Opinião

O encantador de serpentes: uma metáfora da vida

diario da manha

To­das as tar­des na­que­la mes­ma pra­ça a ce­na se re­pe­te, a pou­cos me­tros da en­tra­da prin­ci­pal da im­po­nen­te ca­te­dral ele ar­ma seu es­pe­tá­cu­lo, cui­da­do­sa­men­te e man­ten­do a cal­ma de sem­pre.

Um se­nhor apre­sen­tan­do meia ida­de, com in­dí­ci­os de cal­ví­cie e com al­guns ca­be­los bran­cos sen­ta-se de per­nas cru­za­das de fren­te a um sa­co bran­co, igual aque­les que são usa­dos pa­ra o tran­spor­te de ca­fé ou açú­car. Mes­mo não sen­do pos­sí­vel ver o que se en­con­tra den­tro de­le, é ní­ti­do que al­go va­ga­ro­sa­men­te se mo­via em seu in­te­ri­or e de pos­se de um por­re­te em uma das mãos ele mi­nu­ci­o­sa­men­te o uti­li­za pa­ra de­sen­ro­lar a bo­ca do sa­co.

As­sim que a bo­ca do sa­co é aber­ta aqui­lo que se me­xia lá den­tro co­me­ça a ga­nhar a di­re­ção da li­ber­da­de. E não de­mo­rou mui­to a cri­a­tu­ra mis­te­ri­o­sa aos pou­cos des­pon­ta­va pe­la bo­ca do sa­co, po­den­do ser vis­ta por uma por­ção de tran­seun­tes, que pe­la cu­ri­o­si­da­de se aglo­me­ra­vam ao re­dor do ho­mem.

A cri­a­tu­ra que cau­sa­va es­pan­to, me­do e cu­ri­o­si­da­de era uma co­bra, uma ser­pen­te re­co­nhe­ci­da­men­te co­mo ve­ne­no­sa e cru­el, ca­paz de ma­tar seu al­goz, sem dó nem pi­e­da­de. Sua mor­di­da cheia de ve­ne­no per­mi­ti­rá ape­nas mais al­gu­mas ho­ras de vi­da.

Mas o que dei­xa­va a to­dos atô­ni­tos é que aque­le ho­mem fi­ca­va sen­ta­do mui­to pró­xi­mo de­la, se fos­se pos­sí­vel me­dir a dis­tân­cia en­tre os dois não pas­sa­ria de meio me­tro.

Pa­ra dei­xar a ce­na ain­da mais es­tra­nha, o ho­mem, após dei­xar o por­re­te que es­ta­va em sua mão po­si­cio­na­do ao seu la­do, pois de acor­do com ele po­de­ria ser usa­do ca­so a co­bra o ata­cas­se, co­me­çou a to­car uma flau­ta, emi­tin­do um som me­lo­di­o­so. Nes­te ins­tan­te a ser­pen­te, que já es­ta­va qua­se que to­tal­men­te fo­ra do sa­co, pa­rou e co­me­çou um mo­vi­men­to de er­guer a ca­be­ça cer­ca de trin­ta cen­tí­me­tros do chão. Nes­te mo­men­to os que es­ta­vam ao seu re­dor ob­ser­van­do, fi­ca­ram apre­en­si­vos, pois pen­sa­ram que a ser­pen­te es­ta­va pre­pa­ran­do um bo­te fa­tal.

De­pois de uns mi­nu­tos, pois pa­re­ce­ria que a ce­na es­ta­va con­ge­la­da, a não ser pe­la me­lo­dia; o se­nhor len­ta­men­te apro­xi­mou-se da ca­be­ça da ser­pen­te e de for­ma li­gei­ra e ao mes­mo tem­po sa­gaz, to­cou-a com os lá­bi­os. Nes­ta ho­ra as pes­so­as pa­re­ci­am de­li­rar, pois não acre­di­ta­vam no que es­ta­vam ven­do.

Vol­tan­do à sua po­si­ção de ori­gem, pa­rou de to­car a flau­ta, nes­te ins­tan­te a ser­pen­te dei­ta-se e com o por­re­te em mãos no­va­men­te ele a em­pur­ra pa­ra den­tro do sa­co.  To­dos fi­cam en­can­ta­dos e co­mo for­ma de re­tri­bu­ir do­am al­gum di­nhei­ro pa­ra o se­nhor, que agra­de­ci­do diz que no nou­tro dia es­ta­rá ali de no­vo pa­ra re­pe­tir o fei­to.

Pe­na que as pes­so­as não sa­bem que o en­can­ta­dor de ser­pen­tes, ti­rou de­la as pre­sas, ce­gou-a e a man­tém sem­pre mui­to bem ali­men­ta­da. E atra­vés de uma fal­sa au­to­ri­da­de ad­qui­ri­da e ad­mi­ra­da con­ti­nua en­ga­nan­do as pes­so­as que exis­tem em pro­pa­gar os seus fei­tos de he­rói, co­mo se fos­sem ver­da­dei­ros.

 

(Wal­ber Gon­çal­ves de Sou­za, pro­fes­sor)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais