Opinião

Linfoma: identificação precoce auxilia tratamento

diario da manha

No dia 15 de se­tem­bro é ce­le­bra­do o Dia Mun­di­al de Con­sci­en­ti­za­ção so­bre Lin­fo­mas. A da­ta tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo, co­mo o pró­prio no­me já diz, con­sci­en­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre a im­por­tân­cia de se iden­ti­fi­car pre­co­ce­men­te os sin­to­mas do lin­fo­ma, aju­dan­do a fa­ci­li­tar o seu tra­ta­men­to.

Mas, pri­mei­ra­men­te, o que é um lin­fo­ma? É um gru­po de di­fe­ren­tes do­en­ças, que têm sua ori­gem em uma cé­lu­la do san­gue cha­ma­da lin­fó­ci­to, que, por sua vez, são cé­lu­las res­pon­sá­veis por pro­te­ger o or­ga­nis­mo con­tra in­fec­ções e do­en­ças. Os lin­fo­mas po­dem ser do ti­po B, T ou NK, o que se re­fe­re ao ti­po de lin­fó­ci­to que ado­e­ce e da fa­se de ama­du­re­ci­men­to em que a cé­lu­la es­tá no mo­men­to em que é re­co­nhe­ci­da.

Atu­al­men­te, a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Sa­ú­de (OMS), em con­jun­to com a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca, re­co­nhe­ce mais de 100 sub­ti­pos de lin­fo­ma. Es­ses es­tão di­vi­di­dos em 2 gran­des gru­pos: os Lin­fo­mas de Hodgkin e os Lin­fo­mas não Hodgkin. O pri­mei­ro é pou­co fre­quen­te e nor­mal­men­te apre­sen­ta mais chan­ces de cu­ra. Já o Não-Hodgkin po­de ser mais gra­ve ou di­fí­cil de tra­tar. A di­fe­ren­ça en­tre eles es­tá ba­si­ca­men­te nas ca­rac­te­rís­ti­cas das cé­lu­las ma­lig­nas.

Ain­da não são to­tal­men­te cla­ros os mo­ti­vos pa­ra o sur­gi­men­to da do­en­ça, o que se sa­be é que al­gu­mas in­fec­ções vi­ra­is e do­en­ças imu­nos­su­pres­so­ras es­tão re­la­ci­o­na­das com seu sur­gi­men­to.

De acor­do com da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Cân­cer (IN­CA), a in­ci­dên­cia des­te gru­po de do­en­ças pa­ra o Cen­tro-Oes­te du­ran­te o ano de 2018 é de 100 no­vos ca­sos de Lin­fo­ma Hodgkin a ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes ho­mens e 70 no­vos ca­sos de Lin­fo­ma Hodgkin a ca­da 100 mil mu­lhe­res, bem co­mo 410 no­vos ca­sos de Lin­fo­ma não Hodgkin a ca­da 100 mil ho­mens e 350 no­vos ca­sos de lin­fo­ma não Hodgkin a ca­da 100 mil mu­lhe­res.

O Lin­fo­ma de Hodgkin po­de ocor­rer em qual­quer fai­xa etá­ria, po­rém, cos­tu­ma ser mais co­mum em jo­vens adul­tos, en­tre 25 e 30 anos. Da­dos do IN­CA mos­tram que a in­ci­dên­cia de no­vos ca­sos per­ma­ne­ceu es­tá­vel nas úl­ti­mas cin­co dé­ca­das. Já o ti­po não-Hodgkin é mais in­ci­den­te na in­fân­cia. Se­gun­do Ins­ti­tu­to do Cân­cer, por ra­zões ain­da des­co­nhe­ci­das, o nú­me­ro de ca­sos du­pli­cou nos úl­ti­mos 25 anos, prin­ci­pal­men­te en­tre pes­so­as com mais de 60 anos.

Os sin­to­mas da do­en­ça po­dem va­ri­ar de acor­do com o ti­po, o lo­cal de aco­me­ti­men­to, a ex­ten­são da do­en­ça e o grau de fra­gi­li­da­de do in­di­ví­duo.  Ge­ral­men­te, os gâng­li­os lin­fá­ti­cos, o fí­ga­do e o ba­ço são os ór­gã­os mais ata­ca­dos, no en­tan­to, as cé­lu­las can­ce­rí­ge­nas po­dem se ins­ta­lar em qual­quer par­te do cor­po, co­mo pe­le, sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, olhos, na­riz e ór­gã­os ge­ni­tais. É im­por­tan­te fi­car aten­to a sin­to­mas co­mo fe­bre, su­do­re­se pro­fu­sa, gran­de per­da de pe­so in­vo­lun­tá­ria em pou­co tem­po e cres­ci­men­to de gâng­li­os lin­fá­ti­cos (co­nhe­ci­dos co­mo ín­gu­as) de­vem ser ob­ser­va­dos.

É ne­ces­sá­rio res­sal­tar que o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce é fa­tor im­por­tan­te pa­ra su­ces­so do tra­ta­men­to, de­ve ser fei­to por mé­di­co es­pe­cia­lis­ta em he­ma­to­lo­gia ou on­co­lo­gia e de­pen­de­rá de exa­mes de san­gue, bi­óp­sia do ór­gão aco­me­ti­do, além de exa­mes de ima­gem.

Fe­liz­men­te, o aces­so ao mé­to­dos di­ag­nós­ti­cos e as te­ra­pêu­ti­cas apro­pria­das, é uma re­a­li­da­de no ser­vi­ço pú­bli­co de sa­ú­de, na sa­ú­de su­ple­men­tar e nas re­des pri­va­das. Nos­so de­sa­fio, co­mo mé­di­co, é com­pre­en­der me­lhor a for­ma co­mo a do­en­ça agri­de o or­ga­nis­mo e de­sen­vol­ver tra­ta­men­tos ca­da vez mais efi­ca­zes e me­nos agres­si­vos, ga­ran­tin­do aos pa­ci­en­tes vi­da, com qua­li­da­de de vi­da.

 

(Mar­ce­la Re­gi­na Arau­jo, he­ma­to­lo­gis­ta do He­mo­la­bor CRM GO: 11014)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais