Opinião

Por que se morre tanto em cirurgias plásticas e estéticas?

diario da manha

Uma vez mais, o Bra­sil e o mun­­do, pu­de­ram as­sis­tir e cons­ta­tar o quan­to a apa­rên­cia so­bre­pai­ra e su­pe­ra a es­sên­cia que de­ve­ria im­pe­rar ao la­do da exis­tên­cia. Nes­se sen­ti­do es­tão por aí to­das as ofer­tas de es­té­ti­ca, de cos­mé­ti­ca, de plás­ti­cas, de tan­ta coi­sa sin­té­ti­ca que foi-se pa­rar no li­xo a es­que­ci­da de­on­to­lo­gia e mes­mo mor­rer  qual­quer di­re­triz éti­ca. As ri­mas vi­e­ram de for­ma ca­su­al.

Pa­ra­le­la­men­te a ta­ma­nho des­ca­la­bro de im­pé­rio das apa­rên­cias, vi­e­ram a lu­me ou­tras ques­tões por de­mais en­con­tra­di­ças do Bra­sil con­tem­po­râ­neo. Qual é a di­fe­ren­ça en­tre o que é le­gal, o que é lí­ci­to e éti­co em nos­so pa­ís?  Exis­te uma si­gla PQD que en­cer­ra uma per­gun­ta em­ble­má­ti­ca pa­ra nor­te­ar as ações hu­ma­nas em so­ci­e­da­de. Se­rá que tu­do que eu pos­so e que­ro eu de­vo fa­zer (Pos­so-Que­ro- De­vo?). Tal ins­ti­gan­te ques­tão nos re­por­ta ao Ecle­sias­tes que nos ad­ver­te: tu­do me é lí­ci­to, mas nem tu­do me con­vém.

O ca­so mo­de­lo do mês re­fe­re-se à mu­lher que, in­sa­tis­fei­ta com su­as ná­de­gas (glú­te­os), pro­cu­rou um ci­rur­gi­ão plás­ti­co sem as ne­ces­sá­rias cre­den­ci­ais e qua­li­fi­ca­ção pa­ra tal pro­ce­di­men­to. Ato con­tí­nuo, e sem as ne­ces­sá­rias cau­te­las da pa­ci­en­te, o pro­ce­di­men­to se deu na pró­pria re­si­dên­cia do pro­fis­si­o­nal, bair­ro da Ti­ju­ca RJ. Hou­ve com­pli­ca­ções e a mu­lher veio a fa­le­cer. Pi­or que is­so, no cau­dal de ta­ma­nho es­cân­da­lo e des­me­di­da in­sen­sa­tez vi­e­ram ou­tros ca­sos ao co­nhe­ci­men­to pú­bli­co das au­to­ri­da­des, que ago­ra es­tão a in­ves­ti­gar tais ilí­ci­tos e cri­mi­nais atu­a­ções pro­fis­si­o­nais pe­lo Bra­sil a fo­ra .

Eis que en­tão vá­ri­as per­gun­tas fo­ram tra­zi­das a pú­bli­co.

Do la­do da fa­le­ci­da Co­mo uma mu­lher, na ma­du­re­za da vi­da, ti­da e ha­vi­da co­mo bem in­for­ma­da, se dei­xa ser ope­ra­da, com um pro­ce­di­men­to al­ta­men­te in­va­si­vo, com in­je­ção cor­po­ral de sub­stân­cia de al­to po­der de ca­ir em va­sos , e com is­so pro­vo­car em­bo­li­as de to­da or­dem, emer­gên­cia es­sa das mais le­tais, por um pro­fis­si­o­nal char­la­tão? O pro­du­to em ques­tão foi o po­li­me­til­me­ta­cri­la­to – pmma .

Pi­or do que char­la­tão, em um ce­ná­rio não hos­pi­ta­lar, sem as ele­men­ta­res con­di­ções as­sép­ti­cas e de as­sis­tên­cia emer­gen­ci­al na hi­pó­te­se de com­pli­ca­ções no cur­so tran­so­pe­ra­tó­rio.

Bas­ta lem­brar que qual­quer pro­ce­di­men­to que en­vol­ve se­da­ção, anal­ge­sia e anes­te­sia tem o po­ten­ci­al de com­pli­ca­ções. En­tre es­sas, de mai­or fre­quên­cia, têm-se a hi­pó­xia, a con­vul­são, a hi­per­ten­são ou hi­po­ten­são ar­te­rial, as ar­rit­mi­as car­dí­a­cas, as trom­bo­ses, in­far­to do mi­o­cár­dio e em­bo­li­as. To­das de al­to ris­co de mor­te sú­bi­ta ou tar­dia em uma UTI; quem so­bre­vi­ve po­de por­tar se­que­las pe­lo res­to da vi­da .

Do la­do do pro­fis­si­o­nal Co­mo um su­jei­to que se diz mé­di­co, pro­põe a fa­zer um pro­ce­di­men­to in­va­si­vo, em sua pró­pria re­si­dên­cia, sem os mei­os de mo­ni­to­ra­ção das con­di­ções vi­tais e apa­re­lhos de as­sis­tên­cia emer­gen­ci­al, em ca­so de uma com­pli­ca­ção pe­rio­pe­ra­tó­ria, que co­lo­que em ris­co a vi­da do pa­ci­en­te?

Do pon­to de vis­ta éti­co e téc­ni­co e ci­en­tí­fi­co É no mí­ni­mo um su­jei­to abes­ta­lha­do, aven­tu­rei­ro e ir­res­pon­sá­vel. São re­quin­ta­dos er­ros de im­pru­dên­cia, ne­gli­gên­cia e im­pe­rí­cia mé­di­ca. Con­for­me vem no­ti­ci­an­do a im­pren­sa, o in­faus­to pro­fis­si­o­nal da vez tem no cur­ri­cu­lum vi­tae, um his­tó­ri­co de er­ros mé­di­cos, pro­ces­sos éti­co-pro­fis­si­o­nais, sus­pen­são  do exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal e até par­ti­ci­pa­ção em ho­mi­cí­dio. Co­mo no­ti­ci­a­do, o di­to-cu­jo pro­fis­si­o­nal ti­nha re­gis­tros nos con­se­lhos de me­di­ci­na de GO, do DF e RJ. Co­mo tais dis­pa­ra­tes são acei­tá­veis? No Bra­sil po­de.

Do la­do do con­se­lho pro­fis­si­o­nal (CRM) Co­mo se per­mi­te ao au­to in­ti­tu­la­do mé­di­co, com uma fo­lha cor­ri­da ei­va­da de mal­fei­tos, con­ti­nu­ar no seu mú­nus de cu­i­dar da sa­ú­de, das do­en­ças, da vai­da­de e vi­da das pes­so­as?

On­de es­tá con­sig­na­do na car­ti­lha do có­di­go de éti­ca mé­di­ca que um pro­fis­si­o­nal com tais qua­li­fi­ca­do­ras pos­sa con­ti­nu­ar exer­cen­do um ofí­cio tão no­bre? Qual se­ja, o de pro­mo­ver a sa­ú­de, o bem es­tar, a vi­da e a fe­li­ci­da­de das pes­so­as.

E, por fim, do la­do da jus­ti­ça Co­mo bem o ex­pres­sa, a Jus­ti­ça (com J mai­ús­cu­lo) exis­te pa­ra fa­zer jus­ti­ça. Sim­bo­li­ca­men­te, a deu­sa Té­mis, da mi­to­lo­gia gre­ga, traz con­si­go uma ba­lan­ça (equi­lí­brio) e uma ven­da nos olhos. Por que de tais ade­re­ços? Jul­gar com equi­lí­brio e sem um ju­í­zo dos olhos, sem olhar a quem es­tá apli­can­do jus­ti­ça. Pa­ra es­ses ob­je­ti­vos em que se ba­sei­am os ope­ra­do­res de jus­ti­ça?

Em in­dí­ci­os, em re­la­tos de tes­te­mu­nhas, em pro­vas con­cre­tas de do­cu­men­tos, fa­tos, pe­rí­cias. Co­mo com­pre­en­der, as­si­mi­lar, acei­tar a de­ci­são de um ma­gis­tra­do que an­te to­das as pro­vas de im­pru­dên­cia, im­pe­rí­cia e ne­gli­gên­cia li­be­re um pro­fis­si­o­nal mé­di­co pa­ra o exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal? Tal na­tu­re­za de de­ci­são tem si­do um fa­to re­cor­ren­te em nos­so pa­ís. Um mé­di­co co­me­te lá um de­ter­mi­na­do ilí­ci­to, um gra­ve er­ro no aten­di­men­to a um pa­ci­en­te, ele é sus­pen­so do exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal, vem uma li­mi­nar ju­di­cial com a per­mis­são ao re­fe­ri­do in­ves­ti­ga­do o cas­sa­do pro­fis­si­o­nal  a que vol­te a atu­ar em sua es­pe­cia­li­da­de.

Por is­so fi­cam aqui es­sas in­qui­ri­ções que nos in­qui­e­tam, o que é éti­ca, o que é lí­ci­to e le­gal nes­te pa­ís?

No ca­so lí­qui­do e con­cre­to em fo­co dos er­ros mé­di­cos fi­cam aqui al­gu­mas di­re­tri­zes. Mé­di­co se equi­pa a mui­tas ou­tras pro­fis­sões. A um ou­ri­ves, a um sa­pa­tei­ro, a um ad­vo­ga­do ou jor­na­lis­ta. As­sim co­mo há os rá­bu­las e chi­ca­nei­ros na ad­vo­ca­cia, há os char­la­tões da sa­ú­de. Já dis­se em ou­tros ar­ti­gos que o pi­or char­la­tão em sa­ú­de é aque­le que faz uma fa­cul­da­de e tem di­plo­ma. Com o di­plo­ma, o in­di­ví­duo tem au­to­ri­za­ção éti­ca (con­se­lho de me­di­ci­na por exem­plo) e le­gal pa­ra fa­zer o bem ou o mal . No Bra­sil com mais uma es­qui­si­ti­ce vi­gen­te. Qual­quer mé­di­co po­de fa­zer pro­ce­di­men­to de qual­quer es­pe­cia­li­da­de. Os con­se­lhos de me­di­ci­na e a lei as­sim o per­mi­tem. Não de­ve­ria ser. Mas é as­sim em nos­so pa­is.

En­tão a me­lhor se­gu­ran­ça é ob­ser­var o his­tó­ri­co do pro­fis­si­o­nal na co­mu­ni­da­de on­de ele aten­de. Se in­for­mar so­bre os pa­ci­en­tes por ele aten­di­dos. E mais im­por­tan­te, se in­for­mar no con­se­lho de me­di­ci­na e na so­ci­e­da­de da es­pe­cia­li­da­de. Com es­ses da­dos em men­te se tor­na mui­to mais se­gu­ro pas­sar por qual­quer pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co ou in­va­si­vo. E im­por­tan­tís­si­mo fa­zer exa­me pré ope­ra­tó­rio com um car­di­o­lo­gis­ta, além dos he­ma­to­ló­gi­cos in­dis­pen­sá­veis pa­ra o pro­ce­di­men­to. Agos­to/2018.

 

(Jo­ão Jo­a­quim, mé­di­co, ar­ti­cu­lis­ta DM fa­ce­bo­ok/ jo­ão jo­a­quim de oli­vei­ra www.drjo­ao­jo­a­quim.blog­spot.com What­sApp (62) 98224-8810)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais