Opinião

Esses corregedores do CNJ são uma piada

diario da manha

O Cor­re­ge­dor Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, mi­nis­tro Hum­ber­to Mar­tins, já en­trou que­ren­do apa­re­cer, co­mo em re­gra fo­ram os úl­ti­mos que o an­te­ce­de­ram. Va­mos fa­lar ape­nas nos úl­ti­mos três, in­clu­in­do o atu­al, mi­nis­tro Hum­ber­to Mar­tins.

Fran­cis­co Fal­cão, um no­tó­rio ob­scu­ro ad­vo­ga­do per­nam­bu­ca­no (se é que exis­te no­to­ri­e­da­de nis­so), nun­ca de­fen­deu nin­guém nem mes­mo qual­quer cau­sa que lhe con­fe­ris­se o mí­ni­mo es­pa­ço na ad­vo­ca­cia, e a úni­ca fun­ção foi ser as­po­ne de um ex-go­ver­na­dor per­nam­bu­ca­no! O mi­nis­tro Fal­cão, tan­to quan­to Jo­ão Otá­vio de No­ro­nha, en­trou “pe­la ja­ne­la” no Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral do Re­ci­fe, ala­van­ca­do pe­lo pa­ren­tes­co (fi­lho do ex-mi­nis­tro do STF Dja­ci Fal­cão e pri­mo do en­tão Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Mar­co Ma­ci­el e do Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca Ge­ral­do Brin­dei­ro).

Abrin­do um pa­rên­te­se: “en­trar pe­la ja­ne­la” sig­ni­fi­ca que se che­ga a uma po­si­ção sem mé­ri­to: sa­be-se que a ja­ne­la só se abre por den­tro e tem fer­ro­lho, e não tem cha­ve, e quem não tem a cha­ve do mé­ri­to pa­ra abrir a por­ta, en­tra pe­la ja­ne­la por­que al­guém abre.

Se o lei­tor qui­ser sa­ber a fi­cha do su­ces­sor de Eli­a­na Cal­mon, bas­ta ver as edi­ções da re­vis­ta “Ve­ja” de 9 e de 16 de ju­nho de 1999, épo­ca de sua es­co­lha e no­me­a­ção pa­ra o STJ. O que es­tá es­cri­to lá é de ar­re­pi­ar: co­mo ad­vo­ga­do nun­ca te­ve uma ação re­le­van­te, a “Ve­ja” cha­ma-o de “ad­vo­ga­do ob­scu­ro”, nun­ca pu­bli­cou se­quer um ar­ti­go, e pa­ra com­ple­tar, bas­ta di­zer que na Co­mis­são de Cons­ti­tu­i­ção e Jus­ti­ça do Se­na­do ele te­ve 16 (de­zes­seis) vo­tos con­trá­rios a sua no­me­a­ção. E já es­ta­va vin­do do TRF-5, do qual fo­ra até pre­si­den­te, co­ma ges­tão mal ex­pli­ca­da, com car­ros im­por­ta­dos na ga­ra­gem, apar­ta­men­to de lu­xo à bei­ra-mar no Re­ci­fe, li­ci­ta­ções di­ri­gi­das etc. E com es­se his­tó­ri­co foi es­co­lhi­do pa­ra apu­rar cor­rup­ção e des­vi­os de con­du­ta de ma­gis­tra­dos no CNJ. Afas­tou quem quis aten­den­do a im­po­si­ções de po­lí­ti­cos, e to­dos sa­bem que seu fi­lho, o ad­vo­ga­do “Di­di Fal­cão”, ou “Fal­cã­o­zi­nho”, acha­ca­va ju­í­zes e “pin­ta­va e bor­da­va” sob a pro­te­ção do pai, que4 foi im­pla­cá­vel per­se­gui­dor de ju­í­zes e de­sem­bar­ga­do­res.

De­pois, veio o no­tó­rio des­cur­ri­cu­la­do Jo­ão Otá­vio de No­ro­nha, ho­je pre­si­den­te do “Tri­bu­nal da Ci­da­da­nia”, que se imis­cu­iu na po­lí­ti­ca, a pon­to de, co­mo Cor­re­ge­dor Ge­ral Elei­to­ral, ter ten­ta­do de to­das as for­mas fa­ci­li­tar as coi­sas pa­ra Aé­cio Ne­ves ga­nhar de Dil­ma, na es­pe­ran­ça de uma va­ga no Su­pre­mo, pe­la ca­ne­ta de Aé­cio, se a pre­si­den­te che­gas­se.

Sua veia po­lí­ti­ca es­can­ca­rou-se, quan­do es­te­ve vá­ri­as ve­zes no Pa­lá­cio Ja­bu­ru com Te­mer “fo­ra de agen­da”, man­ti­nha es­trei­tas li­ga­ções com o eter­no lí­der do Go­ver­no Ro­me­ro Ju­cá, e co­mo pre­si­den­te do STJ, no­me­ou re­cen­te­men­te Hel­ga Fer­raz Ju­cá, ir­mã de seu ami­go, co­mo che­fe da As­ses­so­ria de As­sun­tos Par­la­men­ta­res do STJ.

Quem qui­ser ve­ri­fi­car, é só ver a Por­ta­ria nº 316 do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, pu­bli­ca­da no Di­á­rio Ofi­ci­al da Uni­ão do úl­ti­mo dia 17 de ou­tu­bro

A ir­mã do lí­der dos go­ver­nos de FHC, Dil­ma, Lu­la e Te­mer es­ta­va sem em­pre­go des­de que pre­ci­sou en­tre­gar o car­go que ti­nha no Pla­nal­to. Em abril des­te ano, por in­flu­ên­cia de Ju­cá, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha, no­me­ou-a as­ses­so­ra es­pe­ci­al da Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­cas pa­ra Mu­lhe­res. Mas quan­do, a dois mes­es das elei­ções, sen­tin­do o des­gas­te do epi­só­dio dos fu­gi­ti­vos ve­ne­zu­e­la­nos pa­ra Ro­rai­ma, o se­na­dor abriu mão da li­de­ran­ça do go­ver­no de Mi­chel Te­mer, sua ir­mã aca­bou ten­do de ser exo­ne­ra­da.

O de­sem­pre­go, po­rém, com a no­me­a­ção con­fir­ma­da ho­je pe­lo STJ, du­rou me­nos de 20 di­as, pois não é de ho­je que Hel­ga pu­la de car­go em car­go co­mis­sio­na­do em Bra­sí­lia. Ain­da em 2011, lo­ta­da na Agên­cia Na­ci­o­nal de Tran­spor­tes Ter­res­tres (ANTT), ela aju­da­va a As­so­cia­ção dos Ma­gis­tra­dos do Bra­sil (AMB) a se apro­xi­mar de se­na­do­res. Na oca­si­ão, se apre­sen­ta­va nos cor­re­do­res do Con­gres­so co­mo “con­sul­to­ra par­la­men­tar”.

Ago­ra me vem o atu­al Cor­re­ge­dor Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, mi­nis­tro Hum­ber­to Mar­tins, es­te ala­go­a­no, ex-ad­vo­ga­do de no­me até en­tão des­co­nhe­ci­do e ori­gem in­cer­ta, guin­da­do à ma­gis­tra­tu­ra pe­las mãos de po­lí­ti­cos que se­gu­ra­men­te te­ve que ba­ju­lar, cri­ti­car ma­gis­tra­dos, ao ar­gu­men­to de que es­ta­ri­am ma­ni­fes­tan­do-se po­li­ti­ca­men­te. Na ver­da­de, os úl­ti­mos Cor­re­ge­do­res do CNJ fi­ca­ram fa­mo­sos mais pe­lo inu­si­ta­do de seu com­por­ta­men­to do que pe­la ló­gi­ca.

Na ân­sia de apa­re­cer, vem ago­ra mais es­se ad­vo­ga­do fan­ta­si­a­do nu­ma to­ga di­zer que ma­gis­tra­dos te­rão de se ex­pli­car ao CNJ por ma­ni­fes­ta­ções pú­bli­cas pro­i­bi­das nas elei­ções, e deu o pra­zo de 15 di­as pa­ra que dois de­sem­bar­ga­do­res e três ju­í­zes pres­tem es­cla­re­ci­men­tos acer­ca de ma­ni­fes­ta­ções pú­bli­cas pro­fe­ri­das du­ran­te as elei­ções.

Os ma­gis­tra­dos que te­rão de pres­tar es­cla­re­ci­men­tos são: o de­sem­bar­ga­dor Ivan Sar­to­ri, ex-pre­si­den­te do TJ/SP, a de­sem­bar­ga­do­ra Ân­ge­la Ma­ri Ca­tão Al­ves, do TRF da 1ª re­gi­ão, e os ju­í­zes Mar­ce­lo da Cos­ta Bre­tas, da 7ª va­ra Fe­de­ral Cri­mi­nal do RJ; Már­cia Si­mões Cos­ta, da Va­ra do Jú­ri de Fei­ra de San­ta­na/BA; e Isa­be­le Pa­pa­fa­nu­rakis Fer­rei­ra No­ro­nha, sub­sti­tu­ta da 6ª Va­ra Cri­mi­nal de Lon­dri­na/PR.

Al­guns dos “cri­mes”: re­cen­te­men­te, Bre­tas pa­ra­be­ni­zou Flá­vio Bol­so­na­ro, fi­lho do pre­si­den­ci­á­vel Ja­ir Bol­so­na­ro, pe­la elei­ção ao Se­na­do. Já o de­sem­bar­ga­dor Ivan Sar­to­ri tem em sua fo­to do Fa­ce­bo­ok o slo­gan “Bra­sil aci­ma de tu­do, Deus aci­ma de to­dos”, tam­bém do pre­si­den­ci­á­vel Bol­so­na­ro. Már­cia Si­mões da Cos­ta, ou­tra ma­gis­tra­da no­ti­fi­ca­da, tem fo­to cir­cu­lan­do na in­ter­net com ca­mi­se­ta em apoio a Bol­so­na­ro.  E ago­ra ins­tau­rou, de ofí­cio, mais um pe­di­do de pro­vi­dên­cias re­fe­ren­te a ma­ni­fes­ta­ção po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria do de­sem­bar­ga­dor Lu­iz Al­ber­to de Var­gas, do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho da 4ª Re­gi­ão, que te­ria pos­ta­do men­sa­gens em fa­vor de um can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e cri­ti­ca­do seu ad­ver­sá­rio.

A con­du­ta, se­gun­do o Cor­re­ge­dor, con­fi­gu­ra vi­o­la­ção aos de­ve­res pro­fis­si­o­nais dos ma­gis­tra­dos, con­for­me dis­pos­to no ar­ti­go 95, pa­rá­gra­fo úni­co, in­ci­so III, da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral; no ar­ti­go 36, III, da LO­MAN, no Pro­vi­men­to 71/2018 da Cor­re­ge­do­ria Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça e na no­ta de re­co­men­da­ção ex­pe­di­da em 5 de ou­tu­bro pe­lo Cor­re­ge­dor Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça.

Nem tan­to ao mar nem tan­to à ter­ra: o Cor­re­ge­dor quer ser mais re­a­lis­ta que o rei, pois a Lei Or­gâ­ni­ca da Ma­gis­tra­tu­ra Na­ci­o­nal (LO­MAN) é si­len­te no que ele con­de­na, e a úni­ca ve­da­ção ma­ni­fes­ta aos ma­gis­tra­dos nes­se par­ti­cu­lar es­tá no ar­ti­go 26, in­ci­so II, alí­nea “c” (exer­cí­cio de ati­vi­da­de po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria). Ves­tir uma ca­mi­se­ta nun­ca foi exer­cer ati­vi­da­de po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria.

