Opinião

As propostas de Bolsonaro

diario da manha

O po­vo bra­si­lei­ro não tem ideia de quem es­tão co­lo­can­do no po­der pa­ra go­ver­nar a nos­sa na­ção. Bol­so­na­ro é um Di­ta­dor na­to, é a re­en­car­na­ção de Adolf Hit­ler, fe­de a chi­fre quei­ma­do. O que po­de­mos es­pe­rar de um can­di­da­to que se­meia o ódio e pre­con­cei­to e to­tal des­pre­zo pe­las mi­no­ri­as? Nin­guém me con­tou foi eu mes­mo que vi di­zer na fren­te das câ­ma­ras de te­le­vi­são as se­guin­tes bar­bá­ri­es co­mo pro­pó­si­to de go­ver­no: “Eu vou fa­zer o que de­ve­ri­am ter fei­to há mui­to tem­po atrás: Ma­tar 30 mil ban­di­dos, se mor­rer ino­cen­tes tu­do bem”. O lou­co não res­pei­ta nem os pa­ren­tes das ví­ti­mas fa­tais das ba­las per­di­das nos con­fron­tos de po­li­ci­ais e ban­di­dos e no fu­zi­la­men­to por po­li­ci­ais des­pre­pa­ra­dos. Bol­so­na­ro acha que tem que ma­tar mais ino­cen­tes. Se­gun­do Bol­so­na­ro tem que re­ver as ter­ras in­dí­ge­nas. Ele ig­no­ra a nos­sa tris­te his­tó­ria, faz de con­ta que não sa­be que em um pas­sa­do re­cen­te mi­lhões de ín­di­os fo­ram ex­ter­mi­na­dos a man­do do la­ti­fún­dio pa­ra apos­sar de su­as ter­ras. Os pou­cos in­dí­ge­nas que con­se­gui­ram so­bre­vi­ver, ho­je es­tão en­cur­ra­la­dos en­fren­ta­do ca­ra­bi­na dos gri­lei­ros de ter­ras. É a gri­la­gem e pis­to­la­gem que ma­tam sem pi­e­da­de, in­dí­ge­nas e pos­sei­ros em no­me do agro­ne­gó­cio. Po­de acre­di­tar: Se Bol­so­na­ro to­mar ter­ras dos ín­di­os é pa­ra dar pa­ra os ri­cos (por­que pa­ra os sem ter­ra e sem te­to que não é). Vai vol­tar a car­ni­fi­ci­na e os pou­cos in­dí­ge­nas que res­tam vai ser de vez var­ri­dos a ba­la. Por fa­lar em ter­ras, Bol­so­na­ro tam­bém não gos­ta dos qui­lom­bo­las, cer­ta­men­te vai que­rer to­mar as ter­ras de­les tam­bém.

O que po­de­mos es­pe­rar de um can­di­da­to a Pre­si­den­te da nos­sa Re­pú­bli­ca que é to­tal­men­te con­tra o Go­ver­no pu­nir fa­zen­dei­ro que ex­plo­ra tra­ba­lho es­cra­vo?

Tu­do do Bol­so­na­ro é pa­ra fa­vo­re­cer os ri­cos e mas­sa­crar os tra­ba­lha­do­res e mi­se­rá­veis in­jus­ti­ça­dos.

Aca­bar com a lei do de­sar­ma­men­to é ou­tra pro­pos­ta de­sas­tro­sa. Se­gun­do Bol­so­na­ro o ci­da­dão tem que es­tar ar­ma­do pa­ra ini­bir os ban­di­dos: É uma idéia es­ta­pa­fúr­dia, nes­se ca­so os ban­di­dos nem pre­ci­sa­ram de com­prar ar­mas, no as­sal­to le­va até a ar­ma da ví­ti­ma se não le­var tam­bém a sua vi­da. Des­sa ma­nei­ra o Go­ver­no jo­ga os ci­da­dã­os uns con­tra os ou­tros au­men­tan­do a cri­mi­na­li­da­de, is­so em um pa­ís com a es­tar­re­ce­do­ra es­ta­tís­ti­ca de 63 mil as­sas­si­na­tos por ano. No meu pon­to de vis­ta é de­ver do Es­ta­do de dar se­gu­ran­ça pa­ra os ci­da­dã­os, e is­so se faz com gran­de con­tin­gen­te de po­li­ci­ais nas ru­as e no com­ba­te às dro­gas. Es­se que in­fe­liz­men­te se­rá o nos­so pre­si­den­te de­cla­rou que em seu go­ver­no não acei­ta­rá ne­nhum ti­po de ati­vis­mo. Além da gran­de ten­dên­cia pa­ra a di­ta­du­ra pre­ten­de tam­bém ado­tar a es­cra­vi­dão, pois co­mo to­dos sa­bem são os ati­vis­tas que de­nun­ci­am tra­ba­lho aná­lo­go a es­cra­vi­dão: Co­mo mau re­mu­ne­ra­ção, tra­ba­lho for­ça­do e tra­ba­lho em lo­ca­is in­sa­lu­bres. São os ati­vis­tas que de­nun­ci­am maus tra­tos aos ani­mais e de­gra­da­ção ao meio am­bi­en­te.

O nos­so Al Ca­po­ne afir­mou que seus mi­nis­té­ri­os po­de ser com­pos­tos de pro­cu­ra­do­res da di­rei­ta ou da es­quer­da, não tem pro­ble­ma. Des­de que não se­jam li­ga­dos a ne­nhum ti­po de ati­vis­mo. Acon­te­ce que os pro­cu­ra­do­res tra­ba­lham com as de­nún­cias re­ce­bi­das e a gran­de mai­o­ria vem dos ati­vis­tas. É a es­tra­té­gia pa­ra dei­xar que os em­pre­sá­rios e fa­zen­dei­ros fa­çam o que bem en­ten­der com os seus em­pre­ga­dos e de­vas­ta o res­tan­te mui­to pou­co das nos­sas flo­res­tas le­van­do de em­bru­lho to­da uma bi­o­di­ver­si­da­de, nas­cen­tes e len­çóis fre­á­ti­cos sem que nin­guém os per­tur­be: Exa­ta­men­te por es­sas e ou­tras que o Al Ca­po­ne me­lho­ra­do pa­ra pi­or dis­se que o Bra­sil só vai me­lho­rar se o go­ver­no sa­ir do can­go­te dos em­pre­sá­rios. Nes­se pa­co­te de bon­da­de vai tam­bém as isen­ções de im­pos­tos e per­dão das dí­vi­das. Eu te­nho cer­te­za de que o di­ta­dor irá co­brar im­pos­tos so­men­te dos po­bres: Ló­gi­co, coi­ta­di­nho dos em­pre­sá­rios, já pro­duz tan­to pa­ra a na­ção.

O ris­co de uma di­ta­du­ra com o Bol­so­na­ro no po­der é tão gran­de que em­pre­sas do ra­mo já es­tão di­vul­gan­do pes­qui­sas de quem é con­tra ou a fa­vor. É ló­gi­co que a mai­o­ria é con­tra, mes­mo as­sim tem mui­tos idi­o­tas que são a fa­vor. é por­que es­ses bol­so­na­ris­mo nun­ca es­ti­ve­ram nas de­pen­dên­cia do DOI-Codi, não sen­tou na ca­dei­ra do dra­gão e não fo­ram pen­du­ra­dos no pau de ara­ra e são to­tal­men­te des­pro­vi­dos de in­for­ma­ções (só pa­ra lem­brar Bol­so­na­ro dis­se tam­bém que é a fa­vor da tor­tu­ra. É mais uma das su­as pro­pos­tas de go­ver­no. Nos anos som­bri­os da di­ta­du­ra  de 1964  1985 en­tre ou­tras atro­ci­da­des fo­ram mi­lhões de mor­tos e de­sa­pa­re­ci­dos, exi­la­dos e tor­tu­ra­dos. Quan­tas pes­so­as ain­da car­re­gam a dor de não te­rem en­con­tra­do os cor­pos de seus en­tes que­ri­dos. Ago­ra es­ta­mos pe­gan­do o mes­mo ca­mi­nho de vol­ta ao ma­ta­dou­ro de­vi­do a ig­no­rân­cia hu­ma­na. re­al­men­te os bra­si­lei­ros não sa­bem vo­tar, pa­ra a gran­de mai­o­ria, só o fa­to de ser da di­rei­ta ou da es­quer­da já bas­ta: A di­rei­ta re­pre­sen­ta os ri­cos e a es­quer­da re­pre­sen­ta a po­bre­za. O pro­ble­ma é que tem gen­te da clas­se mé­dia se achan­do na clas­se al­ta e tem gen­te da clas­se bai­xa bai­xís­si­ma se achan­do na clas­se mé­dia. Pa­ra au­men­tar mais o com­pli­ca­dor tem a tur­ma do vo­to útil: Ou se­ja vo­ta em quem es­tá na fren­te das pes­qui­sas. As­sim o lí­der, não im­por­ta o que ele re­pre­sen­ta es­tá igual ao ber­ran­tei­ro lá em ci­ma da ser­ra cha­man­do a boi­a­da e va­mos nós mes­mo que não que­re­mos, mas te­mos que se­guir na ba­se da fer­ro­a­da, o mes­mo ca­mi­nho com os que que­rem. Quan­do che­gar­mos no des­ti­no fi­nal se des­co­bri­mos que fo­mos to­dos en­ga­na­dos se­rá tar­de de­mais. Ain­da há tem­po.

 

(Eduar­do Gui­lher­me Bar­bo­sa, es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela