Opinião

A estratégia de Pedro

diario da manha

Pri­mei­ra ne­ga­ção de Pe­dro

Es­ta­vam os ser­vos e os guar­das sen­ta­dos ao re­dor de uma fo­guei­ra que fo­ra ace­sa no meio do pá­tio, e se aque­ci­am por­que fa­zia frio. Pe­dro es­ta­va em­bai­xo, no pá­tio, no meio de­les, ora sen­ta­do, ora em pé, aque­cen­do-se.

Apro­xi­mou-se da­li uma das cri­a­das do Su­mo Sa­cer­do­te, a por­tei­ra, e ven­do Pe­dro que se aque­cia, olhou pa­ra ele aten­ta­men­te e dis­se: “Não és tu tam­bém, um dos dis­cí­pu­los des­te ho­mem?”

Ele res­pon­deu: “Não sou”.

Ela dis­se: “Tu tam­bém es­ta­vas com Je­sus Na­za­re­no, o Ga­li­leu!”

“Não sei nem en­ten­do o que di­zes” — Dis­se Pe­dro.

Ela fa­lou: “Es­te ho­mem es­ta­va com ele”.

Ele, po­rém, ne­gou di­an­te de to­dos, di­zen­do: “Mu­lher, não o co­nhe­ço”.

E foi pa­ra fo­ra, pa­ra a en­tra­da do pá­tio. E o ga­lo can­tou. (Evan­ge­lhos de: Ma­teus, cap. 26, vv. 69 e 70 – Mar­cos, cap. 14, vv. 66 a 68 – Lu­cas, cap. 22, vv. 55 a 57 – Jo­ão, cap. 18, vv. 17 e 18).

 

Se­gun­da e ter­cei­ra ne­ga­ções de Pe­dro

Quan­do Si­mão Pe­dro, que es­ta­va em pé, aque­cen­do-se, ia sa­in­do em di­re­ção à por­ta, ou­tra cri­a­da o viu e dis­se-lhe: “Não és tam­bém tu um dos dis­cí­pu­los de­le?”

Ele ne­gou e dis­se: “Não sou”.

Ela dis­se aos que ali es­ta­vam: “Ele es­ta­va com Je­sus, o Na­za­reu”.

E a cri­a­da, ven­do-o, veio de no­vo di­zer aos pre­sen­tes: “Es­te é um de­les!”

E de no­vo ne­gou com ju­ra­men­to: “Não co­nhe­ço es­se ho­mem”.

Pou­co de­pois, um ou­tro, ten­do-o vis­to, dis­se: “Tam­bém tu és um de­les!”

Mas Pe­dro pro­tes­ta­va, di­zen­do: “Ho­mem, não sou”.

*

E ten­do pas­sa­do cer­ca de uma ho­ra, um dos ser­vos do Su­mo Sa­cer­do­te, pa­ren­te da­que­le a quem Pe­dro cor­ta­ra a ore­lha, dis­se: “Não te vi no jar­dim com ele?”

Pe­dro ne­gou no­va­men­te.

E ou­tro in­sis­tia: “Com cer­te­za tam­bém es­te es­ta­va com ele, por­que é ga­li­leu”.

Mas Pe­dro dis­se: “Ho­mem, não sei o que di­zes”.

Pou­co de­pois, os pre­sen­tes no­va­men­te dis­se­ram a Pe­dro: “Ver­da­dei­ra­men­te tu és um de­les, pois o teu mo­do de fa­lar te de­nun­cia, por­que és ga­li­leu”.

En­tão ele co­me­çou a pra­gue­jar e a ju­rar: “Não co­nhe­ço es­se ho­mem de quem fa­lais”.

E, ime­di­a­ta­men­te, en­quan­to ele ain­da fa­la­va, o ga­lo can­tou pe­la se­gun­da vez.

En­tão, vol­tan­do-se o Se­nhor, fi­xou o olhar em Pe­dro. Pe­dro en­tão lem­brou-se da pa­la­vra de Je­sus, co­mo lhe ha­via di­to:

“An­tes que o ga­lo can­te ho­je du­as ve­zes, me ne­ga­rás três ve­zes”.

E sa­in­do Pe­dro pa­ra fo­ra, caiu em si, e cho­rou amar­ga­men­te. (Evan­ge­lhos de: Ma­teus, cap. 26, vv. 71 a 75 – Mar­cos, cap. 14, vv. 69 a 72 – Lu­cas, cap. 22, vv. 58 a 62 – Jo­ão, cap. 18, vv. 25 a 27).

 

No pá­tio da ca­sa do Su­mo Sa­cer­do­te Cai­fás, on­de es­ta­vam ser­vos e guar­das, Pe­dro foi in­da­ga­do a res­pei­to do seu vín­cu­lo com Je­sus, se era seu dis­cí­pu­lo. A res­pos­ta do após­to­lo foi ne­ga­ti­va. Di­an­te da in­sis­tên­cia da mu­lher que o re­co­nhe­cia, Pe­dro “foi pa­ra fo­ra, pa­ra en­tra­da do pá­tio”.

O ga­lo can­tou pe­la pri­mei­ra vez ao anun­ci­ar as pri­mei­ras ho­ras do dia!

A ca­mi­nho da por­ta do pá­tio, um cri­a­do e ou­tra cri­a­da o re­co­nhe­ce­ram co­mo sen­do dis­cí­pu­lo de Je­sus e mais uma vez Pe­dro ne­gou.

A ter­cei­ra ne­ga­ti­va de Pe­dro foi ve­e­men­te. De­pois de uma ho­ra, um dos ser­vos de Cai­fás, pa­ren­te de Mal­co, que te­ve a ore­lha cor­ta­da por Pe­dro e cu­ra­da por Je­sus, tam­bém ques­ti­o­nou: “Não te vi no jar­dim com ele?” Pe­dro ne­gou. Tam­bém de­vi­do ao so­ta­que ga­li­leu do após­to­lo, um ho­mem e os de­mais pre­sen­tes de­du­zi­ram a apro­xi­ma­ção de Pe­dro com Je­sus. A ne­ga­ção do dis­cí­pu­lo foi en­fá­ti­ca.

O ga­lo can­tou pe­la se­gun­da vez ao anun­ci­ar a che­ga­da de um no­vo dia!

Ao per­ce­ber a mo­vi­men­ta­ção no pá­tio, Pe­dro viu Je­sus, que lhe fi­xou o olhar, o que fez lem­brá-lo do que dis­se­ra a res­pei­to de su­as ne­ga­ti­vas.

Si­mão Pe­dro re­ti­rou-se do lo­cal, “caiu em si, e cho­rou amar­ga­men­te”.

Di­an­te do con­tex­to, a ne­ga­ção de Pe­dro não con­fi­gu­rou uma trai­ção, mas uma es­tra­té­gia pa­ra se­guir os pas­sos de Je­sus na­que­le mo­men­to do­lo­ro­so. Ao di­zer que não co­nhe­cia Je­sus, Pe­dro não quis aban­do­nar o seu Mes­tre na­que­le mo­men­to gra­ve, sen­do pre­so ou ex­pul­so do am­bi­en­te. Ele ten­ta­ria, de al­gum mo­do, in­ter­ce­der por Je­sus pa­ra evi­tar a con­de­na­ção. No en­tan­to, a tá­ti­ca de Pe­dro não se­ria efi­caz por­que for­ças re­li­gi­o­sas e po­lí­ti­cas se uni­ri­am pa­ra a exe­cu­ção su­má­ria que se apro­xi­ma­va.

Não ra­ras ve­zes, a vi­da nos pro­põe tes­te­mu­nhos mai­o­res, mas de­vi­do à mi­o­pia es­pi­ri­tual, per­de­mos opor­tu­ni­da­des va­li­o­sas. Pe­dro não se­ria pre­so na ca­sa de Cai­fás nem con­de­na­do, mas se­ria for­ça­do a se re­ti­rar do am­bi­en­te, o que não o im­pe­di­ria de acom­pa­nhar os pas­sos do Mes­tre. No en­tan­to, ao ser re­co­nhe­ci­do, o Gran­de Pes­ca­dor não per­ce­beu a im­por­tân­cia es­pi­ri­tual do mo­men­to.

Por to­da a vi­da, Pe­dro la­men­ta­ria o epi­só­dio de um ha­ver ne­ga­do ser dis­cí­pu­lo do Cris­to. Mais tar­de, mi­lha­res de dis­cí­pu­los de Je­sus da­ri­am su­as vi­das nos cir­cos de Ro­ma por­que não ne­ga­ram per­ten­cer ao fer­vo­ro­so dis­ci­pu­la­do de Je­sus.

Não se de­ve ce­der aos ca­pri­chos do me­do, do pre­con­cei­to, do ma­te­ri­a­lis­mo ou de al­gum pen­sa­men­to des­tor­ci­do em de­tri­men­to da ver­da­de. Pe­dro te­ve as me­lho­res das in­ten­ções, mas se fir­mou na in­ver­da­de pa­ra que seu pla­no fos­se adi­an­te, ati­tu­de não re­co­men­da­da por Je­sus.

Pe­dro, no en­tan­to, apren­de­ra a li­ção. Ele per­ce­beu que não es­ta­va pron­to pa­ra a be­bi­da amar­ga do cá­li­ce de Je­sus. A Cruz do Cris­to não po­de­ria ser com­par­ti­lha­da por quem não po­de­ria su­por­tá-la. Na­da po­de­ria al­te­rar os de­síg­nios de Deus re­ve­la­dos pe­las Es­cri­tu­ras e Pro­fe­cias de Je­sus.

Em su­as lá­gri­mas de ar­re­pen­di­men­to, Pe­dro lem­brou o di­á­lo­go du­ran­te a Úl­ti­ma Ceia:

“Se­nhor, es­tou pron­to a ir con­ti­go tan­to pa­ra o cár­ce­re, quan­to pa­ra a mor­te!”

“Dis­se-lhe Je­sus: “Pe­dro, em ver­da­de, em ver­da­de, te di­go: ho­je nes­ta noi­te, an­tes que o ga­lo can­te du­as ve­zes, três ve­zes ne­ga­rás que me co­nhe­ces!”

“Mas Pe­dro dis­se com mais ve­e­mên­cia: “Ain­da que me se­ja ne­ces­sá­rio mor­rer con­ti­go, de mo­do al­gum te ne­ga­rei”.”

“E to­dos os dis­cí­pu­los dis­se­ram o mes­mo”.    (Ma­teus, 26:31-35; Mar­cos, 14:27-31; Lu­cas, 22:31-34; Jo­ão, 13:36-38).

As lá­gri­mas do Gran­de Após­to­lo re­pre­sen­tam as an­gús­ti­as de quem ain­da não atin­giu a evo­lu­ção es­pi­ri­tual al­me­ja­da. Pe­dro ama­va Je­sus e da­ria a sua vi­da por ele, mas ain­da es­ta­va pre­so aos gri­lhões do seu ní­vel evo­lu­ti­vo.

O pro­ces­so de evo­lu­ção es­pi­ri­tual tam­bém tem si­do mar­ca­do por inú­me­ras pro­mes­sas não cum­pri­das. O que mais de­cep­cio­na não são a mal­da­de e a vi­o­lên­cia e sim a fra­gi­li­da­de mo­ral de quem não cum­pre su­as pro­mes­sas evo­lu­ti­vas.

Mui­tas pro­mes­sas mo­ra­is, in­te­lec­tu­ais, afe­ti­vas, re­li­gi­o­sas, so­ci­ais e pro­fis­si­o­nais são que­bra­das cons­tan­te­men­te. Is­so, por in­ter­mé­dio de su­ces­si­vas ne­ga­ti­vas, cau­sa­do­ras de lá­gri­mas de de­cep­ções, de ar­re­pen­di­men­tos e de la­men­tá­veis do­res fí­si­cas e mo­ra­is.

Quan­tas ve­zes pro­me­te­mos a Deus o nos­so aper­fei­ço­a­men­to in­te­lec­to-mo­ral e ain­da não cum­pri­mos nos­sas pro­mes­sas por fal­ta de boa von­ta­de, de amor, de ca­ri­da­de, de hu­mil­da­de, de dis­ci­pli­na e de tra­ba­lho. No en­tan­to, o Pai Eter­no nos co­nhe­ce a to­dos do mes­mo mo­do que Je­sus co­nhe­cia os seus após­to­los, o que fez pre­ver as ne­ga­ti­vas de Pe­dro e o afas­ta­men­to de ou­tros dis­cí­pu­los.

O olhar de Je­sus di­ri­gi­do a Pe­dro al­can­ça a to­dos nós. É o olhar de nos­sas con­sci­ên­cias que so­li­ci­ta fi­de­li­da­de aos seus prin­cí­pios de res­pei­to aos di­rei­to na­tu­ra­is do pró­xi­mo. É o olhar de com­pai­xão que de­ve­mos aos nos­sos ir­mãos quan­do não cum­pri­rem su­as pro­mes­sas, e nos aban­do­na­rem nos mo­men­tos mais di­fí­ceis de nos­sas vi­das. É o olhar de Deus que eter­na­men­te nos con­vi­da à Su­pre­ma Fe­li­ci­da­de de Seu Rei­no de Amor, Jus­ti­ça e Ca­ri­da­de.

 

(Emí­dio Sil­va Fal­cão Bra­si­lei­ro tem pós-dou­to­ra­do em Ci­ên­cias da Re­li­gi­ão pe­la Uni­ver­si­da­de Macken­zie. É au­tor da obra “Edu­ca­ção Emo­cio­nal”, pe­la Edi­to­ra Boa No­va. É mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia de Le­tras de Go­i­â­nia e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela