Opinião

Da dialética histórica e da nossa lógica processual

diario da manha

Sur­gem ques­tões re­le­van­tes na nos­sa di­a­lé­ti­ca his­tó­ri­ca de­sa­fi­an­do o di­rei­to em fa­ce dos con­fli­tos co­le­ti­vos que se des­do­bram an­te a or­ga­ni­za­ção so­ci­al e a or­dem ju­rí­di­ca es­ta­be­le­ci­da. Ques­tões que en­vol­vem re­vi­são das ins­ti­tu­i­ções ju­di­ci­ais e da pró­pria for­ma­ção dos ma­gis­tra­dos, se­di­men­ta­da nu­ma cul­tu­ra ju­rí­di­ca tra­di­cio­nal. Sur­gem li­mi­ta­ções im­pos­tas ao po­der ju­di­ci­á­rio na pró­pria for­ma or­ga­ni­za­cio­nal do Es­ta­do bu­ro­crá­ti­co, pa­ra ofe­re­cer res­pos­tas ju­di­ci­ais às cres­cen­tes de­man­das por jus­ti­ça. Co­lo­ca-se o pro­ble­ma da uni­da­de ju­rí­di­co-ins­ti­tu­ci­o­nal e da di­ver­si­da­de so­ci­al e eco­nô­mi­ca com de­sa­fio pa­ra o fu­tu­ro do ju­di­ci­á­rio. De con­se­quên­cia, o de­sa­fio ao exer­cí­cio da ma­gis­tra­tu­ra en­tre os po­los da pro­fis­si­o­na­li­za­ção e da po­li­ti­za­ção.

As fla­gran­tes de­si­gual­da­des so­ci­ais e eco­nô­mi­cas, bem co­mo a frag­men­ta­ção cul­tu­ral e o plu­ra­lis­mo ide­o­ló­gi­co, ho­je ve­ri­fi­ca­dos no Bra­sil e nos paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos, tem cons­ti­tu­í­do uma ame­a­ça à ide­a­li­za­da igual­da­de, li­ber­da­de e fra­ter­ni­da­de pre­co­ni­za­da pe­la re­mo­ta Re­vo­lu­ção fran­ce­sa, em fa­ce da pre­ten­di­da es­ta­bi­li­da­de po­si­ti­vis­ta co­mo sus­ten­tá­cu­lo do pro­je­to li­be­ral-bur­guês do Es­ta­do de di­rei­to. Iden­ti­fi­ca­das, por sua vez, as de­si­gual­da­des so­ci­ais e eco­nô­mi­cas co­mo con­tra­di­ções do sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta, sur­gem, de con­se­quên­cia, no­vas for­mas de or­ga­ni­za­ção so­ci­al atra­vés de mo­vi­men­tos po­pu­la­res e sin­di­cais, re­li­gi­o­sos e co­mu­ni­tá­rios, ins­pi­ra­dos em di­rei­tos hu­ma­nos que jus­ti­fi­cam no­vas for­mas de so­ci­a­bi­li­da­des, de so­li­da­ri­e­da­des e de iden­ti­fi­ca­ções co­muns, ar­ti­cu­lan­do no­vas for­ças den­tro e fo­ra da es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­cio­nal do Es­ta­do.

 

DA FRAG­MEN­TA­ÇÃO ES­TA­TAL

En­ti­da­des não-go­ver­na­men­tais e pa­ra-go­ver­na­men­tais que re­for­çam as ex­pe­ri­ên­cias par­ti­cu­la­ris­tas cen­tra­das nas idei­as de au­to-or­ga­ni­za­ção e au­to-ges­tão, abrem ca­mi­nhos pa­ra a con­fi­gu­ra­ção de um po­der sur­gen­te pa­ra­le­lo ao po­der es­ta­be­le­ci­do. Sur­gem com­por­ta­men­tos que com­pro­me­tem a or­dem vi­gen­te a par­tir da dis­cus­são de pro­ble­mas es­pe­cí­fi­cos, den­tre eles, a ve­lha ques­tão da re­la­ção ca­pi­tal ver­sus tra­ba­lho, dis­cus­são es­sa “ago­ra po­la­ri­za­da pe­la con­cen­tra­ção e cen­tra­li­za­ção do ca­pi­tal, pe­la oli­go­po­li­za­ção e mo­no­po­li­za­ção do mer­ca­do, pe­la con­cen­tra­ção dos po­de­res bu­ro­crá­ti­cos, pe­la emer­gên­cia de um sis­te­ma car­to­ri­al e cor­po­ra­ti­vo de ad­mi­nis­tra­ção de pre­ços e sa­lá­ri­os e, de ou­tro la­do, pe­la trans­for­ma­ção do es­pa­ço da fá­bri­ca co­mo cam­po de lu­ta” (as­sim res­sal­ta o já ci­ta­do au­tor Jo­sé Eduar­do Fa­ria, em “Jus­ti­ça e con­fli­to”).

Nes­te con­tex­to o Es­ta­do in­ter­ven­cio­nis­ta, cons­ti­tu­í­do co­mo po­der exe­cu­ti­vo, se an­te­ci­pa ao po­der ju­di­ci­á­rio no en­fren­ta­men­to das de­man­das con­fli­tan­tes, bus­can­do so­lu­ções ca­su­ís­ti­cas pa­ra os pro­ble­mas so­ci­ais e eco­nô­mi­cos, sem, con­tu­do, re­sol­vê-los. Por um la­do li­mi­ta-se o Es­ta­do a ad­mi­nis­trar a cri­se do se­tor eco­nô­mi­co, bem as­sim no pla­no po­lí­ti­co e nas or­ga­ni­za­ções ju­rí­di­co-ins­ti­tu­ci­o­nais. Por ou­tro la­do, o Es­ta­do abre es­pa­ço pa­ra a frag­men­ta­ção de sua ma­triz or­ga­ni­za­cio­nal, au­men­tan­do e di­ver­si­fi­can­do os ins­tru­men­tos nor­ma­ti­vos que ex­tra­po­lam seus apa­re­lhos for­mais. E ao in­vés de re­or­ga­ni­zar e uni­fi­car a so­ci­e­da­de, aca­ba por acom­pa­nhar a sua frag­men­ta­ção, per­den­do, por sua vez a uni­da­de de su­as fun­ções re­gu­la­tó­ri­as e ar­bi­tra­is.

 

DA NO­VA PRÁ­XIS JU­RÍ­DI­CA

As rei­vin­di­ca­ções de no­vos di­rei­tos se ba­sei­am em ne­ces­si­da­des ma­te­ri­ais que se so­bre­põ­em à ra­ci­o­na­li­da­de ló­gi­ca e, as­sim, im­põ­em no­va prá­xis ju­rí­di­ca. E uma no­va or­dem prá­ti­ca im­pe­le os ma­gis­tra­dos a um alar­ga­men­to de vi­são que ex­tra­po­la o es­pe­ci­fi­co e li­mi­ta­do cam­po ju­rí­di­co, an­te um pro­ces­so his­tó­ri­co que com­pro­me­te a or­ga­ni­ci­da­de do sis­te­ma le­gal. Ins­tau­ra-se um con­fron­to di­a­lé­ti­co en­tre tra­di­ção e mo­der­ni­da­de, en­tre bur­gue­sia in­dus­tri­al e oli­gar­quias agrá­rias, en­tre clas­ses em­pre­ga­do­ras e clas­ses tra­ba­lha­do­ras, quer nas zo­nas ur­ba­nas ou ru­ra­is, en­tre Es­ta­do e so­ci­e­da­de ci­vil, en­tre na­ci­o­na­lis­mo e in­ter­na­cio­na­lis­mo (leia-se glo­ba­li­za­ção), en­tre acu­mu­la­ção de ca­pi­tal e dis­tri­bui­ção de ren­das, en­fim, en­tre le­gi­ti­mi­da­de e go­ver­na­bi­li­da­de.

As ca­te­go­ri­as nor­ma­ti­vas for­ja­das pe­las con­cep­ções li­be­ral-bur­gue­sas, vol­ta­das pa­ra in­te­res­ses in­di­vi­dua­lis­tas, ge­ram um fe­nô­me­no de du­pla con­se­quên­cia no bi­nô­mio Es­ta­do/Di­rei­to: o Es­ta­do é obri­ga­do a res­pon­der, con­tra­di­to­ri­a­men­te, às pres­sões con­tra­di­tó­ri­as de uma so­ci­e­da­de con­tra­di­tó­ria, man­ten­do for­mal­men­te o con­tro­le das téc­ni­cas ju­rí­di­cas de do­mi­na­ção. O es­pa­ço do ju­di­ci­á­rio tor­na-se pal­co de lu­ta de ato­res co­le­ti­vos emer­gen­tes, com in­te­res­ses con­fli­tan­tes que de­sa­fi­am a co­e­rên­cia das de­ci­sões ju­di­ci­ais vol­ta­das pa­ra a com­po­si­ção de in­te­res­ses in­di­vi­dua­lis­tas. O mes­mo mo­de­lo ju­rí­di­co vi­gen­te há de ser­vir, ao mes­mo tem­po, a dois mo­de­los de so­ci­e­da­de. O mo­de­lo ju­rí­di­co pre­co­ni­za­do pe­la cen­tra­li­za­ção, bu­ro­cra­ti­za­ção e for­ma­li­za­ção, aca­ba cor­res­pon­den­do às re­vin­di­ca­ções ge­ra­das pe­la des­cen­tra­li­za­ção, des­bu­ro­cra­ti­za­ção e in­for­ma­li­za­ção. Di­fí­cil, por­tan­to, a con­ci­li­a­ção en­tre sis­te­ma ló­gi­co-for­mal e a con­cep­ção de jus­ti­ça sub­stan­ti­va.

 

DA PRO­POS­TA AL­TER­NA­TI­VA

Sur­ge, as­sim, pro­pos­ta al­ter­na­ti­va den­tro do mes­mo sis­te­ma ju­rí­di­co. Ato­res ju­rí­di­cos en­vol­vi­dos num mes­mo ti­po de con­fli­to bus­cam so­lu­ções di­ver­gen­tes pa­ra a com­po­si­ção da li­de. Se­gun­do res­sal­ta o ci­ta­do au­tor Jo­sé Eduar­do Fa­ria, ao mes­mo tem­po em que se cri­ti­ca o po­si­ti­vis­mo vi­gen­te, usa-se tam­bém ins­tru­men­tal­men­te o mes­mo sis­te­ma le­gal vi­san­do à pos­si­bi­li­da­de de sua re­for­mu­la­ção com pro­pos­tas al­ter­na­ti­vas pe­las pró­pri­as vi­as ju­di­ci­ais. Ci­ta Eduar­do Fa­ria, em “Jus­ti­ça e con­fli­to”, co­mo exem­plos dois jul­ga­men­tos con­tra­di­tó­rios le­va­dos a efei­to num mes­mo pro­ces­so de ocu­pa­ção de área ur­ba­na em Ca­no­as, por uma cen­te­na de fa­mí­lias que re­cor­re­ram ao Tri­bu­nal de Al­ça­da do Rio Gran­de do Sul, ob­ten­do ga­nho de cau­sa. Tais jul­ga­men­tos ins­pi­ra­ram-se nu­ma con­cep­ção an­ta­gô­ni­ca de jus­ti­ça so­ci­al, sen­do uma de ca­rá­ter po­si­ti­vis­ta e ou­tra al­ter­na­ti­vis­ta, ser­vin­do co­mo te­ma de de­ba­te so­bre o pa­pel do ma­gis­tra­do atu­an­do fren­te a con­fli­tos de mas­sa (Vi­de: Tri­bu­nal de Al­ça­da do Rio Gran­de do Sul, Em­bar­gos In­frin­gen­tes – 1002871119, 1º. Gru­po Ci­vil – Ca­no­as).

Se a ins­ti­tu­i­ção ju­di­ci­á­ria é fun­da­da nos prin­cí­pios de im­par­cia­li­da­de, au­to­no­mia, in­de­pen­dên­cia, so­be­ra­nia, cer­te­za e se­gu­ran­ça, ao se con­si­de­rar ca­da ca­so con­cre­to, sur­ge a in­da­ga­ção de co­mo pro­ce­der à se­le­ção e qua­li­fi­ca­ção das di­fe­ren­tes for­mas de com­por­ta­men­to nu­ma so­ci­e­da­de di­ver­si­fi­ca­da, em que to­dos são con­si­de­ra­dos igua­is pe­ran­te a lei? Qual se­ria o cri­té­rio da se­le­ção pa­ra clas­si­fi­ca­ção dos di­fe­ren­tes su­jei­tos? E co­mo po­de es­se cri­té­rio ser fun­da­men­ta­do e de­mons­tra­do em ter­mos me­ra­men­te ló­gi­cos? O po­si­ti­vis­mo nor­ma­ti­vis­ta o re­sol­ve, co­mo se vê, va­len­do-se do mes­mo pro­ces­so, co­mo fa­ca de dois gu­mes, ao ser apli­ca­do na prá­ti­ca so­ci­al pa­ra a so­lu­ção de di­fe­ren­tes con­fli­tos de in­te­res­ses, com o mes­mo pro­ce­di­men­to in­ter­no e as mes­mas ca­te­go­ri­as for­mais. É uma for­ma de em­prés­ti­mo de um cam­po de va­lo­res pa­ra um cam­po de fa­to­res, uma es­pé­cie de amar­ra­ção dos con­trá­rios, só pos­sí­vel na ar­qui­te­tu­ra pro­ces­su­al.

 

(Emí­lio Vi­ei­ra, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, ad­vo­ga­do e es­cri­tor, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res de Go­i­ás e da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa. E-mail: evn_ad­vo­ca­[email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais