Opinião

Condução administrativa do Estado não pode haver sentimentalismo político

diario da manha

A con­du­ção da ges­tão pú­bli­ca do Es­ta­do de Go­i­ás po­de avan­çar ain­da mais nos pró­xi­mos anos. É ho­ra de unir for­ças, opo­si­ção e si­tu­a­ção, em prol da con­ti­nui­da­de do de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do. O par­ti­da­ris­mo não po­de atra­pa­lhar o de­sen­vol­vi­men­to e a mo­der­ni­za­ção do nos­so es­ta­do. O in­te­res­se co­le­ti­vo não po­de ser su­bes­ti­ma­do em de­tri­men­to ao in­te­res­se de li­de­ran­ça de par­ti­dos que dis­pu­tam o po­der. Mes­mo que em la­dos di­fe­ren­tes, a opo­si­ção e si­tu­a­ção pre­ci­sam con­tri­bu­ir com a su­pe­ra­ção de de­sa­fi­os com vis­tas à con­du­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e à pres­ta­ção de ser­vi­ços in­dis­pen­sá­veis a so­ci­e­da­de.

Nos úl­ti­mos anos, Go­i­ás te­ve um sal­to de in­ves­ti­men­tos nas áre­as de in­fra­es­tru­tu­ra, sa­ú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça pú­bli­ca e ha­bi­ta­ção. E, ago­ra, pas­sa­do as elei­ções pa­ra a es­co­lha do no­vo go­ver­na­dor, de­pu­ta­dos da ba­se go­ver­nis­ta e de opo­si­ção na As­sem­bleia pre­ci­sam des­pren­der de qual­quer dis­cri­mi­na­ção, vin­gan­ça e con­tra­po­si­ção, mas tra­ba­lha­rem com vis­ta à me­lhor qua­li­da­de de vi­da dos go­i­a­nos. A uni­ão, com es­se ob­je­ti­vo, é mui­to im­por­tan­te pa­ra a con­du­ção da ges­tão pú­bli­ca e con­tri­bui­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no.

Se a dis­pu­ta en­tre as le­gen­das não di­mi­nu­ir e os con­fli­tos par­ti­dá­rios for­rem mais in­ten­sos do que os in­te­res­ses co­le­ti­vos da so­ci­e­da­de, os pro­ble­mas do Es­ta­do au­men­ta­rão e o aten­di­men­to a po­pu­la­ção em áre­as in­dis­pen­sá­veis se­rão pre­ju­di­ca­dos. Des­sa for­ma, de­fen­do a per­ma­nên­cia de um go­ver­no re­pu­bli­ca­no, tran­spa­ren­te, que tra­ba­lhe em prol dos mu­ni­cí­pios, ge­ra­ção de em­pre­go, igual­da­de en­tre pes­so­as, qua­li­da­de de vi­da pa­ra to­dos e aces­so ir­res­tri­to à sa­ú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça, sa­ne­a­men­to bá­si­co, etc. Além dis­so, de­fen­do tam­bém a con­ti­nui­da­de do que es­tá dan­do cer­to no Es­ta­do e mai­o­res in­ves­ti­men­tos pa­ra áre­as es­sen­ci­ais.

O sen­ti­men­ta­lis­mo par­ti­dá­rio atra­pa­lha a con­du­ção co­e­sa e des­bu­ro­cra­ti­za­da da ges­tão pú­bli­ca. O tra­to da coi­sa pú­bli­ca po­de ser fa­ci­li­ta­da, ga­nhan­do mai­or ce­le­ri­da­de, se não hou­ver en­tro­sa­men­to par­ti­dá­rio. Os par­ti­dos po­lí­ti­cos não po­dem fa­lar mais al­to que os in­te­res­ses do po­vo. Por is­so, pas­sa a ter uma no­va ex­pec­ta­ti­va: que o Go­i­ás se­ja con­du­zi­do com mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de e me­nos par­ti­da­ris­mo; mais com­pro­me­ti­men­to pú­bli­co e me­nos sen­ti­men­to po­lí­ti­co.

 

(Mai­o­ne Pa­dei­ro, ex-pre­si­den­te da ala jo­vem da As­so­cia­ção Co­mer­cial e In­dus­tri­al de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia (Aci­ag Jo­vem), su­plen­te ve­re­a­dor de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, ar­ti­cu­lis­ta,mem­bro do Fó­rum Jo­vem de Li­de­ran­ças Em­pre­sa­ri­ais de Go­i­ás e su­per­vi­sor na Re­gi­ão Me­tro­po­li­ta­na do Pro­gra­ma Go­i­ás na Fren­te)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais