Opinião

Demóstenes e a reestatização da Celg

diario da manha
foto:divulgação

Foi opor­tu­na a en­tre­vis­ta con­ce­di­da a es­te di­á­rio pe­lo ex-se­na­dor e ho­je can­di­da­to a de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo PTB, De­mós­te­nes Tor­res. O fo­co da ma­té­ria se cen­trou na pos­si­bi­li­da­de da Celg, ho­je Enel, vol­tar pa­ra as mãos do Es­ta­do. De an­te­mão, vou lo­go di­zen­do: é pou­co pro­vá­vel que o ex-se­na­dor ve­nha a ser bem-su­ce­di­do na sua em­prei­ta­da. As con­se­quên­cias des­sa ação vão mui­to além do ter­ri­tó­rio go­i­a­no. A an­ti­ga Celg é ho­je par­te in­te­gran­te de uma imen­sa es­tru­tu­ra glo­ba­li­za­da que se ex­pan­de pe­lo mun­do afo­ra, prin­ci­pal­men­te, nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to.

A vol­ta des­sa em­pre­sa pa­ra as mãos do Es­ta­do tra­ria enor­mes tur­bu­lên­cias no am­bi­en­te de ne­gó­ci­os do pa­ís. Ade­mais, no mun­do glo­ba­li­za­do de ho­je, a re­es­ta­ti­za­ção da em­pre­sa si­na­li­za­ria que­bra das re­gras pre­es­ta­be­le­ci­das, e is­so afu­gen­ta in­ves­ti­do­res in­ter­na­cio­nais.

Ve­ja-se o exem­plo da Com­pa­nhia Ener­gé­ti­ca de Mi­nas Ge­ra­is (Cemig) na épo­ca do en­tão go­ver­na­dor Ita­mar Fran­co. Ita­mar re­sis­tiu à on­da pri­va­ti­zan­te do go­ver­no Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e es­sa re­sis­tên­cia tu­mul­tuou o am­bi­en­te ins­ti­tu­ci­o­nal an­te a emi­nen­te fu­ga de ca­pi­tais in­ter­na­cio­nais. Re­sul­ta­do: em­bo­ra a em­pre­sa te­nha con­se­gui­do se man­ter no con­tro­le acio­ná­rio, o go­ver­no de Mi­nas Ge­ra­is viu-se obri­ga­do, pe­las cir­cun­stân­cias, a au­men­tar a par­ti­ci­pa­ção de no­vos só­ci­os pri­va­dos.

Fei­tas es­sas con­si­de­ra­ções, ve­jo co­e­rên­cia na de­fe­sa da cau­sa de De­mós­te­nes, prin­ci­pal­men­te quan­do ele apon­ta pa­ra a qua­li­da­de da ener­gia for­ne­ci­da pe­la Enel. Nes­se sen­ti­do, os in­di­ca­do­res que men­su­ram a fre­quên­cia (FEC) e a du­ra­ção do des­li­ga­men­to (FEC) com­pro­vam a ve­ra­ci­da­de de que nos fa­la De­mós­te­nes Tor­res.

Ca­be aqui um pou­co de his­tó­ria. O in­ten­so uso po­lí­ti­co da Celg de 1980 a 2016 in­flu­en­ciou di­re­ta­men­te pa­ra que a en­tão mai­or es­ta­tal go­i­a­na per­des­se, ao lon­go do tem­po, a ca­pa­ci­da­de de ge­rar re­cur­sos pa­ra sua ex­pan­são. Es­te fa­to é a cau­sa; a per­da da qua­li­da­de de ener­gia, a con­se­quên­cia.

Re­si­de aí a cul­pa dos go­ver­nos de 1980 a 2016. O fa­to é que a mai­o­ria de­les fez  da em­pre­sa uma es­pé­cie de ca­sa da mãe Jo­a­na on­de tu­do era per­mi­ti­do, in­clu­si­ve, des­res­pei­tar os acio­nis­tas em prol de pri­vi­le­gi­ar a prin­ci­pal fon­te de fi­nan­cia­men­to do cai­xa dois das cam­pa­nhas po­lí­ti­cas: os em­prei­tei­ros.

Sem con­di­ções de man­ter a em­pre­sa es­ta­tal, o atu­al go­ver­no, en­fim, jo­gou a to­a­lha e pri­va­ti­zou sua ga­li­nha de ovos de ou­ro. A glo­ba­li­za­ção pu­ne a in­com­pe­tên­cia. Aos com­pra­do­res en­tre­ga-se a par­te sa­dia da em­pre­sa; aos ven­de­do­res, os es­que­le­tos das dí­vi­das. Coi­sa tí­pi­ca do ca­pi­ta­lis­mo sem ris­co.

Pos­to is­so, vol­to ago­ra à en­tre­vis­ta do can­di­da­to a de­pu­ta­do fe­de­ral, De­mós­te­nes Tor­res. Es­pe­ci­fi­ca­men­te ao pon­to em que ele cri­ti­ca a fal­ta de in­ves­ti­men­tos da Enel o sis­te­ma elé­tri­co. A rá­pi­da mu­dan­ça de cul­tu­ra im­plan­ta­da pe­la em­pre­sa ele­va­rá os ga­nhos de ges­tão da em­pre­sa.

De­mós­te­nes Tor­res acer­ta ao co­lo­car o de­do na fe­ri­da da fal­ta de in­ves­ti­men­tos que se tor­na vi­sí­vel an­te a dis­cu­tí­vel qua­li­da­de de ener­gia da Enel. A pas­sos ace­le­ra­dos, a no­va do­na da an­ti­ga Celg mu­dou acer­ta­da­men­te sua es­tru­tu­ra tão ne­ces­sá­ria pa­ra o avan­ço tec­no­ló­gi­co que se ma­te­ri­a­li­za em lu­cros.

A meu ju­í­zo, pen­so que pro­ce­da o dis­cur­so de ex-se­na­dor no mo­men­to em que ele co­bra o que foi pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­do no con­tra­to: que a Enel in­vis­ta os três bi­lhões de re­ais na me­lho­ra do sis­te­ma. Só as­sim me­lho­rar-se-á a qua­li­da­de da ener­gia for­ne­ci­da pe­la em­pre­sa. O des­com­pas­so en­tre o au­men­to da lu­cra­ti­vi­da­de e o que efe­ti­va­men­te se in­ves­te no sis­te­ma elé­tri­co tem de ser ate­nu­a­do.

 

(Sa­la­ti­el So­a­res Cor­reia, en­ge­nhei­ro, ba­cha­rel em Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas, mes­tre em Pla­ne­ja­men­to Ener­gé­ti­co pe­la Uni­camp. É au­tor, en­tre ou­tras obras, de A Ener­gia na Re­gi­ão do Agro­ne­gó­cio. E-mail: sa­la­ti­el­cor­[email protected]­mail.com)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais