Opinião

Liberato Póvoa, um mestre e amigo que aprendi a admirar

diario da manha

O aca­so, mui­tas ve­zes num sa­lu­tar com­pa­drio com o Des­ti­no, pro­pi­cia-nos mo­men­tos que mar­cam a nos­sa vi­da de for­ma per­ma­nen­te.

Es­tou me re­fe­rin­do ao en­con­tro que o Des­ti­no me pro­pi­ciou a co­nhe­cer o de­sem­bar­ga­dor Li­be­ra­to Pó­voa, com quem con­vi­vi, mui­to mais co­mo ami­go e con­se­lhei­ro do que pro­pri­a­men­te co­mo che­fe que de­le fui.

Di­an­te de tan­tos tes­te­mu­nhos já pu­bli­ca­dos nes­te jor­nal acer­ca des­ta per­so­na­li­da­de, que hon­rou seu es­ta­do, o To­can­tins, e ho­je mos­tra sua gran­de ca­pa­ci­da­de pa­ra hon­rar tam­bém nos­so Go­i­ás, acho que de­vo di­zer al­go  so­bre Li­be­ra­to Pó­voa.

Era eu já ad­vo­ga­do des­de 2002, e lá pe­lo ano de 2007, quan­do, mo­ran­do em Go­i­ás, re­ce­bi de­le o con­vi­te pa­ra as­ses­so­rá-lo no seu ga­bi­ne­te no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do To­can­tins, em Pal­mas, con­vi­te acei­to de ime­di­a­to, já sa­be­dor de que se tra­ta­va de ex­pe­ri­men­ta­do ju­ris­ta, com quem se­gu­ra­men­te eu me aper­fei­ço­a­ria na ci­ên­cia ju­rí­di­ca.

Ago­ra, sa­ben­do-o can­di­da­to a uma va­ga na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de Go­i­ás, e  na es­tei­ra de tan­tos de­poi­men­tos elo­gi­o­sos a sua pes­soa, apres­so-me em dar mi­nha con­tri­bui­ção, mos­tran­do ao elei­tor quem é es­se can­di­da­to que se aven­tu­ra pe­la pri­mei­ra vez na se­a­ra po­lí­ti­ca.

De­pois de trin­ta anos de ma­gis­tra­tu­ra, par­te dos qua­is me van­glo­rio de ha­ver de­les par­ti­ci­pa­do co­mo as­ses­sor e ami­go, o de­sem­bar­ga­dor Li­be­ra­to sem­pre foi aves­so à cor­rup­ção e aos po­lí­ti­cos que, sem um mí­ni­mo de es­pí­ri­to pú­bli­co, pro­cu­ram lo­cu­ple­tar-se com as mor­do­mi­as que o car­go na­tu­ral­men­te ofe­re­ce. E sou tes­te­mu­nha vi­va de sua vi­da sim­ples, vol­ta­da aos in­te­res­ses co­le­ti­vos, em­bo­ra sua sim­pli­ci­da­de es­con­da um ho­mem que de­sem­pe­nhou com dig­ni­da­de tan­tos car­gos, che­gan­do a ser in­di­ca­do pa­ra mi­nis­tro do STJ.

E di­go-o com co­nhe­ci­men­to de cau­sa, pois abra­çou sua car­rei­ra de ma­gis­tra­do co­mo um sa­cer­dó­cio, des­pin­do-se de to­das as re­ga­li­as que seus de­mais co­le­gas nun­ca dis­pen­sa­vam: ele di­ri­gia seu pró­prio ve­í­cu­lo, ra­ra­men­te an­da­va de ter­no, e pre­si­dia as ses­sões com a sua to­ga so­bre a rou­pa sim­ples que sem­pre usa­va.

E ve­jo em sua in­ten­ção de con­cor­rer a uma ca­dei­ra na As­sem­bleia não co­mo vai­da­de, mas com o de­se­jo de que­rer uma ra­di­cal mu­dan­ça na si­tu­a­ção po­lí­ti­ca, sem ar­mas e vi­o­lên­cia, mas com idei­as e pro­pos­tas no­vas pa­ra o po­vo. E o cé­re­bro pri­vi­le­gi­a­do de Li­be­ra­to Pó­voa se­rá uma dá­di­va da ma­gis­tra­tu­ra pa­ra ten­tar me­lho­rar Go­i­ás

Quan­do co­nhe­ci Li­be­ra­to Pó­voa, ele já vi­nha com a ex­pe­ri­ên­cia de ter di­ri­gi­do dois Tri­bu­nais (Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e o TRE/TO por du­as ve­zes), ter si­do Go­ver­na­dor in­te­ri­no do To­can­tins, Di­re­tor do Ins­ti­tu­to de Me­no­res de Di­a­nó­po­lis-TO, Di­re­tor-Ge­ral da Es­co­la Téc­ni­ca Fe­de­ral de Mi­nas Ge­ra­is e ou­tros re­le­van­tes car­gos, além de jor­na­lis­ta atu­an­te no “Di­á­rio da Ma­nhã” (on­de sem­pre man­te­ve co­e­rên­cia de idei­as e co­ra­gem pa­ra as ex­por), mem­bro-fun­da­dor de três aca­de­mi­as e ter mais de vin­te obras ju­rí­di­cas e li­te­rá­ri­as pu­bli­ca­das, o que o im­pul­si­o­na­rá na me­lho­ria da po­pu­la­ção que vi­ve em Go­i­ás.

As­sim, co­nhe­cen­do co­mo o co­nhe­ço, te­nho a cer­te­za ab­so­lu­ta de que po­de­rá mu­dar Go­i­ás, não fa­zen­do par­te da­que­les po­lí­ti­cos pro­fis­si­o­nais que só de qua­tro em qua­tro anos pro­cu­ram os elei­to­res pa­ra pe­dir-lhes apoio e vo­to e per­pe­tu­ar-se no po­der, co­mo se os elei­to­res fos­sem bois-de-car­ro ou ove­lhas, que os se­guem co­mo pro­pri­e­da­de sua.

Pos­so di­zer, com ab­so­lu­ta cer­te­za, que com o in­gres­so de Li­be­ra­to Pó­voa na po­lí­ti­ca, ele fa­rá a di­fe­ren­ça, pois po­de­mos es­co­lher quem po­de ser po­bre de bens ma­te­ri­ais, mas ri­co em idei­as e ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho, o quem de­mons­trou nu­ma lon­ga car­rei­ra que sou­be hon­rar. E dis­so sou tes­te­mu­nha.

Ape­sar da in­ten­sa vi­da pú­bli­ca, é um ho­mem sem pa­tri­mô­nio, por­que nun­ca par­ti­ci­pou de con­cha­vos; pe­lo con­trá­rio: com­ba­teu sem­pre a su­jei­ra da po­lí­ti­ca no To­can­tins, no que an­ga­riou po­de­ro­sos ini­mi­gos, que ten­ta­ram pre­ju­di­cá-lo de to­das as for­mas, mas, com cer­te­za, da­rá a vol­ta por ci­ma e se­rá um dig­no re­pre­sen­tan­te do po­vo go­i­a­no, já que o To­can­tins, his­to­ri­ca­men­te do­mi­na­do por pes­so­as não to­can­ti­nen­ses, não sou­be apro­vei­tar su­as po­ten­ci­a­li­da­des, mos­tran­do que “san­to de ca­sa não faz mi­la­gres” (Je­sus não ope­rou ne­nhum mi­la­gre em Na­za­ré).

Nos­sa con­vi­vên­cia me le­vou a tê-lo co­mo in­te­gran­te de mi­nha ban­ca de ad­vo­ga­do em Cri­xás, e en­ri­que­ce so­bre­ma­nei­ra meu es­cri­tó­rio com sua in­con­tes­tá­vel ba­ga­gem in­te­lec­tu­al, co­mo se não bas­tas­se con­si­de­rá-lo da fa­mí­lia, acom­pa­nhan­do o nas­ci­men­to e o cres­ci­men­to de meus fi­lhos e sem­pre me pro­pi­ci­an­do pre­ci­o­sas li­ções de vi­da, com  pru­den­tes e opor­tu­nos acon­se­lha­men­tos.

Ele pro­va­rá, du­ran­te seu man­da­to, que é pos­sí­vel ser ho­nes­to co­mo po­lí­ti­co.

 

(Lu­ci­a­no Go­mes de Fa­rias, ad­vo­ga­do do Es­cri­tó­rio Fa­rias & Fa­rias – Ad­vo­ca­cia, As­ses­so­ria e Con­sul­to­ria Ju­rí­di­ca, pós-gra­du­a­do em Di­rei­to Ci­vil e Pro­ces­su­al Ci­vil pe­lo Ibmec. Pós-gra­du­a­do em Di­rei­to Pú­bli­co e Ad­mi­nis­tra­ti­vo e es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho e Pro­ces­so do Tra­ba­lho pe­la Uniderp, es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho e Pro­ces­so do Tra­ba­lho, ex-as­ses­sor ju­rí­di­co do de­sem­bar­ga­dor Li­be­ra­to Pó­voa no TJ-TO de 2007 a 2011)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais