diario da manha

Nes­te mo­men­to de acir­ra­das dis­pu­tas elei­to­ra­is, quan­do mui­tos per­dem o sen­ti­do da ra­zão ple­na e se en­gal­fi­nham em tro­ca de acu­sa­ções, tan­to pe­las re­des so­ci­ais co­mo pes­so­al­men­te, en­ten­do ser in­te­res­san­te dar­mos uma pa­ra­da em tu­do e nos co­lo­car­mos no de­vi­do lu­gar que nos ca­be a ca­da um. E pa­ra tan­to, tran­scre­vo, com al­gu­mas al­te­ra­ções e in­ser­ções, um tex­to mui­to in­te­res­san­te que re­ce­bi e que nos le­va a me­di­tar.

Co­mo se tor­na in­te­res­san­te, com os re­cur­sos que a tec­no­lo­gia nos ofe­re­ce, ob­ser­va­mos o nos­so pla­ne­ta Ter­ra co­mo se no cos­mos es­ti­vés­se­mos. Des­se ân­gu­lo e pon­to de vis­ta, a Ter­ra po­de não pe­re­cer tão in­te­res­san­te. Mas pa­ra to­dos nós que aqui es­ta­mos, é di­fe­ren­te.

Su­po­nha­mos que es­ta­mos olhan­do a ter­ra de lon­ga dis­tân­cia, co­mo se por exem­plo es­ti­vés­se­mos em Mar­te, o pla­ne­ta ver­me­lho, ob­ser­van­do nos­so lin­do pla­ne­ta azul. Con­si­de­re­mos no­va­men­te, olhan­do de lá, aque­le pon­to azul lá no ho­ri­zon­te.

Pois é lá, que vi­ve­mos, na­que­le pon­to azul per­di­do tal qual um grão de areia na imen­si­dão do uni­ver­so. Lá é o nos­so lar. Lá to­dos são igua­is, ou pe­lo me­nos de­ve­ri­am ser. Ne­le ha­bi­ta­ram ou ha­bi­tam to­dos que ama­mos, to­dos que co­nhe­ce­mos, to­dos de quem nun­ca ou­vi­mos fa­lar, to­dos se­res hu­ma­nos que já exis­ti­ram e vi­ve­ram su­as vi­das.

Lá es­tá a so­ma das nos­sas ale­gri­as e so­fri­men­tos. Mi­lha­res de re­li­gi­ões cer­tas de si, ide­o­lo­gi­as e dou­tri­nas eco­nô­mi­cas. Ca­da he­rói e co­var­de.  Ca­da cri­a­dor e des­tru­i­dor de ci­vi­li­za­ções.  Ca­da rei e ple­beu. Ca­da pai e ca­da mãe. Ca­da ca­sal apai­xo­na­do, ca­da cri­an­ça es­pe­ran­ço­sa. Ca­da pro­fes­sor de éti­ca. Ca­da ex­plo­ra­dor e in­ven­tor. Ca­da po­lí­ti­co cor­rup­to, ca­da ce­le­bri­da­de, ca­da lí­der su­pre­mo, ca­da san­to e ca­da pe­ca­dor na his­tó­ria da nos­sa es­pé­cie. To­dos eles vi­ve­ram co­mo nós vi­ve­mos na­que­le grão de pó sus­pen­so num raio de sol, na pe­ri­fe­ria do anel de gra­vi­da­de de uma ga­lá­xia de­no­mi­na­da Via Lác­tea.

A ter­ra é um pal­co mui­to pe­que­no nu­ma imen­sa are­na cós­mi­ca. Pen­se nos rios de san­gue der­ra­ma­dos por to­dos Ge­ne­ra­is e Im­pe­ra­do­res pa­ra que em gló­ria e tri­un­fo pu­des­sem ser de uma fra­ção de se­gun­dos mes­tres mo­men­tâ­ne­os di­an­te da gran­de­za do Uni­ver­so.

Pen­se­mos nas cru­el­da­des in­fli­gi­das aos ha­bi­tan­tes de um can­to da­que­le pla­ne­ti­nha aos pra­ti­ca­men­te in­dis­tin­guí­veis ha­bi­tan­tes de al­gum ou­tro can­to da­que­le mun­do.

Co­mo são fre­quen­tes os de­sen­ten­di­men­tos! Quão an­sio­sos es­tão pa­ra ma­tar uns aos ou­tros e quão in­ten­sos são seus ódi­os.  Nos­sas ati­tu­des, a nos­sa ima­gi­ná­ria au­to im­por­tân­cia, a ilu­são de que te­mos uma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da no uni­ver­so, são de­sa­fi­a­das e con­tes­ta­das por aque­le pá­li­do pon­to azul.

O nos­so pla­ne­ta é um pon­ti­nho so­li­tá­rio na imen­sa es­cu­ri­dão cós­mi­ca. Na nos­sa ob­scu­ri­da­de, em to­da es­ta vas­ti­dão, não há in­dí­ci­os de que a aju­da che­ga­rá de ou­tro lu­gar pa­ra nos sal­var de nós mes­mos. A ter­ra é o úni­co mun­do co­nhe­ci­do que abri­ga vi­da. Não há ou­tro lu­gar, pe­lo me­nos num fu­tu­ro pró­xi­mo, pa­ra on­de nos­sa es­pé­cie pos­sa mi­grar. Vi­si­tar sim. Es­ta­be­le­cer-se, ain­da não.

Gos­te­mos ou não, por en­quan­to é a ter­ra que nos ofe­re­ce um abri­go, quer se­gu­ro ou não.

Já foi di­to que a as­tro­no­mia é uma ex­pe­ri­ên­cia de hu­mil­da­de e cri­a­do­ra de ca­rá­ter. Não há tal­vez me­lhor de­mons­tra­ção mai­or de to­li­ce das vai­da­des hu­ma­nas do que quan­do olhar­mos a ima­gem dis­tan­te do nos­so plan­te. Ela nos faz re­fle­tir e en­fa­ti­za a nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de de tra­tar­mos me­lhor uns aos ou­tros e de pre­ser­var e es­ti­mar o úni­co lar que co­nhe­ce­mos. E sa­ber­mos que tu­do  na Ter­ra é pas­sa­gei­ro. E co­mo é!

Mas tu­do is­so só se­rá pos­sí­vel quan­do to­dos es­ti­ver­mos im­bu­í­dos do sen­ti­men­to mais no­bre que exis­te: O amor.  Es­se que nos igua­la a to­dos, em es­pe­ci­al na fé e na ca­ri­da­de, que nos faz acei­tar as nos­sas pró­pri­as fra­que­zas e em es­pe­ci­al as dos nos­sos mais pró­xi­mos.

Quem tem ou­vi­dos que ou­ça, quem tem olhos que ve­ja!

 

(Jo­sé Cân­di­do Pó­voa, po­e­ta, es­cri­tor e ad­vo­ga­do. Mem­bro fun­da­dor da Aca­de­mia de Le­tras de Di­a­nó­po­lis (GO/TO), sua ter­ra na­tal. (jc.po­[email protected])

 

tags:

Comentários