Por que o Cor­re­ge­dor não in­vo­ca o ar­ti­go 36 da mes­ma LO­MAN, que pro­í­be, no seu in­ci­so I, exer­cer o co­mér­cio ou par­ti­ci­par de so­ci­e­da­de co­mer­cial, in­clu­si­ve de eco­no­mia mis­ta, ex­ce­to co­mo acio­nis­ta ou quo­tis­ta, e no in­ci­so II, exer­cer car­go de di­re­ção ou téc­ni­co de so­ci­e­da­de ci­vil, as­so­cia­ção ou fun­da­ção, de qual­quer na­tu­re­za ou fi­na­li­da­de, sal­vo de as­so­cia­ção de clas­se, e sem re­mu­ne­ra­ção.

O que ele faz que não pe­ga Gil­mar Men­des sa­bi­da­men­te do­no do Ins­ti­tu­to Bra­si­li­en­se de Di­rei­to Pú­bli­co?  E, no au­ge da La­va Ja­to, ob­te­ve mi­li­o­ná­rios pa­tro­cí­nios da JBS. E, pi­or do que is­to, o bo­quir­ro­to mi­nis­tro, ape­li­da­do de Gil­mar “Bo­ca Mo­le”” Men­des, fre­quen­te­men­te dá de­cla­ra­ções po­lí­ti­cas, quan­do não faz o mes­mo com su­as de­ci­sões. E o ira­cun­do Cor­re­ge­dor tem lá pei­to de pas­sar pi­to ne­le? É co­mo diz o ser­ta­ne­jo: ele não fa­la nem “ar­roz”.

Es­ses úl­ti­mos Cor­re­ge­do­res, to­dos, sem ex­ce­ção, por te­rem en­tra­do no Ju­di­ci­á­rio “pe­la ja­ne­la“, ja­mais pro­fe­ri­ram uma sen­ten­ça, e de re­pen­te apa­re­cem co­mo do­nos da ver­da­de.

Por que, em vez de an­da­rem pro­cu­ran­do pe­lo em ovo, de­ve­ri­am in­ves­ti­gar o que lhes com­pe­te fa­zer: o es­can­da­lo­so trá­fi­co de in­flu­ên­cia exer­ci­do pe­los fi­lhos dos três úl­ti­mos Cor­re­ge­do­res: Fran­cis­co Fal­cão, com seu fi­lho “Di­di Fal­cão”, acha­ca­dor de ju­í­zes (Ari Quei­roz que o di­ga); Jo­ão Otá­vio, com seus mi­li­o­ná­rios fi­lhos Otá­vio Hen­ri­que e An­na Ca­ro­li­na (a Nin­na) e Hum­ber­to Mar­tins, cu­jo fi­lho, Eduar­do Fi­li­pe Al­ves Mar­tins, de 31 anos, é um jo­vem ad­vo­ga­do de car­rei­ra prós­pe­ra em Bra­sí­lia, já po­de se con­si­de­rar um mi­li­o­ná­rio na ad­vo­ca­cia. A re­vis­ta Épo­ca ob­te­ve do­cu­men­tos que mos­tram pa­ga­men­tos de R$ 10 mi­lhões por dois pro­ces­sos no STJ. A fa­tu­ra foi pa­ga com di­nhei­ro da Fe­co­mér­cio do Rio de Ja­nei­ro. Ape­sar dos al­tos pa­ga­men­tos, Eduar­do Mar­tins não cons­ta nos pro­ces­sos que ele mes­mo re­gis­trou nas no­tas fis­cais emi­ti­das. Não tem se­quer pro­cu­ra­ção, en­quan­to as ou­tras ban­cas de ad­vo­ca­cia con­tra­ta­das pe­la Fe­co­mér­cio-Rio atu­a­ram nes­sas mes­mas ações com pro­cu­ra­ção e fi­ze­ram pe­ti­ções.

Em vez de fi­car bis­bi­lho­tan­do a vi­da de ju­í­zes e de­sem­bar­ga­do­res, es­se Cor­re­ge­dor Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça de­ve­ria cum­prir sua mis­são: bar­rar a cor­rup­ção e o trá­fi­co de in­flu­ên­cia que im­pe­ra den­tro de sua pró­pria ca­sa.

Mi­nis­tros Fran­cis­co Fal­cão, Jo­ão Otá­vio e Hum­ber­to Mar­tins, vão lam­ber sa­bão, que é mui­to me­lhor!

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do – li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela