Opinião

Não é bom que o eleitor aposte na renovação do Congresso

diario da manha

O lu­mi­nar ci­en­tis­ta Al­bert Eins­tein cu­nhou du­as fra­ses tão sa­bi­as quan­to re­ci­pro­ca­men­te com­ple­men­ta­res: to­da di­fi­cul­da­de é ja­ne­la de opor­tu­ni­da­des su­pe­ra­do­ras, as­sim co­mo lou­cu­ra é que­rer re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes, fa­zen­do-se sem­pre as mes­mas coi­sas. Em seu ar­ti­go de 09/08/18, o re­no­ma­do ar­ti­cu­lis­ta do DM e ex-de­sem­bar­ga­dor do To­can­tins Li­be­ra­to Pó­voa con­ti­nua afron­tan­do a tur­ba mal­ta ba­ru­lhen­ta do con­ti­nuís­mo, fir­me no seu de­si­de­ra­to de en­di­rei­tar o pa­ís. Es­se in­dô­mi­to ma­gis­tra­do por si só é um ho­mem des­po­ja­do, pa­ra fren­te, que tra­ba­lha, re­sis­tin­do ao can­to da se­reia, ate o dia em que o Bra­sil sa­ir da ida­de mé­dia e in­gres­sar na mo­der­ni­da­de de­mo­crá­ti­ca. A  ma­ça­ro­ca de emen­das e ar­ti­gos da cons­ti­tu­i­ção que ain­da não foi re­gu­la­men­ta­da, de ma­nei­ra que não dá pa­ra sa­ber di­rei­to o que va­le e o que não Va­le é, se­gun­do es­se onó­ma­ta ju­ris­ta, uma cam­pa­nha  pe­la ile­ga­li­da­de: “Vai ha­ver mui­ta frus­tra­ção nes­tas elei­ções de 2018 pa­ra quem apos­ta nu­ma sub­stan­ci­al re­no­va­ção no Con­gres­so e nas As­sem­blei­as le­gis­la­ti­vas. Pa­re­ce que a in­ten­ção da lei é exa­ta­men­te man­ter em­po­lei­ra­dos os que lá já es­tão, afir­mou. A cul­tu­ra bra­si­lei­ra ain­da é de acre­di­tar no con­to do vi­gá­rio, de con­cor­dar com as coi­sas er­ra­das, a co­me­çar pe­la am­bi­ção de men­ti­ra con­ta­da ao pú­bli­co. Es­sa no­ve­na foi en­co­men­da­da pa­ra sa­bo­tar o que  ain­da res­ta da nos­sa es­cas­sa le­ga­li­da­de. As re­gras do jo­go elei­to­ral fa­vo­re­cem quem já tem man­da­to, pois en­quan­to os can­di­da­tos co­muns ti­ve­ram seu tem­po de pro­pa­gan­da elei­to­ral re­du­zi­dos à me­ta­de, os de­ten­to­res de car­gos efe­ti­vos dis­põ­em de to­do o man­da­to pa­ra fa­zer pro­pa­gan­da ex­pli­ci­ta e opri­mi­da pe­la le­gis­la­ção, num en­tre­ve­ro de­si­gual cri­a­do ape­nas pa­ra be­ne­fi­ci­ar os que já são be­ne­fi­ci­a­dos. Há de­sa­ti­nos mais ca­ros na am­pla re­no­va­ção na com­po­si­ção do Con­gres­so Na­ci­o­nal nas elei­ções des­se ano, co­mo que­rem as re­des so­ci­ais. Es­se con­tor­cio­nis­mo po­lí­ti­co, des­pro­vi­do de sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de vai frus­trar os seus par­ti­dá­rios. A au­to­des­tru­i­ção do pa­ís con­ti­nua com os es­cân­da­los de cor­rup­ção  que des­gas­ta­ram po­lí­ti­cos e par­ti­dos tra­di­cio­nais va­ti­ci­nan­do que ha­ve­rá pou­cas ca­ras no­vas em Bra­sí­lia a par­tir de 2019. Os can­di­da­tos mais re­ve­lan­tes não apa­re­cem pa­ra con­de­nar a ru­í­na ex­tra, não ar­ti­cu­lam re­sis­tên­cia ao em­bru­lho, não se va­lem da oca­si­ão pa­ra re­for­mar pro­gra­mas de mu­dan­ça. Ne­nhu­ma sur­pre­sa mai­or ai. Qua­se co­mo de há­bi­to, ain­da mais em vo­ta­ção pré-elei­to­ra­is, não há de­ba­te na­ci­o­nal al­gum, mes­mo en­tre as eli­tes, dos vo­tos dos par­ti­dos e das de­ci­sões par­la­men­ta­res, seus ar­ran­jos clien­te­lís­ti­cos em gran­des es­ca­la. Tra­tar des­sa ro­ti­na des­tru­ti­va pa­re­ce in­ge­nui­da­de ju­ve­nil, to­la. O jo­go de pro­fis­si­o­nais con­ti­nua. O ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia do es­ta­blishment é no­tá­vel. Co­mo ar­gu­to ob­ser­va­dor do Con­gres­so, afir­ma que te­re­mos a me­nor re­no­va­ção po­lí­ti­cas das úl­ti­mas se­te elei­ções. Ci­ta três ra­zões: re­du­ção do tem­po de cam­pa­nha de 90 pa­ra 45 dia que pri­vi­le­gia po­lí­ti­cos já co­nhe­ci­dos: re­du­ção de ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to de 45 pa­ra 35 di­as: e fi­nan­cia­men­to pú­bli­co. Se­gun­do ele, os de­pu­ta­dos e se­na­do­res são fa­vo­re­ci­dos por: dis­pu­tar no exer­cí­cio do man­da­to se­rem mais co­nhe­ci­dos, te­rem ser­vi­ços  pres­ta­dos e ba­ses elei­to­ra­is con­so­li­da­do, ca­bos elei­to­ra­is, do­bra­di­nhas, fi­nan­cia­do­res, aces­so à mí­dia, es­tru­tu­ra de cam­pa­nha e emen­das par­la­men­ta­res que ga­ran­tem o apoio dos be­ne­fi­ci­a­dos pe­lo or­ça­men­to da Uni­ão.” Vez por ou­tra, “a jus­ti­ça elei­to­ral pro­mo­ve uma re­for­ma meia-so­la, ape­nas pa­ra con­so­li­dar a po­si­ção dos que a apro­va­ram. Is­to vem ocor­ren­do sem­pre às vés­pe­ras de elei­ções”. A po­lí­ti­ca dos ci­da­dã­os nun­ca foi tão vi­go­ro­sa, mas elei­to­ral­men­te  não re­sul­ta na for­ma­ção de co­a­li­zões po­lí­ti­cas ro­bus­tas o su­fi­ci­en­te pa­ra rom­per a blin­da­gem das ve­lhas es­tru­tu­ras par­ti­dá­ri­as e oli­gar­quias po­lí­ti­cas. Ur­ge que es­ta lei elei­to­ral se­ja mu­da­da e con­so­li­da­da à mar­gem dos ca­su­ís­mos ou es­ta­re­mos pa­ra sem­pre fa­da­dos aos ca­su­ís­mos per­pe­tu­an­do no po­der aque­les  que não que­re­mos mais que nos re­pre­sen­tem, va­ti­ci­na.

 

(Ed­val­do Ne­po­mu­ce­no, es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais