Opinião

Independência financeira para aposentadoria

diario da manha

A pre­vi­dên­cia so­ci­al tem cha­ma­do à aten­ção dos bra­si­lei­ros nos úl­ti­mos mes­es. As pro­pos­tas de mu­dan­ças es­tão sen­do apre­sen­ta­das e o as­sun­to tem se tor­na­do te­ma de de­ba­tes em vá­ri­as re­gi­ões. Uma op­ção evi­den­te é a pre­vi­dên­cia pri­va­da, que sem­pre foi uma al­ter­na­ti­va pa­ra au­men­tar o va­lor de re­ce­bi­men­to na ve­lhi­ce e ga­ran­tir uma in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra.

Mas, o que pou­cos sa­bem é que o con­sór­cio po­de ser uma al­ter­na­ti­va in­te­res­san­te e aces­sí­vel pa­ra quem quer ga­ran­tir um fu­tu­ro con­for­tá­vel. Da­dos da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­mi­nis­tra­do­ras de Con­sór­cios (Abac), in­di­cam que ape­nas no pri­mei­ro mês do ano, 182 mil no­vas co­tas de con­sór­cio fo­ram co­mer­cia­li­za­das fren­te as 176 mil re­gis­tra­das no mês de ja­nei­ro de 2017.

Se­gun­do o Wes­ley Ken­nedy , di­re­tor do Gru­po Go­ve­sa, na ho­ra de pou­par pa­ra se apo­sen­tar com a aju­da do con­sór­cio, va­le se aten­tar a al­gu­mas ques­tões.

“Bus­que por ins­ti­tu­i­ções au­to­ri­za­das pe­lo Ban­co Cen­tral, fi­que aten­to às ta­xas ad­mi­nis­tra­ti­vas e es­te­ja ci­en­te dos pra­zos de con­tem­pla­ção”, ori­en­ta.

 

His­tó­ria de su­ces­so

Es­te é o ca­so do pro­pri­e­tá­rio de em­pre­sa grá­fi­ca, Le­o­pol­do Mo­rei­ra Ne­to, de 55 anos. Ele con­ta que che­gou a fa­zer pre­vi­dên­cia pri­va­da, mas não fi­cou sa­tis­fei­to com a re­mu­ne­ra­ção. “Cons­truí boa par­te do meu pa­tri­mô­nio por meio do con­sór­cio imo­bi­liá­rio”, re­ve­la. Ho­je, o em­pre­sá­rio é do­no de se­te lo­ca­is pa­ra lo­ca­ção e dez ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção e par­te des­te pa­tri­mô­nio é re­sul­ta­do do con­sór­cio imo­bi­liá­rio.

Além dis­so, ele tam­bém con­se­guiu cons­tru­ir uma se­de pró­pria pa­ra a em­pre­sa, fez uma re­cen­te ex­pan­são e até mes­mo ad­qui­riu fro­ta de cin­co ve­í­cu­los. “Te­nho cer­ta di­fi­cul­da­de pa­ra jun­tar di­nhei­ro, mas pa­gar pres­ta­ção não. As­sim, me for­ço a pou­par e ter uma se­gu­ran­ça no ama­nhã. Quan­do com­pro um imó­vel co­mer­cial, o alu­guel de­le faz par­te da mi­nha ren­da pa­ra um fu­tu­ro pró­xi­mo”, re­ve­la.

Es­te ano, Le­o­pol­do faz um con­sór­cio, mas no ano pas­sa­do fez qua­tro, to­dos fo­ca­dos na com­pra de imó­veis. Pai de du­as fi­lhas, ele in­ves­te em con­sór­cios imo­bi­liá­rios há mais de 15 anos. Ele acre­di­ta que for­mar pa­tri­mô­nio e ren­da ga­ran­ti­rá um fu­tu­ro pa­ra ele e a fa­mí­lia. “Já co­lo­quei mi­nhas du­as fi­lhas pa­ra pou­par com o con­sór­cio”, com­ple­men­ta.

 

Sai­ba mais

A pre­vi­dên­cia pri­va­da é um in­ves­ti­men­to que tem a fi­na­li­da­de de com­ple­men­tar a pre­vi­dên­cia pú­bli­ca ou apo­sen­ta­do­ria. Men­sal­men­te, se in­ves­te um va­lor, e após um tem­po es­ti­pu­la­do, re­ce­be-se de uma só vez ou em par­ce­las men­sais, o di­nhei­ro apli­ca­do. Tan­to o va­lor que se­rá pa­go por mês quan­to a for­ma de res­ga­te são com­bi­na­dos an­te­ci­pa­da­men­te atra­vés do con­tra­to.

O con­sór­cio tam­bém é um in­ves­ti­men­to que pro­por­ci­o­na um fu­tu­ro tran­qui­lo. Di­fe­ren­te­men­te da ca­der­ne­ta de pou­pan­ça, em que o di­nhei­ro po­de ser sa­ca­do a qual­quer mo­men­to, no con­sór­cio sem­pre há um ob­je­ti­vo de­fi­ni­do e um pra­zo má­xi­mo de pou­pan­ça, e is­so nos dis­ci­pli­na a guar­dar men­sal­men­te um pou­qui­nho de nos­sa ren­da.

Op­tan­do pe­lo con­sór­cio, é pos­sí­vel pou­par di­nhei­ro pa­ra ad­qui­rir bens ou ser­vi­ços fu­tu­ros, co­mo ca­sas e apar­ta­men­tos, ter­re­nos, sa­las co­mer­ci­ais, va­gas de ga­ra­gens, cons­tru­ções ou re­for­mas. Além dis­so, é pos­sí­vel, in­clu­si­ve, qui­tar um fi­nan­cia­men­to já em an­da­men­to.

 

Be­ne­fí­ci­os

A van­ta­gem com re­la­ção às de­mais al­ter­na­ti­vas es­tá re­la­ci­o­na­da às par­ce­las, que são aces­sí­veis e sem ju­ros, sen­do co­bra­das ta­xas de ad­mi­nis­tra­ção. A ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção é bai­xa e co­bra­da ape­nas pa­ra o fun­cio­na­men­to do sis­te­ma e não com o ob­je­ti­vo de lu­cro.

Es­ta mo­da­li­da­de es­tá em uma cres­cen­te. Em 2016, se­gun­do da­dos da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­mi­nis­tra­do­res de Con­sór­cios (Abac), em 2016, 57% dos con­sor­ci­a­dos eram de pes­so­as com mais de 40 anos. Já em 2017, es­te nú­me­ro au­men­to pa­ra 60%.  Com is­so, a Abac pon­tua que a ida­de em tor­no de 45 anos é um bom per­fil pa­ra o se­tor de in­ves­ti­men­tos.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais