Opinião

Cartas de amor que escrevi

diario da manha

Ao  po­e­ta Ur­su­li­no Le­ão (Go­i­â­nia, 1995)

Sua crô­ni­ca do dia 30 ti­nha men­sa­gem di­ri­gi­da ao seu mo­des­to ami­go.

Não sei se te­nho con­di­ções de di­ri­mir as dú­vi­das le­van­ta­das pe­lo se­nhor, prin­ci­pal­men­te quan­do a nar­ra­ti­va  en­ve­re­da pa­ra o la­do po­é­ti­co da vi­da.

Pen­so, de an­te­mão, res­pon­den­do ao seu ques­ti­o­na­men­to,  que o se­nhor te­rá, quan­do ques­ti­o­na­do,  que de­fi­nir o  “seu ca­so“  de vá­ri­as ma­nei­ras, de acor­do com o in­ter­lo­cu­tor, se­não ve­ja­mos:

– Pa­ra um mé­di­co não es­pe­cia­lis­ta em co­lo­proc­to­lo­gia, po­rém afei­to a nos­sa her­mé­ti­ca no­men­cla­tu­ra, o se­nhor di­rá  tra­tar-se de um pe­que­no po­lí­po hi­per­plá­si­co.

Es­ta res­pos­ta sa­tis­fa­rá a pos­sí­vel cu­ri­o­si­da­de do es­cu­lá­pio, pois,  pe­lo fa­to de con­si­de­rar o se­nhor, ali­ás, co­mo to­dos nós con­si­de­ra­mos, um ho­mem “le­tra­do”, ca­paz de es­miu­çar qual­quer as­sun­to, se fos­se  o ca­so,  pou­cos se aven­tu­ra­ri­am a en­trar nes­ta areia mo­ve­di­ça de pro­lon­gar a dis­cus­são.

– Pa­ra os seus  ami­gos ro­ta­ri­a­nos, co­mo di­zia meu fa­le­ci­do tio Jo­ão Sam­paio, um pes­so­al mais  “fi­lo­so­fa­do”,   o se­nhor di­ria sim­ples­men­te que foi ope­ra­do de um po­li­po in­tes­ti­nal.

Não te­nha dú­vi­da de que iri­am ao Au­ré­lio bus­car o sig­ni­fi­ca­do do  vo­cá­bu­lo e ali ma­ta­ri­am a cu­ri­o­si­da­de:

Po­li­po: ne­o­for­ma­ção pe­di­cu­la­da que sur­ge na mem­bra­na mu­co­sa. Pro­va­vel­men­te al­guns ten­ta­riam apro­fun­dar um pou­co mais na pes­qui­sa, creio que o de­sa­gua­dou­ro na­tu­ral se­ria o Dr. Abi­lio Ma­ra­nhão, tam­bém ro­ta­ri­a­no e  be­le­tris­ta da nos­sa clas­se mé­di­ca. Se o in­ter­lo­cu­tor, re­al­men­te, de­se­jas­se ir ao fun­do da ques­tão,  Dr. Abi­lio lhe in­for­ma­ria que na pá­gi­na 197 do li­vro  “Lin­gua­gem Mé­di­ca” es­cri­to pe­lo Prof. Jof­fre Mar­con­des de Re­zen­de, o as­sun­to es­ta dis­cu­ti­do com de­ta­lhes. Ali­ás, é bom que se re­al­ce, co­mo in­for­ma es­te nos­so Pro­fes­sor, não exis­te ain­da um con­sen­so de co­mo pro­nun­ci­ar a pa­la­vra po­li­po, se com acen­to no ( i )  ou  no pri­mei­ro (o).

Apos­to que não vol­ta­ri­am a fa­zer-lhe no­vas in­da­ga­ções !

– Pa­ra os seus vi­zi­nhos de fa­zen­da, acho que a ex­pres­são  “nó na tri­pa”, co­mo o se­nhor mes­mo su­ge­re,  se­ria re­al­men­te a ide­al.

Es­ta “do­en­ça” (nó nas tri­pas), há al­guns anos, era ti­da co­mo acon­te­ci­men­to mui­to gra­ve e o in­di­ví­duo que ti­ves­se es­te pro­ble­ma, te­ria mui­ta chan­ce de vi­si­tar a  “ci­da­de dos pés jun­tos”.

Co­mo o se­nhor es­tá tão bem dis­pos­to, até com al­guns qui­li­nhos a mais, vai pas­sar a fa­ma de ser in­di­ví­duo ex­tre­ma­men­te for­te e go­zan­do de gran­de pro­te­ção Di­vi­na. O se­nhor sa­be que es­ta fa­ma cor­re mun­do na bo­ca dos vi­zi­nhos …

– Pa­ra os seus pa­res da Aca­de­mia de Le­tras, eu con­cor­do, co­mo ali­ás o se­nhor su­ge­re,  que  de­vês­se­mos  en­ve­re­dar a dis­cus­são pa­ra o la­do da po­e­sia das flo­res .

Ini­ci­al­men­te, por uma ques­tão de eti­mo­lo­gia e pa­ra não pro­vo­car ci­ú­mes na na­tu­re­za,   creio que de­ve­ria ser, pe­lo me­nos  con­si­de­ra­do pa­ra dis­cus­são,  em pri­mei­ro lu­gar a sa­mam­baia, pe­la se­me­lhan­ça dos ter­mos – po­li­po e po­li­po­di­á­ce­as ( ape­li­do da­do pe­los bo­tâ­ni­cos a es­ta plan­ta tão sim­pá­ti­ca).

Co­mo exis­te cer­ca de 3.000 es­pé­ci­es de sa­mam­bai­as e co­mo acre­di­to que to­das elas  são mais ou me­nos se­me­lhan­tes, eu pre­fe­ri­ria a es­pé­cie sa­mam­baia-dou­ra­di­nha, cul­ti­vá­vel em qual­quer xa­xim, man­ten­do-se sem­pre ver­de e vi­ço­sa.

Por ou­tro la­do, o se­nhor tem ra­zão, to­das as ve­zes que co­lo­ca­mos uma flor nas nos­sas dis­cus­sões, abran­da-se qual­quer pen­sa­men­to ne­ga­ti­vis­ta.

En­tre to­das elas,  pre­fi­ro a ro­sa, por ser a mais exi­gen­te, es­co­lhen­do com cui­da­do o ter­re­no on­de po­de­rá flo­rir.

Se o seu in­tes­ti­no foi es­co­lhi­do pa­ra ser­vir de mo­ra­dia pa­ra  es­te mo­nu­men­to da na­tu­re­za é bom si­nal, pois to­da flor per­fu­ma o am­bi­en­te ao seu re­dor

Fi­nal­men­te, pa­ra os Jor­na­lis­tas, o se­nhor pre­ci­sa­ria ser um pou­co mais ex­plí­ci­to, eles ne­ces­si­tam de um pou­co de sen­sa­ci­o­na­lis­mo.

O gran­de po­e­ta Ur­su­li­no Le­ão ter si­do ope­ra­do e  con­ti­nu­ar vi­ven­do, não é no­ti­cia pa­ra  man­che­tes de jor­nais.

Se eu fos­se o se­nhor, co­lo­ca­ria um pou­co de  “sal”  nas in­for­ma­ções:

– Fui ope­ra­do de di­ver­tí­cu­lo por um ci­rur­gi­ão fa­mo­so de Go­i­ás (a ex­pres­são “fa­mo­so” o se­nhor di­rá co­mo mui­ta ên­fa­se, pa­ra acha­rem que o seu ca­so me­re­ce­ria, re­al­men­te,  uma man­che­te nos jor­nais), ao qual não te­nho au­to­ri­za­ção pa­ra de­cli­nar o no­me pois ele acha que vo­cês não lhe da­ri­am mais sos­se­go.

A ci­rur­gia foi se­me­lhan­te a do Tan­cre­do Ne­ves, foi re­ti­ra­do um pe­que­no po­li­po (tam­bém igual a do Tan­cre­do) e con­se­gui sa­ir são e sal­vo, sem a ne­ces­si­da­de de con­se­guir um por­ta voz pa­ra nar­rar mi­nha via sa­cra.

Dr. Ur­su­li­no, pos­so lhe re­ve­lar um se­gre­do?

– ” Há pes­so­as as qua­is que­ro bem, po­rém, gos­ta­ria de ter a ca­pa­ci­da­de de que­rê-las mui­to mais!   Um exem­plo? Dr. Ur­su­li­no Le­ão!

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais