Opinião

Liberato Póvoa, um candidato a político diferente

diario da manha

O de­sem­bar­ga­dor to­can­ti­nen­se apo­sen­ta­do e ar­ti­cu­lis­ta do DM Li­be­ra­to Pó­voa foi uma das ví­ti­mas de uma par­la­men­tar fe­de­ral de ro­bus­ta plu­ma­gem por afron­tar o ne­ga­ti­vis­mo ca­ta­tô­ni­co do mo­no­pó­lio do po­der do Es­ta­do de To­can­tins. Es­se ino­por­tu­no rep­to de go­ver­nis­tas de plan­tão que sub­ju­ga as su­as ví­ti­mas aos seus ca­pri­chos à for­ça nos lem­bra uma dra­ma­tur­ga ame­ri­ca­na: “A coi­sa mais imo­ral é ata­car al­guém não por su­as fa­lhas, mas por su­as vir­tu­des”.

A par­la­men­tar aci­ma alu­di­da, in­con­for­ma­da com de­ci­são por ele pro­fe­ri­da na Cor­re­ge­do­ria Re­gi­o­nal Elei­to­ral, em que a mes­ma fi­gu­ra­va co­mo par­te in­te­res­sa­da, de­nun­ciou-o ao Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, ale­gan­do que sua con­du­ta era in­com­pa­tí­vel com o exer­cí­cio do car­go. Es­ses pro­ta­go­nis­tas que ocu­pam, no mí­ni­mo, uma ala cons­pí­cua dos seus apa­ni­gua­dos e com­par­sas, em­pe­nham-se com ex­tre­ma efi­cá­cia e to­tal fal­ta de es­crú­pu­los gra­ças a ma­no­bras ar­di­lo­sas de ori­gem es­cu­sa e an­ti­ga. Co­mo dis­se um jor­na­lis­ta ame­ri­ca­no: “Quan­do a men­ti­ra co­me­ça a dar vol­ta ao mun­do, a ver­da­de sai da ca­ma e co­me­ça a amar­rar o sa­pa­to”. Sem te­mor, des­te­mi­do, o ofen­di­do pu­bli­cou na im­pren­sa to­can­ti­nen­se, no mês de abril do cor­ren­te ano, clas­si­fi­can­do a de­nun­ci­an­te co­mo “ar­di­lo­sa, ar­ri­vis­ta, ma­qui­a­vé­li­ca e vo­lú­vel”.

Não é des­pi­ci­en­do lem­brar que a acu­sa­do­ra não ob­te­ve êxi­to por atro­pe­la­men­to de pra­zos e por au­sên­cia de mo­ti­vos pa­ra a sua con­de­na­ção.

Mas di­zem que no To­can­tins é as­sim mes­mo. Quem não re­za na car­ti­lha dos po­de­ro­sos é per­se­gui­do e ali­ja­do da cor­nu­có­pia do po­der, uma prá­ti­ca vil que já ocor­reu, tam­bém em ou­tros ór­gã­os do es­ta­do e até mes­mo con­tra hu­mil­des ser­vi­do­res pú­bli­cos que mui­tas ve­zes, são trans­fe­ri­dos pa­ra mu­ni­cí­pios dis­tan­tes de sua lo­ta­ção, bem lon­ge das su­as fa­mí­lias. Es­se é o bar­ro, co­mo di­ria Te­o­tô­nio Vi­le­la.

Es­se ou­ri­ves pa­la­vra e ma­gis­tra­do onó­ma­ta, com mais de vin­te li­vros pu­bli­ca­dos nas se­a­ras da li­te­ra­tu­ra e da ma­gis­tra­tu­ra, co­mun­ga com a ve­lha fra­se de Chur­chill: “En­tre a de­son­ra e a guer­ra, vou fi­car com a guer­ra”. Na po­lí­ti­ca S.A, a ami­za­de, tão ma­cu­naí­mi­ca, não tem mes­mo ne­nhum ca­rá­ter. Es­sa prá­ti­ca ne­fas­ta es­tá de­te­rio­ran­do a po­lí­ti­ca e a jus­ti­ça. Es­tá se per­den­do a ce­ri­mô­nia, dis­se o mi­nis­tro Se­púl­ve­da Per­ten­ce. Por is­so va­le ci­tar na es­qui­na da per­ple­xi­da­de uma pas­sa­gem do Rei Le­ar, de Shakes­pe­a­re: “É uma pra­ga dos tem­pos quan­do os lou­cos gui­am os ce­gos”.

A vin­di­ta sem­pre re­tor­na ao es­pe­lho, ine­xo­rá­vel e im­pla­cá­vel. O de­sem­bar­ga­dor Li­be­ra­to Pó­voa por não na­ve­gar nas águas da mal­da­de da tur­ba se­qui­o­sa de fel foi jo­ga­do no meio do mar com car­du­mes de tu­ba­rões nos na­dos da vin­gan­ça e do ódio, ofe­ren­da que os for­tes im­põ­em aos mais fra­cos. Co­mo dis­se o com­po­si­tor Chi­co Bu­ar­que no seu úl­ti­mo dis­co, A ca­ra­va­na: “A rai­va é fi­lha do me­do e mãe da co­var­dia”. O seu exí­lio em Go­i­â­nia o tor­nou mai­or do que era, avul­tou-se no acon­che­go dos seus ami­gos e da sua vas­ta clien­te­la.

Os aplau­sos que vem re­ce­ben­do pe­lo seu bri­lhan­te tra­ba­lho co­mo ju­ris­ta e ar­ti­cu­lis­ta do DM o le­va­ram a de­ci­dir a se can­di­da­tar a de­pu­ta­do es­ta­du­al, com gran­de pos­si­bi­li­da­de de ser elei­to, mer­cê do seu vas­to cír­cu­lo de ami­za­des e de ali­an­ças que vem re­a­li­zan­do em vá­rios mu­ni­cí­pios do Es­ta­do de Go­i­ás.

 

(Ed­val­do Ne­po­mu­ce­no, es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais