Opinião

Terceirização irrestrita e as armadilhas para empresas e trabalhadores

diario da manha

O Ple­ná­rio do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu, por 7 vo­tos a 4, que as em­pre­sas po­dem con­tra­tar tra­ba­lha­do­res ter­cei­ri­za­dos pa­ra de­sem­pe­nhar qual­quer ati­vi­da­de, in­clu­si­ve as cha­ma­das ati­vi­da­des-fim. Ou se­ja, li­be­rou a cha­ma­da ter­cei­ri­za­ção ir­res­tri­ta. Os mi­nis­tros ain­da fir­ma­ram a te­se de que não é pos­sí­vel se es­ta­be­le­cer uma li­mi­ta­ção ge­né­ri­ca da ter­cei­ri­za­ção da ati­vi­da­de-fim, li­nha que vi­nha sen­do sus­ten­ta­da pe­la Sú­mu­la 331 do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho (TST).

A ter­cei­ri­za­ção re­ce­beu o se­lo de le­ga­li­da­de e po­de ser um “mo­tor” de pre­ca­ri­za­ção nas re­la­ções de tra­ba­lho. A ter­cei­ri­za­ção sem res­tri­ções é uma ar­ma­di­lha pa­ra as em­pre­sas e tra­ba­lha­do­res.

Ago­ra, as em­pre­sas po­de­rão ter­cei­ri­zar to­das su­as ati­vi­da­des. A ques­tão que fi­ca diz res­pei­to a sua for­ma, pois sem os cui­da­dos de­vi­dos, po­de­rá se tor­nar, de um la­do, mo­tor de pre­ca­ri­za­ção das re­la­ções de em­pre­go, re­ver­be­ran­do em con­tra­tos com sa­lá­ri­os me­no­res, me­nor pro­te­ção dos em­pre­ga­dos co­le­ti­va­men­te, pois em re­gra se vin­cu­lam aos sin­di­ca­tos mais fra­cos, au­men­to de nú­me­ro de aci­den­tes, en­tre ou­tras hi­pó­tes­es.

As em­pre­sas pre­ci­sam fi­car aten­tas pa­ra os fu­tu­ros pro­ble­mas com a que­da de qua­li­da­de ad­vin­da da ter­cei­ri­za­ção dos ser­vi­ços. Ava­li­an­do a ques­tão sob o pris­ma de im­pac­to so­ci­al na em­pre­sa e nos em­pre­ga­dos, con­vém aler­tar os em­pre­ga­do­res que na hi­pó­te­se de re­a­li­za­ção de ter­cei­ri­za­ção, o fa­çam com res­pon­sa­bi­li­da­de, ava­li­an­do de for­ma pro­fun­da com quem con­tra­tam, sob pe­na de com­pro­me­ter o pró­prio ne­gó­cio.

O ide­al é não ava­li­ar ape­nas a eco­no­mia da re­la­ção ori­un­da da ter­cei­ri­za­ção pos­ta e, sim, os even­tua­is pro­ble­mas fu­tu­ros na con­jun­tu­ra so­ci­al. Ter­cei­ri­zar sem re­fe­ri­dos cui­da­dos, po­de ser mo­tor ge­ra­dor de pro­ble­mas fu­tu­ros.

Sem dú­vi­da, a ter­cei­ri­za­ção tam­bém te­rá im­pac­to ne­ga­ti­vo na se­gu­ran­ça e na or­ga­ni­za­ção co­le­ti­va dos tra­ba­lha­do­res. A mai­o­ria dos mi­nis­tros do Su­pre­mo, ao se dei­xar le­var, prin­ci­pal­men­te, pe­la con­jun­tu­ra eco­nô­mi­ca e po­lí­ti­ca do pa­ís e dei­xan­do de la­do pa­ra­dig­mas im­por­tan­tes e cons­ti­tu­ci­o­nais do Di­rei­to do Tra­ba­lho, co­mo a pro­te­ção so­ci­al do tra­ba­lha­dor, do am­bi­en­te do tra­ba­lho e da sa­ú­de e se­gu­ran­ça do em­pre­ga­do.

Ou­tro im­por­tan­te aler­ta as em­pre­sas é que, ape­sar de li­be­rar a ter­cei­ri­za­ção, o STF de­fi­niu tam­bém que a em­pre­sa con­tra­tan­te te­rá o en­car­go de pres­tar as obri­ga­ções tra­ba­lhis­tas não ob­ser­va­das pe­la em­pre­sa con­tra­ta­da. A cha­ma­da res­pon­sa­bi­li­da­de sub­si­di­á­ria. Ou se­ja, a em­pre­sa te­rá que as­su­mir to­dos os di­rei­tos do tra­ba­lha­dor.

E as hi­pó­tes­es de des­vir­tua­men­to ou frau­des do con­tra­to de ter­cei­ri­za­ção con­ti­nu­a­rão sen­do ob­ser­va­das pe­la Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Is­so re­for­ça, por­tan­to, o pa­pel fis­ca­li­za­dor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho, da ad­vo­ca­cia tra­ba­lhis­ta, sin­di­ca­tos, fe­de­ra­ções e as­so­cia­ção de tra­ba­lha­do­res na fis­ca­li­za­ção dos atu­ais e fu­tu­ros con­tra­tos de ter­cei­ri­za­ção.

Por­tan­to, ne­gar a ter­cei­ri­za­ção em ra­zão de ide­o­lo­gis­mo ale­gan­do uma vi­são ne­o­li­be­ral ou ou­tra que se­ja, res­pei­to­sa­men­te, é ig­no­rân­cia pu­ra. Ela exis­te e de­ve­mos en­fren­tá-la co­mo uma so­ci­e­da­de ci­vi­li­za­da e mi­ni­ma­men­te adul­ta. Di­zer que a ter­cei­ri­za­ção – co­mo al­gu­mas vo­zes di­zem – não re­ti­ra di­rei­tos, pois não re­ti­ra di­rei­tos cons­tan­tes na lei, res­pei­to­sa­men­te, de­mons­tra uma fa­lá­cia. É re­tó­ri­ca pu­ra. Na ver­da­de, é ne­ces­sá­rio aco­mo­dar o ins­ti­tu­to com apro­fun­da­men­to ci­en­tí­fi­co e fu­gir de su­as ar­ma­di­lhas.

 

(Ri­car­do Pe­rei­ra de Frei­tas Gui­ma­rã­es, dou­tor, mes­tre e es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo (PUC-SP), pro­fes­sor da pós-gra­du­a­ção da PUC-SP, elei­to pa­ra ocu­par a ca­dei­ra 81 da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Di­rei­to do Tra­ba­lho e só­cio fun­da­dor do es­cri­tó­rio Frei­tas Gui­ma­rã­es Ad­vo­ga­dos As­so­cia­dos)

Comentários