Opinião

Brasil e totalitarismo

diario da manha

A pa­la­vra das úl­ti­mas se­ma­nas foi vi­o­lên­cia. Os jor­nais es­tão no­ti­ci­an­do agres­sões por to­do o Bra­sil. Nas re­des so­ci­ais, ví­de­os es­tão sen­do di­vul­ga­dos re­gis­tran­do dis­cus­sões, bri­gas, es­pan­ca­men­tos e mor­tes. O pa­ís que sem­pre se van­glo­ri­ou de sua cor­dia­li­da­de, di­ver­si­da­de, ale­gria e amor, tor­nou-se o pa­ís do ódio e da vi­o­lên­cia.

De que la­do o ódio es­tá? Da es­quer­da ou da di­rei­ta? Ex­clu­si­va­men­te, de ne­nhum dos dois. O ódio es­tá do la­do do to­ta­li­ta­ris­mo. In­fe­liz­men­te, a mo­ti­va­ção da fa­ca­da que fez de ví­ti­ma Ja­ir Bol­so­na­ro foi a mes­ma mo­ti­va­ção que ma­tou um mes­tre de ca­po­ei­ra, em Sal­va­dor.

O ódio, nes­ses úl­ti­mos anos, tem si­do ges­ta­do na al­ma do bra­si­lei­ro, sen­do ali­men­ta­do pe­la an­gús­tia de um pa­ís cin­di­do, de di­rei­tos per­di­dos, de edu­ca­ção e sa­ú­de pre­cá­rias, de cor­rup­ção ge­ne­ra­li­za­da e de uma mí­dia que mais con­fun­de do que in­for­ma. Tu­do is­so ge­rou, sem dú­vi­das, uma cri­se plu­ral: so­ci­al, po­lí­ti­ca, men­tal, am­bien­tal, etc. Cri­se es­sa que é mui­to si­mi­lar ao pe­rí­o­do ale­mão que pre­ce­deu o Na­zis­mo. Na His­tó­ria, vi­mos que o ódio, se­ja de qual­quer po­vo, quan­do ges­ta­do, tem que es­ca­par de al­gu­ma for­ma. E, na mai­o­ria das ve­zes, os po­vos ele­gem a for­ma mais pri­mi­ti­va e som­bria pa­ra es­se es­ca­pe: a vi­o­lên­cia.

Han­nah Arendt, gran­de es­tu­di­o­sa do to­ta­li­ta­ris­mo, apon­ta que o em­bri­ão des­se mo­vi­men­to é o iso­la­men­to dos in­di­ví­duos, ou se­ja, dei­xar to­dos con­tra to­dos – de fa­to, cin­dir a po­pu­la­ção. E en­tão, fa­zer o po­vo crer em uma bi­po­la­ri­da­de do que é ver­da­dei­ro e do que é fal­so. Do que é re­al e do que é ir­re­al. De quem é o he­rói e de quem é o ini­mi­go. Es­sa di­nâ­mi­ca, mui­to re­cor­ren­te em nos­sos an­te­pas­sa­dos, não é al­go di­fí­cil de ser ade­ri­da pe­la po­pu­la­ção, pois ela é sim­ples, não é pre­ci­so pen­sar mui­to, nem es­tu­dar, nem se apro­fun­dar. É al­go da­do. E pa­re­ce ser mais atu­al do que nun­ca em nos­so pa­ís.

No Bra­sil, exis­te a di­nâ­mi­ca “pai-he­rói con­tra o mal”. So­mos um pa­ís que pos­sui a al­ma do ór­fão fe­ri­do. Não te­mos um fun­da­dor ou he­rói da na­ção na His­tó­ria, ten­ta­ram en­xer­gar o pai-he­rói em Ti­ra­den­tes, em Var­gas, nos mi­li­ta­res, em Col­lor, em Lu­la, em Mo­ro (pe­di­ram até que ele se can­di­da­tas­se) e, ago­ra, em Ja­ir Bol­so­na­ro. Cu­ri­o­sa­men­te, não é à toa o nú­me­ro de fi­lhos que não tem o no­me do pai em su­as cer­ti­dões de nas­ci­men­to.

Nes­sa po­la­ri­za­ção, con­si­de­rar um co­mo pai-he­rói é im­pu­tar no ou­tro to­do o mal exis­ten­te. Es­sa é a di­nâ­mi­ca do bo­de ex­pi­a­tó­rio, es­tu­da­da por Re­ne Gi­rard, cu­ja fi­na­li­da­de é a con­ten­ção das ten­sões so­ci­ais pe­lo der­ra­ma­men­to de san­gue, pe­la vi­o­lên­cia. Por­tan­to, é ne­ces­sá­rio pon­de­rar a exal­ta­ção de um ou ou­tro can­di­da­to, prin­ci­pal­men­te quan­do ele pro­me­te re­sol­ver os pro­ble­mas de for­ma rá­pi­da e prá­ti­ca.

Nos­sa re­cen­te pes­qui­sa so­bre con­tá­gio psí­qui­co de­mons­tra que uma par­te da co­mu­ni­ca­ção hu­ma­na não se dá so­men­te pe­la lin­gua­gem, mas tam­bém pe­las emo­ções, se­jam be­né­fi­cas ou ma­lé­fi­cas. E, as­sim co­mo a co­mu­ni­ca­ção, o con­tá­gio psí­qui­co é um dos for­ma­do­res dos pen­sa­men­tos e jul­ga­men­tos de uma so­ci­e­da­de. O ódio é uma emo­ção, por­tan­to, é con­ta­gio­so. Ele não pas­sa pe­lo cri­vo da ra­ci­o­na­li­da­de, ele es­tá aquém de­la. Ele é ir­ra­ci­o­nal e in­con­sci­en­te, e is­so dá as ba­ses pa­ra o iso­la­men­to e pa­ra a bi­po­la­ri­da­de vi­vi­dos ho­je. De cer­ta for­ma, o ódio es­tá na al­ma.

Ape­sar de ter­mos per­ce­bi­do ago­ra, é res­pon­sa­bi­li­da­de nos­sa tu­do o que es­tá sen­do ges­ta­do em nos­sas al­mas, con­sci­en­te ou in­con­sci­en­te­men­te. Res­ta-nos es­co­lher se va­mos ou não nos con­ta­gi­ar por es­sas emo­ções.

 

(Le­o­nar­do Tor­res, 28 anos, dou­to­ran­do e mes­tre em Co­mu­ni­ca­ção e Cul­tu­ra Mi­di­á­ti­ca, pa­les­tran­te e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela