Opinião

Liberato Póvoa, um nome de respeito, que engrandeceria Goiás

diario da manha

Co­mo sem­pre dis­se, na mi­nha ve­lhi­ce de uma vi­da bem vi­vi­da, en­fren­tan­do per­cal­ços e sa­bo­re­an­do fu­ga­zes mo­men­tos de boa con­vi­vên­cia, pu­de ana­li­sar o quão tris­te é ver-se aban­do­na­da pe­los inu­me­rá­veis ami­gos dos bons tem­pos, que se re­du­zi­ram a pou­quís­si­mos, con­ta­dos nos de­dos da mão.

Diz o nos­so sem­pre bem hu­mo­ra­do e sá­bio ser­ta­ne­jo que ”ami­gos são que nem aves de ar­ri­ba­ção: quan­do o tem­po é bom, eles vêm, mas quan­do o tem­po é ru­im, eles se vão”. E is­to eu di­go com ple­no co­nhe­ci­men­to de cau­sa.

To­das as se­ma­nas, con­to co­mo cer­ta a vi­si­ta do ami­go Li­be­ra­to Pó­voa, que se mos­trou e se mos­tra ami­go, pas­san­do bo­as e agra­dá­veis ho­ras re­lem­bran­do nos­sos tem­pos de im­plan­ta­ção do To­can­tins, quan­do co­mí­a­mos a po­ei­ra do “ban­de­jão”, res­tau­ran­te co­mu­ni­tá­rio  de Pal­mas, on­de se mis­tu­ra­vam os po­bres e os ri­cos, os de­sim­por­tan­tes e os im­por­tan­tes, nu­ma con­vi­vên­cia que pa­re­cia fa­da­da a ser per­ma­nen­te.

Mas, que ilu­são! Na épo­ca, eu cu­i­da­va da par­te da cul­tu­ra do Es­ta­do, e Li­be­ra­to ca­pi­ta­ne­a­va a Jus­ti­ça, e fa­zí­a­mos das fra­que­zas for­ça pa­ra cons­tru­ir um Es­ta­do mo­de­lo. Mas bem ce­do nos de­cep­cio­na­ría­mos, ven­do que nos­so que­ri­do To­can­tins, que, im­plan­ta­do por um fo­ras­tei­ro, em­bo­ra ide­a­lis­ta e to­ca­dor de obras, pas­sou a ser, de um Es­ta­do de opor­tu­ni­da­des pa­ra um Es­ta­do de opor­tu­nis­tas, en­ri­que­cen­do os que pa­ra ali fo­ram tão-so­men­te pa­ra li­te­ral­men­te “fa­zer a vi­da”.

Is­to é ape­nas pa­ra che­gar aon­de que­ro.

Mes­es atrás, li o be­lís­si­mo ar­ti­go do res­pei­ta­do cri­mi­na­lis­ta Dr. Alex Ne­der (“Li­be­ra­to Pó­voa, um gi­gan­te da li­te­ra­tu­ra re­gi­o­na­lis­ta na­ci­o­nal”, pu­bli­ca­do no “Di­á­rio da Ma­nhã”), que mos­trou com pre­ci­são a tra­je­tó­ria de gran­de re­gi­o­na­lis­ta, con­si­de­ra­do o mai­or es­cri­tor do nos­so es­ta­do, com mais de 20 obras edi­ta­das, dos gê­ne­ros de con­to, crô­ni­ca, ro­man­ce, fi­lo­lo­gia, Di­rei­to, no­ve­la  e Hi­só­ria; mes­es an­tes, quan­do do lan­ça­men­to de seu pe­núl­ti­mo li­vro (“Que sa­u­da­des de São Jo­sé do Du­ro!”), o gran­de jor­na­lis­ta e ar­ti­cu­lis­ta do ‘Di­á­rio da Ma­nhã” Hel­ve­cio Car­do­so já fi­ze­ra um mi­nu­ci­o­so pa­ne­gí­ri­co de Li­be­ra­to, usan­do pa­la­vras mui­to ade­qua­das pa­ra re­tra­tar o ta­len­to do nos­so con­ter­râ­neo, e seu con­sis­ten­te cur­rí­cu­lo, ri­quís­si­mo co­mo pou­cos, diz tu­do.

Re­cen­te­men­te, num pro­je­to com a par­ti­ci­pa­ção do Go­ver­no do To­can­tins, Li­be­ra­to foi con­vi­da­do por um gru­po de em­pre­sá­rios a es­cre­ver o ro­tei­ro de um fil­me so­bre a vi­da de Ayrton Sen­na, de­sa­fio que acei­tou, mas de­vi­do aos úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos no To­can­tins, re­ceia-se que o pro­je­to se­ja sus­pen­so até que se de­fi­na a si­tu­a­ção.

Mas, ex­clu­in­do-se a li­te­ra­tu­ra, ele se re­ve­la um “fac­to­tum”, um “ho­mem dos se­te ins­tru­men­tos”, de­sem­pe­nhan­do com ma­es­tria to­dos os mis­te­res a ele con­fi­a­dos.

Co­nhe­ço Li­be­ra­to há dé­ca­das sem­pre co­mo a pes­soa em cu­ja sim­pli­ci­da­de e bom hu­mor se es­con­de um com­pe­ten­tís­si­mo e ho­nes­to ad­mi­nis­tra­dor. Em ape­nas um ano na Pre­si­dên­cia do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do To­can­tins, em 1989, do­brou o nú­me­ro de co­mar­cas, cri­an­do e ins­ta­lan­do mais de vin­te, e, co­mo o Es­ta­do dis­pu­nha de ape­nas cin­co ju­í­zes (um em Mi­ra­ce­ma, dois em Por­to Na­ci­o­nal, um em Ara­gu­aí­na e um em Pe­dro Afon­so), tra­tou de re­a­li­zar um con­cur­so, que le­vou ao pro­vi­men­to de to­das as co­mar­cas, com a par­ti­cu­la­ri­da­de de ter ele­va­do vá­ri­as à 2ª e 3ª en­trân­cias, cri­an­do inú­me­ras Va­ras: em Gu­ru­pi, por exem­plo, que pos­su­ía ape­nas um ju­iz, ele dei­xou cri­a­das e pro­vi­das na­da me­nos que mais no­ve va­ras e dois Jui­za­dos Es­pe­ci­ais, o mes­mo acon­te­cen­do com Ara­gu­aí­na, e as co­mar­cas ele­va­das à 3ª en­trân­cia sem­pre es­ta­ri­am com dois ou mais ju­í­zes. Sou tes­te­mu­nha de tu­do is­so, pois na épo­ca eu era sua as­ses­so­ra no Ga­bi­ne­te.

To­das es­sas gi­gan­tes­cas re­a­li­za­ções fo­ram fei­tas em ape­nas um ano, pois foi elei­to Pre­si­den­te pa­ra com­ple­tar o man­da­to do en­tão Pre­si­den­te, Os­mar Jo­sé da Sil­va, que se apo­sen­ta­ra no meio do seu man­da­to. E mos­trou-se um in­can­sá­vel ad­mi­nis­tra­dor, sem ja­mais ha­ver pai­ra­do uma tê­nue som­bra de sus­pei­ta so­bre sua ho­nes­ti­da­de. Mas sua de­cên­cia, im­par­cia­li­da­de e in­de­pen­dên­cia, ali­a­das à in­ques­ti­o­ná­vel com­pe­tên­cia, abri­ram um cla­rão, e de cer­to tem­po em di­an­te pas­sou a in­co­mo­dar os po­lí­ti­cos, lem­bran­do o pa­dre Vi­ei­ra, que di­zia: “o con­trá­rio da luz não é a es­cu­ri­dão, mas a luz mai­or”, e Li­be­ra­to, sem po­der ser su­pe­ra­do, pas­sou a so­frer in­cle­men­te per­se­gui­ção po­lí­ti­ca e dos pró­prios co­le­gas de to­ga, co­le­ci­o­nan­do vá­ri­as de­ze­nas de pro­ces­sos, dos qua­is se saiu ai­ro­sa­men­te, pois a ab­so­lu­ta fal­ta de mo­ti­vos con­du­ziu-os ao ar­qui­va­men­to, le­van­do-o a pro­du­zir no seu Es­ta­do de ori­gem, co­mo a ár­vo­re fru­tí­fe­ra cu­jos ga­lhos car­re­ga­dos ul­tra­pas­sa­ram o mu­ro e pas­sa­ram a fru­ti­fi­car em quin­tal al­heio, ou co­mo o tou­ro que, sa­in­do da fa­zen­da do do­no, foi dar cri­as em fa­zen­da alheia.

Não bas­tas­se is­so tu­do, seus ar­ti­gos, que va­lo­ri­zam so­bre­ma­nei­ra o ca­der­no “Opi­ni­ão Pú­bli­ca” des­te jor­nal, mos­tram sua eru­di­ção, es­cre­ven­do, nu­ma lin­gua­gem es­cor­rei­ta de um ver­ná­cu­lo ir­re­pa­rá­vel, so­bre tu­do quan­to se po­de ima­gi­nar: re­gi­o­na­lis­mo, Di­rei­to, His­tó­ria, crí­ti­ca li­te­rá­ria, fol­clo­re, po­lí­ti­ca, di­rei­tos hu­ma­nos, re­li­gi­ão, fi­lo­so­fia, tu­do com idên­ti­ca de­sen­vol­tu­ra, fa­zen­do a crí­ti­ca ao co­ti­dia­no, sem a pre­o­cu­pa­ção de agra­dar ou de­sa­gra­dar, com uma co­ra­gem inau­di­ta, fa­lan­do o que acha cer­to, até mes­mo con­tra os se­mi­deu­ses do Ju­di­ci­á­rio, sem re­ceio de ser in­ter­pe­la­do por quem quer que se­ja.

Na mi­nha lon­ga e es­co­la­da es­tra­da, que pal­mi­lhei por mais de no­ven­ta anos, quan­do fui se­cre­tá­ria de Es­ta­do e po­lí­ti­ca atu­an­te, fi­co ima­gi­nan­do o quan­to Li­be­ra­to Pó­voa tem a con­tri­bu­ir com Go­i­ás, de on­de saiu e pa­ra on­de re­tor­nou, e po­de­ria in­gres­sar na po­lí­ti­ca, pois em sua pal­pi­tan­te e fér­til ca­be­ça exis­tem idei­as que po­de­rão vir a con­tri­bu­ir pa­ra nos­so de­sen­vol­vi­men­to, pois cer­ta­men­te trans­for­mar-se-ão em pre­ci­o­sos pro­je­tos.

Go­i­ás mui­to ga­nha­rá, ain­da mais que foi no­ti­ci­a­do que ele se fi­liou a um par­ti­do, cer­ta­men­te por­que, lá no fun­do, de­se­ja ofe­re­cer seu pri­vi­le­gi­a­do cé­re­bro a nos­so ser­vi­ço,  sem­pre aves­so à cor­rup­ção e aos pri­vi­lé­gios. E, no anún­cio de sua fi­li­a­ção e can­di­da­tu­ra re­gis­tra­da, apa­re­ceu em mui­to boa com­pa­nhia, ao la­do do se­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do, go­ver­na­do­ri­á­vel de 2018, em cu­ja cha­pa cer­ta­men­te es­ta­rá, se se can­di­da­tar a al­gum car­go ele­ti­vo.

E, co­nhe­cen­do-o co­mo co­nhe­ço, com cer­te­za mar­ca­rá sua pas­sa­gem com uma po­li­ti­ca éti­ca e vol­ta­da aos in­te­res­ses do po­vo, pois, co­mo ho­mem pú­bli­co, ocu­pou os mais al­tos car­gos na ma­gis­tra­tu­ra do nos­so To­can­tins, que che­gou até a go­ver­nar, saiu da vi­da pú­bli­ca tão po­bre co­mo en­trou, pois ja­mais par­ti­ci­pou de es­que­mas es­pú­ri­os, con­ti­nu­an­do o ho­mem sim­ples que sem­pre foi, sem ar­rou­bos de gran­de­za, mas com a dis­po­si­ção que sem­pre lhe mar­cou o pro­ce­di­men­to.

E se­rá o re­pre­sen­tan­te do po­vo com que to­dos so­nham. E com is­to ga­nha o po­vo, ga­nha a po­lí­ti­ca e ga­nha Go­i­ás.

Va­mos fer­ti­li­zar es­ta ideia!

 

(Ana Bra­ga, aca­dê­mi­ca da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se  de Le­tras – Cad. 04, Aca­de­mia Fe­mi­ni­na de Le­tras e Ar­tes de Go­i­ás – Cad. 04 e Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras – Cad. 31)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais