Opinião

A eleição presidencial: o dilema da insensatez

diario da manha

Aten­to ao ar­ti­go de Li­be­ra­to Pó­voa so­bre ma­ni­fes­ta­ção da es­pi­ri­tua­li­da­de a res­pei­to de ques­tões po­lí­ti­cas, não ne­go a pos­si­bi­li­da­de de tal fa­to, mas é de se con­vir que a ques­tão é mui­to de­li­ca­da e, por­tan­to, me­re­ce uma apre­cia­ção com bas­tan­te dis­cer­ni­men­to.

De acor­do com a dou­tri­na es­pí­ri­ta, de que sou adep­to, não só as pes­so­as têm seus an­jos da guar­da, mas tam­bém a co­le­ti­vi­da­de, so­bre­tu­do as na­ções.

Se­gun­do o li­vro “A ca­mi­nho da Luz” do es­pí­ri­to Ema­no­el (Pe. Ma­no­el da No­bre­ga em exis­tên­cia an­te­ri­or), quan­do as in­vas­ões bár­ba­ras pu­nham em ris­co a pró­pria cul­tu­ra do Im­pé­rio Ro­ma­no, a es­pi­ri­tua­li­da­de re­u­niu nas es­fe­ras su­pe­ri­o­res e re­sol­veu pro­mo­ver a re­en­car­na­ção de um vir­tu­o­so im­pe­ra­dor do pas­sa­do que vol­tou sob a rou­pa­gem de Car­los Mag­no, pa­ra, com sua li­de­ran­ça, che­fi­ar as na­ções bár­ba­ras e con­ter seus ex­ces­sos, in­clu­si­ve pres­tan­do obe­di­ên­cia á au­to­ri­da­de re­li­gi­o­sa do pa­pa.

É sa­bi­do que o an­jo Is­ma­el é en­car­re­ga­do de ve­lar pe­lo Bra­sil. A igre­ja ca­tó­li­ca con­si­de­ra Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da a pa­dro­ei­ra do tor­rão bra­si­lei­ro. Tais en­ti­da­des de­vem ser in­vo­ca­das nes­ta ho­ra tão di­fí­cil, quan­do nos­sa pá­tria se en­con­tra di­an­te de um gran­de im­pas­se nu­ma elei­ção pa­ra es­co­lha de seu pre­si­den­te.

De um la­do, uma pes­soa mais ca­pa­ci­ta­da pa­ra o exer­cí­cio de po­der, mas re­pre­sen­ta um par­ti­do que es­te­ve mui­tos anos na pre­si­dên­cia e mon­tou um es­que­ma de per­ma­nên­cia las­tre­an­do nu­ma cor­rup­ção ja­mais vis­ta, e de ou­tro la­do al­guém que se apre­sen­ta co­mo “sal­va­dor da pá­tria”, pa­ra em­pol­gar a mul­ti­dão.

Nun­ca vo­tei em Lu­la e can­di­da­tos por ele in­di­ca­dos e ja­mais vo­ta­ria num can­di­da­to que se des­pon­ta co­mo sim­ples con­tes­ta­ção ao lu­lo­pe­tis­mo. A pri­mei­ra vez que vo­tei pa­ra pre­si­den­te, con­tra­ri­an­do con­se­lhos de meu sa­u­do­so pai, me en­ve­re­dei no ru­mo ilu­só­rio de Jâ­nio Qua­dros, o cha­ma­do ho­mem da vas­sou­ra que var­reu a si mes­mo, nu­ma frus­tra­da ten­ta­ti­va de gol­pe, que mais tar­de pro­pi­ciou a im­plan­ta­ção do re­gi­me mi­li­tar de tris­te me­mó­ria.

Não co­me­ti o er­ro de vo­tar em Col­lor de Me­lo que sur­giu co­mo ca­ça­dor de ma­ra­jás. Seu ex­tre­mis­mo di­rei­tis­ta pra­ti­cou pe­ral­ti­ces que nem mes­mo a re­vo­lu­ção bol­che­vi­que da Rús­sia ou­sou fa­zer: o blo­queio das con­tas ban­cá­rias de to­dos os ci­da­dã­os.

La­men­ta­vel­men­te, sua elei­ção te­ve o apoio do fa­mo­so mé­di­um Fran­cis­co Cân­di­do Xa­vi­er, que te­ria di­to ser o can­di­da­to um gran­de ex­po­en­te da pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, que es­ta­ria vol­tan­do pa­ra res­tau­rar o re­gi­me im­plan­ta­do em 1889, ali­ás uma pés­si­ma im­plan­ta­ção; A ma­nu­ten­ção da mo­nar­quia com ado­ção do sis­te­ma in­glês te­ria si­do me­lhor. Um go­ver­nan­te la­ti­no ame­ri­ca­no da épo­ca che­gou a di­zer que a que­da da nos­sa mo­nar­quia foi a der­ru­ba­da da úni­ca re­pu­bli­ca exis­ten­te na Amé­ri­ca do sul.

Fe­liz­men­te, o ilus­tre mis­si­o­ná­rio es­pí­ri­ta Chi­co Xa­vi­er não caiu no ri­dí­cu­lo de afir­mar que Col­lor se­ria o De­o­do­ro re­en­car­na­do, até por­que exis­te uma men­sa­gem des­te, atra­vés da psi­co­gra­fia do re­fe­ri­do mé­di­um, quan­do Col­lor já ha­via nas­ci­do e é al­go ex­cep­cio­na­lís­si­mo um es­pí­ri­to en­car­na­do, es­pe­ci­al­men­te quan­do de bai­xo ní­vel evo­lu­ti­vo, ma­ni­fes­tar-se psi­co­gra­fi­ca­men­te.

Re­en­car­na­ção é um fa­to in­con­tes­tá­vel que a an­ti­ga cul­tu­ra re­li­gi­o­sa do ex­tre­mo ori­en­te já con­sa­gra­va mi­lê­ni­os an­tes da era cris­tã, mas si­tuá-la his­to­ri­ca­men­te, is­to é, afir­mar que fu­la­no é re­en­car­na­ção de bel­tra­no tra­ta-se de ma­té­ria mui­to pro­ble­má­ti­ca. Je­sus afir­mou, com sua in­con­tes­tá­vel au­to­ri­da­de, que o pro­fe­ta Eli­as vol­tou seis­cen­tos anos de­pois co­mo Jo­ão Ba­tis­ta (Ma­teus 11, 14) am­bos ti­nham a mes­ma iden­ti­da­de de ca­rac­te­res psi­co­ló­gi­cos.

Se é ver­da­de que um arau­to da re­pu­bli­ca te­ria vol­ta­do, es­te se­ria Flo­ri­a­no Pei­xo­to, cu­jo tem­pe­ra­men­to se ajus­ta mais ao jei­tão de Col­lor. O cha­ma­do “ma­re­chal de fer­ro” pra­ti­cou gran­des des­man­dos no pa­ís pa­ra con­so­li­dar a re­pú­bli­ca. Lem­bro-me do sa­u­do­so prof. Idel­fon­so Du­tra Al­vim, na fa­mo­sa Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Rua 20, pro­cla­man­do, com gran­de or­gu­lho, que seu ilus­tre pa­ren­te Ce­sá­rio Al­vim fo­ra “o úni­co go­ver­nan­te na épo­ca que não se cur­vou di­an­te das pe­ral­ti­ces de Flo­ri­a­no. ”

Acei­to que a elei­ção de Col­lor foi um mal me­nor, por­que Lu­la, na­que­la épo­ca, es­ta­va mui­to do­mi­na­do pe­lo ra­di­ca­lis­mo es­quer­dis­ta de seu par­ti­do e, ca­so elei­to, iria com­pli­car mais ain­da a pés­si­ma si­tu­a­ção em que o pa­ís se en­con­tra­va. Já em 2002, um Lu­la mais co­me­di­do as­su­miu a pre­si­dên­cia em si­tu­a­ção ple­na­men­te ar­ru­ma­da e re­sol­veu con­vo­car Mei­re­les pa­ra con­tro­lar seu go­ver­no. Tu­do deu cer­to. Os ven­tos in­ter­na­cio­nais so­pra­vam fa­vo­ra­vel­men­te. Co­lheu to­da a la­vou­ra que Fer­nan­do Hen­ri­que plan­tou. De­pois, quan­do Dil­ma en­trou, era a ho­ra do plan­tio e con­ti­nuou a gas­tan­ça ir­res­pon­sá­vel e tu­do se des­tro­çou por­que não quis man­ter Mei­re­les no go­ver­no — o ho­mem que de­ve­ria ser o no­vo pre­si­den­te, ca­so o po­vo bra­si­lei­ro ti­ves­se ju­í­zo pa­ra evi­tar o atu­al di­le­ma em que se en­con­tra, que po­de­rá com­pro­me­ter o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co em fa­ce do ódio rei­nan­te nu­ma elei­ção em que mais uma vez apa­re­ce a fi­gu­ra ilu­só­ria de um sal­va­dor da pá­tria (re­pe­ti­ção do fil­me Col­lor de Me­lo).

Com to­do o res­pei­to ao mé­di­um Fran­cis­co Xa­vi­er, mes­mo acre­di­tan­do na gran­de­za de um Bra­sil no fu­tu­ro, não pos­so crer que, nos anos 90, te­ria di­to que um jo­vem ado­les­cen­te com 15 anos na épo­ca, se­ria atu­al­men­te o me­te­o­ro que ora se apre­sen­ta co­mo o “sal­va­dor da pá­tria”, sem o de­vi­do pre­pa­ro pa­ra a al­ta  in­ves­ti­du­ra de pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que an­tes de 1930 era es­co­lhi­do em elei­ções frau­du­len­tas; de­pois de 30, atra­vés de com­pra de vo­tos com fi­nan­cia­men­to de em­pre­sas e, atu­al­men­te, com a for­ça da mí­dia e o apa­ra­to das mo­der­nas re­des so­ci­ais cor­rom­pi­das pe­las no­ti­cias fal­sas on­de im­pe­ra a in­jú­ria e a ca­lú­nia sem qual­quer pu­ni­ção.

 

(Vi­val­do Jor­ge de Araú­jo, ex-pro­fes­sor de His­tó­ria e Lín­gua Por­tu­gue­sa do Lyceu de Go­i­â­nia, es­cri­tor e pro­cu­ra­dor de jus­ti­ça apo­sen­ta­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Go­i­a­no)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela