal de Di­rei­tos Hu­ma­nos e o fa­mo­so Pac­to de São Jo­sé da Cos­ta Ri­ca, do qual o Bra­sil é um pa­ís sig­na­tá­rio, ou se­ja, que o ad­mi­tiu em seu or­de­na­men­to ju­rí­di­co.

3.5 – OFEN­DE O DI­REI­TO AO TRA­BA­LHO

Mui­tas pes­so­as fa­zem uso do ve­í­cu­lo pa­ra o tra­ba­lho, se­ja pa­ra a con­du­ção até o lo­cal da ati­vi­da­de, pa­ra uso di­re­to co­mo tran­spor­te de pes­so­as, ou pa­ra uti­li­za­ção in­di­re­ta, co­mo o car­ro da em­pre­sa.

O Es­ta­do, ao apre­en­der um ve­í­cu­lo, es­tá em gran­de par­te ofen­den­do o prin­cí­pio do Di­rei­to ao tra­ba­lho. Ca­so o car­ro se­ja le­va­do, a em­pre­sa po­de in­clu­si­ve fe­char. A mo­to que o jo­vem uti­li­za pa­ra ir ao ser­vi­ço e de­sa­fo­gar os ôni­bus é to­ma­da pe­lo Es­ta­do, ge­ran­do um ca­os mai­or ao tran­spor­te pú­bli­co e di­fi­cul­tan­do o tra­ba­lho. Pen­se nos mo­to ta­xis­tas!

A Cons­ti­tu­i­ção Bra­si­lei­ra diz o se­guin­te: Art. 6º São di­rei­tos so­ci­ais a edu­ca­ção, a sa­ú­de, a ali­men­ta­ção, o tra­ba­lho, a mo­ra­dia, o tran­spor­te, o la­zer, a se­gu­ran­ça, a pre­vi­dên­cia so­ci­al, a pro­te­ção à ma­ter­ni­da­de e à in­fân­cia, a as­sis­tên­cia aos de­sam­pa­ra­dos, na for­ma des­ta Cons­ti­tu­i­ção.

Em tem­pos de cri­se, co­mo es­ta que o Bra­sil vi­ve, não po­de a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca pi­o­rar a si­tu­a­ção sob o pre­tex­to de re­ce­ber tri­bu­tos. O exer­cí­cio do tra­ba­lho é o di­rei­to à so­bre­vi­vên­cia, à pró­pria dig­ni­da­de – o que vou tra­tar a se­guir.

3.6 – ATA­CA O DI­REI­TO À DIG­NI­DA­DE

Já se ima­gi­nou ten­do o ve­í­cu­lo apre­en­di­do? Pes­so­as olhan­do? Che­gar em ca­sa ou no tra­ba­lho sem o ve­í­cu­lo? Con­se­gue pen­sar em uma ver­go­nha mai­or? É uma in­dig­ni­da­de sem ta­ma­nho!

O Es­ta­do não po­de uti­li­zar sua con­du­ta pa­ra im­pin­gir dor e so­fri­men­to ao ad­mi­nis­tra­do, com o fim de co­a­gi-lo a pa­gar tri­bu­tos. Tra­ta-se de um ter­rí­vel ata­que à dig­ni­da­de hu­ma­na.

Riz­zat­to Nu­nes con­si­de­ra, ain­da, a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na co­mo sen­do um su­pra prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal, en­ten­den­do que se en­con­tra aci­ma dos de­mais prin­cí­pios cons­ti­tu­ci­o­nais.

Tra­ta-se de um fun­da­men­to, ou se­ja, to­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co é sus­ten­ta­do por es­se prin­cí­pio, não po­den­do o Es­ta­do uti­li­zar um meio que afli­ja es­se con­cei­to.

En­ten­do que apre­en­der um ve­í­cu­lo por fal­ta de pa­ga­men­to de tri­bu­to é ofen­der a dig­ni­da­de hu­ma­na. Ter o ve­í­cu­lo apre­en­di­do por im­pos­tos em atra­so é hu­mi­lhan­te, de­gra­dan­te, é uma vi­o­lên­cia sem ta­ma­nho.

4 – Qual se­ria a me­di­da cor­re­ta pa­ra o Es­ta­do re­ce­ber tri­bu­tos em atra­so?

O Es­ta­do de­ve fa­zer uso dos mei­os le­gais pa­ra re­ce­ber os tri­bu­tos que lhe são de­vi­dos, e não apre­en­der de for­ma abu­si­va, ile­gal e imo­ral o ve­í­cu­lo dos ci­da­dã­os, por es­ta­rem em atra­so no pa­ga­men­to dos im­pos­tos.

“Sem dú­vi­da que o meio cor­re­to pa­ra se co­brar a dí­vi­da dos tri­bu­tos é fa­zer uso da exe­cu­ção fis­cal, uma me­di­da ju­di­cial que vai co­brar do ci­da­dão o pa­ga­men­to do tri­bu­to, po­den­do, in­clu­si­ve, lhe pro­tes­tar o no­me e ins­cre­vê-lo no ca­das­tro de pro­te­ção ao cré­di­to”.

Nes­se pro­ces­so de exe­cu­ção fis­cal, o ci­da­dão te­rá o di­rei­to de apre­sen­tar a de­fe­sa ne­ces­sá­ria e pos­sí­vel, e o ju­iz pro­fe­ri­rá a de­ci­são res­pei­tan­do o de­vi­do pro­ces­so le­gal.

Es­se é o meio cor­re­to, pois apre­en­der o ve­í­cu­lo por atra­so nos im­pos­tos é o mes­mo que ex­pul­sar a pes­soa de sua ca­sa por ter atra­sa­do o IP­TU.

5 – O que o ci­da­dão que te­ve seu car­ro apre­en­di­do em blitz por im­pos­tos em atra­so po­de fa­zer?

Em pri­mei­ro lu­gar, a me­lhor for­ma de de­fen­der o seu di­rei­to é pro­cu­rar um ad­vo­ga­do pa­ra lhe dar a me­lhor ori­en­ta­ção e apon­tar as es­tra­té­gias a se­rem to­ma­das.

En­ten­do que o ci­da­dão que te­ve o seu ve­í­cu­lo apre­en­di­do por fal­ta de pa­ga­men­to de im­pos­tos de­ve ajui­zar uma ação pa­ra res­ti­tu­ir o seu ve­í­cu­lo; e bus­car al­gu­mas in­de­ni­za­ções con­tra o Es­ta­do.

“O Es­ta­do de­ve in­de­ni­zar por da­nos mo­ra­is àque­les que ti­ve­ram o seu ve­í­cu­lo apre­en­di­do em blitz de co­bran­ça de im­pos­tos. a in­de­ni­za­ção por da­no mo­ral é aque­la uti­li­za­da pa­ra com­pen­sar a dor psi­co­ló­gi­ca que a pes­soa so­freu ao ser to­ma­do o seu ve­í­cu­lo.

Pen­so que o Es­ta­do de­ve in­de­ni­zar os da­nos ma­te­ri­ais. Já vi­ram co­mo são os pá­tios de ve­í­cu­los apre­en­di­dos? Sol, chu­va, ne­nhu­ma pro­te­ção ou cui­da­do. Ali so­mem pe­ças, ocor­rem da­nos de to­da na­tu­re­za.

O Es­ta­do de­ve in­de­ni­zar os lu­cros ces­san­tes. mui­ta gen­te uti­li­za o ve­í­cu­lo pa­ra de­fen­der o pão de ca­da dia, ou se­ja, seu sus­ten­to e de sua fa­mí­lia. Ha­ven­do pro­vas de que dei­xou de re­ce­ber pa­ga­men­tos co­mo ho­no­rá­rios, sa­lá­ri­os, di­á­rias ou qua­is­quer ou­tras for­mas de re­mu­ne­ra­ção pe­la per­da do ve­í­cu­lo, es­te de­ve ser in­de­ni­za­do”.

O ci­da­dão de­ve pro­cu­rar se de­fen­der das atro­ci­da­des que o Es­ta­do co­me­te. O que per­ce­be­mos é que há ru­as es­bu­ra­ca­das, es­tra­das des­tru­í­das, gas­oli­na ca­rís­si­ma, fur­tos e rou­bos ba­ten­do re­cor­des, pés­si­ma si­na­li­za­ção; e ain­da vem a blitz pa­ra apre­en­der o ve­í­cu­lo das pes­so­as?

O Bra­sil é um dos pi­o­res paí­ses em re­tor­no de be­ne­fí­ci­os pe­los im­pos­tos pa­gos. Na ver­da­de, im­pos­to nes­te pa­ís de­ve­ria ser con­si­de­ra­do do­a­ção, pois vo­cê nun­ca mais vê, nem sa­be on­de o di­nhei­ro vai pa­rar. Se du­vi­da, leia es­te ar­ti­go:

Ca­so is­so te­nha ocor­ri­do com vo­cê, pro­cu­re um ad­vo­ga­do e lu­te pe­lo seu Di­rei­to!

Ca­so vo­cê te­nha al­gu­ma dú­vi­da ou su­ges­tão, es­cre­va aqui nos co­men­tá­rios. Se es­te ar­ti­go lhe aju­dou, com­par­ti­lhe nas re­des so­ci­ais.

 

(Ka­ri­na Bu­e­no Ti­ma­chi, ad­vo­ga­da, mem­bro da Co­mis­são dos Di­rei­tos da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, da Co­mis­são de Di­rei­tos e Prer­ro­ga­ti­vas da OAB/GO e da Co­mis­são de Di­rei­to de Fa­mí­lia e Su­ces­sões na em­pre­sa OAB-GO (ges­tão 2016/2018); se­cre­tá­ria ad­jun­ta da Co­mis­são de Di­rei­to Cri­mi­nal na em­pre­sa OAB-GO (ges­tão 2016/2018); pre­si­den­te fun­da­do­ra da AMU Vida – As­so­cia­ção Na­ci­o­nal das Mu­lhe­res Ví­ti­mas de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e pre­si­den­te fun­da­do­ra da Abra Fama – As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Di­rei­to de Fa­mí­lia, Su­ces­sões e Cí­vel, ad­vo­ga­da do Par­ti­do MDB Go­i­ás e só­cia-pro­pri­e­tá­ria do es­cri­tó­rio Ka­ri­na Bu­e­no – es­cri­tó­rio co­la­bo­ra­ti­vo e con­ten­cio­so)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais