Opinião

A maturidade da educação no Brasil

diario da manha

A edu­ca­ção no Bra­sil es­tá pas­san­do por um im­por­tan­te pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to que se­rá be­né­fi­co pa­ra to­dos, in­clu­in­do em­pre­sas, man­te­ne­do­res, do­cen­tes e es­tu­dan­tes. Ain­da que es­te­ja­mos en­tre os mai­o­res mer­ca­dos edu­ca­cio­nais do mun­do, fi­ca­mos por mui­to tem­po res­tri­tos a um es­te­re­ó­ti­po, fun­da­men­ta­do na trans­fe­rên­cia uni­la­te­ral de in­for­ma­ção. Ou se­ja, o pro­fes­sor, co­mo de­ten­tor do co­nhe­ci­men­to, bus­ca­va trans­mi­ti-lo uni­la­te­ral­men­te aos alu­nos.

Na ve­lo­ci­da­de e di­nâ­mi­ca da atu­al so­ci­e­da­de, es­se mo­de­lo não fun­cio­na mais, não é mais su­fi­ci­en­te. No am­bi­en­te de ho­je, o ra­ci­o­cí­nio crí­ti­co é de­ter­mi­nan­te. É pre­ci­so con­cen­trar o fo­co no pro­ces­so de cons­tru­ção do pen­sa­men­to, que se dá por meio da ar­gu­men­ta­ção es­tru­tu­ra­da, da ca­pa­ci­da­de de co­nec­tar da­dos de di­fe­ren­tes fon­tes, cons­tru­in­do, e não con­su­min­do co­nhe­ci­men­to. É co­mo cri­ar uma es­tra­té­gi­ca num ta­bu­lei­ro, pro­pi­ci­an­do ao jo­ga­dor vi­su­a­li­zar e ter op­ções de avan­ço e re­cuo em de­ter­mi­na­do mo­men­to do jo­go, iden­ti­fi­can­do, por si, co­mo e quan­do fa­zê-lo.

Ape­sar de ter­mos es­co­las de ex­ce­lên­cia no en­si­no pú­bli­co, é no­tó­rio que há, de uma ma­nei­ra ge­ral, uma gran­de dis­tân­cia qua­li­ta­ti­va quan­do com­pa­ra­mos com o pri­va­do. Mas mais do que is­so, é pre­ci­so des­ta­car que uma aná­li­se que se re­su­me so­men­te a is­so é bas­tan­te su­per­fi­ci­al, já que no Bra­sil exis­te uma gran­de di­ver­si­da­de de abor­da­gens edu­ca­cio­nais e, mui­tas es­co­las, mes­mo do se­tor pri­va­do, não fo­ram ain­da ca­pa­zes de de­sen­vol­ver mo­de­los re­le­van­tes pa­ra es­se mo­men­to em que vi­ve­mos.

E, nes­se con­tex­to, on­de os pro­fes­so­res têm o pa­pel de mo­ti­var e ins­pi­rar os alu­nos a se tor­na­rem pro­ta­go­nis­tas e não mais me­ros ex­pec­ta­do­res o en­si­no ca­na­den­se, que é re­fe­rên­cia mun­di­al, vem ga­nhan­do es­pa­ço em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, já que pos­sui uma abor­da­gem que mo­ti­va e de­sa­fia os alu­nos, pro­mo­ven­do a au­to­no­mia, o de­se­jo e o pra­zer por apren­der e des­co­brir. A es­sên­cia mul­ti­cul­tu­ral do Ca­na­dá é um dos fa­to­res que tor­na seu mo­de­lo uma re­fe­rên­cia no mun­do e vem ga­nhan­do ca­da vez mais es­pa­ço no Bra­sil.

Ou­tro pon­to po­si­ti­vo da me­to­do­lo­gia é a edu­ca­ção bi­lín­gue, que aju­da for­mar es­tu­dan­tes pa­ra en­fren­tar de­sa­fi­os glo­ba­li­za­dos de um mer­ca­do de tra­ba­lho fu­tu­ro – tam­bém em cons­tan­te mu­ta­ção -, além do co­nhe­ci­men­to de ou­tra cul­tu­ra que não só a bra­si­lei­ra, de­sen­vol­ven­do no alu­no a acei­ta­ção das di­fe­ren­ças, o que os tor­na ci­da­dã­os, es­tu­dan­tes e pro­fis­si­o­nais mui­to mais adap­tá­veis e pre­pa­ra­dos pa­ra se­rem bem-su­ce­di­dos no am­bi­en­te glo­bal.

Es­sa tran­si­ção e con­se­quen­te evo­lu­ção na for­ma de en­si­nar os jo­vens cer­ta­men­te tra­rá ma­tu­ri­da­de, em lon­go pra­zo, ao mo­de­lo bra­si­lei­ro edu­ca­cio­nal, fa­zen­do com que nos­sos alu­nos es­te­jam mais pre­pa­ra­dos pa­ra o mun­do e pa­ra as ba­ta­lhas que en­fren­ta­rão ao lon­go de su­as vi­das e car­rei­ras. É es­se o pa­pel da es­co­la e do pro­fes­sor: ser a pon­te en­tre o co­nhe­ci­men­to e a ne­ces­si­da­de de apren­der, evo­lu­in­do com os seus, em re­la­ção a mo­de­lo de en­si­no, mé­to­dos pa­ra pas­sar es­sas in­for­ma­ções e aces­so tran­spa­ren­te e com­par­ti­lha­do da­qui­lo que be­ne­fi­ci­a­rá a to­dos. Ab­sor­ver, cres­cer e evo­lu­ir.

 

(Ar­no Krug, CEO da Ma­ple Be­ar Ca­na­di­an Scho­ol, gra­du­a­do pe­la UFSC em va­re­jo e ne­gó­ci­os e  es­pe­cia­li­za­ções so­bre o as­sun­to na Co­lum­bia Bu­si­ness Scho­ol e FAE, além cur­sos de Edu­ca­ção Exe­cu­ti­va e Es­tra­té­gia Dis­rup­ti­va pe­la Har­vard Bu­si­ness Scho­ol)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais