Opinião

Assalto à filosofia

diario da manha

A na­ta da fi­lo­so­fia hu­ma­nis­ta es­ta­va ali re­u­ni­da, em uma fes­ti­nha cult, pa­ra fes­te­jar o na­ta­lí­cio de uma emé­ri­ta pro­fes­so­ra de não me­nos con­cei­tu­a­da uni­ver­si­da­de go­i­a­ni­en­se.  Um ani­ma­do gru­po de mes­tres, dou­to­res e pós-dou­to­res, to­dos com mui­ta es­tra­da no hu­ma­nis­mo li­ber­tá­rio, es­me­ra­va-se, em re­si­dên­cia sem ne­nhum faus­to, ali pe­los la­dos do Se­tor Pe­rim, em ata­car a pe­na de mor­te, ale­gan­do que a ne­ces­si­da­de de so­bre­vi­ver é que em­pur­ra a mai­o­ria das pes­so­as pa­ra o cri­me, sen­do um ne­fan­do aten­ta­do con­tra a dig­ni­da­de ine­ren­te a to­do ser hu­ma­no con­de­na-lo à pe­na ca­pi­tal.

Iam nis­so, em aca­lo­ra­do de­ba­te aca­dê­mi­co, em que não fal­ta­vam ci­ta­ções de fa­mo­sos au­to­res da so­ci­o­lo­gia, fi­lo­so­fia e an­tro­po­lo­gia, quan­do aden­tra o fes­ti­vo re­cin­to um gru­po de mar­gi­nais, que de ar­ma em pu­nho, e aos ber­ros, or­de­nou que to­dos se dei­tas­sem de bar­ri­ga pa­ra o chão: “To­do mun­do de ca­ra no chão, cam­ba­da de bur­gues­es bar­ri­gu­dos! Vão pas­san­do o di­nhei­ro, ali­an­ças, ce­lu­la­res, cha­ves dos car­ros, tu­do o que ti­ver va­lor na pra­ça as­so­cia­da!

E fo­ram, aos ber­ros, de­pe­nan­do o fes­te­ja­do cor­po do­cen­te, que até há pou­cos mi­nu­tos, en­tre go­les de cer­ve­ja, vi­nho e uís­que, pa­ra re­gar de­li­cio­sos ca­na­pés, de­fen­di­am os que são ati­ra­dos, por um sis­te­ma in­jus­to e ex­clu­den­te, à mar­gi­na­li­da­de e ao cri­me, não en­con­tran­do ou­tra for­ma de so­bre­vi­ver, se­não rou­ban­do, as­sal­tan­do e, por ve­zes, até ma­tan­do pes­so­as ho­nes­tas e tra­ba­lha­do­ras.

Fo­ram ho­ras de ter­ror, uma vez que os as­sal­tan­tes, não sa­tis­fei­tos em hu­mi­lhar su­as ví­ti­mas, com pa­la­vras de bai­xo ca­lão, de­sem­bes­ta­ram a co­mer e a be­ber, far­ta­men­te, en­quan­to os con­vi­vas con­vi­da­dos, bem co­mo a an­fi­triã, tre­mi­am dos pés à ca­be­ça, sob a mi­ra de ar­mas de to­dos os ca­li­bres.

Não per­do­a­ram nem o apa­re­lho de som, os dis­cos to­dos, se­le­ci­o­na­dos pa­ra a fes­ta, o com­pu­ta­dor pes­so­al, da emé­ri­ta pro­fes­so­ra ani­ver­sa­ri­an­te, e o Lap Top, de 15 mil re­ais, de um pro­fes­sor de fi­lo­so­fia. Es­te, no de­ses­pe­ro de ver sen­do le­va­do o seu úni­co bem de va­lor (três ve­zes mais va­li­o­so que seu ve­í­cu­lo), sa­ben­do que per­de­ria sua te­se de dou­to­ra­do, seus pro­je­tos, en­sai­os, um vas­to sis­te­ma de apren­di­za­do e en­si­no, ain­da ten­tou ne­go­ci­ar com os me­lian­tes: “Olha, ami­go, vo­cê me aju­da  eu te aju­do… vo­cê dei­xa o meu Lap Top que eu lhe pas­so um che­que, no va­lor de 15 mil re­ais!”

É cla­ro que o ban­di­do não quis ne­go­ci­ar, com a ma­lí­cia e o jo­go de cin­tu­ra com que go­ver­nos fa­zem acor­dos até com o ca­pe­ta, pa­ra com­por o ro­lo com­pres­sor do que cha­mam, en­fe­mis­ti­ca­men­te, de “ba­se ali­a­da”. Per­deu o pro­fes­sor dou­tor su­as vas­tas fi­lo­so­fi­as, uma vez que ma­lan­dro não é bo­bo nem na­da, e só acre­di­ta em gra­na re­al, em es­pé­cie.

Mui­tos te­me­ram que hou­ves­sem ali es­tu­pros con­tra na­mo­ra­das e es­po­sas, mas o gru­po de ban­di­dos, com­pos­to por gen­te de to­das as ra­ças (bran­cos, ne­gros, mes­ti­ços, ca­fu­zos, ma­me­lu­cos, em uma de­mons­tra­ção de que sua or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa pri­ma pe­la au­sên­cia de pre­con­cei­tos”.

En­quan­to os mar­gi­nais fa­zi­am o lim­pa, ali fi­cou, amar­ra­dos e amor­da­ça­dos, no ba­nhei­ro, o ater­ro­ri­za­do gru­po de fi­ló­so­fos hu­ma­nis­tas, de­fen­so­res ar­do­ro­sos dos di­rei­tos hu­ma­nos, in­clu­si­ve pa­ra la­tro­ci­das, es­tu­pra­do­res e as­sas­si­nos em sé­rie. Quan­do en­fim os mar­gi­nais de­ram o fo­ra, quan­do o úni­co ce­lu­lar (que em uma bol­sa que es­ca­pou ao con­fis­co re­vo­lu­ci­o­ná­rio) foi acio­na­do, pa­ra pe­dir so­cor­ro.

Tra­ta­va-se do ex-na­mo­ra­do da ani­ver­sa­ri­an­te, gen­te do mais al­to qui­la­te que, sen­do da cor es­cu­ri­nha, ao pa­rar à por­ta da re­si­dên­cia, com seu fus­qui­nha azul, fez com que o ma­go­te de hu­ma­nis­tas de plan­tão cor­res­se, em pâ­ni­co, pa­ra o in­te­ri­or da ca­sa, te­men­do ser a tur­ma do res­cal­do, ou do pen­te fi­no, que vi­e­ra le­var o que so­brou do ato re­vo­lu­ci­o­ná­rio po­pu­lar, em de­fe­sa das clas­ses opri­mi­das, e em des­fa­vor da bur­gue­sia ca­pi­ta­lis­ta ex­plo­ra­do­ra da mais va­lia e dos mei­os de pro­du­ção. O que eles não acei­tam é que o fa­to de cor­rer de quem os vi­e­ra aju­dar con­fi­gu­ra um pre­con­cei­to in­con­sci­en­te, coi­sa di­fí­cil de ad­mi­tir, é cla­ro!

 

(Bra­si­gó­is Fe­lí­cio, es­cri­tor e jor­na­lis­ta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais