Opinião

O que os presidenciáveis não debatem

diario da manha

A cor­ri­da elei­to­ral já co­me­çou e pro­me­te ser acom­pa­nha­da de per­to pe­los bra­si­lei­ros. Nos úl­ti­mos anos, po­lí­ti­ca pas­sou a ser as­sun­to abor­da­do nas mais di­ver­sas ro­das de con­ver­sa: se an­tes o te­ma era con­si­de­ra­do in­dis­cu­tí­vel, as­sim co­mo fu­te­bol e re­li­gi­ão, ago­ra, ele tem se tor­na­do pú­bli­co, im­pres­cin­dí­vel e um re­fle­xo das pre­o­cu­pa­ções com a eco­no­mia, com a cri­se en­fren­ta­da pe­lo pa­ís nos úl­ti­mos anos e com as con­se­quên­cias do com­ba­te à cor­rup­ção. Es­sa re­cen­te po­li­ti­za­ção é o iní­cio do que po­de aju­dar na trans­for­ma­ção da má­qui­na pú­bli­ca, fa­zen­do com que a cor­rup­ção pos­sa fa­zer par­te do pas­sa­do, em vez de ser uma cons­tan­te que in­co­mo­da, mas que nin­guém faz na­da a res­pei­to.

Uma das for­mas de en­ten­der as pro­pos­tas dos pre­si­den­ci­á­veis é acom­pa­nhar os de­ba­tes, que de­vem se tor­nar cons­tan­tes e apre­sen­tam de for­ma re­su­mi­da os pro­gra­mas de go­ver­no (es­tes que não se­guem um pa­drão e es­tão dis­pos­tos em do­cu­men­tos que con­têm de cin­co a 228 pá­gi­nas), com me­tas, pro­mes­sas e o que é con­si­de­ra­do im­por­tan­te pe­los can­di­da­tos. En­tre­tan­to, ao ana­li­sar as dis­cus­sões pú­bli­cas que acon­te­ce­ram até o mo­men­to, um te­ma tão im­por­tan­te pa­ra a so­ci­e­da­de, que é fo­co de pra­ti­ca­men­te to­dos os se­to­res de pe­so do pa­ís, ain­da não foi abor­da­do: tec­no­lo­gia. E va­mos ser mais es­pe­cí­fi­cos: tec­no­lo­gia pa­ra tor­nar as ci­da­des in­te­li­gen­tes, oti­mi­zan­do a es­tru­tu­ra pa­ra agi­li­zar, re­du­zir e am­pli­ar o aces­so dos ci­da­dã­os aos prin­ci­pa­is ser­vi­ços pú­bli­cos.

O te­ma tam­bém não é mui­to tra­ta­do pe­los pro­gra­mas de go­ver­no. Quan­do é men­ci­o­na­do, tem gran­de fo­co no de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al bra­si­lei­ro e na apli­ca­ção da tec­no­lo­gia pa­ra a in­dús­tria 4.0. Um ou ou­tro can­di­da­to ain­da co­men­ta so­bre a ne­ces­si­da­de de cen­tra­li­za­ção dos da­dos do Sis­te­ma Úni­co de Sa­ú­de, ou ain­da so­bre a in­te­gra­ção de in­for­ma­ções, mas a tec­no­lo­gia aca­ba sen­do sub­va­lo­ri­za­da co­mo es­tra­té­gia pa­ra re­vo­lu­ci­o­nar os Es­ta­dos e Mu­ni­cí­pios. No en­tan­to, sa­be­mos que as ci­da­des mais in­te­li­gen­tes do mun­do têm em co­mum o uso de re­cur­sos ino­va­do­res pa­ra uma ges­tão mais efi­ci­en­te, sem ne­ces­sa­ria­men­te te­rem que au­men­tar a sua in­fra­es­tru­tu­ra. Tra­ta-se, tam­bém, de en­con­trar pon­tos de me­lho­ria no que já exis­te e in­ves­tir cor­re­ta­men­te, con­se­guin­do, sim, fa­zer mais com me­nos.

Ló­gi­co que, em sua imen­si­dão e di­fe­ren­ças de de­sen­vol­vi­men­to en­tre re­gi­ões, o Bra­sil ain­da de­man­da in­ves­ti­men­to em se­to­res bá­si­cos, co­mo edu­ca­ção, sa­ú­de, tran­spor­tes e em­pre­go. Mas a oti­mi­za­ção do que já exis­te po­de trans­for­mar as ci­da­des e seus ci­da­dã­os: tran­spor­te pú­bli­co in­te­gra­do e que aten­da às ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção, com in­cen­ti­vo ao uso de bi­ci­cle­tas e ou­tras al­ter­na­ti­vas sus­ten­tá­veis; aces­so di­gi­tal aos prin­ci­pa­is ser­vi­ços pa­ra a po­pu­la­ção, au­to­ma­ti­zan­do de­man­das e agi­li­zan­do pro­ces­sos; me­lhor apro­vei­ta­men­to de es­tru­tu­ras pú­bli­cas, com es­pa­ços adap­ta­dos pa­ra as ne­ces­si­da­des atu­ais, com re­du­ção dos cus­tos com in­fra­es­tru­tu­ra; in­cen­ti­vo à ob­ten­ção de ener­gi­as re­no­vá­veis, tor­nan­do os lo­ca­is au­tos­su­fi­ci­en­tes pa­ra o abas­te­ci­men­to de ener­gia elé­tri­ca; en­tre ou­tras tan­tas ini­ci­a­ti­vas que po­de­ri­am sim­ples­men­te me­lho­rar o pa­ís com o que já se tem.

A bus­ca pe­la sus­ten­ta­bi­li­da­de é al­go que po­de­mos des­ta­car so­bre a im­por­tân­cia da tec­no­lo­gia e das ci­da­des in­te­li­gen­tes. Mais do que is­so, tra­ta-se de ter a qua­li­da­de de vi­da co­mo um pon­to im­por­tan­te no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do pa­ís, ge­ran­do o que, par­ti­cu­lar­men­te, de­ve­ria ser uma das pri­o­ri­da­des má­xi­mas de qual­quer um que de­se­ja es­tar à fren­te do Bra­sil: pro­por­ci­o­nar ao ci­da­dão for­mas de vi­ver bem, en­quan­to se pre­ser­va e já pre­pa­ra o ter­re­no pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras.

 

(Fa­brí­cio Za­ni­ni, di­re­tor-pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to das Ci­da­des In­te­li­gen­tes – ICI)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais