Opinião

Amor ao próximo?

diario da manha

O mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor sa­be que sem­pre em­pe­nhei a mi­nha pa­la­vra de hon­ra que aqui, nes­te ma­tu­ti­no van­guar­dis­ta, nes­te es­pa­ço, nas mi­nhas li­nhas, ja­mais men­ti­rei, ou, omi­ti­rei, es­con­de­rei al­go que ache sig­ni­fi­ca­ti­vo, de ne­nhum lei­tor, nem mes­mo dos meus fi­lhos mes­mo que, pa­ra tan­to, te­nha que vi­tu­pe­rar a mi­nha “pró­pria”, co­mo di­rei? ima­gem, pou­co me im­por­ta, não es­tou nem aí, já fui acu­sa­do e ab­sol­vi­do de tu­do quan­to é “coi­sa”, in­clu­si­ve de “sub­ver­si­vo”, vou lá li­gar de ser acu­sa­do de “la­var rou­pa su­ja fo­ra de ca­sa”, en­tão, pois é, a “rou­pa su­ja” des­te ar­ti­go foi o fa­to de eu ver o meu ami­go Lu­iz Fer­nan­do che­gar, ho­je a tar­de, ter­ça, con­tris­ta­do, olhos la­cri­mo­sos, me di­zen­do que foi vi­si­tar um mé­di­co ho­me­o­pá­ti­co num hos­pi­tal que tra­ta de vi­ci­a­dos em ál­co­ol e ou­tras dro­gas e saiu de lá ar­ra­sa­do com tu­do que viu. Seu ros­to trans­fi­gu­ra­va o res­sen­ti­men­to com tu­do ao der­re­dor, e es­tou fa­lan­do de on­de es­tá­va­mos, ele pa­re­cia uma fe­ra acu­a­da, sal­ta­va fa­ís­ca dos olhos fa­lan­do, es­pe­ci­al­men­te, so­bre a fal­ta de amor das pes­so­as, que não es­tão nem aí com to­das as des­gra­ças que ocor­rem, mui­tas ve­zes, ao la­do da sua ca­sa e, se­gun­do ele, es­ta fal­ta de amor ge­ne­ra­li­za­do é a ra­iz de to­do o mal e, até, sa­li­en­tou is­to, me per­gun­tan­do se eu lem­bra­va o pri­mei­ro man­da­men­to, ou se­ja, amar a Deus so­bre to­das as coi­sas e ao pró­xi­mo co­mo a si mes­mo. De­pois de al­guns mi­nu­tos mos­trou a sua co­ra­gem ao di­zer-me que se sen­tiu mi­se­rá­vel ao pas­sar por um mo­ri­bun­do, pou­co an­tes de che­gar ali, não pa­ran­do pa­ra per­gun­tar-lhe se pre­ci­sa­va de al­go, se es­ta­va com fo­me, se que­ria ba­nhar-se. Dis­se: “Hen­ri­que, na mi­nha ca­sa têm qua­tro ba­nhei­ros”. Ten­tei lhe con­for­tar e não hou­ve co­mo, pois, co­me­cei a sen­tir-me, acho, pi­or que ele, ain­da mais quan­do co­me­çou a nar­rar so­bre se­nho­ras, de mui­ta ida­de, acom­pa­nhan­do fi­lhos alu­ci­na­dos e ou­tras, da mes­ma ida­de, al­co­ó­la­tras, bê­ba­das, sen­do ar­ras­ta­das por fi­lhos, ne­tos, en­fim, co­me­cei a pas­sar mal. Pe­di li­cen­ça e fui ao ba­nhei­ro vo­mi­tar. Até.

 

(Hen­ri­que Gon­çal­ves Di­as, jor­na­lis­ta)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais