Opinião

E agora, imprensa?

diario da manha
Ao declararmos a nossa independência em relação à imprensa tradicional, abriu-se uma caixa de Pandora(Créditos: Wikimedia Commons)

Não é ne­nhu­ma no­vi­da­de pa­ra os aten­tos de men­te e es­pí­ri­to que as ins­tân­cias de in­ter­me­di­a­ção vêm pas­san­do por um pro­fun­do pro­ces­so de re­con­fi­gu­ra­ção, com su­as pri­mei­ras bo­las de ne­ve nos fa­zen­do re­vi­si­tar o ano de 2013, quan­do uma ava­lan­che pe­gou de so­la os par­ti­dos po­lí­ti­cos, que pre­ci­sa­ram (e ain­da pre­ci­sam) de bons so­la­van­cos pa­ra fa­zer a fi­cha ca­ir. O mes­mo po­de ser di­to so­bre os sin­di­ca­tos, es­co­las, igre­jas, fun­da­ções e ou­tras or­ga­ni­za­ções.

Se to­mar­mos os par­ti­dos co­mo um ca­so ilus­tra­ti­vo, po­de­rí­a­mos elen­car al­gu­mas hi­pó­tes­es pa­ra nos aju­dar a en­ten­der es­ses pro­ces­sos de mu­dan­ças, en­tre as qua­is, es­co­lho du­as.

A pri­mei­ra de­las é a per­da da ca­pa­ci­da­de de fa­zer a ar­ti­cu­la­ção en­tre o po­der po­lí­ti­co – em sua ló­gi­ca de ma­nu­ten­ção e re­pro­du­ção do po­der – e os in­te­res­ses e ne­ces­si­da­des dos in­di­ví­duos.

A ou­tra é o es­pe­tá­cu­lo co­mo téc­ni­ca po­lí­ti­ca. Quan­do as ima­gens ad­qui­rem um sig­ni­fi­ca­do pro­fun­do em nos­sas vi­das e, an­co­ra­das na dra­ma­ti­za­ção e no sen­sa­ci­o­na­lis­mo, co­lo­cam a po­lí­ti­ca em uma pers­pec­ti­va de­ma­si­a­do per­so­na­lis­ta e su­per­fi­ci­al, co­mo uma cru­za­da en­tre bem e mal, em uma ca­ça­da aos cul­pa­dos, pa­ra re­go­zi­jo dos sal­va­do­res.

Mas, se até en­tão o ques­ti­o­na­men­to quan­to à le­gi­ti­mi­da­de da im­pren­sa es­ta­va res­tri­to a al­guns cír­cu­los aca­dê­mi­cos e gru­pos ati­vis­tas, ago­ra ele se es­praia pa­ra além do ra­zo­á­vel, já que não es­tá fun­da­men­ta­do em uma sis­te­ma­ti­za­ção dos seus con­te­ú­dos, em uma ve­ri­fi­ca­ção fac­tu­al ou em uma con­fron­ta­ção de pers­pec­ti­vas de aná­li­se do mun­do, mas tão so­men­te na ex­pres­são do mo­men­to: fake news!

No mí­ni­mo des­de a tran­si­ção da di­ta­du­ra ci­vil-mi­li­tar pa­ra a de­mo­cra­cia, con­se­gui­mos de­mons­trar que a im­pren­sa se­le­ci­o­na te­mas ou tor­na no­ti­ci­á­veis de­ter­mi­na­dos fa­tos e ato­res em de­tri­men­to de ou­tros, além de ope­rar al­guns en­qua­dra­men­tos ou in­ter­pre­ta­ções das no­tí­cias.

Es­sa é uma pe­le­ja im­por­tan­te pa­ra que pos­sa­mos fun­da­men­tar nos­sas es­co­lhas a par­tir de in­for­ma­ções pú­bli­cas di­ver­si­fi­ca­das e qua­li­fi­ca­das, to­man­do co­mo pres­su­pos­to que a po­lí­ti­ca es­tá ba­se­a­da em pro­ces­sos de co­mu­ni­ca­ção.

Tá aí o X da ques­tão! Aque­le ve­lho pa­ra­dig­ma, on­de pou­cos pro­du­to­res de in­for­ma­ção re­ce­bi­am a aten­ção de mui­tos con­su­mi­do­res, ru­iu com a che­ga­da da in­ter­net, que per­mi­te, po­ten­ci­al­men­te, que to­dos pos­sam ser, ao mes­mo tem­po, pro­du­to­res e con­su­mi­do­res de con­te­ú­do, em um mo­de­lo de co­mu­ni­ca­ção hí­bri­do.

Is­so não quer di­zer que a TV ou o rá­dio es­tão com os di­as con­ta­dos, mas que não são mais os úni­cos ca­nais de di­fu­são de in­for­ma­ções so­ci­al­men­te re­le­van­tes.

O pa­ra­dig­ma que se inau­gu­ra não tem mais aque­le in­di­ví­duo que po­de até ou­vir um pou­co de rá­dio du­ran­te o dia, em seus des­lo­ca­men­tos e no in­ter­va­lo pa­ra o al­mo­ço, mas que não dis­pen­sa o te­le­jor­nal no­tur­no co­mo o prin­ci­pal mo­men­to pa­ra se in­for­mar. Ago­ra é a ho­ra do in­di­ví­duo co­nec­ta­do.

Es­se in­di­ví­duo po­de con­su­mir in­for­ma­ções na im­pren­sa tra­di­cio­nal, mas tam­bém nas re­des so­ci­ais di­gi­tais, e ain­da, po­de pe­gar tu­do ou par­te da­qui­lo, trans­for­mar em al­go no­vo e com­par­ti­lhar, ge­ran­do um ecos­sis­te­ma in­for­ma­ti­vo que se re­tro­a­li­men­ta de for­ma ex­po­nen­cial, ca­rac­te­ri­zan­do-se por ser dis­tri­bu­í­do e não cen­tra­li­za­do.

Mas não é só de ino­va­ção e de plu­ra­li­da­de que vi­ve­mos. Ao de­cla­rar­mos a nos­sa in­de­pen­dên­cia em re­la­ção à im­pren­sa tra­di­cio­nal, não sen­do mais ela a úni­ca au­to­ri­da­de fis­ca­li­za­tó­ria dos agen­tes pú­bli­cos aos olhos dos ci­da­dã­os e ci­da­dãs co­muns, e per­den­do a ex­clu­si­vi­da­de da pro­du­ção no­ti­ci­o­sa, abriu-se uma cai­xa de Pan­do­ra. É o que ve­mos na dis­pu­ta elei­to­ral des­te ano, quan­do uma no­va gra­má­ti­ca co­mu­ni­ca­ti­va se im­põe, ao com­bi­nar uma mi­li­tân­cia or­gâ­ni­ca com uma ar­ro­ja­da (nem por is­so, le­gí­ti­ma) tá­ti­ca de marke­ting po­lí­ti­co.

A elei­ção de Trump e o ple­bis­ci­to do Bre­xit nos for­ne­ce­ram a ex­pe­ri­ên­cia de que é pos­sí­vel usar ves­tí­gios di­gi­tais (ou se­ja, as pá­gi­nas e pos­ta­gens que eu leio, com­par­ti­lho e co­men­to nas re­des) pa­ra cri­ar con­te­ú­dos es­pe­cí­fi­cos pa­ra o meu pró­prio con­su­mo.

Es­sa mi­cro seg­men­ta­ção da pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca é al­ta­men­te efi­caz, pois acio­na o que os com­por­ta­men­ta­lis­tas vêm cha­man­do de vi­és de con­fir­ma­ção, um ata­lho cog­ni­ti­vo que faz com que as pes­so­as se en­ga­jem so­bre­ma­nei­ra em si­tu­a­ções e con­cep­ções que são mais con­di­zen­tes com que já pen­sam, gos­tam e sen­tem. Is­so, in­de­pen­den­te de ter ou não uma ba­se fac­tu­al, ou de es­tar ou não per­du­ran­do es­te­re­ó­ti­pos, pre­con­cei­tos ou sec­ta­ris­mos.

A tá­ti­ca se com­ple­ta com a mo­de­la­gem psi­co­ló­gi­ca cri­a­da a par­tir da fal­sa per­cep­ção de que na in­for­mal es­fe­ra pú­bli­ca em que es­tou in­se­ri­do “to­dos” fa­lam e pen­sam co­mo eu, o que ge­ra um ci­clo de fe­ed­back po­si­ti­vo: quan­to mais eu in­te­ra­jo, mais me en­ga­jo e mais me sin­to per­ten­cen­te a es­sa co­mu­ni­da­de. E a im­pren­sa que não ve­nha di­zer que es­tou com­par­ti­lhan­do fake news, sen­do ela a pró­pria en­car­na­ção da de­sin­for­ma­ção, se­gun­do es­ses – pa­ra di­zer o mí­ni­mo – en­tu­si­as­tas.

A per­da de le­gi­ti­mi­da­de da im­pren­sa tra­di­cio­nal nos le­va a um di­ag­nós­ti­co de ter­ra ar­ra­sa­da, pois pre­nun­ci­a­mos a des­tru­i­ção de um es­pa­ço de me­di­a­ção que ide­al­men­te de­ve­ria per­mi­tir que fa­tos, von­ta­des e pre­fe­rên­cias fos­sem apre­sen­ta­dos, dis­cu­ti­dos e ra­ci­o­na­li­za­dos.

O es­pe­tá­cu­lo co­mo téc­ni­ca po­lí­ti­ca es­tá ga­nhan­do, es­pe­ci­al­men­te por­que o or­de­na­men­to sim­bó­li­co da dis­pu­ta tem co­mo ali­cer­ce a eli­mi­na­ção de “ini­mi­gos” co­mo so­lu­ção pa­ra pro­ble­mas com­ple­xos.

E ago­ra, im­pren­sa? A fes­ta não aca­bou, a luz não apa­gou e o po­vo não su­miu…mas o que fa­zer di­an­te des­se ce­ná­rio de­sa­fi­a­dor?

É pre­ci­so es­ta­be­le­cer um de­ba­te ago­nís­ti­co com­ple­xo, on­de a di­ver­gên­cia se­ja en­ca­ra­da a par­tir de ba­ses de­mo­crá­ti­cas.

Por­tan­to, que a im­pres­sa re­to­me seu lu­gar, de pro­pi­ci­ar dis­cus­sões re­pu­bli­ca­nas, de pos­si­bi­li­tar a mo­di­fi­ca­ção de con­sen­sos ori­en­ta­dos pe­lo par igual­da­de e li­ber­da­de, de ser plu­ral e di­ver­sa. Que dei­xe pra trás a li­nha edi­to­ri­al par­ti­da­ri­za­da que lhe foi ca­rac­te­rís­ti­ca por to­dos es­ses anos. Não ape­nas pe­la ges­tão da mar­ca, mas pe­lo pa­pel que tem co­mo ins­ti­tu­i­ção.

 

(Ta­thi­a­na Chi­ca­ri­no, dou­to­ran­da em Ci­ên­cias So­ci­ais pe­la PUC-SP; pro­fes­so­ra da Fesp-SP; pes­qui­sa­do­ra do Nú­cleo de Es­tu­do em Ar­te, Mí­dia e Po­lí­ti­ca da PUC-SP e do Gru­po de Pes­qui­sa “Co­mu­ni­ca­ção e So­ci­e­da­de do Es­pe­tá­cu­lo” da Cás­per Lí­be­ro; e edi­to­ra da Re­vis­ta Au­ro­ra)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais