Opinião

Segurança e humanização nos procedimentos cirúrgicos

diario da manha

Por mui­to tem­po o pa­ci­en­te era vis­to sim­ples­men­te co­mo por­ta­dor de uma pa­to­lo­gia, des­con­si­de­ran­do o ser hu­ma­no co­mo uma pes­soa. His­to­ri­ca­men­te, nos cen­tros ci­rúr­gi­cos fre­quen­te­men­te os pro­fis­si­o­nais se re­fe­ri­am ao pa­ci­en­te co­mo: “pa­ci­en­te do Dr. Fu­la­no”, “pa­ci­en­te da apen­di­cec­to­mia”, e não ao seu no­me, co­mo se a pes­soa se re­su­mis­se à pa­to­lo­gia que apre­sen­ta­va ou co­mo se fos­se de pro­pri­e­da­de do ci­rur­gi­ão, por exem­plo.

Gra­ças à evo­lu­ção na pers­pec­ti­va hu­ma­ni­za­da de aten­di­men­to às pes­so­as na sa­ú­de, tan­to em ins­ti­tu­i­ções pri­va­das co­mo em pú­bli­cas, ho­je os pa­ci­en­tes não são sua do­en­ça e tam­pou­co es­pe­ci­fi­ca­men­te de um mé­di­co. São pes­so­as. E pes­so­as têm no­me, têm mãe, têm da­ta de nas­ci­men­to.

En­fim, pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos sem­pre ge­ra­ram an­sie­da­de e mui­tos re­cei­os nos pa­ci­en­tes, se­jam re­la­ci­o­na­dos à anes­te­sia ou à pró­pria ci­rur­gia, vis­to o ris­co e a com­ple­xi­da­de des­tas. Uma das for­mas de­sen­vol­vi­das pa­ra au­men­tar a qua­li­da­de e a se­gu­ran­ça des­sa as­sis­tên­cia é a vi­si­ta pré-ope­ra­tó­ria que re­a­li­za­mos no Hugol – Hos­pi­tal Es­ta­du­al de Ur­gên­cias da Re­gi­ão No­ro­es­te de Go­i­â­nia Go­ver­na­dor Otá­vio La­ge de Si­quei­ra den­tro da Sis­te­ma­ti­za­ção da As­sis­tên­cia de En­fer­ma­gem Pe­rio­pe­ra­tó­ria – Saep, mo­men­to em que são do­cu­men­ta­das in­for­ma­ções im­por­tan­tes pa­ra o pro­ces­so de Ci­rur­gia Se­gu­ra, co­mo pos­sí­veis aler­gi­as, do­en­ças pre­e­xis­ten­tes, ori­en­ta­ções de pre­pa­ro pa­ra a ci­rur­gia, tem­po de je­jum e es­cla­re­ci­men­to de dú­vi­das dos pa­ci­en­tes.

A apli­ca­ção do Saep con­tri­bui pa­ra a se­gu­ran­ça do pa­ci­en­te, pois du­ran­te a apli­ca­ção do ro­tei­ro nas eta­pas pré, in­tra e pós ope­ra­tó­ri­as são con­fir­ma­dos da­dos im­por­tan­tes co­mo: iden­ti­fi­ca­ção cor­re­ta do pa­ci­en­te, pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co e lo­cal cor­re­to da ci­rur­gia, ad­mi­nis­tra­ção de an­ti­bi­ó­ti­cos, dis­po­ni­bi­li­da­de de exa­mes e aler­gi­as. Con­si­de­ran­do que o Hugol re­a­li­zou mais de 43 mil pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos em seus três anos de fun­cio­na­men­to, tor­na-se es­sen­cial es­se ti­po de ação que im­pac­ta di­re­ta­men­te na qua­li­da­de da as­sis­tên­cia.

 

(Josy Daya­ne dos San­tos, su­per­vi­so­ra de En­fer­ma­gem do Cen­tro Ci­rúr­gi­co do Hugol)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais