Opinião

“Big Bosta”?

diario da manha

O es­cri­tor Li­be­ra­to Pó­voa, cu­jo no­me dis­pen­sa sa­la­ma­le­ques, ini­cia o ar­ti­go “Big Bro­ther, um en­tu­lho te­le­vi­si­vo sem va­lor”, pu­bli­ca­do dia 14, as­sim: “To­dos os anos a Glo­bo in­ven­ta um pro­gra­ma pa­ra alie­nar os im­be­cis”.

Não vou opi­nar so­bre o pro­gra­ma e sei que al­guns di­rão que eu sou co­var­de, que só fi­co “em ci­ma do mu­ro”, que não que­ro in­dis­por-me com os te­les­pec­ta­do­res do pro­gra­ma, mas, é ve­ro, sou lei­go, anal­fa­be­to, “de pai e mãe” no as­sun­to e não sei nem co­mo são as re­gras da­que­le con­fi­na­men­to, pois, de fa­to, nun­ca as­sis­ti, se­quer, meio epi­só­dio, não me atrai e al­gu­mas cha­ma­das até me pa­re­cem ce­nas de fil­me por­nô, to­da­via, não es­tou tão “des­li­ga­do” as­sim, lá na mi­nha dis­tan­te ado­les­cên­cia, nos ve­lhos idos anos 70, li a obra de Ge­or­ge Orwell, pseu­dô­ni­mo de Eric Ar­thur Bla­ir, 1903-50, in­ti­tu­la­da “1984” d´on­de foi ex­tra­í­do o tí­tu­lo “Big Bro­ther”, fa­to bem es­cru­ti­na­do pe­lo fe­no­me­nal Li­be­ra­to Pó­voa. À épo­ca ado­les­cen­te, fi­quei ma­ra­vi­lha­do com a fic­ção que me fez pen­sar no dis­tan­te ano 2.000, no ter­cei­ro mi­lê­nio, se­rá que eu “so­bre­vi­ve­ria”? – lem­bre­mo-nos, “es­tou” na dé­ca­da de 60, 70, quan­do nós, as cri­an­ças, es­tre­me­cí­a­mos ao ou­vir­mos os adul­tos com a la­da­i­nha: “A mil che­ga­rá, mas, a dois mil não pas­sa­rá”. Mor­ria de me­do de mor­rer quei­ma­do na vi­ra­da do sé­cu­lo, ou, mi­lê­nio, cre­do-em-cruz, cruz-cre­do – vol­tan­do, Ge­or­ge Orwell, em “1984”,  mos­tra sua mes­tria, an­te­vê co­mo se­ri­am os go­ver­nos to­ta­li­tá­rios ho­di­er­nos num mun­do re­ple­to de câ­me­ras fil­man­do to­do mun­do em to­dos os lu­ga­res, ini­ma­gi­ná­vel na­que­la épo­ca, afi­nal, só meia dú­zia de emis­so­ras e big-mi­li­o­ná­rios pos­su­í­am câ­me­ras, eram ca­rís­si­mas, im­por­ta­das, enor­mes, mais pe­sa­das que um adul­to, ali­ás, nem má­qui­nas fo­to­grá­fi­cas ví­a­mos, fo­tos só nos ál­buns de fa­mí­lia, ge­ral­men­te guar­da­dos “a se­te cha­ves”, em ci­ma de guar­da-rou­pas, ver­da­dei­ros te­sou­ros, sim, não so­men­te as câ­me­ras eram ca­ras, os ro­los de “fil­mes”, com 12, 24, 36 e 72 “po­ses”, eram ca­ros tam­bém e, de­pois de “ba­ter” as fo­tos, to­ca vol­tar na lo­ja, on­de ad­qui­ri­mos o fil­me, ago­ra, pa­ra “re­ve­la-lo”, mais uma “fa­ca­da” e, ti­nha o fle­che, tu­do ca­ro, bem, o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor as­sí­duo já co­nhe­ce es­sa ma­nia do es­cre­vi­nha­dor fi­car dan­do vol­tas, ro­dei­os, fa­zen­do des­cri­ções pro­lon­ga­das, ex­ces­si­va­men­te de­ta­lha­das, na mai­o­ria das ve­zes des­ne­ces­sá­rias, ain­da mais quan­do con­ta al­go so­bre o “seu” pas­sa­do, nem o se­nhor “Sa­u­do­sis­mo” su­por­ta, sai de per­to, en­tão, é me­lhor eu pa­rar por aqui, não que­ro es­tra­gar a lei­tu­ra que o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor fa­rá, es­pe­ro, das du­as obras ah, ló­gi­co, o ar­ti­go do ge­ni­al Pó­voa es­tá dis­po­ní­vel no si­te “dmdi­gi­tal.com.br”, lem­bre-se, edi­ção do dia 14. Gra­to Li­be­ra­to Pó­voa. Até.

 

(Hen­ri­que Gon­çal­ves Di­as, jor­na­lis­ta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais